Como as mães podem cultivar emoções positivas?

Como as mães podem cultivar emoções positivas

  |  Tempo de leitura: 7 minutos

Emoções positivas incluem respostas situacionais agradáveis ou desejáveis. Variam de interesse e contentamento a amor e alegria, mas são distintas da sensação prazerosa e do afeto positivo indiferenciado.

As emoções positivas são marcadores do bem-estar geral ou da felicidade das pessoas, mas também aumentam o crescimento e o sucesso futuros. Isso foi demonstrado no trabalho, escola, relacionamentos, saúde mental e física e longevidade.

A teoria ampliada das emoções positivas sugere que todas as emoções positivas levam a repertórios ampliados de pensamentos e ações. E, que sentir mais emoções positivas ajuda a construir recursos que contribuem para o sucesso futuro.

Ao contrário das emoções negativas, que são adaptadas para fornecer uma resposta rápida a uma ameaça focal, as emoções positivas ocorrem em situações seguras ou controláveis. Elas levam mais difusamente à busca de novos recursos ou à consolidação de ganhos. Esses recursos sobrevivem ao estado emocional temporário e contribuem para o sucesso e a sobrevivência posteriores.

Como as mães podem cultivar emoções positivas?

Estamos no final de semana em que comemoramos o dia das mães. Pensando nelas, preparamos esse artigo especial, mostrando como as mães podem cultivar emoções positivas. Sabemos que o estresse e as alterações hormonais do puerpério podem enfraquecer nossas melhores intenções parentais, mas novas pesquisas sugerem uma maneira de reduzir seu impacto.

Quando falamos de mães e observamos propagandas, cartões para presentes e até mesmo alguns posts, às vezes percebemos alguns temas comuns. Já pararam para observar que as figuras que reproduzimos mostram uma mãe heroína, superpoderosa, multitarefas, forte, com nervos de aço?

A maternidade traz alegrias incomparáveis, mas sem uma superpotência ou a equipe completa que vem junto com o cargo principal do poder executivo, alguns momentos podem ser esmagadores. De fato, um estudo recente de mais de 260 mães francesas descobriu que 20% delas relataram esgotamento materno.

Você podem se perguntar: como evitar essa situação? Nem sempre é possível sempre evitar os sintomas físicos do estresse, mas um novo estudo feito por Cynthia Smith e Alise Stephens sugere que o cultivo de emoções positivas pode proteger as mães do impacto do burnout sobre a maternidade.

O impacto das emoções positivas na relação entre mães e filhos

Um estudo incluiu quase 100 mães (em sua maioria europeias, casadas e com educação universitária) em dois momentos: uma vez quando as crianças tinham entre quatro e cinco anos e novamente quatro anos depois quando tinham entre oito e nove anos de idade. Quando as crianças eram mais jovens, as mães preenchiam questionários sobre o estresse ao exercer o papel de mãe e os pesquisadores mediam emoções positivas enquanto observavam mãe e criança brincando. Em idades mais jovens e mais velhas, Smith e Stephens também mediram o grau de sensibilidade das mães com seus filhos – o grau em que as mães responderam adequadamente aos sinais de seus filhos – durante as brincadeiras.

Veja o que eles descobriram: mães de pré-escolares altamente estressadas tinham menos probabilidade de serem sensíveis aos filhos quatro anos depois – se também demonstrassem emoções positivas mais baixas durante as brincadeiras. Mas altas emoções positivas pareciam atenuar esse elo: entre as mães mais felizes, o estresse e a sensibilidade parental não estavam relacionados. Essa diferença sugere que altas emoções positivas atuam como um instrumento protetor. Além disso, os níveis de emoções positivas que as crianças mostraram com as mães não foram associados à sensibilidade da maternidade, o que sugere que os sentimentos das mães não eram apenas um reflexo dos sentimentos de seus filhos.

emoçoes positivas benefícios

Emoções positivas x estresse

De acordo com as pesquisadoras, as emoções positivas permitem que os indivíduos acumulem mais recursos ao longo do tempo. Apesar de relatarem sentimentos de estresse, as mães que experimentaram mais emoções positivas podem ter sido capazes de recorrer a essas reservas de recursos ao interagir com seus filhos.

Muitos outros estudos também chegam a esse achado. Em uma revisão recente de sua pesquisa, Barbara Fredrickson e Thomas Joiner resumem o seguinte resultado até o momento: “Experiências momentâneas de emoções positivas cotidianas ampliam a consciência das pessoas de forma que, com o tempo e com recorrências frequentes, constroem recursos pessoais que contribuem para seu bem-estar geral emocional e físico. ”

Embora o estresse parental possa estar sempre presente, a pesquisa acima sugere que construir reservas de emoções positivas ajuda as mães a apoiar e educar seus filhos sem sacrificar seu bem-estar individual. Mas como é possível fazer isso? Aqui vão algumas sugestões.

emoçoes positivas x estresse

1. Aprecie os bons momentos

Em um estudo de 2015, Margaret Burkhart e seus colegas descobriram que o sabor relacional – ou seja, focar profundamente os momentos positivos compartilhados entre pais e filhos – aumentava os bons sentimentos dos pais e a qualidade de seus relacionamentos com as crianças.

Como funciona esse sabor relacional?

De acordo com as instruções do estudo, comece pensando “sobre uma experiência emocional positiva que você teve com seu filho. Isso pode ser algo tão simples como ir ao parque juntos, ou rir de uma piada engraçada, ou pode ser algo tão importante quanto tirar férias ou realizar uma grande tarefa juntos.” Você deve tentar se concentrar em uma lembrança de um tempo específico. quando as coisas estavam no seu melhor momento entre você e seu filho.

Em seguida, escreva sobre os detalhes: o tempo, a hora do dia, roupas que você e seu filho usavam, suas emoções e seus pensamentos, tanto naquela época quanto agora. No final, passe alguns minutos revivendo mentalmente a memória.

Como as mães podem cultivar emoções positivas?

2. Medite

Uma forma de as pessoas priorizarem a positividade em suas rotinas diárias é manter uma prática de meditação regular, é o que afirmam psicólogos e neurocientistas em um estudo recente sobre pessoas que participaram de oficinas de meditação da atenção plena, mindfulness ou meditação da gentileza amorosa, também conhecida como Metta. Mesmo semanas depois, os participantes sentiram emoções mais positivas do que antes.

Faz sentido que qualquer uma dessas duas meditações possa funcionar para capturar momentos de emoções positivas, porque a atenção plena envolve prestar atenção cuidadosa ao momento presente, e a bondade amorosa tem como objetivo “gerar sentimentos calorosos e amigáveis”. Compartilho abaixo uma meditação metta bahvana guiada.

3. Seja grata pelas pequenas coisas

Em uma recente pesquisa sobre a ciência que promove forças e resiliência entre as mães solteiras, Zoe Taylor e Rand Conger encorajam as práticas de gratidão como uma forma de cultivar os “pontos fortes do coração”.

Manter um diário de gratidão para escrever sobre pequenos ou grandes presentes em sua vida pelos quais você é grato pode ser uma maneira de aumentar os sentimentos de emoções positivas. Em vez de listar muitas coisas, escreva sobre algumas interações específicas com pessoas pelas quais você se sente grata. Estes podem incluir momentos de ternura com seus filhos. Procure fazer anotações rotineiras em seu diário de gratidão pelo menos uma vez por semana.

Recentemente vi um cartão que continha uma foto de uma mãe deitada no sofá com uma mensagem que dizia: “Hora de relaxar e aproveitar o Dia das Mães!” Este é o nosso desejo para você também.

Gratidão é uma emoção positiva a ser cultivada

* Artigo da Greater Good Magazine, traduzido e adaptado pela Vittude. Artigo original em inglês: How moms can cultivate positive emotions.

 Leia também:

Aleitamento materno e a sua relação com a saúde mental

Ser mãe é padecer num paraíso

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.