sobre a ansiedade

O que você precisa saber sobre a ansiedade

Ansiedade é importante?

Ouvimos falar muito em ansiedade, mas engana-se quem pensa que ela é fruto da agitação deste mundo atual e que veio surgir somente hoje em decorrência da modernidade. A grande verdade é que ela faz parte da história humana desde os tempos mais remotos, sendo elemento importante no repertório dos mecanismos de sobrevivência e adaptação.

Se não houvesse a ansiedade a raça humana teria se extinguido. Imaginem se não fossem as preocupações importantes para sobrevivência  em relação a possíveis perigos, os antigos homens teriam sido devorados por animais ferozes (o que já acontecia com alguns membros distraídos, naquela sociedade), não teriam sobrevivido a momentos de escassez de alimentos, teriam entrado em conflito com inimigos, entre outras coisas mais, em suma, sem o medo de perigos reais, e tantas outras preocupações com o que poderia acontecer, não haveria ninguém hoje para contar história. 

A ansiedade ainda hoje tem um caráter essencial, particularmente creio que ela serve como uma espécie de  freio, que é importante para as boas relações e ainda para  a própria preservação da vida, pois nos impede de agirmos como pessoas “sem noção”.  A ansiedade vai nos privar de agir de forma inadequada em ambientes que desconhecemos, vai nos preservar a vida, no sentido de não ficarmos expostos a perigos, vai nos ajudar a prevenir riscos à saúde, etc.

Entendendo o transtorno

As definições que podemos encontrar sobre a ansiedade é que esta se trata de um estado psíquico de angústia, apreensão, acompanhada do medo em relação a uma situação futura que pode ser desconfortável ou que represente algum perigo. Por isso é dito em termos simples que é uma preocupação que prevê alguma situação quer seja real ou não.

Quando a ansiedade é considerada normal

             As características da ansiedade normal ou como é chamada atualmente de ansiedade do bem são:

·         Reações diante do estresse ou em situações inesperadas, difíceis e específicas que podem surgir no dia a dia.

·         Começa como uma resposta a uma situação específica (como por exemplo, preocupar-se antes de uma prova, quando muda de emprego, no nascimento de um filho, antes de uma cirurgia, etc.), mas, não é muito duradoura e logo se dissipa.

·         Quando inicia uma atividade diferente do habitual, normalmente surge num contexto de desafio.

·         Após a situação estranha ou estressora passar, é possível verificar que a pessoa consegue então relaxar.

·         Quando sente reações no organismo como frio na barriga, dor de cabeça, coração acelerado e tem insônia como consequência de uma notícia ou situação estressante que esteja vivenciando naquele momento específico.

·         Existem poucos episódios, a intensidade é leve.

·         Gera um pouco de sofrimento, mas é limitado e passageiro.

·         Não tem interferências relevantes para a vida, ou seja, não impede de exercer as atividades do cotidiano.

Quando a ansiedade Patológica

O transtorno de ansiedade pode surgir por alguma determinação genética a nível moderado, como resposta a um estresse profundo ou alguma circunstância específica ao longo da vida e tem por características:

·         Acontecerem em episódios frequentes com intensidade alta e duração prolongada.

·         Suas reações são desproporcionais, gerando um grande sofrimento que perdura por semanas, meses ou até mesmo anos;

·         Apresenta muitos sinais e sintomas físicos como sudorese, tontura, dores de cabeça, palpitações, cansaço constante, sensação de frio na barriga, tremores, dores musculares, etc.

·         Os sintomas psicológicos como pensamentos constantes e acelerados, medo contínuo e muitas vezes irracional, mudanças de humor drásticas, perda de memória, compulsão, sensação de estar sob pressão o tempo todo, perda de memória, e outros.

·         A pessoa sofre com frequência de insônia, mesmo que sem motivo que justifique.

·         Ocorre a sensação de estar carregando um fardo imenso e pesado nas costas, pois as preocupações não param nem se quer por um momento.

·         É um dos transtornos mais incapacitantes uma vez que interfere profundamente na vida cotidiana.

A ansiedade pode se transformar em um transtorno quando o medo se torna exagerado, as emoções saem do controle gerando um grande sofrimento para a pessoa que convive com esta doença.

Tipos de Transtorno de Ansiedade

A ansiedade pode manifestar-se de diferentes formas e pode surgir ocasionada por uma situação de estresse profundo.

Segundo o DSM V (Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5.ª edição), os transtornos de ansiedade podem ser distintos a partir dos tipos de objetos ou situações que induzem medo, ansiedade ou comportamento de esquiva e na ideação cognitiva associada.

Apesar de serem encontradas algumas semelhanças entre si, os transtornos de ansiedade podem ter suas distinções observadas a partir de avaliações específicas, através do foco de seus temores ou evitações e por meio do conteúdo dos pensamentos e crenças associados a cada um deles.

As formas mais comuns de manifestação dos transtornos ansiosos são:

1.  Fobia Específica: ocorre quando a pessoa desenvolve um medo exagerado de uma situação ou direcionado a um estímulo que na sua mente pode culminar em uma catástrofe, ou gerar morte ou dano, como por exemplo, uma pessoa que tem medo de aranhas, pode ter episódios ansiosos somente de pensar ou até mesmo por ver uma foto de uma aranha, ou a pessoa que não viaja de avião começa a desenvolver pensamentos de todos os tipos, como as várias maneiras que um avião possa cair, pensando na falta de oxigênio dentro da aeronave, de como pode ser perigoso estar no ar voando, etc.

2. Agorafobia: é o medo e/ou a evitação à lugares e situações que possam causar pânico, impotência ou constrangimento. Muitas pessoas confundem este transtorno com o transtorno de fobia específica, porém se difere em suas características, pois este está mais associado ao fato de o indivíduo ter medo de se achar sozinho em lugares públicos, ou espaços abertos. Este transtorno sempre foi tratado como parte do transtorno de pânico, por ter como característica acionar o ataque de pânico. Para entender melhor vamos exemplificar como pode ocorrer a agorafobia: A pessoa não vai a um show, pois tem medo de não conseguir encontrar as saídas e acaba tendo um ataque de pânico por isso, ou não vai ao cinema, pois, acha que vai se sentir presa no meio de tantas pessoas e vai ter um ataque de pânico. Por isso ela evita, ou começa a usar comportamentos que para ela vão ter o efeito de “proteção e preparo prévio” para os possíveis problemas de impotência ou constrangimento nestes locais públicos.

1.   Transtorno do Pânico: É o medo exagerado das próprias reações fisiológicas ou psicológicas, a um estímulo, Como por exemplo, quando ocorre qualquer anormalidade como uma respiração alterada, batimentos acelerados, vertigens, suor, podem ser interpretados como um sinal de colapso iminente, como um sinal de insanidade ou morte certa, e então ocorrem os ataques de pânico.

2. Transtorno Obsessivo compulsivo (TOC) são pensamentos ou imagens recorrentes e estressantes que chamamos de obsessão. É o transtorno dos rituais e das manias, a pessoa acredita que fazendo determinado ritual pode se livrar da morte, da contaminação, dos dias ruins, de um mal devastador, etc.

3. Transtorno de Ansiedade Generalizada: A característica deste transtorno é a pessoa se preocupar com muitas coisas ao mesmo tempo e tentar imaginar meios de se prevenir através das preocupações criadas em sua mente, que para ela tem o poder de evitar o pior, os pensamentos aprecem como um turbilhão. Neste transtorno é como se a mente funcionasse por vinte e quatro horas sem parar durante sete dias na semana, por isso quem convive com esse tipo de transtorno acaba sofrendo mais intensamente com a insônia, o cansaço constante, a irritabilidade e alterações de humor (tristeza, acompanhado de choro, raiva, acompanhado de ataques sem motivos aparentes, etc.).

4. Transtorno de Ansiedade social ou como é mais conhecida fobia social: é o medo excessivo de ser julgado em situações sociais. Por isso evita estar em locais sociais, banheiros públicos, comer em público, e outras interações sociais, pois isso lhe causa mal estar físico e pode paralisar em vários aspectos a pessoa que sofre com este transtorno. A fobia social pode ser generalizada, quando a pessoa teme ou evita qualquer situação de exposição pública ou pode ser específica quando surge apenas em decorrência de uma situação em especial, como, por exemplo, comer em público. Quem sofre com este transtorno tende ao isolamento e a solidão, por isso pode desenvolver o transtorno depressivo ou recorrer ao uso de drogas para de alguma forma amenizar seu sofrimento.

5. Transtorno de Estresse Pós-traumático: como o próprio nome já diz este transtorno surge em decorrência de uma situação vivida anteriormente pela pessoa e que foi exposta a um estresse profundo que lhe causa severo sofrimento. Quem sofre com o estresse pós-traumático tem com frequência flashbacks, pesadelos, imagens mentais que surgem a qualquer momento em sua cabeça, e ainda a evitação de lugares que fazem com que ela reviva a situação traumática. É muito comum a ocorrência deste transtorno nos casos de traumas ocasionados por violência física, sexual, acidentes ou pessoas que participaram de guerras.

É possível que um transtorno de ansiedade apareça de modo repentino na vida de qualquer pessoa, independente da idade, sexo, nacionalidade, e também é possível que ao longo do desenvolvimento a pessoa tenha vivido tantas situações estressoras que acaba desenvolvendo algum transtorno de ansiedade e não percebe o quanto ele tem consequências desagradáveis, mas que passam desapercebidas por não terem notado como esta lhe prejudica, e de certa forma acabam se “acostumando” com o sofrimento causado pelos transtornos. Geralmente pensa que sempre foi assim e não procura ajuda.

Infelizmente nossas emoções podem ser intensas e no caso da ansiedade o medo pode vir a ultrapassar os limites se tornando desproporcional e prejudicando o senso de julgamento e a vida como um todo. É importante tratar esta enfermidade com seriedade.  Em alguns casos o tratamento para ansiedade pode ser medicamentoso, para isso é necessário o acompanhamento psiquiátrico, ou pode ser através do processo de psicoterapia que pode proporcionar resultados satisfatórios para o desenvolvimento de uma vida mais saudável e mais leve.

Gostou do post? Então assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de nossos conteúdos e novidades!

Se identifico com o artigo? Marque a sua consulta com a psicóloga Regiane Simões.

Avalie esse artigo:

Comentários:

Please Login to comment