Esquizofrenia - uma mente brilhante

Esquizofrenia: conheça os tipos, sintomas e tratamentos

Esquizofrenia: conheça os tipos, sintomas e tratamentos
86 avaliações

  |  Tempo de leitura: 10 minutos

A esquizofrenia é uma doença cerebral crônica que afeta 1% da população mundial e se manifesta entre os 15 e 35 anos.

Os sintomas de esquizofreina podem incluir delírios, alucinações, problemas de raciocínio e concentração e falta de motivação. No entanto, quando esses sintomas são tratados, a maioria das pessoas com esquizofrenia melhora muito com o tempo

Segundo informações da Associação Brasileira de Psiquiatria, a doença tem predominância no sexo masculino e nem sempre é diagnosticada no seu início. Existem os chamados ‘sintomas precoces’ que podem aparecer meses ou anos antes da doença se exteriorizar – e em alguns dos casos esses sintomas são confundidos com depressão ou outros tipos de transtornos dessemelhantes ao da esquizofrenia.

Esquizofrenia – Definição

Trata-se de um transtorno mental crônico e grave que afeta o modo como uma pessoa pensa, sente e se comporta.  Provoca alterações no comportamento, indiferença afetiva, pensamentos confusos e dificuldades para se relacionar com pessoas. Pessoas com esquizofrenia podem parecer que perderam o contato com a realidade. Embora a esquizofrenia não seja tão comum como outros transtornos mentais, os sintomas podem ser muito incapacitantes.

Tipos de Esquizofrenia

  • Esquizofrenia simples: A esquizofrenia simples apresenta mudanças na personalidade. O paciente prefere ficar isolado – o que inibi seu convívio social –, é disperso aos acontecimentos do dia a dia e insensível no que diz respeito a afetos.
  • Esquizofrenia paranoide: O isolamento social também está presente na esquizofrenia paranoide – ou paranoica, como é conhecida. O portador da doença enfrenta problemas como falas confusas, falta de emoção e tende a achar que está sendo perseguido por pessoas ou espíritos.
  • Esquizofrenia desorganizada: Conhecida também como ‘esquizofrenia hebefrênica’, esse tipo é caracterizado por um comportamento mais infantil, respostas emocionais descabidas e pensamentos sem nexo.
  • Esquizofrenia catatônica: O paciente diagnosticado com esquizofrenia catatônica mostra um quadro de apatia. Pode ficar na mesma posição por horas, causando também a redução da atividade motora.
  • Esquizofrenia residual: Existe a alteração no comportamento, nas emoções e no convívio social, mas não na frequência dos demais tipos.
  • Esquizofrenia indiferenciada: Pacientes que não se enquadram perfeitamente em um dos tipos de esquizofrenia, contudo, podem desenvolver algumas das características citadas acima.

Sinais e Sintomas da Esquizofrenia

Os sintomas da esquizofrenia geralmente começam entre 15 e 35 anos. Em alguns casos raros, é possível que crianças também tenham. Os sintomas se dividem em três categorias: positiva, negativa e cognitiva.

Sintomas positivos da esquizofrenia

Trata-se de  comportamentos psicóticos geralmente não observados em pessoas saudáveis. Pessoas com sintomas positivos podem “perder contato” com alguns aspectos da realidade. Os sintomas incluem:

  • Alucinações
  • Delírios
  • Pensamentos desordenados (modos de pensar incomuns ou disfuncionais)
  • Distúrbios do movimento (movimentos do corpo agitado)

Sintomas negativos da esquizofrenia

Estão associados a interrupções nas emoções e comportamentos normais. Os sintomas incluem:

  • Redução do afeto (expressão reduzida de emoções através da expressão facial ou tom de voz)
  • Reduzir os sentimentos de prazer na vida cotidiana
  • Dificuldade em iniciar e manter atividades
  • Redução de fala

Sintomas cognitivos

Para alguns pacientes, os sintomas cognitivos são sutis, mas para outros são mais graves e os pacientes podem perceber mudanças na memória ou outros aspectos do pensamento. Os sintomas incluem:

  • Baixo funcionamento intelectual (capacidade de entender informações e usá-la para tomar decisões)
  • Dificuldades para manter-se focado ou prestar atenção em atividades cotidianas
  • Problemas com a memória de curto prazo (a capacidade de usar a informação imediatamente depois de aprendê-la)

Quais são os sinais de alerta precoce de esquizofrenia?

Os sinais da esquizofrenia são diferentes para todos. Os sintomas podem se desenvolver lentamente ao longo de meses ou anos, ou podem aparecer de forma abrupta. A doença pode entrar e sair em ciclos de recaída e remissão.

Comportamentos que são sinais precoces de esquizofrenia incluem:

  • Ouvir ou ver algo que não está lá;
  • Uma sensação constante de estar sendo observado;
  • Modo peculiar ou sem sentido de falar ou escrever;
  • Posicionamento corporal estranho;
  • Sentir-se indiferente a situações muito importantes;
  • Deterioração do desempenho acadêmico ou profissional;
  • Uma mudança na higiene pessoal e aparência;
  • Uma mudança na personalidade;
  • Aumento da retirada de situações sociais e isolamento;
  • Resposta irracional, zangada ou com medo aos entes queridos;
  • Incapacidade de dormir ou se concentrar;
  • Comportamento inadequado ou bizarro;
  • Preocupação extrema com a religião ou o ocultismo

Qualquer pessoa que tenha vários desses sintomas por mais de duas semanas deve procurar ajuda imediatamente. Se você estiver perto de alguém em crise, peça ajuda a um serviço de emergência.

Fatores de Risco

Existem vários fatores que podem contribuir para o risco de um indivíduo desenvolver esquizofrenia.

Genética e ambiente: há algum tempo descobriu-se que a esquizofrenia pode ser hereditária e ocorrer em determinadas famílias. No entanto, há muitas pessoas que têm esquizofrenia e que não têm um membro da família com a desordem e, inversamente, muitas pessoas com um ou mais membros da família com o transtorno que não o desenvolvem.

Os cientistas acreditam que muitos genes diferentes podem aumentar o risco de esquizofrenia, mas que nenhum gene único causa a desordem por si só. Ainda não é possível usar informações genéticas para prever quem desenvolverá a doença.

Estudos indicam também que as interações entre genes e aspectos do ambiente do indivíduo são necessárias para que a esquizofrenia se desenvolva. Os fatores ambientais podem envolver:

  • Exposição a vírus
  • Desnutrição antes do nascimento
  • Problemas durante o nascimento
  • Fatores psicossociais

Química e estrutura do cérebro diferente

Um desequilíbrio nas reações químicas complexas e inter-relacionadas do cérebro envolvendo os neurotransmissores (substâncias que as células cerebrais usam para se comunicar entre si) como a dopamina e glutamato, e possivelmente outros, pode desempenhar um papel no desenvolvimento da esquizofrenia.

Alguns especialistas também acreditam que problemas durante o desenvolvimento do cérebro antes do nascimento podem levar a conexões defeituosas. O cérebro também sofre grandes mudanças durante a puberdade, e essas mudanças podem desencadear sintomas psicóticos em pessoas vulneráveis devido a genética ou diferenças cerebrais.

Tratamentos e Terapia

Embora não exista cura para a esquizofrenia, muitas pessoas com essa doença podem levar uma vida produtiva e satisfatória com o tratamento adequado. A recuperação é possível através de uma variedade de serviços, incluindo programas de medicação e reabilitação. A reabilitação pode ajudar uma pessoa a recuperar a confiança e as habilidades necessárias para viver uma vida produtiva e independente na sociedade.

O portador de esquizofrenia é incapaz de avaliar seu próprio comportamento. Neste caso, pessoas próximas ao paciente são quem identificam os sintomas e procuram ajuda médica.

Com acompanhamento de um psicólogo, psiquiatra e medicamentos é possível que a frequência das crises diminuam e o paciente consiga viver de maneira mãos tranquila. O acompanhamento de um especialista é indispensável.

Procurando o psicólogo ideal para você?

Como as causas  ainda são desconhecidas, os tratamentos se concentram na eliminação dos sintomas da doença. Os tratamentos incluem:

Antipsicóticos

Medicamentos são freqüentemente usados para ajudar a controlar os sintomas da esquizofrenia. Eles ajudam a reduzir os desequilíbrios bioquímicos que causam a esquizofrenia e diminuem a probabilidade de recaída. Como todos os medicamentos, no entanto, os  antipsicóticos devem ser tomados apenas sob a supervisão de um psiquiatra. Antipsicóticos atípicos (ou “Nova Geração”) têm menor probabilidade de causar alguns dos efeitos colaterais graves associados a antipsicóticos típicos (ou seja, discinesia tardia, distonia, tremores).

Os medicamentos antipsicóticos geralmente são tomados diariamente. Alguns antipsicóticos são injeções que são administradas uma ou duas vezes por mês. Algumas pessoas têm efeitos colaterais quando começam a tomar medicamentos, mas a maioria dos efeitos colaterais desaparecem após alguns dias. Médicos e pacientes podem trabalhar juntos para encontrar a melhor combinação de medicação ou medicação e a dose certa.

Existem dois tipos principais de medicação antipsicótica:

Os antipsicóticos típicos (“convencionais”) controlam efetivamente os sintomas “positivos”, como alucinações, delírios e confusão da esquizofrenia. Alguns antipsicóticos típicos são:

  • Clorpromazina (Thorazine)
  • Haloperidol (Haldol)
  • Mesoridazina (Serentil)
  • Perfenazina (Trilafon)
  • Flufenazina (Proxlixina)
  • Tioridazina (Mellaril)
  • Thiothixene (Navane)
  • Trifluoperazina (Stelazine)

Os antipsicóticos atípicos (“de nova geração”) tratam os sintomas positivos e negativos da esquizofrenia, frequentemente com menos efeitos colaterais. Alguns antipsicóticos atípicos são:

  • Aripiprazol (Abilify, Aristada)
  • Asenapina (Saphris)
  • Brexpiprazol (Rexulti)
  • Cariprazina (Vraylar)
  • Clozapina (Clozaril, FazaClo, Versacloz)
  • Iloperidona (Fanapt)
  • Lurasidona (Latuda)
  • Olanzapina (Zyprexa)
  • Paliperidona (Invega)
  • Quetiapina (Seroquel)
  • Risperidona (Risperdal)
  • Ziprasidona (Geodon)

Uma terceira categoria menor de drogas usadas para tratar a esquizofrenia é conhecida como “agentes antipsicóticos diversos”. Os agentes antipsicóticos diversos funcionam de maneira diferente dos medicamentos antipsicóticos típicos ou atípicos. A loxapina (Adasuve, Loxitane) é um desses antipsicóticos diversos e é usada para tratar a agitação em pessoas com esquizofrenia.

Os efeitos colaterais são comuns com drogas antipsicóticas. Eles variam de efeitos colaterais leves, como boca seca, visão turva, constipação, sonolência e tontura que geralmente desaparecem depois de algumas semanas para efeitos colaterais mais graves, como problemas com o controle muscular, estimulação, tremores e carrapatos faciais. A nova geração de drogas tem menos efeitos colaterais. No entanto, é importante conversar com seu psiquiatra antes de fazer qualquer alteração na medicação, pois muitos efeitos colaterais podem ser controlados.

Psicoterapia

A psicoterapia é extremamente útil depois que os pacientes e o médico psiquiatra encontraram um medicamento que funcione. Aprender e usar habilidades de enfrentamento para superar os desafios cotidianos da esquizofrenia ajuda as pessoas a perseguirem seus objetivos de vida, como ir para a faculdade ou trabalho. Os indivíduos que participam de um tratamento psicológico adequado e regular são menos propensos a sofrer recidivas ou serem hospitalizados.

Como ajudar alguém que conheço com esquizofrenia?

Cuidar e apoiar um ente querido com esquizofrenia pode ser difícil. Pode ser difícil saber como responder a alguém que faz afirmações estranhas ou claramente falsas. É importante entender que a esquizofrenia é uma doença biológica.

Aqui estão algumas coisas que você pode fazer para ajudar seu ente querido:

  • Procure um psiquiatra e um psicólogo. Incentive-os a permanecerem em tratamento
  • Lembre-se de que suas crenças ou alucinações parecem muito reais para eles
  • Diga-lhes que você reconhece que todos têm o direito de ver as coisas de sua maneira
  • Seja respeitoso, solidário e gentil sem tolerar comportamentos perigosos ou inapropriados.

Verifique se existem grupos de apoio em sua cidade.

Ajuda Familiar

A participação da família nos tratamentos é essencial. Entender, pesquisar e conversar com os especialistas sobre a doença te fará ser mais paciente, principalmente em situações de crise.

Cuidar de você e da sua saúde também é um fator relevante. Reserve em tempo, divirta-se e relaxe, isso te ajudará a manter o controle nos momentos de alteração do comportamento da pessoa que você ama.

E se sentir necessidade de receber mais orientações, agende uma consulta com um psicólogo. Visite o site da Vittude e agende sua consulta!

Encontre um psicólogo

 

Fonte:
National Institute of Mental Health

Outros textos que podem te interessar

👉 Psicologia e meditação: que tal experimentá-las juntas?

👉 JoutJout Prazer fala sobre como é bom ir a um psicólogo

👉 Como conviver com quem tem esquizofrenia?

149
Shares
Esconder