gestalt

Gestalt: conceito, princípios e exercícios usados na terapia

  |  Tempo de leitura: 11 minutos
Clique e encontre seu psicólogo !

Gestalt é uma abordagem psicoterapeutica centrada no cliente. Essa abordagem ajuda os clientes a se concentrarem no presente. Eles passam a entender o que realmente está acontecendo em suas vidas agora. Em vez de simplesmente falar sobre situações passadas, os clientes são encorajados a experimentar demandas atuais por meio de reencenação.

Através do processo gestáltico, os clientes aprendem a tornar-se mais conscientes de como seus próprios padrões de pensamento. Passam, então, a conhecer comportamentos negativos que possam bloquear a verdadeira autoconsciência e tornando-os infelizes.

De origem alemã, a palavra gestalt, por definição, refere-se à forma de algo. Ela sugere que o todo é maior que a soma de suas partes. Há uma ênfase na percepção nesta teoria particular de psicoterapia. A terapia gestaltista dá atenção a como colocamos o significado e damos sentido ao nosso mundo e às nossas experiências.

Dentro da terapia Gestalt, o cliente tem espaço para explorar com segurança suas experiências sem medo de julgamento. De fato, os clientes são encorajados a não simplesmente falar sobre suas emoções ou experiências, mas trazê-los para a sala. Dessa forma, elas podem ser processadas em tempo real com o terapeuta. Ou seja, a gestalt terapia é uma abordagem que se concentra mais na experiência “aqui e agora” do cliente.

Quer saber mais? Continue lendo o artigo!

Gestalt, uma abordagem diferente

A Gestalt foi introduzida na década de 1940 para ser uma alternativa à psicanálise mais tradicional.

A terapia Gestalt foi desenvolvida por Fritz Perls, com a ajuda de sua esposa na época, Laura Perls. Tanto Fritz quanto Laura foram treinados em psicanálise e psicologia da Gestalt. Junto com Paul Goodman, eles trabalharam para desenvolver um estilo de terapia humanista por natureza. Em outras palavras, a abordagem focalizou a pessoa e a singularidade de sua experiência.

Algumas abordagens terapêuticas tendem a se concentrar no terapeuta como especialista em sofrimento e sintomas. O cliente tem mais de um papel de aprendizagem, uma vez que o psicólogo compartilha seu conhecimento sobre o que eles estão experimentando e como curar.

O objetivo da terapia gestáltica é que o cliente colabore com o terapeuta para aumentar a sua conscientização pessoal. O indivíduo é convidado a desafiar ativamente os seus bloqueios.

Ideias chave da Gestalt

Há uma série de idéias-chave, princípio que entram em jogo com a terapia Gestalt.

A experiência influencia a percepção

Nesta abordagem de terapia centrada no cliente, o terapeuta Gestalt entende que ninguém pode ser totalmente objetivo. Entende-se que somos influenciados pelo nosso ambiente e nossas experiências. O psicólogo tem espaço para seus clientes compartilharem sua verdade. Não ha imposição de julgamento e aceita-se a verdade das experiências de seus clientes.

Como os psicólogos também são humanos, é importante que os terapeutas da Gestalt considerem a influência de suas próprias experiências no que está acontecendo na sessão.

Contexto importa para a Gestalt

Quando em sessão, os terapeutas Gestalt querem aprender sobre a experiência de seus clientes. Entende-se que o contexto é importante. Os psicólogos usam técnicas para ajudar o cliente a tornar-se mais consciente de suas experiências, percepções e respostas aos eventos no aqui e agora.

Em vez de visar especificamente o passado e pedir aos clientes que proponham propositadamente velhas experiências, os terapeutas Gestalt operam a partir de um entendimento que, à medida que os clientes se tornam cada vez mais conscientes, superarão as barreiras existentes. Não há trabalho ou técnica forçada, apenas manter espaço para a conscientização do cliente é fundamental nessa abordagem.

O presente

Uma característica principal da Gestalt é o foco no presente. Na sessão, o relacionamento com o cliente e o terapeuta é fundamental para construir confiança e segurança. À medida que o cliente compartilha um relato, o psicólogo ajudará a trazer o cliente de volta ao presente se houver uma sensação de que ele está passando muito tempo no passado ou se a ansiedade estiver acelerando-o para o futuro.

Clique e encontre seu psicólogo !

Um exemplo de técnica para manter um cliente no presente pode incluir algo como perguntar sobre a expressão facial. Ou ainda, solicitar a observação da linguagem corporal enquanto o indivíduo processa um evento ou uma experiência específica.

Permanecer no presente pode soar enganosamente simples. Quão difícil pode ser ficar presente, certo? Você já se viu preocupada com o trabalho enquanto faz uma lista de compras? Relembrando sobre um evento passado enquanto está sentado com sua família na mesa de jantar? Se a resposta foi sim, você pode entender a rapidez com que nos afastamos do presente em uma sessão de terapia.

Trabalhamos muito duro para sobreviver a experiências dolorosas. Parte dessa técnica de sobrevivência é tentar acabar com nossa mágoa emocional ou lembrança dolorosa do evento.

Em Gestalt terapia é oferecido um espaço onde não temos que ficar em sofrimento o tempo todo. Isso não sugere que as coisas vão acontecer rapidamente, mas elas não precisam ser tão dolorosas. Um terapeuta da Gestalt entende que coisas como memórias ou eventos dolorosos chegarão à consciência quando o cliente estiver pronto para a cura nessa área.

Autoconhecimento

Durante a sessão de terapia o sujeito pode ser submetido a alguns exercícios experienciais. Você pode ter se perguntado: que tipo de exercício? Estamos falando de atividades terapêuticas realizadas durante o processo de terapia. Elas podem ajudar a aumentar a conscientização e ajudar no processamento da demanda. O coração da terapia Gestalt é a consciência. Como diria Frederick Salomon Perls, “a consciência em si é a cura”.

Em vez de ficar quieto e falar, você pode ser solicitado a participar ativamente de atividades como dramatização, imagens guiadas ou uso de acessórios para ajudar na comunicação e compreensão. Engajar-se em exercícios lúdicos pode ser uma maneira maravilhosa de se abrir e compartilhar, especialmente quando é difícil encontrar palavras ou quando você tende a processar pensamentos de uma forma mais visual. Os terapeutas gestaltistas entendem que esses exercícios ajudam a aumentar a conscientização.

Exercícios Gestalt

1. Palavras e Linguagem

A atenção à linguagem e tom é importante na terapia Gestalt. À medida que os clientes aprendem a aceitar a responsabilidade, eles aprendem a usar uma linguagem que reflete um senso de propriedade pessoal em vez de se concentrar nos outros. Por exemplo, em vez de dizer: “Se ele não fizesse isso, eu não ficaria tão bravo!” um cliente pode ser encorajado a dizer: “Eu me sinto louco quando ele faz isso porque me faz sentir insignificante e eu não gosto disso”. O uso de afirmações “eu” é importante na terapia gestáltica.

2. Poltrona vazia

Este é um exercício de role-playing ( termo inglês que refere-se a um teatrinho). Ele permite ao cliente imaginar e participar de uma conversa com outra pessoa ou outra parte de si. Sentado em frente à cadeira vazia, o indivíduo entra em diálogo como se estivesse falando com a outra pessoa ou com a outra parte de si mesmo.

A cadeira vazia pode ser muito útil para extrair percepções importantes, significados e outras informações que podem ajudar os clientes a se tornarem mais conscientes de sua experiência emocional e de como iniciar a cura.

3. Encenação

Outro exemplo de dramatização pode ser o que é referido como “cão superior e azarão”. Neste, reconhece-se que um cliente tem diferentes partes do eu. Semelhante à cadeira vazia, o cliente fala tanto como o cão superior, que é o lado mais exigente de sua personalidade, quanto com o oprimido, que é o lado mais submisso e obediente de sua personalidade.

A chave é tornar-se consciente dos conflitos internos para que a pessoa possa aprender melhor como integrar essas partes do eu em um todo mais completo.

4. Linguagem corporal

Durante uma sessão, pode ser notado por um terapeuta da Gestalt que o cliente está batendo o pé, torcendo as mãos ou fazendo uma certa expressão facial. É provável que o terapeuta mencione sua observação e pergunte o que está acontecendo para a pessoa naquele momento. Incorporando a linguagem, o profissional pode até pedir ao cliente que dê uma voz a seus pés, mãos ou expressão facial e fale daquele lugar.

5. Exagero

Além de dar voz à linguagem corporal, um Gestalt terapeuta pode indagar sobre a linguagem corporal do cliente. Se é difícil para a pessoa encontrar palavras para explicar o que está acontecendo, pode ser solicitado que ela exagere essa moção ou a repita várias vezes seguidas por um período de tempo durante a sessão, para extrair parte de sua experiência no processo no consultório.

O cliente e o terapeuta têm a chance de processar emoções e como a pessoa pode ter aprendido a desconectar suas experiências emocionais com suas experiências físicas.

6. Localização da Emoção

Durante uma sessão, é comum as pessoas falarem sobre emoção. Falar de uma emoção é diferente de experimentar uma emoção, que é o que o terapeuta da Gestalt está querendo que o cliente faça durante as sessões. Quando um cliente fala sobre uma emoção, o psicólogo pode perguntar a eles onde eles sentem essa emoção em seu corpo.

Um exemplo disso pode ser “um buraco no meu estômago” ou “meu peito está apertado”. Ser capaz de levar a experiência emocional à consciência no corpo ajuda o cliente a permanecer presente e processar suas emoções de forma mais eficaz

7. Artes criativas

Atividades adicionais, como pintura, escultura e desenho, também podem ser usadas para ajudar as pessoas a se tornarem conscientes, permanecerem presentes e aprenderem como processar no momento.

É geralmente notado neste estilo que qualquer técnica que possa ser oferecida ao cliente, além de sentar e conversar tradicionalmente, pode ser bastante útil para permitir que eles se tornem mais conscientes de si mesmos, de suas experiências e de seu processo de cura.

Como a Gestalt pode ajudar

Relação Colaborativa

A Gestalt-terapia pretende que o cliente ganhe maior consciência de sua experiência de estar no mundo. Os terapeutas gestaltistas não têm o objetivo de mudar seus clientes. Na verdade, os clientes são incentivados a se concentrar em se tornarem mais conscientes de si mesmos, permanecendo presentes e processando as coisas no aqui e agora.

A relação de trabalho e colaboração entre terapeuta e cliente é poderosa para o processo de cura na terapia Gestalt.

Movendo Blocos na Gestalt terapia

Sugere-se que a forma como aprendemos a sobreviver a experiências, particularmente experiências dolorosas, é criando bloqueios ou empurrando as coisas para fora da consciência, para que possamos avançar. Por mais eficaz que possa parecer, esse comportamento pode criar problemas para nós à medida que nos tornamos mais compartimentalizados e fragmentados em nosso senso de self e de nossas experiências.

As mesmas técnicas que usamos para nos ajudar a nos tornar blocos de autoconsciência e crescimento. O aumento da conscientização do cliente permite que esses bloqueios sejam identificados, devidamente desafiados e saiam do caminho para que possamos encontrar cura e crescimento pessoal.

Responsabilidade pessoal

Um objetivo fundamental na Gestalt-terapia é permitir que os clientes tenham a oportunidade de possuir e aceitar suas experiências. Ao culpar os outros, perdemos nosso senso de controle e nos tornamos vítimas do evento ou da outra pessoa envolvida no evento. A terapia gestalt incentiva os clientes a desafiarem as velhas formas de como podemos ter criado significado sobre uma experiência.

Aprender como aceitar e abraçar a responsabilidade pessoal é um objetivo da Gestalt-terapia, permitindo que os clientes obtenham um maior senso de controle em suas experiências e aprendam a regular melhor suas emoções e interações com o mundo.

Autocuidado e Crescimento

A terapia gestáltica sugere que, inerentemente, as pessoas lutam por auto-regulação e crescimento. No entanto, às vezes desenvolvemos técnicas para sobreviver emocionalmente a experiências infelizes e dolorosas. Algumas dessas técnicas são úteis a curto prazo porque podem ajudar a minimizar nossa dor ou angústia. No entanto, a longo prazo, eles nos deixam em locais mais instáveis ​​emocionalmente, incapazes de nos expressar. Podemos achar difícil interagir com os outros e é difícil aprender como efetivamente nos regular e ser seres inteiros e responsáveis.

A Gestalt-terapia acredita que, apesar de alguns contratempos, as pessoas ainda estão ligadas a um sentimento de integridade e se sentem angustiadas quando não conseguimos alcançá-la. Nosso sofrimento pode parecer doença física, reatividade emocional, isolamento e muito mais.

Como Perls sugere, tornar-se consciente de nós mesmos é a cura. Durante nosso processo de terapia, podemos descobrir e curar partes do eu que foram perdidas por algum tempo, descobrir partes do eu que ainda não tiveram a oportunidade de prosperar e adquirir um senso maior de si ao longo do caminho. À medida que trabalhamos para curar e integrar essas partes do eu, podemos nos tornar indivíduos saudáveis ​​e completos.

Assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de nossos conteúdos e novidades!

Clique e encontre seu psicólogo !

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.