hiperativo

Hiperativo: 8 sinais para identificar TDAH em crianças

  |  Tempo de leitura: 9 minutos

Será que seu filho é hiperativo? Muitos pais, de brincadeira, associam a grande quantidade de energia de seus filhos pequenos à hiperatividade. 

Enquanto a criança está crescendo, múltiplas partes de seu corpo estão se desenvolvendo. A habilidade de administrar emoções é apenas adquirida por completo por volta dos 12 anos e, ainda assim, a criança entra na adolescência com dificuldade para entender o que sente.  

Por isso, crianças costumam apresentar comportamentos inusitados que ora causam boas gargalhadas nos mais velhos. Mas será que você consegue distinguir o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) da vivacidade natural das crianças? 

Os sintomas não se limitam apenas a hiperatividade. Há outros fatores que devem estar presentes para resultar em um diagnóstico. 

O que é TDAH?

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade é um transtorno neurobiológico caracterizado pela desatenção extrema, desorganização, comportamento impulsivo, inquietude, entre outros. Geralmente, os sintomas se manifestam antes dos sete anos. Aliás, é estimado que 5% dos adultos tenham TDAH. 

Por mais que as pessoas estejam falando mais e mais sobre este transtorno, pois geralmente interfere no rendimento escolar dos filhos, ainda é comum encontrar adultos que foram diagnosticados tardiamente. Muitas vezes, não sabiam que eram hiperativos

Ademais, outro cenário comum é a falta de conhecimento dos pais em relação ao transtorno. Os sintomas do TDAH podem ser facilmente confundidos com má criação, manha, ansiedade ou medo. 

Às vezes, os pais podem brigar com o filho por expressar comportamentos desagradáveis, mas não compreendem que ele não consegue controlá-los.

Em qualquer transtorno, quanto mais rápido for o diagnóstico mais eficiente é o tratamento. Ou seja, pais, tutores, familiares e professores devem estar atentos ao comportamento da criança para identificar possíveis sintomas de TDAH.

Sinais típicos da hiperatividade

Para identificar se seu filho é hiperativo ou não, é preciso prestar atenção redobrada aos seus comportamentos e manias. Eles podem passar batido pelos pais que, atarefados e cheios de preocupações, não possuem tempo de vigiar as crianças por 24 horas. É um cenário extremamente comum na sociedade moderna. 

Desempenho escolar ruim

O fator que costuma alertar os pais é a súbita queda do desempenho escolar. É possível também que a criança nunca tenha tido uma performance como a dos colegas de turma. Em vez de exigir mais do filho, os pais devem procurar compreender as suas limitações e dificuldades. Se estas estão relacionados à apenas uma matéria ou atividade ou se estendem-se para as demais esferas da vida escolar da criança. 

Desatenção

A criança se distrai facilmente. É só aparecer um brinquedo novo, uma atividade diferente ou algum barulho um pouco alto que a concentração se esvai. Ela simplesmente para de ouvir você para ocupar a mente com outra coisa. Consequentemente, a desatenção também aparece na hora de fazer as tarefas da escola ou concluir afazeres domésticos simples.

Agitação incontrolável

O hiperativo não consegue permanecer quieto. Ele corre, anda pelo cômodo, mexe nos objetos ao seu redor e fala sem parar, tudo para conter a necessidade de estar sempre ocupando-se com algo. A criança nunca parece se cansar de suas artimanhas e demanda constante atenção dos pais. As pessoas costumeiramente confundem essa agitação com má criação, reprimindo a criança com sermões.  

Tagarelice

A criança fala, fala e fala, interrompendo conversas com frequência. A fala excessiva acontece porque ela procura verbalizar seus pensamentos assim que possível para que ela mesma consiga compreendê-los. Caso contrário, pode até esquecer o que ia dizer ou do assunto principal. 

Distração

Quebrar ou derrubar objetos por acidente é outro indicativo de TDAH. Com a cabeça no mundo da lua, a criança perde um pouco da percepção do ambiente e acaba ganhando fama de desastrada. 

Na verdade, ela tem dificuldade para identificar todos os detalhes (objetos, móveis, pilares, degraus) de seus arredores. Neste caso, a criança também pode apresentar machucados arroxeados no corpo por bater acidentalmente em objetos e móveis. 

Dificuldade de compreender instruções

Se seu filho não entende as suas orientações da primeira nem da segunda e terceira vez, é provável que ele seja hiperativo. A criança com TDAH não conclui ou não executa tarefas da forma indicada não porque é preguiçosa ou está com má vontade, mas, sim, porque não conseguiu compreender a totalidade do que foi falado

Ansiedade

A ansiedade, neste contexto, é passageira. Incapaz de se acalmar, a criança acaba atropelando os amiguinhos e colegas. Se atravessa nas brincadeiras, responde as perguntas feitas pelos professores a outros colegas, e não aguenta esperar a sua vez em filas ou para realizar atividades escolares. Este sintoma também pode ser mal interpretado pelos demais, já que passam a rotular o seu filho de inconveniente.

Impulsividade

Este sintoma pode até mesmo ser perigoso, pois a criança pode fazer alguma coisa perigosa sem pensar nas consequências. Brincadeiras simples podem sair do controle e causar machucados ou ferimentos. 

O diagnóstico

Para você sanar as suspeitas de que seu filho possa ser hiperativo, existem alguns critérios os quais devem ser levados em consideração. O primeiro é que os sintomas devem se repetir com certa frequência e não apenas uma vez ou outra.  

Diversas crianças têm dificuldade na escola. Algumas acham uma matéria mais difícil do que as outras e precisam de tutoria particular para ter as mesmas notas que os colegas. É quando esta dificuldade atinge diversas (ou todas) as matérias de forma generalizada que os pais devem se preocupar. 

O TDAH pode variar de leve para grave, portanto, cabe aos pais ficarem atentos para a intensidade dos sintomas e relatarem suas observações para um profissional.

Como o diagnóstico pode ser confundido com comportamentos típicos da criança, a análise comportamental pode levar tempo. Esta cautela é necessária para fazer o diagnóstico corretamente. 

Existe também uma diferença na manifestação de sintomas em meninos e meninas. Normalmente, é mais fácil diagnosticar os meninos por conta da hiperatividade que apresentam logo nos primeiros anos de vida.

Já as meninas sofrem mais com o déficit de atenção. É mais fácil perceber o TDAH nelas quando ingressam na escola, pois passam a dar sinais que não compreendem o conteúdo da mesma forma que os colegas de turma. 

TDAH na escola 

Como seu filho passa a maior parte de seu tempo na creche ou na escola, é necessário pensar nos efeitos deste ambiente em sua saúde mental. 

Na escola, a criança pode ser tratada como a bagunceira ou rebelde da turma devido a impulsividade. Além de que também pode ser rotulada de preguiçosa por tirar notas ruins e entregar atividades mal feitas.

Por desconhecerem o que é hiperatividade, os professores acabam reagindo com sermões, ameaças de punição (sair de sala, suspensão) e chamando os pais na escola para conversar. 

A criança com TDAH também pode, sem querer, causar inconveniências para os seus colegas de classe. Aos poucos, eles começam a se afastar para evitar a convivência. A rejeição ou dificuldade para se entrosar afeta a confiança da criança, deixando-a frustrada. 

Seguir as regras da escola e padrões sociais de comportamento pode ser estressante para o hiperativo. Ele não consegue obedecer ou interpretar ordens com facilidade. Assim, passa a ser visto como o “aluno problema” pelos professores. A maioria das escolas, infelizmente, ainda tem docentes despreparados para lidar com alunos com TDAH. 

A tarefa de ficar de olho e acompanhar a vida escolar dos filhos de perto para que o transtorno possa ser identificado com vantajosa rapidez é dos pais. Participar ativamente na vida do seu filho garante que ele não sofrerá com professores despreparados para lidar com crianças hiperativas. 

Tratamento do TDAH

Como tratar o TDAH? 

Existem maneiras de tornar o meu filho menos hiperativo

O tratamento do transtorno é medicamentoso, ou seja, é feito através de remédios indicados pelo psiquiatra. Os fármacos (antidepressivos, ansiolíticos, entre outros) reduzem a agitação e a impulsividade. Dessa forma, a criança consegue levar uma vida mais tranquila e melhorar as suas interações sociais. 

A psicoterapia também é essencial para o tratamento do TDAH. A abordagem cognitivo-comportamental demonstrou-se ter os melhores resultados. É focada em mudanças comportamentais através da inserção de hábitos mais saudáveis na vida cotidiana do paciente. A criança, então, tem maiores possibilidades de enfrentar as dificuldades causadas pelo transtorno. 

Novamente, a presença dos pais é essencial. É o papel deles apoiar a criança durante todo o tratamento, inclusive quando o filho colocar em prática os ensinamentos da terapia e fizer os enfrentamentos. 

A família pode modificar hábitos simples para colaborar com o tratamento de TDAH, como providenciar uma alimentação balanceada, estimular a realização de atividades físicas e criar horários regulares para formar uma rotina para o filho. Crianças hiperativas não gostam de imprevisibilidade. 

No entanto, essas atividades são complementares. O tratamento com medicamentos é indispensável. 

Com a Vittude, é possível fazer o tratamento completamente online de onde quer que você esteja. O atendimento online possui a vantagem de ser flexível e se encaixar com maior facilidade na vida diária dos pacientes. 

Em nosso repertório de especialistas, você encontra diversos psicólogos com expertise para tratar o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Quer saber mais sobre eles? Agende uma consulta com um psicólogo neste link!

Você também pode se interessar:

Hiperatividade: como saber se seu filho é hiperativo?

5 razões para fazer terapia familiar

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta

Avalie esse artigo:

Artigo publicado em Psicologia infantil

Comentários:

Please Login to comment
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Recent comment authors
Edson Freire

Eu tenho 23 anos e atualmente tenho desconfiado que posso ter TDAH, eu sempre fui uma criança agitada, e inquieta, fazia muita das coisas ditas no texto, sempre fui ansioso até hoje sou e apesar de ser inteligente meu rendimento escolar até hoje na universidade não é muito satisfatório, e eu falo bastante exatamente nessa intenção de exteriorizar oque eu penso, na intenção de eu mesmo se entender, e sempre falo coisas meio complexas que poucos entendem. eu percebo que nunca fui como a maioria das pessoas, e sempre fui muito julgado por isso. por não acompanhar o ritmo de… Read more »