Mandalas terapêuticas

Descobrindo-se através das Mandalas Terapêuticas

A palavra mandala vem do sânscrito que significa círculo ou círculo mágico. Na sua etimologia encontramos manda= essência e la=conteúdo, essência do ser, ou do indivíduo, ou como Jung dizia, mandalas são a representação do Self.

Carl Jung foi o primeiro psiquiatra a utilizar a arte como recurso terapêutico. Ele desenhava mandalas diariamente e percebia como suas produções mudavam conforme seu humor, seu estado de espírito; se estava nervoso, calmo ou ansioso.

Jung dizia que a mandala possui um duplo efeito: “conservar a ordem psíquica se ela já existe ou de restabelecê-la se ela desapareceu.” Ele descobriu que desenhar, pintar e sonhar com mandalas é parte natural do processo de individuação. (Fischer, Suzanne)

Mandala como linguagem da mente

As imagens estão além da linguagem e da mente racional, elas trazem um maior entendimento da consciência humana. Nosso cérebro responde de maneira muito particular às imagens, que têm um poder intenso, real e indiscutível.

círculo é uma imagem universal, do presente, passado e futuro. Por isso as mandalas fascinam pela magia de seus movimentos. São símbolos que exprimem as riquezas incontáveis do subconsciente humano.

É muito difícil precisar a origem das mandalas, temos que admitir que é mais velha do que todos nós. Assim, organizada em torno de um centro, a composição das formas e das cores em uma mandala é muito importante.

Jung afirmava que, quando o self encontra expressão nesses desenhos, o inconsciente reage reforçando uma atitude de direção à vida.

Tipos de mandalas

Como tipos de mandalas temos as Espontâneas, que nascem do nosso inconsciente e nos trazem respostas ou caminhos a seguir, são as utilizadas no processo terapêutico.

Podem também ser Racionais, criadas com um objetivo preciso ou as Objetivas que são as mandalas decorativas.

As mandalas de Origem têm foco religioso e as de Formação são utilizadas pelos esotéricos, pois analisam a numerologia, as formas e as cores.

Mandalas Terapêuticas

A mandala terapêutica é um desenho livre dentro de um círculo, onde o individuo se expressa da forma que se sente melhor, pintando ou desenhando. No momento da confecção da mandala, a pessoa está concentrada e entrando em contato com seu mundo interior, está concretizando, fazendo uma representação gráfica do seu próprio mundo.

Cada mandala é como se fosse um espelho, ou melhor, o reflexo da pessoa que você é naquele momento. Assim, ao terminar sua mandala você a observa e analisa o feedback do seu momento, trazendo para a consciência símbolos e cores do seu inconsciente. Dessa forma, elas refletem ou expressam o nosso interior.

Quando desenhamos de forma livre dentro de um círculo, utilizando forma e cor espontaneamente, estamos atraindo para nós a cura, a autodescoberta, o autoconhecimento e uma evolução pessoal.

O processo de mandalas terapêuticas favorece o relaxamento e promove o conhecimento de si mesmo, além da expansão da consciência. Traz ainda muitos benefícios que estimulam a imaginação e a expressão da comunicação. Da mesma forma, desenvolvem a intuição e a criatividade, além de ajudar na concentração e na prevenção do estresse, conservando a ordem psíquica.

É um momento de entrega e de observação com o que temos por dentro, um momento de ouvir o que a nossa voz interior tem a nos dizer.

Resultados do processo

Este processo traz resultados tanto no autoconhecimento, nas descobertas interiores para tomada de decisões, quanto no tratamento de ansiedade, depressão, falta de foco ou motivação. É um exercício individual que traz resultados únicos e particulares, um exercício de cura de vários casos clínicos e de libertação.

Mas o uso da mandala terapêutica não precisa estar ligado a nenhuma doença ou problema psicológico particular. Ela é um meio de se equilibrar, encontrar paz após um dia cansativo de trabalho ou relaxar diante de situações perturbadoras.

No encontro do Ateliê de Mandalas Terapêuticas, após uma breve conversa, realiza-se uma meditação que pode ser guiada ou não, dependendo do objetivo apresentado pelo paciente.

Após este exercício inicia-se o desenho que pode durar de 15 a 20 minutos, dependendo de cada um. Com a mandala pronta inicia-se a análise da mesma.

Como resultado deste processo a pessoa vai descobrir mais sobre ela mesma, sentirá melhora emocional e também na saúde, além de encontrar soluções criativas para os problemas do dia a dia.

É um mundo fascinante de descobertas, um convite para conhecer o seu próprio interior repleto de mensagens.

Avalie esse artigo:

Comentários:

1 Comentário
Inline Feedbacks
View all comments
Oliver Mateucci
9 meses atrás

Maravilhoso o trabalho com Mandalas, algo que todo mundo deveria ver pelo menos um pouco na vida.
Adorei o artigo <3