Vício em redes sociais pode gerar ansiedade e depressão

7 sinais de que as redes sociais estão deixando você doente

  |  Tempo de leitura: 6 minutos

Pense e responda: qual foi a última vez que você checou as redes sociais hoje?

É possível que tenha sido há minutos atrás, quando parou tudo o que estava fazendo para dar uma olhadinha nas suas notificações. Nenhum problema nisso, se não fosse a ansiedade que você sentiu ao se deparar com aquela enxurrada de informações.

Conversas no WhatsApp, posts no Facebook, stories no Instagram, vídeos no Youtube… Ufa! Afinal, é tanta coisa pra ver, responder, compartilhar, postar…

Cupom Ansiedade

Você se sente até meio perdido e se pergunta se isso tudo não está te deixando ansioso(a) demais. Na verdade o problema pode estar nos excessos que você comete e às vezes nem percebe. Entretanto, será que não é a hora de prestar mais atenção nisso?

Neste artigo listo sete sinais que vão te ajudar a entender se o uso excessivo das redes sociais é o que está prejudicando – e muito – o seu bem-estar.

1 – Checar as redes sociais é a primeira e última coisa que você faz no dia

Você vai para cama, está morrendo de sono, mas o celular continua na mão. Nada de fechar os olhos antes de dar a última checada nas redes sociais. Contudo, basta dar uma olhadinha e pronto, o sono já se foi! O jeito então é continuar online até conseguir dormir. 

Ainda assim, no dia seguinte, quando acorda, a primeira coisa que você faz é pegar o celular e abrir as redes sociais, para ver o que estão publicando. O dia nem bem começou e você já se sente cansado.

2 – Você checa as redes sociais infinitas vezes ao longo do dia

Apenas cinco minutos se passaram desde a última vez que você checou as redes sociais. Todavia, mesmo assim você para de novo e vai olhar tudo outra vez. Vai que alguém perguntou alguma coisa importante no WhatsApp? E se a blogueira postou um novo tutorial no Youtube, aquele que você estava esperando? 

E se alguém tiver comentado o seu último post no Facebook? Aliás, quantas curtidas até agora? Você pensa nisso tudo e vai correndo dar mais uma olhadinha. Finalmente vai rodando a barra de rolagem sem parar, atrás das novidades.

3 – Você se sente por fora de tudo quando não está conectado às redes sociais

Você não consegue lidar bem com a ideia de passar um dia inteiro desconectado. Quando isso acontece, se sente completamente excluído e por fora de tudo. É consumido pela ansiedade, raiva e nervosismo e reza para o dia acabar logo. É um sofrimento para você se “desligar” do mundo virtual.

4 – Você anda distraído e não consegue se concentrar

Você fica tão entretido com as redes sociais que não presta muita atenção ao que acontece à sua volta. Não vê que a fila andou, o sinal abriu, o elevador chegou. Além disso, tem dificuldades para se concentrar nas tarefas mais simples da rotina, por conta das distrações tecnológicas. No trabalho, faz pausas frequentes para checar as redes sociais e demora a retomar o foco. “Onde foi que eu parei mesmo?” – você se pergunta frequentemente.

5 – Você interage ao mesmo tempo com o mundo real e virtual

Por mais que tente se policiar, você ainda não consegue estar 100% presente quando conversa pessoalmente com alguém. Há sempre um celular para atrapalhar. E nele está todo o seu arsenal de aplicativos; todas as redes sociais a um clique. Basta uma nova mensagem para seu senso de urgência gritar. Aí já era. Você vai responder a mensagem na hora, mesmo se não for urgente coisa nenhuma. O outro que espere ou tente continuar a conversa no mundo virtual.

6 – Você se preocupa demais em ter a aprovação dos outros

Não basta só postar. Tem que gastar tempo e energia pensando nos textos e nas legendas antes de publicar. Tudo em busca da aprovação dos outros, que é instantânea no mundo virtual. Vem das curtidas, comentários, compartilhamentos etc. 

Assim, você posta e não consegue se desligar. Fica ansioso ou ansiosa para saber a resposta da audiência e acompanha tudo em tempo real. Se a publicação não for um sucesso, o resultado é frustração, baixa
autoestima, insegurança e insatisfação.

7 – Você se compara o tempo todo com os outros

Compara sua vida, seu corpo e seu status social com a blogueira famosa, o amigo do Facebook, o colega de trabalho e por aí vai… Pensa que a grama do vizinho é sempre mais verde e se culpa por não ter a mesma vida “perfeita”.

Contudo, falta sempre alguma coisa. A sensação é de que você está ficando para trás, enquanto todos estão dando um passo à frente. Aí vêm as cobranças, a frustração, a angústia e a ansiedade.

Redes sociais – Pequenas mudanças podem ajudar

Para que a tecnologia traga mais benefícios do que prejuízos na sua vida, experimente fazer pequenas mudanças. Confira as dicas:

  • Quando estiver em um compromisso pessoal ou profissional deixe o celular guardado;
  • Estabeleça horários para acessar as redes sociais durante o dia;
  • Desative todas as notificações do seu celular;
  • Mantenha o smartphone longe de você na hora de dormir;
  • Não comece o dia checando as redes sociais. Faça isso depois do café;
  • Busque sempre momentos de lazer e diversão na vida real;
  • Pratique a técnica do mindfulness (atenção plena) para aprender a lidar melhor com seus pensamentos e emoções;
  • Faça terapia em busca de autoconhecimento;
  • Tire um dia de folga da internet e veja como você se sente

Plataformas como a Vittude podem facilitar a busca por um psicólogo que atenda a requisitos específicos para atender a todos que precisem de acompanhamento. Acesse nosso site e confira você mesmo todas as oportunidades oferecidas!

E você, se identificou com algum hábito/comportamento que listei? Responda nos comentários!

Marcela Machado é jornalista e autora do blog Seja Leve, voltado para a saúde mental e bem-estar. É Graduada em Comunicação Integrada pela PUC Minas e Pós-Graduada em Mídias Sociais e Gestão da Comunicação Digital pela UNA.

Leia também:

Ansiedade Generalizada: tudo que você precisa saber sobre esse distúrbio

Síndrome do Pânico: sintomas físicos e tratamento

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta