Felicidade no trabalho e na vida pessoal. É possível?

Não tem jeito… chega a época das festas e pensar em como foi o ano que se encerra muitas vezes pode gerar angústia e tristeza por não ter sido como você desejou. Será que é possível ter felicidade no trabalho e na vida pessoal?

Por mais que você tenha se esforçado parece que nada deu certo ou que as coisas saíram diferentes do que pretendia…

É bastante comum a ansiedade começar a bater na sua porta, já perguntando o que deseja para o próximo ano.

Para te ajudar a refletir sobre possíveis questões que estejam passando por sua cabeça, usarei como exemplo o caso de uma cliente que tem a ver com escolhas profissionais. Elas poderão te ajudar a pensar sobre seu momento atual e como você pode se preparar para fazer uma transição, com menos stress e ansiedade. Para preservar a identidade da minha cliente passarei a chamá-la de Ana Silva. 


Caso Ana Silva: Gerente de relacionamento ou paisagista?

Ana Silva é uma profissional que sempre trabalhou  na área comercial do mercado financeiro. Apesar de nunca ter amado o que fazia, ela diz que era suportável pois que tinha oportunidade de crescer e “corria” atrás disso. Por motivos financeiros aceitou um novo desafio de trabalhar como Gerente de Relacionamento de uma grande organização, porém se arrepende de ter aceitado essa proposta. Em paralelo, começou a fazer cursos de paisagismos, flores e decoração.  Diz que está “pegando gosto” pelo negócio e que ao mesmo tempo não aguenta mais ir trabalhar todos os dias chegando ao ponto de chorar, de tanta angústia.

O dilema de Ana Silva é avaliar se pede demissão para investir no ramo de flores e decoração ou se tenta mudar de área dentro do banco por ser uma boa empresa para se trabalhar.

Algumas reflexões sobre o caso da Ana silva:

Na maior parte das vezes, as transições que Ana Silva fez em sua vida profissional, a questão financeira teve um peso significativo na sua decisão. Talvez até maior do que gostar das atividades que desempenharia.

Inicialmente quero enfatizar que priorizar a questão financeira é válido desde que esteja consciente dessa decisão: o quanto você pode conviver com essa decisão? Por quanto tempo? Está abrindo mão de algo ou de uma atividade que gostaria muito de fazer se pudesse escolher sem  a “pressão” financeira?  

Feitas essas considerações coloque-se no lugar da Ana, reflita e responda para você mesma as questões abaixo caso esteja vivenciando algo similar e queira encontrar a felicidade no trabalho e na vida pessoal:

Primeira etapa

1)     Relembre os critérios que usou para tomar as decisões de mudar de área/empresa: realmente foi só a questão financeira? Se não, que outros critérios você considera mas não se lembra ou não costuma considerar? Exemplo: ambiente de trabalho, desafios do cargo etc.

2)     Liste as principais realizações que você fez em cada uma das áreas/empresas em que trabalhou. O que elas têm em comum?  Quais foram os projetos e resultados que você se orgulha de contar?

3)      Quais as competências que você usou para obter tais realizações?

4)      Quais as atividades que você evita fazer ao máximo?

5)      Quais são seus pontos fortes e pontos de desenvolvimento?

6)      Como surgiu o interesse para estudar sobre decoração e flores?

Segunda etapa

Ao ter avaliado seu histórico e competências, pare um pouco e faça o exercício de se “descolar” do hoje… Imagine-se daqui a três, cinco anos…

1)      Como você imagina seu futuro profissional e pessoal?

2)      O que gostaria de fazer nesse cenário?

3)      Em que ambiente?

4)    Como os conhecimentos e atividades que tem tido sobre om tema que te interessa aparecem nos seus planos de futuro?

5) Você identifica oportunidade de transformar essa atividade em algum negócio que possa atender seus gostos e necessidade financeira no médio e longo prazos?

Terceira etapa

1)      Quais foram as descobertas?

2)      Que tipo de atividade você gostaria de fazer?

3)      Que tipo de ambiente você prefere trabalhar?

4)      Quais as alternativas você vislumbra depois de sua reflexão?

Quarta etapa

Agora é hora de considerar duas ou três alternativas para investigar com mais calma.

1)      Escolha duas alternativas prioritárias para avaliar com mais cuidado.

2)      Gere um plano de ação para investigar cada alternativa:

·         descreva claramente que ações você precisará fazer,

·         quais são os ganhos e perdas de cada opção,

·         em que prazo você poderia realizar cada uma das ações e

·         quem poderá lhe ajudar com cada ação descrita.

Muitas vezes pode ser angustiante ter que avaliar e tomar decisões como as que Ana silva ou você precisa tomar, mas lembre-se que você começou a fazer algo pelo simples fato de ter chegado até esse ponto do texto. De alguma forma, você está mobilizada (o) para fazer algo.

E você pode fazer mais ainda ao buscar um apoio profissional para te ajudar nesse momento da sua vida. e encontrar a felicidade no trabalho e na vida pessoal.

Minha recomendação final é que invista seu tempo e energia em ampliar seu autoconhecimento, reconhecendo e valorizando suas principais competências. Elas serão fundamentais para que você mapeie como você pode melhor aplicá-las em seu futuro.

Use-as como suporte para alavancar sua transição!

Um abraço e muito sucesso nas suas escolhas!

Gostou do post? Então assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de nossos conteúdos e novidades!

Avalie esse artigo:

Comentários:

Please Login to comment