diazepam

Diazepam: saiba tudo sobre este ansiolítico

  |  Tempo de leitura: 10 minutos

Diazepam é um medicamento controlado, prescrito por psiquiatras para tratamento de ansiedade, síndrome do pânico e outras questões psicossomáticas ligadas a transtornos ansiosos.

A ansiedade está cada vez mais presente e intensa na vida moderna. O corre-corre do dia-a-dia desperta no ser humano reações não tão comuns aos seus hábitos.

Um país de ansiosos

Segundo um relatório divulgado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), em 2017, cerca de 3,6% da população mundial foi diagnosticada com ansiedade. Não só isso, nosso país foi listado como sendo o mais ansioso do mundo. É uma triste realidade! Estamos falando de 18,6 milhões de brasileiros diagnosticados com o transtorno, aproximadamente 9,3% da população.

Diante desse problema, infelizmente, temos visto mais e mais pessoas mantendo, na cabeceira da cama, remédios para ajudar a controlar essa ansiedade. É assustador perceber que o consumo de remédios tarja preta, não somente para ansiedade como também para depressão tem aumentado.

Uma das drogas farmacêuticas mais comuns para tratar os sintomas da ansiedade é o Diazepam.

Produzido pelo Laboratório Roche, pode ser encontrado nas prateleiras das farmácias sob o nome comercial Valium.

Neste post você saberá mais sobre os efeitos, para que serve e como deve ser usado este medicamento. Fique mais informado! É bem possível que uma pessoa próxima a você esteja sofrendo com sintomas de ansiedade e precise de orientação médica e psicológica.

O que é Diazepam?

O Diazepam é uma droga pertencente ao grupo das benzodiazepinas. Trata-se de um fármaco que produz efeito ansiolítico. Está dentro da classe de medicamentos mais importantes para o controle dos transtornos de ansiedade.

O medicamento possui efeito calmante e sedativo. Ele pode reduzir a atividade cerebral, interferindo na capacidade de julgamento, pensamento e habilidades motoras. Não deve ser utilizado em conjunto com bebidas alcoólicas.

Dado seu efeito retardador do sistema motor, recomenda-se que pessoas que estejam fazendo uso do diazepam evitem dirigir, operar máquinas ou executar tarefas que exijam atenção.

O diazepam aumenta a atividade do ácido gama aminobutírico (GABA), neurotransmissor responsável por enviar sinais por todo o sistema nervoso. Quando nosso organismo não produz GABA suficiente, nosso corpo pode ficar excitado e mais vulnerável a crises de ansiedade, espasmos musculares ou convulsões.

Ao ingerir este medicamento, o indivíduo terá mais GABA em seu corpo. Isso ajudará a diminuir sua ansiedade, espasmos musculares e convulsões.

Para que serve o Diazepam

Este é um fármaco utilizado no tratamento a curto prazo de ansiedade grave, incapacitante ou angustiante, incluindo ataques de pânico e durante episódios maníacos de transtorno bipolar.

Também pode ser utilizado para:

  • Tratamento a curto prazo de problemas do sono (insônia) associados à ansiedade.
  • Aliviar espasmos musculares, incluindo aqueles associados a lesões na cabeça, pescoço ou costas, doença dos neurônios motores, paralisia cerebral, tétano ou envenenamento.
  • Gerenciar os sintomas da abstinência alcoólica.
  • Controle de convulsões causadas por epilepsia ou febre.
  • Fazer uma pessoa se sentir relaxada, calma e/ou sonolenta antes dos procedimentos cirúrgicos, médicos ou odontológicos.

O diazepam é adequado apenas para uso a curto prazo (até quatro semanas). Isso porque pessoas que fazem uso do medicamento podem desenvolver rapidamente uma tolerância aos efeitos do diazepam ou ficarem dependentes dele.

Principais fatos sobre o Diazepam

  • Está disponível apenas mediante prescrição médica;
  • Pode ser prescrito para adultos e crianças, mas não é adequado para o tratamento de ansiedade ou problemas de sono em crianças.
  • Não tome diazepam se você tiver problemas respiratórios graves, se sua respiração para por curtos períodos enquanto você dorme ou se você tem miastenia grave.
  • Causa sonolência que pode durar até o dia seguinte. Não dirija se estiver fazendo uso do remédio.
  • Não beba álcool enquanto estiver utilizando o diazepam.
  • O diazepam pode causar dependência e normalmente não deve ser tomado por mais de duas a quatro semanas por vez, incluindo um período em que a dose é gradualmente reduzida.
  • Não pare de tomá-lo de repente e sem orientação médica.
  • Os efeitos colaterais comuns do diazepam incluem sonolência, tontura, confusão, redução das habilidades motoras e do estado de alerta, emoções entorpecidas, fraqueza muscular, dor de cabeça e visão dupla.

Qual a diferença entre Diazepam e Clonazepam?

O diazepam e o clonazepam são medicamentos ansiolíticos da classe benzodiazepina. Ambos são usados ​​para tratar a ansiedade ou prevenir certos tipos de convulsões.

O clonazepam também é usado no tratamento do transtorno do pânico e da síndrome de Lennox-Gastaut.

O Valium também pode ser usado no tratamento de agitação, tremores, delírio, convulsões e alucinações resultantes da retirada do álcool, para alívio de espasmos musculares em algumas doenças neurológicas e para sedação durante a cirurgia.

Rivotril é um dos nomes comerciais mais conhecidos para o clonazepam. Enquanto isso o Valium é o nome mais visto para o diazepam.

Os efeitos colaterais de Rivotril e Valium são semelhantes e incluem sonolência, sedação, instabilidade ou perda de equilíbrio, problemas de sono (insônia), fadiga, confusão e erupção cutânea.

As reações do Clonazepam que diferem do Diazepam incluem tontura, depressão, perda de orientação, dor de cabeça, fraqueza, falta de inibição, amnésia, alterações no desejo sexual e irritabilidade.

Os sinais do Valium que são diferentes de Rivotril incluem diarreia, euforia, excitabilidade, espasmo muscular, raiva, problemas de fala e visão dupla.

Parar subitamente qualquer um dos dois medicamentos, após uso prolongado, pode levar a sintomas de abstinência.

Efeitos colaterais do Diazepam 

Os medicamentos e seus possíveis efeitos colaterais podem afetar as pessoas de maneiras diferentes. A seguir listamos alguns efeitos colaterais do diazepam. Só porque um efeito colateral é declarado aqui não significa que todas as pessoas que venham a utilizar o medicamento experimentarão esse ou qualquer efeito colateral.

Registros mostram que esse ansiolítico não apresenta efeitos colaterais graves. Porém, ao iniciar o tratamento com essa medicação, o paciente poderá apresentar os seguintes sintomas:

  • cansaço;
  • tontura;
  • sonolência;
  • visão turva;
  • instabilidade.

Se os efeitos persistirem por muito tempo ou piorarem gradativamente é importante procurar o médico imediatamente para informar o ocorrido.

Também é importante avisar o médico caso os sinais abaixo, considerados graves, ocorram:

  • alteração ou confusão mental;
  • falta de memória;
  • agitação anormal;
  • alucinações;
  • inquietação;
  • depressão;
  • dificuldade para falar ou andar;
  • fraqueza nos músculos ou tremores;
  • dificuldade na hora de urinar;
  • olhos ou pele amarelados;
  • sinais de infecção que não desaparecem como dor na garganta ou febre;
  • respiração superficial ou lenta.

Apresentando esses sintomas você deverá procurar imediatamente a ajuda de um médico. Não há indícios registrados sobre reações alérgicas provocadas após o uso da medicação. No entanto, se durante o tratamento aparecer inchaço no rosto, garganta ou língua, vermelhidão, urticária, bolhas, coceira dor ou descamação, procure orientação médica. Você também deve buscar cuidados médicos se outros sintomas não listados acima aparecerem durante o tratamento.

Precaução: nos casos abaixo você NÃO deve fazer uso de Diazepam

A alergia medicamentosa é muito comum em algumas pessoas. Portanto, se você apresenta intolerância aos componentes do Diazepam, ao oxazepam ou temazepam é preciso informar ao profissional de saúde. O mesmo deve ocorrer se possuir outros tipos de alergia. 

No momento da consulta, é de extrema importância informar ao psiquiatra os seus históricos médicos, principalmente se você apresentou ou apresenta:

  • miastenia grave (doença nos músculos ou músculos fracos);
  • apneia do sono;
  • depressão, psicose ou pensamentos suicidas ou os conhecidos distúrbios de humor;
  • histórico familiar de pessoas com problemas alcoólicos ou com drogas;
  • glaucoma;
  • doença hepática ou renal;
  • glaucoma de ângulo fechado;
  • problema respiratório nível grave (asma, bronquite, enfisema, entre outros);
  • epilepsia ou convulsão.

Recomendações importantes

Misturar Diazepam com compostos químicos psicoativos que produzam efeitos analgésicos ou hipnóticos, ao álcool ou drogas que deixam a pessoa sonolenta, respiração lenta podem provocar efeitos colaterais fatais.

Se a pessoa trabalha com maquinário pesado, atividades que exijam atenção ou visão em perfeito estado é recomendado o afastamento das atividades laborais até que esteja completamente livre da ação do medicamento.

Esse ansiolítico não deve ser ministrado em bebês menores de 6 meses. Quando administrado em crianças, algumas delas poderão apresentar efeito contrário, ou seja, ao invés dela ficarem calmas, podem ficar agitadas, terem alucinações ou ficarem inquietas.

Embora o tratamento com Diazepam traga benefícios aos sintomas listados nesse post, usá-lo de forma indevida pode causar dependência química, overdose e até mesmo levar uma pessoa à morte.

Não faça uso de nenhum medicamento sem o devido acompanhamento médico. Não deixe de informar todo o seu histórico de saúde ao profissional.

Psicoterapia: uma excelente ferramenta para ansiedade

Apesar deste artigo focar nas informações relacionadas ao medicamento diazepam, é importante lembrar que uma das melhores ferramentas no combate aos transtornos ansiosos é a psicoterapia.

Um dos grandes inconvenientes dos medicamentos são os seus efeitos colaterais. Alguns anos atrás tive depressão e um quadro de estresse pós-traumático.

Meu organismo apresentou grande dificuldade de se adaptar aos medicamentos. Passei pelo alprazolam e depois a venlafaxina. No entanto, sempre me sentia sonolenta e apática. Não tinha mais aquela energia que era comum. Percebi claramente um certo retardo das minhas habilidades cognitivas, perda de memória, lentidão de raciocínio e foi a psicoterapia que me ajudou a fazer o desmame dos medicamentos.

A terapia é um processo que exige engajamento do paciente e confiança no trabalho do psicólogo. Ao longo das sessões, trabalhamos nas causas que nos levam aos transtornos. Importante destacar que qualquer remédio só ajuda a aliviar os sintomas, mas não trata as causas.

Logo, se a origem da crise de ansiedade foi um trauma, a perda de uma pessoa querida ou do emprego, dificilmente só o fármaco resolverá o problema. Além disso, a terapia é um processo que ajuda no autoconhecimento e nos ajuda a descobrir nossos limites, encarar medos e gerir a pressão do dia a dia. Se você ainda não experimentou, eu convido você a testar.

Plataformas como a Vittude deixaram esse encontro entre paciente e psicólogo muito mais acessível. Acesse nosso site e confira você mesmo todas as oportunidades oferecidas!

Como devo armazenar o medicamento?

O armazenamento do Diazepam não foge às regras dos demais medicamentos. Sendo assim, é preciso armazená-lo em temperatura ambiente e longe da umidade, luz e do banheiro.

A solução concentrada deve ser utilizada, após o frasco ser aberto, em 90 dias. Mantenha fora do alcance de animais de estimação e das crianças.

Faça o descarte dessa medicação de forma correta, se terminou o tratamento ou chegou à data de validade consulte o farmacêutico, ele vai orientá-lo sobre a melhor forma de descarte do remédio. 

Gostou do post? Então assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de nossos conteúdos e novidades!

Leia também:

Alprazolam: descubra suas indicações e reações no organismo

Paroxetina: para que serve e quanto tempo dura seu efeito

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta