Ansiedade: o mal invisível do século

Ansiedade: o mal invisível do século

Ansiedade, um transtorno invisível! Mal que assola o século XXI, muito mais acentuado no momento atual em que a humanidade atravessa tempos de Covid-19(Corona vírus).

Como podemos enfrentá-la?

Para falar deste mal que assola a humanidade precisamos primeiro entender como desencadeia e quais são as dores de uma pessoa ansiosa.
A ansiedade vem do desejo de algo. Embora seja considerada um adjetivo a palavra ansiedade é um verbo que significa: ansiar, desejar. Vem de uma busca sem fim, podemos dizer: do vazio existencial! Nem a própria pessoa sabe o que anseia. Diante desta busca são desencadeados os sintomas de adoecimento, denominados psíquico-somáticos.

São uma infinidade de sintomas vinculados a ansiedade e associados a esse transtorno estão: as depressões, as síndromes de pânico, as fobias, o estresse e tantas outras doenças, como as ligadas ao sistema gastro intestinal, sistema imunológico, sistema respiratório (como as bronquites asmáticas) os problemas de pele etc.

Além de todos esses sintomas causadores de dores, as pessoas ansiosas sofrem também de outros grandes males que são a insônia, as compulsões alimentares, de consumo, por trabalho, por conhecimentos, por sexo – ou ainda aquelas pessoas totalmente apáticas a essas compulsões, inclusive falta total de apetite.

Outra dor expressa pela pessoa ansiosa é a angustia – o aperto no peito que gera desespero – a falta de ar, que na verdade é o excesso de ar, pois a pessoa faz pequenas e curtas respirações não liberando o ar, gerando mais falta e o medo de soltar, de se entregar para o fluxo natural de sístoles e diástoles, o dar e o receber da vida, esse movimento contínuo leva a total exaustão – a conseqüência: Apatia e paralisação da vida!

Você se identificou com algum destes sinais/sintomas?

Continua comigo e juntos (as) vamos entendendo sobre esse mal invisível!

Jung aponta para dois aspectos importantes no desenvolvimento humano:

O aspecto biológico, a parte dos instintos localizados no corpo como as necessidades vitais do individuo: o ar, a água, comida, proteção e sexo. Aqui a maioria das pessoas ficam presas, vivendo em busca, inclusive de recursos econômicos para suprir essa necessidade, ansiando por tudo isso. Claro – não que não seja importante desejar e buscar por essas satisfações, a grande questão é ficar paralisado nestes conteúdos na busca sem fim, gerando quadros de estresse e apatia.

Outro fator é o aspecto da Alma, dos arquétipos. O quê a alma deseja? A alma deseja vida, doar-se, participação na vida do outro, entrega, confiança no fluxo Universal, no Divino, na Criação, a sua Ação no mundo. A alma deseja servir para Ser. A alma deseja Amar Incondicionalmente, este é o processo de individuação. Enquanto que os instintos desejam ter para Ser e por consequência geram o grande sofrimento, pois desejam preencher-se no mundo externo, desvalorizando o mundo interno.

Quais os fatores que podem ser desencadeadores de ansiedade?

Vivemos a era do aceleramento, da pressão, de tempos ansiosos, aonde as pessoas perderam a capacidade de esperar de se comunicar, de expressar suas emoções, sentimentos e intuição – e para contribuir estão cercadas de uma infinidade de estímulos externos, e de muito barulho interno provocados por pensamentos acelerados, denotando pressa de chegar a algum lugar, ou talvez á todos ao mesmo tempo. Com cargas de informações e conteúdos diversos, rasos e superficiais. Mas ao mesmo tempo se deparam com um vazio, uma ausência de sentido para sua existência. E o problema que não tem como viver o seu medo para atacar ou fugir, lhe restando refugiar-se na alienação pela medicação ou drogadicção.

Ressalta Agusto Cury – Devido não se ter estudado o processo de construção de pensamentos, seus tipos e sua natureza, não desenvolvemos ferramentas para o Eu ser um gestor psíquico, o que gerou alguns paradoxos angustiantes.

Continua: “Estamos no apogeu da medicina e da psiquiatria, mas nunca estivemos tão doentes. No apogeu da indústria do lazer, no entanto uma geração de seres tristes. Na era do conhecimento, da democratização da informação, mas com tantos conteúdos repetidos, em vez de pensadores. Sem contar com os erros grosseiros e gravíssimos na sustentabilidade das relações humanas e na inserção social”.

A contemporaneidade vem abarcando conhecimentos científicos e tecnológicos avançados favorecendo o desenvolvimento social e humano. Pesquisas cientificas com todo seu campo fértil de descobertas, a indústria farmacêutica cada vez mais sofisticada desenvolvendo remédios de uso continuo tornando pessoas cada vez mais dependentes. Drogas cada vez mais elaboradas com propostas de resoluções de todos os conflitos humanos, como a única maneira de mitigar as frustrações e a infelicidade.

Contudo chega o ônus, as compensações de todos estes avanços tecnológicos, considerando que os mesmos são essenciais para o desenvolvimento de um país – da humanidade. O ônus é a forma unilateral como isso acontece: deixando o ser humano desconectado de si mesmo. As mídias – com informações por nano de segundo – bombardeiam as mentes desejosas de preencher esse vazio existencial, e alienante, com entretenimentos, como as series intermináveis nos diversos canais Streaming que as prendem, assim como nas redes sociais.

Tudo levado aos extremos da conectividade e desconexão do corpo e das necessidades da alma com isso desenvolvendo patologias graves decorrentes do excesso do consumo desta tecnologia.

Em agravamento a todos esses fatores – que considero de extrema importância – porque são também geradores de grande estresse e alta complexidade e relevância, encontram-se no âmbito das relações podemos nomeá-los como os setores profissional e familiar.

As relações nomeadas como profissionais, familiares, as relações pessoais e/ou coletivas, sistemas religiosos inserindo medo e culpa em seus fieis, o desemprego, o subemprego a violência social do bullying institucional, a fome, a miséria, consumismos, a política etc. a violência urbana e domestica muitas vezes desencadeada por uso de substancias psicoativas como álcool e outras drogas. Utilizadas como antídoto para diminuir a ansiedade e o estresse.

No pano fundo estão às mensagens subliminares tais como: as exigências, as pressões psicológicas que a pessoa humana sofre para que seja eficiente excelente em seu desempenho intelectual, em produtividade de maneira a deixá-la encurralada e pressionada ignorando a sua essência.

Aqui tratei dos estímulos nos ambientes externo, mas existe o individuo como ator principal da sua historia, desde que consciente da mesma. Não é o que se tem observado denotando um individualismo absurdo bem como as suas características psicológicas, moral e ética. Vamos olhar um pouco essas principais características que corrobora para esta inter relação com esses fatores promovidos pelo ambiente interno/ externo?

As questões egoicas/psíquicas. O Ser Humano na sua ânsia de saber e poder perdeu sua humanidade e tornou-se pouco conhecedor de si mesmo, Consciência/Inconsciente, entrou no lupe da mente enlouquecida, desajustada e desejosa de poder e prazer perdendo-se no labirinto do seu egoísmo desmedido tornando-se algoz de si mesmo, no cárcere da racionalização.

Esqueceu-se de que é um ser relacional e que sua existência depende totalmente da sua relação com outro, com o mundo desde o nascimento até a morte. Este homem/mulher do século XXI está doente e o mal do século segundo a OMS em seus relatórios – a doença mental, especialmente a depressão e ansiedade apontadas no topo da lista, assim como suicídios acometendo pessoas em grau assustador em escala mundial.

Sabe por quê?

Nesta insanidade pelo poder e prazer imediatos seja consciente ou não, o ser humano soterrou sua moral e ética, mandou para um terreno desconhecido chamado sombra, para o inconsciente pessoal/coletivo. O seu pensamento e comportamento egoico o qual gira em torno de uma ótica tirana, em quanto mais obter bens materiais melhor! desumana ou não independente de que forma que seja.

Essa mente desprovida de moral se perdeu na sua imaturidade, racionalizando, ignorando o sentir, as suas emoções, o pensar de forma ordenada, altruísta.

Gerando a sombra individual e coletiva desencadeando as doenças psíquico-emocionais com elas a Ansiedade, o mal do século. Para equilibrar e equacionar esta disfunção biopsicossocial e ambiental, a natureza se incumbiu de equilibrar essa desordem, e um ser invisível, porem extremamente poderoso, chamado Corona Vírus tomou lugar na vida e consciência humana.

Que levou para o recolhimento social a população mundial. Aquilo que já era assustador no âmbito pessoal no quadro da ansiedade, depois da pandemia tem transformado um caos na vida do ansioso. A ansiedade ainda mais insana advindos do medo da contaminação, da morte, medo das incertezas futuras sociais, econômicas e políticas, esta ultima, digam-se de passagem, em uma guerra velada pela disputa de poder… Causando mais crise dentro da crise da saúde.

Para algumas pessoas o momento da Covid-19 tem sido de reflexão, de aprendizagem, e oportunidades para novas adaptações, de criatividade, desenvolvendo capacidade de se reinventar, obtenção de novos conhecimentos e valores, cuidados consigo mesmo e das relações familiares, amigos, mesmo que a distancia, nas redes sociais.

Oportunidade e tempo para cuidar da sua interiorização, seu contato com o divino interno/Mente Universal/ Deus – nome que você denomine a sua crença. Oportunidade que poderá promover uma nova identidade de ser humanos, com novos comportamentos nos habitantes de Gaia.

Para outros Seres e principalmente para o ansioso este é o momento mais pavoroso, mais aterrador, pois uma de suas características é o pessimismo. Apresenta pouca fé, é inseguro, possui baixa auto estima, tem o habito de projetar no outro sua raiva, insatisfação, suas angustias e frustrações.

Possui uma dificuldade de entrar em contatos com seus conteúdos, psíquicos. Compromisso moral e ético que existe em todos os seres, essas pessoas apresentam dificuldades em perceber suas realidades emocionais devido seu extremoso egocentrismo e imaturidade do Eu. Diz Baygton-“Vivenciam a ansiedade e depressão como doenças porque não sabem e não são ensinadas a lidar normal e criativamente com elas.” Existe solução para tudo isso se houver o desejo de reesignificas. É uma tarefa árdua, mas possível.

Você se identificou com algumas destas características de ansiedade?

Deseja se libertar deste mal?

Tudo é uma questão de escolhas: se você decidir tomar as rédeas em suas mãos e escrever sua nova historia é uma tarefa complexa, mas totalmente possível! Vão exigir de você paciência e determinação, pois para superar conflitos não é um processo rápido como fazer uma cirurgia e extirpar um órgão doente.

Contudo, é possível ressignificar os traumas, os conflitos através de técnicas que fortaleçam o Eu/ego para assumir sua própria historia sendo senhor (a) do seu destino. Para isso demandará uma nova jornada pautada em metas: a médio e a longo prazo.

Existe uma infinidade de técnicas para se tratar a ansiedade que se inicia de forma simples: o desejo de se transformar! Outro passo igualmente importante: ser honesto consigo mesmo e desejar se conhecer! Identificar as fragilidades, as loucuras, criando novas rotas para navegar em águas mais serenas e cristalinas, reescrevendo uma nova historia. O resultado esperado e a meta alcançada são: desenvolver um lindo caso de amor conosco mesmos e com a vida!

Você é o único protagonista desta historia, mas poderá contar com parceiros igualmente importantes – para te ajudar nesta jornada: Psicoterapias, Psiquiatria, a família, amigos… Confie! Existe uma infinidade de técnicas – reconhecidamente eficazes – para reduzir/aprender a lidar, com quadros de ansiedade

Minha dica – preciosa! – Para você que quer iniciar imediatamente esse processo:

Comece pelo corpo – por meio de uma atividade física. Escolha a que você mais se identifica: atenção focada na respiração, relaxamentos guiados na internet (existem muitos), até chegar a uma meditação diária buscando e encontrando conexão com Aquele que foi e sempre será o Mestre dos Mestres: Mestre Jesus, que nos ensinou há mais de 2000 anos – através dos seus atos – o Amor Incondicional.

Sua máxima “Amai a Deus sobre todas as coisas e ao teu Próximo como a ti mesmo” E a ciência vêm cada vez mais provando essa união com a espiritualidade. Na pratica desta máxima mudamos a nossa historia.

Desejo que a leitura deste artigo – escrito com muito amor – permita que você visualize, sinta e perceba que existe solução para a sua ansiedade!

Eu sou Roseli Souza, Psicóloga com abordagem Junguiana, Arte Terapeuta, Consteladora Sistêmica e praticante do Xamanismo. E por ter já trilhado esse caminho da dor, de ansiedade, depressão e da dislexia e Vencido, estou Totalmente preparada para te auxiliar na jornada de Autoconhecimento, despertar em ti o seu Curador Interno promovendo o tratamento da Ansiedade.

Contatos: Espaço Terapêutico Espelho da Alma-
Presencial: Rua; Campos Sales, 167- sala- 511 -5° andar- Mauá-SP
Online
Facebook: Roseli Sterechuc
Whatsapp: (11)99567-7882

Avalie esse artigo:

Comentários:

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments