Psicoterapia para quem deseja parar de fumar

Psicoterapia para quem deseja parar de fumar – aspectos emocionais do Tabagismo

As campanhas antitabagistas em geral (não são todas, claro), assim como as pessoas em volta do fumante, simplesmente querem que eles parem de fumar, mas não consideram que estamos falando de uma das piores dependências químicas que existe. Isso porquê, a nicotina (substância química presente no tabaco) tem uma altíssima capacidade de gerar dependência ao ser ingerida. E, apesar do falsa sensação de bem-estar que esta substância dá ao organismo, a principal dificuldade em parar de fumar é a retirada da nicotina que gerará o mal estar (abstinência).

Daí vem a importância de uma postura de compreensão e acolhimento ao tabagista e, ao contrário das críticas, apoiando nas possíveis estratégias para se cessar o fumo. A experiência mostra que, ao seguir esta abordagem, o processo de deixar de fumar desta pessoa poderá ser uma experiência muito mais efetiva, já que estará baseada na consciência desse individuo sobre o lugar do cigarro na sua vida e não apenas cumprindo um roteiro, pré-estabelecido, um manual de instruções sem considerar o fator emocional envolvido neste processo.

Da química para o emocional

De 7 a 19 segundos após ser inalada, através do cigarro, a nicotina atinge o cérebro e vai agir no Sistema Nervoso Central liberando várias substâncias conhecidas como neurotransmissores. Elas vão estimular todo um mecanismo neurológico que resulta na sensação de prazer, modificando assim o estado emocional e comportamental da pessoa.

Assim como acontece com outras drogas, sejam elas cocaína, heroína ou álcool, o indivíduo terá o seu comportamento alterado de forma “não natural” e sim em decorrência da ação de uma substância psicoativa.

Conforme a pessoa repete este comportamento, ingerindo continuamente nicotina, o cérebro vai se adaptando a essa entrada de “estimulo ou prazer artificial”. O corpo passa a exigir as doses com uma recorrência que vai se constituir de acordo com o organismo da pessoa (maior ou menor tolerância à substancia) e todo uma gama  de simbolismos e significados vai se criando em torno deste habito: fuma-se na alegria, na tristeza…  alguns momentos.  Fuma-se pela necessidade de reposição da nicotina e em outras fuma-se para alimentar a fantasia de conforto trazida pelo cigarro

Relembrando, nenhuma dependência química é só química. Trata-se de uma questão biopsicossocial. E assim, também no tabagismo encontraremos (como em outras adicções) fatores biológicos (a química), fatores, psicológicos (emocionais, afetivos) e fatores sociais (cultura, comportamento de grupos) que levam as pessoas a continuarem repetindo aquele hábito nocivo, ainda que já tenham alguma consciência dos prejuízos.

Seguindo nesta linha, o psicólogo é o profissional preparado para demandas de cunho “biopsicossocial”, seja na condução de processos psicoterapêuticos ou ainda no encaminhamento para equipe multidisciplinar.

E a PSICOTERAPIA, o que tem a ver com o Tabagismo?

Se na construção da dependência “química” os fatores comportamentais e emocionais estão diretamente implicados, num processo psicoterapêutico a pessoa tem a oportunidade de olhar para esses aspectos:

  • que acolhimento é esse?
  • que companhia é essa?
  • que conforto é esse que eu busco no cigarro e que não consigo encontrar em outras relações da minha vida?

Além de poder falar sobre suas angústias e aflições o que levará a uma diminuição da ansiedade e, consequentemente diminuição no comportamento compulsivo que é uma das consequências da ansiedade (a repetição de um comportamento pode amenizar a ansiedade, por isso se estabelece um ciclo de retroalimentação).  E, num segundo momento da terapia, o processo pode se voltar para a ressignificação dessas projeções que foram feitas no cigarro e é quando o sujeito pode refletir e recriar “a vida sem cigarro”.

Na psicoterapia breve focada na cessação do tabagismo é possível conhecer todos os aspectos envolvidos no padrão de consumo individual para diagnóstico do nível de dependência (química e emocional), conhecer e discutir estratégias para o momento de cessação, acompanhar e discutir os primeiros dias sem fumar, além de construir estratégias para manutenção saudável da abstinência. E sempre que necessário, discutir o encaminhamento para especialistas que possam contribuir com o tratamento.

Parar de fumar é um “processo” que exige coragem para iniciar e serenidade para respeitar cada fase a ser percorrida. Contar com a ajuda de um profissional especialista, pode tornar este caminho mais seguro e, quem sabe mais suave.

Avalie esse artigo:

Comentários:

Please Login to comment