terapia de casal

Terapia de Casal: 7 sinais de que é hora de dar essa ajudinha para o poder do amor

Foi somente nos últimos meses de “Orgulho e Paixão”, folhetim global recém-acabado, que Julieta Bittencourt, a poderosa rainha do café, vivida por Gabriela Duarte, conseguiu vencer seus fantasmas e se permitiu iniciar um romance com Aurélio, personagem gentil e amoroso.

Novelices à parte, a história mostra uma das possibilidades reais dos relacionamentos: a de responderem profundamente às nossas necessidades mais íntimas e muitas vezes desencadearem situações que nos forçam a resolvermos nossos conflitos. Sem Aurélio, Julieta dificilmente conseguiria revelar um importante trauma de seu passado e ainda aproximar-se do filho, Camilo, que a vida toda se sentiu desprezado pela mãe.

Verdade é que, em pleno século XXI, ainda hoje todos depositamos uma carga muito grande de expectativas em nossos relacionamentos. Sonhamos com o par perfeito, sempre disponível, sem defeitos. Mas… e quando a metade da nossa laranja já não parece tão docinha? E quando fica com gosto de limão cravinho misturado com jiló?

Neste post, você vai conhecer sete sinais que indicam quando a sua relação deixou de ser saudável e é hora de buscar um terapeuta para potencializar vocês como casal. Pronto para saber? Vamos lá!

  1. Alguém já não sonha mais
    Um relacionamento é um encontro de expectativas e, quando funcional, permite que os dois cresçam, um amparado no outro, realizando metas e evoluindo como pessoas. Se isso para de acontecer em qualquer área da vida, é preciso acender o sinal vermelho, ouvir o coração e buscar ajuda para descobrir o que está acontecendo.
  2. A insegurança ou a insatisfação estão insuportáveis
    Achar que o outro pode ir embora a qualquer momento ou estar tão insatisfeito a ponto de querer desistir são dois lados da mesma moeda. Quando a relação chega a esse ponto, a grama do vizinho é sempre mais verde e começamos a nos armar contra o parceiro, numa espiral negativa para ambos. Afloram esquemas de abandono, desconfiança, privação emocional e isolamento social, tornando-nos incapazes de nos sentir bem no relacionamento. Passou da hora de procurar ajuda.
  3. Expectativas pessoais descabidas
    Sonhar e planejar é saudável e tende a trazer benefícios para o casal. Mas… e quando um dos dois possui um projeto de médio ou longo prazo em que o outro não se encaixa? Ou então, e se esse projeto for só um sonho de gaveta que a pessoa não move uma palhinha para realizar? Bem, os dois casos são receitas de desastres na relação. Nestas situações, a terapia pode ajudar cada um e o casal a encontrarem caminhos para a realização de outros sonhos, capazes de ocupar esse vazio causador dos problemas.
  4. Alguém não faz sua parte
    Relacionamento é vivência, mas também é investimento. Se um dos dois não depositar, a cada dia, suas moedinhas de dedicação, cuidado e esforço, o cofre de vocês vai ficar vazio e não suportará quando houver a menor emergência. Pessoas que não desenvolveram seus próprios limites internos não conseguem assumir essas responsabilidades, além de terem dificuldade em cooperar e em ter autocontrole, achando que estão sempre sendo prejudicadas pelo parceiro. Porém, se o relacionamento vale a pena, a terapia serve como um banho de água fria capaz de acordar a pessoa pra vida. Afinal, se ela buscou o relacionamento, é porque precisava do outro.
  5. Um dos dois se anula voluntariamente
    Fazer tudo pelo outro, quase sempre, é um sinal de desequilíbrio. A capacidade de amar só existe se passar primeiro pelo amor próprio. E a valorização que o outro nos dá não depende só do que fazemos para ele, mas, em primeiro lugar, do quanto valorizamos a nós mesmos. Subjugarmo-nos ao outro e sacrificarmos nossos sonhos não vai trazer alegria a nenhum dos dois. A terapia de casal nos ajuda a perceber o valor de cada um e, portanto, a termos um verdadeiro tesouro a compartilhar: nós mesmos, e empoderados!
  6. Um dos dois se acha um general
    Cuidar da relação é uma coisa. Outra é exigir perfeição, sentir que o outro ou você está sempre devendo, cobrar-se a si ou ao outro por não ser impecável e criar punições, como deixar de sair ou de fazer uma coisa de que gosta só porque algo não saiu “como deveria”. Essas atitudes, muitas vezes, surgem quando não damos vazão a nossos impulsos e sentimentos espontâneos, criando regras e expectativas rígidas para nós e o outro. Mais uma vez, a terapia nos ajuda a trabalhar isso e a deixarmos de criar essas armadilhas em que nós mesmos caímos.
  7. Opostos que não se completam
    Se um dos dois é sempre protetor e o outro frágil, ou um domina e só um cede, ou se surge inveja ou rivalidade entre o casal, então não existe complementaridade. Numa relação funcional, os papéis de cada um são redefinidos a cada situação, o que traz flexibilidade, leveza e resiliência ao conjunto. Romper com esses padrões rígidos é também uma tarefa da terapia de casal, uma façanha que nenhum dos dois conseguiria realizar sozinho.

Então, conhece alguém assim ou se identificou com alguma dessas situações? Conte pra gente em nossos comentários! E se precisar de uma orientação profissional, entre em contato.
Teremos prazer em ajudar!

Avalie esse artigo:

Comentários:

Please Login to comment