imigrante

QUANDO ME TORNEI IMIGRANTE?

Imigrante. Do latim immigrans.antis significa “pessoa que habita e possui residência fixa (legal ou ilegal) num país estrangeiro.”. Ao longo da história da humanidade, até mesmo para sua expansão a imigração foi extremamente necessária, entretanto, na atual circunstância essa palavra vem carregada de dor, sofrimento entre as pessoas oriundas de países em guerra e situação de risco. A vocês, imigrantes, nosso apoio!

Entretanto, pouco ouvimos referirem-se, aquelas pessoas que sonharam, planejaram e concretizaram o sonho de morar em outro país, por livre espontânea vontade, como imigrantes, a elas adjetivamos como aventureiras, corajosas, pessoas de sucesso, sonhadoras e etc..

Seja por sobrevivência, desejo, vontade, aventura, a trabalho, seja o motivo que lhe couber, imigrar é sempre um desafio que demanda uma exigência emocional profunda apesar do glamour que possa a principio aparentar.

Podemos ler os melhores guias, blogs, assistir os Youtubers mais completos, estudar o idioma, visitar algumas vezes, ainda assim não será o suficiente para lidar com o cotidiano que aguarda ao residir.

A GRANDE MUDANÇA

Os primeiros dias são de encantamento misturado a tensão, os dias se passam e tudo ainda é novo, até mesmo o som do vento que bate na janela surpreendentemente nos encanta.

No entanto, os dias, as semanas, meses passam…. Sabe aquele vazio que fica no canto da sala quando  aquele móvel é retirado, estava ali a tanto tempo que já fazia parte da história da casa?

Pois é, esse vazio existencial, começa a aparecer, não pense que a aparição do encantamento com novo irá suprir ou preencher a falta do que deixou, apesar de ter sido a melhor escolha que você tenha feito na vida. Tristeza, nostalgia é completamente esperando, não faz da sua escolha menos importante.

Logo, recorremos aos amigxs, familiares para compartilhar a saudade que bate, ou até mesmo um desejo de comer aquele arroz com feijão ou de ir no supermercado do bairro que tinha tudo.

Todavia, ao compartilhar o que sente, lhe dizem que você é privilegiado e vem as seguintes frases:

_ Queria eu chorar a beira do Rio Senna

_ Quem dera eu estar no seu lugar, não estaria chorando, triste, estaria nos pubs londrinos

_ O que te falta é sair de casa, se fosse eu estaria nos jogos de baseball

_ Você está reclamando de barriga cheia, estaria nos museus.

E assim vai… pois é, algumas vezes pode ser mesmo uma situação privilegiada, mas não é isenta de dificuldades, emoções, adaptações, e, não deixa de ser um processo imigratório.

IMIGRANDO

Saindo um pouco da formalidade da palavra-conceito imigrante, gosto de pensar que “imigramos” muitas vezes para diversos lugares que não estão no mapa mundi.

Imigramos para o mundo da pessoa amada, dos grupos que fazemos partes, do trabalho que amamos ou odiamos, para os filmes e series que maratonamos, as músicas que ouvimos e nos remete a um momento histórico de nossas vidas, ou seja, adentramos mundos diversos…

Entendo que imigrar é o movimento saudável de transitar entre as contradições que se engendram ao nos relacionarmos com a diversidade que é viver em sociedade.

Gosto do termo contemporâneo “Corpo Politico” seja onde quer que formos, mesmo quando não usamos a linguagem para nos expressarmos, nosso corpo carrega em si nossa própria história, nosso modo brasileiro de andar, se vestir, gestos, nosso modo de viver a vida, latino. Ao nos relacionarmos com outras pessoas, culturas, instituições levamos para essas relações nossa história individual, familiar, social e cultural e assim o outro também as suas, um compartilhar.

Dependendo da intensidade da vivencia, neste movimento nos fundimos e nos transformamos, recebendo e doando uns dos outros.

Imigrar é movimento emocional, cognitivo, cultural, econômico, laboral, é desprender-se e se jogar no novo com toda a insegurança que isso pode lhe causar.

Isto posto, imigramos quando nos dispomos a nos movermos pela vida, desde o momento que o sonho foi concebido, todo passo é importante, a construção a concretização. Residir inicia a segunda etapa do imigra-se, talvez a parte mais difícil. Não podemos deixar de nos lembrarmos que imigrar é movimento, estamos em processo constantemente de imigração.

IMIGRANDO SAUDAVELMENTE

– FLEXIBILIDADE – planeje, mas esteja aberto (a) para vivenciar coisas positivas de situações inesperadas.

– OPEN MIND – Julgar os hábitos culturais só vai te distanciar de sua nova realidade. Entenda, compreenda, pergunte, se aproprie da cultura, seja gentil com os outros e com você mesmo (a), respeite o seu limite nem tudo que é bom para os outros será para você, já dizia a mãe de todo mundo.

– ROTINA – Estabeleça uma rotina diária, semanal, pode lhe trazer mais segurança, mas não esqueça da flexibilidade.

ISOLAMENTO – Os primeiros 6 meses são críticos, mas não se isole dos antigos e novos amigxs e familiares que ficaram no Brasil. Ligue, converse, mas viva a sua nova vida, saia e divirta-se, porém, dar conta da solidão também é algo muito importante para sua saúde mental.

– ATIVIDADE FISÍCA E ALIMENTAÇÃO – Não será nosso famoso arroz com feijão e bife acebolado, ou aquela feijoada, tipicamente com sabor de brasilidade. Porém, nosso segundo cérebro é nosso intestino é nele que produzimos grande parte dos hormônios do humor, portanto, alimentação combinada a atividade física, extremamente importante, pelo menos pode evitar muitas sensações emocionais indesejadas. Bora, prevenir!

– PSICOTERAPIA – Sim, psicoterapia pode lhe ajudar nesse momento de transição da vida, de adaptação e lidar com sentimentos relacionados ao seu novo modo de viver a vida. Ter um espaço onde alguém entende o que você passa, te acolhe, sem te julgar, pode  ajudar a passar por esse processo com menos dificuldades.

A psicoterapia na perspectiva da psicologia histórico-cultural tem por objetivo a integração cognitivo-afetivo, ou seja, te ajuda a usar e construir instrumentos psíquicos possibilitando uma autonomia na vida cotidiana perpassando pelo autoconhecimento e autocontrole da conduta, sabendo quando e como usar seus recursos psíquicos.

Para concluir, imigrar é movimento, seja para outro país ou até mesmo para dentro de si, o desconhecido lhe espera, esteja preparado (a) para vivenciar cada experiência em suas máximas potencialidades, de uma maneira mais saudável possível.

Se identificou com tema? Clique aqui para agendar sua consulta com a Psicóloga Amably Tayrine

Gostou do post? Então assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de nossos conteúdos e novidades!

Avalie esse artigo:

Comentários:

Please Login to comment