Agorafobia sintomas e tratamentos

Agorafobia: conheça o transtorno associado a ataques de pânico

Agorafobia: conheça o transtorno associado a ataques de pânico
8 avaliações

  |  Tempo de leitura: 11 minutos

Agorafobia é um dos transtornos de ansiedade mais comuns. Muitas vezes se desenvolve após a ocorrência de alguns episódios de ataques de pânico. De acordo com o Hospital Israelita Albert Einstein, a agorafobia atinge anualmente mais de 150 mil brasileiros. Trata-se de uma doença crônica que pode durar anos ou a vida inteira.

Entre as evidências e sintomas mais comuns estão o medo e a reclusão, evitando determinados lugares ou situações que possam desencadear um novo episódio de ataque de pânico ou sensação de aprisionamento e até constrangimento.

Trata-se de um transtorno onde o indivíduo sente medo e evita lugares ou situações que possam causar pânico. Uma pessoa agorafóbica também pode evitar situações onde se sinta preso, desamparado ou envergonhado. Uma pessoa com agorafobia teme uma situação real ou antecipada, como usar o transporte público, estar em espaços abertos ou fechados,enfrentar uma fila ou estar no meio de uma multidão.

Agorafobia e Ansiedade

A ansiedade é causada pelo medo de não conseguir escapar ou obter ajuda caso a fobia e angústia fiquem mais intensas. Em geral, a maioria das pessoas diagnosticadas com agorafobia desenvolveram o quadro depois de ter um ou mais ataques de pânico. A lembrança dos ataques fazem com que uma pessoa com agorafobia se preocupe com um novo ataque e evite os lugares onde possa acontecer de novo.

Um sujeito com agorafobia muitas vezes tem dificuldade em sentir-se seguro em qualquer lugar público, especialmente onde há aglomeração de pessoas e muito movimento. É comum que a pessoa sinta precisa de um companheiro, como um parente ou amigo, para ir a lugares públicos. O medo pode ser tão esmagador, que imobiliza. O medo excessivo faz com que a pessoa perceba-se incapaz de sair de sua casa.

O tratamento de agorafobia pode ser um desafio porque geralmente significa confrontar os medos. Mas com psicoterapia e medicamentos, é possível escapar da armadilha da agorafobia e viver uma vida mais agradável.

teste-ansiedade

 

Sintomas da agorafobia

Os sintomas típicos da agorafobia incluem medo de:

  • Ficar sozinho em casa;
  • Estar no meio de uma multidão ou esperar em uma fila;
  • Frequentar espaços fechados, como cinemas, elevadores ou pequenas lojas;
  • Estar em espaços abertos, como parques, estacionamentos, pontes ou shoppings;
  • Usar o transporte público, como um ônibus, avião ou trem;
Agorafobia sintomas e tratamentos

Pessoas com agorafobia possuem grande medo de sair de casa e enfrentar novos ataques de pânico.

Normalmente essas situações geram um aumento considerável da ansiedade. Uma pessoa com agorafobia possui um medo excessivo de não ser capaz de escapar ou encontrar ajuda em caso de um novo ataque de pânico. Elas também receiam passar novamente por situações embaraçosas ou mesmo incapacitantes.

Além disso:

  • O medo ou a ansiedade quase sempre resultam da exposição à situação;
  • O medo ou ansiedade está fora de proporção com o perigo real da situação;
  • O sujeito evita a situação, precisa de um companheiro acompanhá-lo ou aguenta a situação, mas fica extremamente angustiado;
  • A pessoa também sente problemas ou dificuldades significativas com situações sociais, trabalho ou outras áreas em sua vida por causa do medo e ansiedade
  • A fobia e o afastamento das situações de pânico geralmente duram seis meses ou mais.

Transtorno do pânico e agorafobia

Algumas pessoas podem sofrer com Transtorno ou Síndrome de Pânico além da agorafobia. O transtorno de pânico é um tipo de transtorno de ansiedade em que o indivíduo experimenta ataques repentinos de medo extremo que atingem um pico em poucos minutos e desencadeiam sintomas físicos intensos (ataques de pânico). Diante de um ataque de pânico, uma pessoa pode pensar que está perdendo totalmente o controle, tendo um ataque cardíaco ou mesmo morrendo.

O medo de outro ataque de pânico pode levar a evitar circunstâncias semelhantes ou o local onde ocorreu na tentativa de prevenir futuros ataques de pânico.

Sinais e sintomas de um ataque de pânico podem incluir:

  • Freqüência cardíaca acelerada;
  • Dificuldades de respiração, sensação de falta de ar, asfixia ou peito apertado;
  • Dor ou pressão no peito;
  • Tonturas, visão escura ou náusea;
  • Sensação de instabilidade, entorpecimento ou formigamento;
  • Sudorese excessiva;
  • Tremores ou calafrios;
  • Alterações gastrointestinais, como vômito ou diarréia;
  • Sensação de perda de controle;
  • Medo de morrer.

Quando agendar uma consulta?

A agorafobia pode limitar severamente a capacidade de uma pessoa em socializar, trabalhar, participar de eventos importantes e até mesmo gerenciar os detalhes da vida diária, como deixar um recado.

O importante é não deixar que a agorafobia limite seu mundo. A melhor forma de melhorar a qualidade de vida e livrar-se dos sintomas é com o auxílio de um psicólogo ou um psiquiatra. A tecnologia, por exemplo, pode ajudar uma pessoa com agorafobia a enfrentar seus medos utilizando equipamentos de realidade virtual. Com a ajuda dos avanços tecnológicos, cenários ou ambientes virtuais para a exposição na psicoterapia podem ser construídos de maneira a promover senso de presença, a sensação de estar em um determinado ambiente, quando se está em outro. Ao contrário de submeter o paciente a uma multidão, ocorre uma “simulação” no contexto clínico, dentro do setting terapêutico, de forma gradual e segura, permitindo medir a ansiedade por meio de indicadores fisiológicos como sudorese e frequência cardíaca, bem como dos próprios relatos de ansiedade e medo do próprio paciente.

Realidade virtual no tratamento de ansiedade social

A psicoterapia utilizando recursos de realidade virtual é uma alternativa muito eficaz no tratamento da agorafobia

O processo de psicoterapia atua no controle de variáveis, levando o indivíduo para uma atuação adequada ao seu ambiente e extinção de comportamentos que o impedem de fazer suas tarefas cotidianas de maneira apropriada.

Causas da Agorafobia

Uma das principais causas da agorafobia é biológica – incluindo condições de saúde e genética – temperamento, estresse ambiental e experiências de aprendizagem podem desempenhar todos um papel no desenvolvimento da agorafobia.

A agorafobia aparece quando a pessoa que sofreu repetidamente crises de ansiedade adquire um medo horrível de que elas se manifestem em situações concretas. Este medo é motivado pela ideia de que esse ataque pode se repetir e de que será muito difícil conseguir ajuda.

Fatores de risco

A agorafobia pode começar na infância, mas geralmente começa no final da adolescência ou nos primeiros anos de idade adulta – geralmente antes dos 35 anos -, mas os adultos mais velhos também podem desenvolver. As mulheres são diagnosticadas com agorafobia mais frequentemente do que os homens.

Os fatores de risco para a agorafobia incluem:

  • Diagnóstico de transtorno de pânico prévio ou outras fobias;
  • Responder a ataques de pânico com medo excessivo e evitamento;
  • Experimentar eventos de vida estressantes, como abuso, acidentes graves, morte de um dos pais ou um assalto;
  • Possui comportamento ansioso ou nervoso;
  • Possuir histórico na família (genética).

Complicações

A agorafobia pode limitar grandemente as atividades cotidianas. Se o quadro de agorafobia for grave, é possível que a pessoa não consiga, sequer sair de sua casa. Sem tratamento, algumas pessoas ficam internadas ou isoladas por anos. Elas podem não ser capazes de visitar familiares, amigos, ir à escola ou trabalhar, ir a um cinema ou participar de outras atividades diárias normais. Em muitos casos o indivíduo se torna dependente de outros para obter ajuda.

A agorafobia também pode levar ou estar associada a:

  • Depressão;
  • Abuso de álcool ou drogas;
  • Outros transtornos de saúde mental, incluindo outros transtornos de ansiedade ou transtornos de personalidade.

Prevenção

Não há nenhuma maneira segura de prevenir a agorafobia. No entanto, a ansiedade tende a aumentar quanto mais evitar situações que você tem medo. Se você começar a ter medos leves sobre a localização de lugares seguros, tente praticar esses lugares uma e outra vez antes que seu medo se torne esmagador. Se isso é muito difícil de fazer por conta própria, peça a um membro da família ou amigo para ir com você, ou procure ajuda profissional.

Se você sentir ansiedade em lugares ou ataques de pânico, receba o tratamento o mais rápido possível. Obtenha ajuda antecipada para evitar que os sintomas pioram. A ansiedade, como muitas outras condições de saúde mental, pode ser mais difícil de tratar se você esperar.

Diagnóstico

A agorafobia é diagnosticada com base em nos fatores abaixo:

  • Sinais e sintomas;
  • Entrevista aprofundada com um psicólogo clínico ou psiquiatra;
  • Exame físico para descartar outras condições que possam causar sintomas semelhantes;
  • Critérios para agorafobia listados no Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais (DSM-5), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria.

Tratamento

O tratamento efetivo para a agorafobia geralmente inclui psicoterapia e medicação.  A Terapia Cognitivo Comportamental, a Terapia de Exposição, Psicoterapia com auxílio de realidade virtual estão entre os tratamentos mais eficazes para a agorafobia.

A medicação é uma importante ferramenta para tratamento das doenças psicológicas e psiquiátricas. Em geral trazem o equilíbrio químico nas conexões que promovem a ligação das células do cérebro, que chamamos de neurônios e promovem saúde psíquica com eliminação ou redução de processos patológicos que se instalaram a partir de uma vulnerabilidade genética. Entre os medicamentes mais frequentemente utilizados no tratamento da agorafobia estão:

  • Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina (ISRS);
  • Ansiolíticos;
  • Sedativos.

É importante destacar que qualquer medicação deve ser prescrita e ter o acompnhamento de um médico psiquiatra. As medicações são parte importante do tratamento e somente o psiquiatra pode decidir quais medicamentos o paciente deve tomar, quantos comprimidos e quando parar de tomá-los. Qualquer alteração da medicação por parte do paciente pode prejudicar o tratamento todo, algumas vezes obrigando o psiquiatra a começar do zero. Assim, um paciente que pára de tomar a medicação porque “está melhor” pode apresentar recaída com muito mais facilidade. A recaída pode obrigar o médico a recomeçar o tratamento e, na maioria das vezes, por um período mais prolongado.

Psicoterapia

A psicoterapia envolve trabalhar com um psicólogo para estabelecer metas e aprender habilidades práticas para reduzir seus sintomas de ansiedade. A Terapia Cognitiva Comportamental é uma das abordagens mais eficazes de psicoterapia para transtornos de ansiedade, incluindo a agorafobia.

Geralmente, a terapia cognitivo-comportamental concentra-se em ensinar habilidades específicas para melhor tolerar a ansiedade, desafiar diretamente suas preocupações e retornar gradualmente às atividades que você evitou por causa da ansiedade. Através deste processo, seus sintomas melhoram conforme você constrói seu sucesso inicial.

Você pode aprender:

  • Quais fatores podem desencadear um ataque de pânico ou sintomas de pânico e o que os piora;
  • Como lidar e tolerar sintomas de ansiedade;
  • Formas de desafiar diretamente suas preocupações, como a probabilidade de coisas ruins acontecerem em situações sociais;
  • Que sua ansiedade vai diminuir gradualmente se você permanecer em situações e que você é capaz de gerenciar esses sintomas;
  • Como mudar os comportamentos indesejáveis ​​ou não saudáveis ​​através da dessensibilização, também chamada de terapia de exposição, para enfrentar com segurança os locais e situações que causam medo e ansiedade;
  • Se você tiver problemas para sair de casa, você pode se perguntar como poderia ir ao consultório de um psicólogo. Os psicoterapeutas que tratam a agorafobia estão bem conscientes desse problema.

Se você não sai de casa devido à agorafobia, procure um psicólogo especializado em transtornos de ansiedade e fobias. Um bom psicólogo ajudará a encontrar alternativas para compromissos no escritório, por exemplo. Ele ou ela pode oferecer para vê-lo primeiro em sua casa, vocês podem se falar primeiramente através de uma orientação psicológica online, onde é possível conversar com um psicólogo experiente, através de vídeo consultas, sem sair da sua área de segurança. Encontrar um psicólogo online pode ser um primeiro passo para iniciar um tratamento.

orientação psicológica online

Se a agorafobia é tão grave que você não consegue acessar nenhuma das opções acima, você pode se beneficiar de um programa hospitalar mais intensivo que se especialize no tratamento da ansiedade.

Você pode querer levar um parente ou amigo confiável para a sua consulta, que pode oferecer conforto, ajuda e treinamento, se necessário.

Fonte:

Mayo Clinic