Inteligência emocional desbloqueie seu gênio emocional

Inteligência emocional: Quão emocionalmente inteligente você é, e porque você deve se preocupar com isso?

Inteligência emocional: Quão emocionalmente inteligente você é, e porque você deve se preocupar com isso?
27 avaliações

  |  Tempo de leitura: 10 minutos

A inteligência emocional foi mais profundamente estudada pelo psicólogo americano Daniel Goleman. Segundo Goleman, um indivíduo emocionalmente inteligente é aquele que consegue identificar as suas emoções com mais facilidade.

Grande parte dos psicólogos não sabem exatamente como definir a inteligência. Mesmo depois de um século de debate sobre o que é, e como medi-la, ainda há uma ampla gama de teorias e formas de testar essa indescritível qualidade humana. Mais importante ainda, ainda não possuímos evidências sólidas para mostrar que a inteligência é importante para melhorar a qualidade do nosso dia a dia. O personagem Forrest Gump talvez forneça o melhor exemplo de ficção de alguém cujos resultados de testes o colocaram bem abaixo da média em inteligência, mas cujo gozo de vida e sucesso – foram incontestavelmente elevados.

Quociente de Inteligência

No entanto, não precisamos recorrer à ficção para justificar a idéia de que o Quociente de Inteligência (QI), como é tradicionalmente definido, não está necessariamente relacionado com as formas como as pessoas medem o sucesso e a felicidade na vida real. Mesmo aqueles que afirmam que o desempenho intelectual superior são vitais para o sucesso da vida, como o psicólogo britânico Graham Jones (2012), não se limitam aos resultados dos testes de QI. De acordo com Jones, que entrevistou atletas de alta performance, CEOs, líderes militares e médicos, o desempenho intelectual superior envolve saber como usar as habilidades que você possui, não apenas tendo essas habilidades. Não adianta ter um intelecto brilhante se você não puder trabalhar dentro das restrições do seu ambiente ou ser motivado a usar seu brilho ao máximo. Este estudo, como a teoria da “inteligência para o sucesso” proposta há vários anos pelo psicólogo Robert Sternberg (2009), deixa claro que a inteligência é mais do que apenas a facilidade de aprendizado.


ENGENHEIROS CRIAM PLATAFORMA QUE UNE MAIS DE 2 MIL PSICÓLOGOS E PACIENTES


Inteligência emocional, o que é?

A inteligência que conduz ao sucesso exige que saibamos como colocar da melhor forma possível a nossa capacidade intelectual. Às vezes, isso significa ter apenas um senso comum, ou “sabedoria da rua”.  Esse conceito de inteligência envolve ter “inteligência emocional”, que está relacionada a ter habilidades comportamentais para analisar e compreender os sentimentos das pessoas e os seus.

Com alta inteligência emocional você pode ter sucesso em muitas áreas da sua vida. Seus relacionamentos próximos podem se beneficiar da sua capacidade de ler os sentimentos das pessoas, regular suas próprias emoções (especialmente raiva) e entender o que você está sentindo e por quê.

Inteligência emocional no mundo corporativo

A inteligência emocional está cada vez mais sendo abordada e exigida nas salas de reuniões corporativas, onde está se tornando a última palavra-chave de liderança. Os psicólogos organizacionais estão descobrindo que os líderes devem ter a capacidade de compreender as interações sociais e resolver os complexos problemas sociais que surgem no decorrer da vida do escritório. Da resolução de disputas à negociação de projetos de alto impacto, os líderes empresariais precisam ser capazes de ler os sinais uns dos outros, além de entender seus próprios pontos fortes e fracos.

Agora que trocamos um assunto espinhoso (inteligência) por outro (liderança), vejamos mais de perto por que os líderes devem ter a capacidade de ler as reações emocionais dos membros de suas equipes, dos seus concorrentes e clientes.

Transtornos mentais por trás do suicídio

Inteligência x Liderança

As teorias atuais de liderança definem grandes líderes como aqueles que mostram qualidades inspiracionais. Líderes transformadores podem atuar como modelos que inspiram outras pessoas pela visão de mudança. Eles têm carisma, promovem a criatividade e a inovação, desenvolvem um ambiente em que seus colaboradores se sentem apoiados e transmitem objetivos ambiciosos aos seus times. Em outras palavras, um líder transformador é o gestor ou chefe ideal. É fácil ver porque parte da fórmula para se tornar um grande líder é que você possuir inteligência emocional.

As qualidades de um líder transformador também são valiosas em sua vida pessoal. Se você já teve que organizar sua família ou amigos para fazer alguma limpeza ou um evento planejado, você sabe que a melhor maneira de fazer com que as pessoas façam coisas para você é mostrar essas mesmas qualidades. Você quer que os outros olhem para você, se inspirem em sua visão e sintam que você os apoia.

Os benefícios de se ter inteligência emocional

Ter uma maior inteligência emocional pode ajudá-lo em quase qualquer situação interpessoal, onde é importante ter empatia, compreender e motivar outras pessoas e assim planejar suas ações de acordo. Quando se trata de relacionamentos íntimos, você também pode se beneficiar das qualidades do líder transformador. As pessoas que o amam também podem ser os mais indulgentes com seus erros, mas também serão as mais apreciadoras das maneiras pelas quais você pode inspirar a se sentir esperançoso e bem sucedido.

Agir com sabedoria

Chi-Sum Wong e Kenneth Law, da Universidade Chinesa de Hong Kong, decidiram investigar a conexão entre inteligência emocional e liderança (2012). Sua definição de Inteligência Emocional deu resposta ao estudos do psicólogo Edward Thorndike que, em 1920, acreditava que ser capaz de “agir com sabedoria nas relações sociais” era um componente fundamental da inteligência geral. Setenta anos depois, os psicólogos Salovey e Meyer (1990) publicaram um documento que traduzia essa breve frase em 4 dimensões que Wong e Law usavam como base para sua escala.

Veja como você se aglutina nessas 4 dimensões da Inteligência Emocional. Abaixo de cada descrição estão os itens no teste. Basta ler cada um e avaliar-se em uma escala de 7 pontos de mais ou menos característica de você. Seja sincero, pois apenas você está lendo suas próprias pontuações!

Compreende e expressa suas próprias emoções

Pessoas com essa habilidade sabem como se sentem antes que outras pessoas o façam.

  1. Tenho um bom senso de por que tenho certos sentimentos a maior parte do tempo.
  1. Tenho uma boa compreensão de minhas próprias emoções.
  1. Eu realmente entendo o que sinto.
  1. Eu sempre sei se estou feliz ou não.
Inteligência emocional, como você percebe suas emoções

Você compreende suas próprias emoções?

Percebe e compreende as emoções dos outros ao seu redor

Essa habilidade significa que você é sensível a como os outros estão se sentindo.

  1. Eu sempre conheço as emoções dos meus amigos e o seu comportamento.
  1. Sou um bom observador das emoções dos outros.
  1. Sou sensível aos sentimentos e emoções dos outros.
  1. Tenho uma boa compreensão das emoções das pessoas à minha volta.
Inteligência emocional, você entende e compreende as emoções dos outros?

Você compreende as emoções das pessoas ao seu redor?

Regula sua própria emoção

Regular suas emoções significa que você pode mantê-las sob controle, especialmente quando você está se sentindo angustiado. 

  1. Eu sempre estabeleço metas para mim e, em seguida, tento o meu melhor para alcançá-las.
  1. Eu sempre digo que sou uma pessoa competente.
  1. Eu sou uma pessoa auto-motivada.
  1. Eu sempre estou estimulado a tentar o meu melhor.

Uso a emoção para maximizar o desempenho

Dirigir suas emoções para atividades construtivas permite que você as use para obter uma vantagem ideal.

  1. Eu sou capaz de controlar meu temperamento e lidar com dificuldades racionalmente.
  1. Sou capaz de controlar minhas próprias emoções.
  1. Eu sempre posso me acalmar rapidamente quando estou muito irritado.
  1. Tenho um bom controle sobre minhas próprias emoções.
Inteligência emocional e a raiva

Você consegue controlar suas emoções ou fica verde igual ao Hulk quando está com raiva?

Terminou o testes? Compare os itens que você percebeu serem mais parecidos com você  com os que menos se parecem. Seus pontos fortes estão em compreender a si mesmo, ou em perceber os outros? Você tem mais dificuldade em regular sua emoção? É difícil para você reunir sua força emocional para conseguir o melhor desempenho possível? A maneira como você respondeu a essas perguntas pode fornecer pistas para aprender seus pontos fortes e fracos de Inteligência Emocional.

Maior inteligência emocional x Maior satisfação pessoal

Wong e Law descobriram que as pessoas que obtiveram maiores pontuações na escala de inteligência emocional estavam mais satisfeitas com seus empregos. Observaram também que as maiores notas eram de pessoas também trabalhavam em cargos que exigiam que eles usassem sua inteligência emocional (isto é, alto em “trabalho emocional”).

As pessoas de alta inteligência emocional atuando em cargos que não exigiam trabalho emocional não só eram mais pobres, mas também eram menos propensos a se sentir comprometidos com seu trabalho e mais propensos a tentar encontrar outro emprego. Os líderes com a maior IE tinham funcionários com os mais altos níveis de satisfação no trabalho. Claramente, então, a inteligência emocional, conforme medida com este teste de 16 itens, influencia como as pessoas estão satisfeitas com seus empregos e potencialmente com seus líderes.

Como desenvolver a Inteligência Emocional

Os resultados do seu teste foram mais baixos do que você gostaria? Fique tranquilo, existem estratégias que podem ajudá-lo a evoluir.

Compreenda seus pontos fortes e fracos

Separe a inteligência emocional nos quatro componentes do teste:

  • Compreensão e expressão das suas próprias emoções
  • Compreensão e expressão das emoções dos outros
  • Controle das próprias emoções
  • Uso das emoções para maximizar seu desempenho.

Faça uma reflexão por componente. Em quais tópicos você encontra maior dificuldade? Se for de ajuda para ler as emoções dos outros que você precisa, é possível adotar estratégias de feedback. Você pode trabalhar para construir a sua empatia. Não tenha medo de perguntar ao que as pessoas com quem trabalha são sensíveis. Pergunte o que elas estão sentindo, especialmente se você não tem certeza. Experimente perguntar às pessoas ao seu redor como elas se sentem em relação às suas atitudes. Se suas orientações fizeram sentido para elas? Faça perguntas abertas, que permitam a elas falar mais do que sim ou não.

Faça terapia

Por vezes compreender suas próprias emoções pode ser seu maior desafio. Para este tópico, a melhor recomendação é faça terapia! Isso mesmo, terapia. A maior parte dos executivos mais bem sucedidos que conheço são “terapeutizados”. Eles possuem apoio de um profissional de psicologia ao longo da vida para que possam compreender melhor a si mesmo, e consequentemente os outros também.

Processos de coaching também podem ser úteis em determinados momentos, para obtenção de objetivos específicos e determinados no desenvolvimento da carreira.

Reflita antes de agir!!

Pare antes de agir e se questione: como estou me sentindo? Estou confortável com a ação que vou tomar? Por que estou me sentindo assim? A resposta para essas perguntas podem lhe dar insights para obter informações sobre quais emoções estão dirigindo seu comportamento. A raiva frequentemente interfere em nossas reações e relacionamentos com os outros. Aprender o que desencadeia sua raiva pode, por exemplo, ajudá-lo a compreendê-la e controlá-la.

Inteligência emocional pode ser desenvolvida

Por sorte, os grandes líderes não precisam simplesmente nascer com um grande nível de inteligência emocional. Ao aprender o que contribui para ser emocionalmente inteligente, você pode se desenvolver. Além de tornar-se um líder melhor, suas relações pessoais também podem colher frutos. À medida que você passa a perceber melhor a si e a todas as pessoas ao seu redor, seus amigos ou familiares também são beneficiados.

Leia também:

Depressão e indiferença causam prejuízos milionários a empresas

Vittude no DCI: inovação em saúde emocional

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.