Inteligência emocional

Saiba como a Inteligência Emocional influencia em sua carreira

  |  Tempo de leitura: 3 minutos

Recentemente foi divulgado na internet um vídeo no qual o CEO do UBER, Travis Kalanick, responde bastante irritado a um motorista que se queixava das políticas da empresa. Em declaração logo depois, explicando-se sobre a discussão e seu comportamento, o CEO se desculpou e afirmou que “precisava mudar como líder e crescer”, necessitando de ajuda. O psicólogo americano Daniel Goleman, da Universidade de Harvard, respondeu em artigo a respeito do caso que o CEO não precisava crescer, mas desenvolver sua Inteligência Emocional

A Inteligência Emocional vem sendo estudada pelos psicólogos desde os anos 90, tendo Goleman como um dos seus principais pesquisadores. Diversos livros foram publicados a respeito, mostrando como a Inteligência Emocional (ou sua falta) repercute na vida das pessoas, isto é, como afeta os relacionamentos, a saúde e, cada vez mais, como é seu impacto na carreira profissional. O conceito não se relaciona ao QI ou inteligência cognitiva.  Ele está ligado ao autoconhecimento emocional,  habilidades interpessoais e modo de lidar com os sentimentos. Elementos que são inatos mas podem ser desenvolvidos ao longo da vida. Pessoas com alto grau de IE geralmente se destacam nos relacionamentos e na área profissional.  Ela são socialmente equilibradas.  Se comunicam de maneira direta e assertiva sem serem violentas.  Sentem-se bem consigo mesmas, são autoconfiantes e se adaptam bem às tensões.

Inteligência Emocional e seus conceitos

O conceito de Inteligência Emocional se relaciona a 5 domínios principais:

  • Autoconsciência – capacidade de reconhecer as próprias emoções quando ocorrem. Pessoas que reconhecem o que sentem tem mais condições de fazerem escolhas acertadas para suas vidas e seus relacionamentos;
  • Lidar com as emoções – além de reconhecê-las, é imprescindível saber expressá-las e controlá-las de forma saudável;
  • Automotivação – estar motivado em busca de seus objetivos, mantendo foco e resiliência;
  • Empatia – identificar e compreender as emoções nos outros;
  • Lidar com relacionamentos – a arte de se relacionar, ou lidar com as emoções das pessoas com quem se relaciona.

Portanto, ouvir um feedback negativo percebendo as emoções e motivações do outro, identificar quando a raiva irrompe e saber controlá-la,  conseguir argumentar a uma crítica negativa de modo assertivo e não violento são características de alto grau de Inteligência Emocional. Assim, incluir uma dose de IE para uma boa liderança são recomendações de Goleman ao CEO, pois certamente influenciam no desempenho como líder.

Como a terapia pode ajudar

É comum ter algumas capacidades relacionadas a IE desenvolvidas, enquanto outras precisam ser trabalhadas. O acompanhamento por psicólogo auxilia na identificação e  desenvolvimento das áreas que podem ser melhoradas. O primeiro passo, no entanto, é a autoconsciência. Para isso a terapia pode ajudar.  Conhecer a si mesmo, estar familiarizado com seus próprios pensamentos, sentimentos e entender como funcionam é fundamental para o desenvolvimento da Inteligência Emocional.

Plataformas como a Vittude podem facilitar a busca por um psicólogo que atenda a requisitos específicos para a todos que precisem de acompanhamento. Acesse nosso site e confira todas as oportunidades oferecidas para você!

Marcelo Fameli Gonçalves é psicólogo, psicoterapeuta e supervisor clínico. É parceiro da Vittude. É psicoterapeuta colaborador do AMBORDER Ambulatório dos Transtornos de Personalidade da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo. É especialista em Psicoterapia Psicodinâmica dos Transtornos de Personalidade Borderline pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP. Marque já sua consulta.

Leia também:

Ivete Sangalo revela fazer terapia há oito anos

Tipos de coaching, conheça alguns e saiba como eles podem ser uma alavanca profissional

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta