como controlar os ciúmes

Como controlar os ciúmes: 13 dicas de psicólogos

  |  Tempo de leitura: 9 minutos

Como controlar os ciúmes no relacionamento é sempre uma questão polêmica. Independente da idade, é comum casais se depararem com esse sentimento polêmico. 

Alguns fatores presentes na sociedade tornam difícil combater os ciúmes. Por exemplo, demonstrações do sentimento ainda costumam ser vistas como gestos românticos quando, na verdade, existem maneiras mais saudáveis de expressar o amor. 

O ciúme é, na verdade, um sinal de insegurança. 

A pessoa extremamente ciumenta ou não confia o suficiente no parceiro ou tem autoestima baixa. Ela procura sabotar qualquer possibilidade do parceiro encontrar outra pessoa porque, na cabeça dela, indivíduos solteiros são ameaça. 

Esta conduta controladora gera brigas e discussões frequentes, desgastando a relação. Além disso, o ciúme exagerado é danoso para o indivíduo que o sente. Esse sentimento estimula a ansiedade, a desconfiança e a raiva

Afinal, o que é o ciúme?

Segundo a Psicóloga Sandra Quero, ciúme é um sentimento bem difícil de controlar e que aparece por diversas razões. Pode ser ciúme do namorado, de um amigo ou até do irmão.⠀

Apesar de bem desagradável, ele é um sentimento natural do ser humano, só que, dependendo do caso, pode estar em um nível exagerado, causando um ciúme patológico, que requer a ajuda de um psicólogo.⠀

O ciúme surge como um sinal de alerta, quando acreditamos que algo não está indo bem ou como desejamos.⠀

Pode ser um problema real ou estar presente apenas no imaginário. Só que faz parte do nosso instinto querer eliminar toda e qualquer ameaça que nos tornam inseguros, desprotegidos ou em desvantagem.⠀

Então, como manter o ciúme sobre controle?

Dicas de como controlar os ciúmes

Primeiramente, reflita sobre os fatores que costumam despertar os ciúmes. 

Se você fica enciumado quando o seu parceiro interage com outras pessoas ou atende compromissos sociais sem você, é provável que sofra de ciúme excessivo.

O caso é especialmente complicado quando você sente ciúmes de amigos e familiares, com quem o seu companheiro convive quase diariamente.  

Após fazer esse exercício, será mais fácil identificar quais aspectos do seu comportamento devem ser trabalhados. Em seguida, relacione-os com as nossas dicas de como controlar os ciúmes!

1. Analise a razão dos ciúmes

Questione-se sobre o motivo dos ciúmes. Qual é a situação que despertou o sentimento? Por que você está com ciúmes? Aconteceu algo no passado para você se sentir assim hoje? Se houver, é uma questão que deve ser conversada com seu companheiro. 

A psicóloga Sandra Quero afirma ainda que os ciúmes mais comuns são os que ocorrem no âmbito dos relacionamentos amorosos.

Nestes casos, o desejo exagerado de posse e de exigência egocêntrica próprios de todas as formas de ciúmes é somado à exigência de uma fidelidade mais ou menos acordada e à desmoralização social que pode surgir a partir da infidelidade.⠀

Esta situação de desconfiança contínua gera uma grande tensão emocional na pessoa ciumenta e em seu parceiro. Este último se sente assediado, monitorado e interrogado na maior parte do tempo, geralmente sem motivos.⠀

Se não houver consciência de que o ciúmes pode estar em excesso, é pouco provável que a pessoa vá buscar ajuda. ⠀

O mais provável é que por trás disso existam pensamentos distorcidos acerca do relacionamento amoroso e do comportamento da pessoa amada.

Uma vez recolhida esta informação, é preciso analisá-la. Temos que buscar provas de que o que pensamos é real ou está realmente acontecendo.⠀

Por mais que as pessoas ciumentas tenham uma má fama, a verdade é que elas sofrem e que seu sofrimento é real. Por isso, se este problema condiciona a sua vida em algum grau, não se envergonhe e procure ajuda para controlar os ciúmes.⠀

Gostaria de marcar uma consulta com a psicóloga Sandra? Clique aqui!

2. Deixe as suas intenções claras

Logo no início do relacionamento já deixe as suas intenções claras. Se elas se modificaram ao longo da relação, comunique-as ao parceiro para que não haja desentendimentos no futuro. 

3. Trabalhe a confiança no relacionamento

Você confia no seu parceiro?

Se não conseguir responder ‘sim’, o melhor a fazer é conversar sobre isso. Explane sobre os comportamentos do parceiro que causam desconfiança, mas tenha em mente que não é possível mudar as pessoas.

Tudo o que você pode fazer é expressar os seus sentimentos e observar a reação do seu parceiro. 

Segundo o psicólogo Hélio Malka, o ciúme é um sentimento natural em todo ser capaz de criar vínculos afetivos e funciona como um alarme interno, que pode ser acionado por motivos concretos ou abstratos, imaginários.

Ele está relacionado com o medo de perder a atenção de alguém ou até mesmo perder esse alguém para outro.

Antes de mais nada, reconheça quando você está sendo ciumento, credite que você merece que alguém te ame e que quer ficar só com você. Além disso, aprenda a confiar no outro.

4. Mantenha o diálogo em dia

Esta dica é um complemento das duas anteriores. Além de deixar bem claro o que você procura no relacionamento, converse sempre que se sentir inseguro, após uma discussão, e também compartilhe as coisas boas.

Você precisa sentir que pode se abrir com ele/ela. Caso contrário, o desconforto em dialogar pode indicar um ponto a ser trabalhado.  

5. Eleve a sua autoestima

Quando a autoestima é forte, é impossível acabar com a sua segurança. Além disso, pessoas com autoestima elevada confiam em si mesmas. Conseguem distinguir quais condutas merecem atenção e quais devem ser ignoradas, pois sabem o que é melhor para elas. 

Embora relacionar-se seja saudável e parte da vida, não se pode esquecer quem merece toda a sua atenção: você mesmo. Por isso, trabalhe a sua autoestima para que você possa amar também a pessoa refletida no espelho. 

6. Combata o comportamento controlador

É impossível controlar a liberdade do outro. 

As pessoas são diferentes, portanto, vivem, pensam e agem de forma diferente. Quando você não respeita isso, demonstra que não confia totalmente no seu parceiro.

Logo, quer controlar todos os seus passos. Mas, pense, você gostaria que alguém fizesse isso com você

7. Não viva no passado

Se você já sofreu uma traição, é normal ficar com alguns receios. No entanto, em algum momento, precisará se libertar do passado.

Não traga as inseguranças oriundas de outro relacionamento para a relação atual. Se não conseguiu superar o trauma e sente que é uma constante negativa em sua vida, já pensou em procurar ajuda profissional para curar a ferida? 

8. Racionalize o sentimento

Quando a crise aparecer, veja os ciúmes com os olhos de um cientista. Faz sentido não querer que o parceiro encontre os amigos? Todo mundo sai para se divertir com quem ama e confia, então, qual é o problema? Esta dica é especialmente eficaz para quem sofre com crises recorrentes. 

9. Aprenda a demonstrar o amor de forma diferente

Os ciúmes, ao contrário do que muitos pensam, não são uma expressão de amor. São uma forma de possessão.

Você provavelmente já se deparou com histórias de casais que brigaram em um local público por causa de ciúmes. Esta é a verdadeira face dos ciúmes, desagradável e egocêntrica. Em contraste, o amor é manso, gostoso e leve. 

10. Não se compare com os ex-companheiros

Assim como você não deve cair em devaneios sobre relacionamentos passados, não precisa se comparar com os ex-parceiros da outra pessoa. Afinal, cada um é cada um!

Se o seu parceiro está com você até hoje e lhe trata super bem, é sinal que escolheu ficar com você porque gosta da sua personalidade. 

11. Mantenha uma vida social ativa

Muitas pessoas se envolvem tanto com a relação que negligenciam amigos e familiares assim como deixam de fazer o que amam para viver em função de agradar o parceiro. Essa postura nociva pode se tornar tóxica. Todo mundo precisa de uma vida social ativa.  

12. Fortaleça o seu amor próprio

Mais uma vez, reforça-se a importância de amar a si mesmo acima de tudo. Não se trata de narcisismo ou egocentrismo, mas, sim, de respeito consigo mesmo. Lembre-se todos os dias de como você é importante para este mundo e não permita que ninguém lhe diga o contrário. 

13. Busque terapia

Segundo a psicóloga e psicanalista Giselle Ladeia, Freud dividia o ciúme em três níveis: competitivo/normal, o projetado e o delirante.

Dessa forma, cada nível possui um grau diferente de intensidade e de mecanismos emocionais envolvidos, podendo inclusive ter um caráter doentio nas condições mais graves.

Para Freud, o ciúme é composto, principalmente, pelo pesar e sofrimento causado pelo pensamento de perder o objeto amado, e da ferida narcísica, de sentimentos de inimizade contra o rival bem-sucedido e de maior ou menor quantidade de autocrítica.

Nesse sentido, há vários sofrimentos implicados, como por exemplo: a perda do objeto amado, que gera a dor do luto. Há também a dor narcísica, o defrontar-se com a ideia de que não se é tão indispensável para o amado como se pensava (filhos mais velhos, por exemplo, com a chegada do irmão mais novo, é bastante comum!).

Para Freud, não há quem já não o tenha sentido ciúmes!

O ciúme se torna patológico quando o indivíduo elabora seus conflitos. A psicoterapia é uma ferramenta que auxilia no processo de elaboração dos conflitos internos que impactam nossas formas de relacionar!

A terapia de casal pode ser uma alternativa para relacionamentos sufocados pelo ciúmes. Conforme o sentimento aumenta, pode ser difícil extingui-lo totalmente.

Da mesma forma, a terapia pode ajudar você, como indivíduo, a encontrar a autoconfiança necessária para, enfim, aprender como controlar os ciúmes.

Vittude está aqui para ajudar a libertá-lo dos ciúmes! Conte conosco para encontrar o profissional certo para tratar essa questão e, ainda, devolver o amor leve e gostoso ao seu relacionamento.

Gostou desse artigo? Então aproveite para seguir a Vittude no Instagram e também assinar nossa newsletter!

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta