Saúde Ocupacional

Desvendando a liderança: como se tornar um bom gestor e motivar a equipe?

Liderança é algo que requer uma série de habilidades para ser bem desempenhada. Todas as pessoas que assumem o posto de líder desejam se destacar. Afinal, ser líder significa ser uma espécie de regente em uma orquestra. Algo que confere um certo poder, uma espécie de governança.

No entanto, é preciso entender que não basta apenas ser líder, mas que fundamental mesmo é ser um bom líder! E o que é preciso para se tornar um líder habilidoso, que agrega à equipe liderada, ao invés de ser apenas “alguém que diz o que fazer”?

É disso que vamos tratar nesse artigo: estratégias de liderança para que você passe a desempenhar ainda melhor esse papel e entenda como é importante olhar para a saúde mental dos colaboradores. 

Qual é o papel do líder no mercado atual?

Antes de qualquer coisa, um líder é um influenciador. É aquela pessoa que enche os colaboradores de energia para produzir mais e melhor, além de reafirmar o propósito e ser uma inspiração. Tanto no sentido profissional quanto pessoal. 

Atualmente, habilidades de liderança são ainda mais importantes. Diferente do passado, não é só a empresa que dita as regras. Ao contrário disso, muitas vezes são os candidatos que escolhem onde vão trabalhar. 

E também escolhem quando sair de uma empresa quando ela não tem bons líderes. 

Segundo uma pesquisa da consultoria de recrutamento Michael Page, 80% dos pedidos de demissão voluntária têm como causa a má performance do chefe ou líder direto

Veja, portanto, a importância de gerenciar uma equipe. Afinal, se um líder pode motivar as pessoas, ele também pode desmotivá-las quando não sabe como se relacionar com elas da melhor forma, não é?

Quais as competências essenciais de um bom líder?

Entre as habilidades necessárias para um cargo de liderança estão:

  • Comunicação;
  • Tomada de decisão;
  • Gestão de pessoas;
  • Visão estratégica;
  • Resolução de conflitos;
  • Habilidade de delegar;
  • Inteligência emocional;
  • Resiliência;
  • Habilidade técnica;
  • Ètica e integridade
  • Networking.

Mas, algumas dessas competências exigem um aprofundamento.

Segurança psicológica

O líder é responsável pela segurança psicológica das equipes. Isso envolve saber ouvir e acolher os funcionários, mas também ter prontidão para a tomada de decisões. 

Quando surge um conflito, por exemplo, é fundamental que o gestor realize boas escolhas e de maneira rápida para resolver o assunto. Sem que ele aumente e inviabilize, por exemplo, duas ou mais pessoas de trabalharem juntas. 

Mas, garantir a segurança psicológica vai muito além disso. É essencialmente permitir que as pessoas sintam-se seguras para errar. Seguras para dizer como estão se sentindo. Segura para darem feedbacks construtivos aos gestores. Por isso, ela é dividida em quatro áreas:

  • Liberdade de expressão: os colaboradores precisam poder questionar os processos, propor melhorias e participar de maneira ativa;
  • Interação: também é importante que as pessoas possam interagir entre si, o que estreita os relacionamentos da equipe e pode ser extremamente positivo para a empresa;
  • Pertencimento: é essencial valorizar os funcionários para que eles sintam que pertencem realmente à equipe. Além de ser muito positivo para a sua saúde mental, é muito importante para o alinhamento com a cultura da empresa a longo prazo;
  • Aprendizado: tirar dúvidas, seja em treinamentos ou nas atividades rotineiras, é algo muito importante para o andamento dos projetos. Quando esse diálogo não é possível, haverá mais erros e mais retrabalho.

Motivação da equipe

Outro aspecto fundamental numa liderança é que o gestor consiga manter a equipe motivada! 

Inclusive a motivação e o engajamento no trabalho são considerados por especialistas do ISMA-BR fenômenos opostos à síndrome de Burnout e, portanto, comportamentos que ajudam na sua prevenção. 

Mas, além disso, ele também melhora a produtividade, o alto desempenho e a retenção de talentos. Além de tornar o clima organizacional mais saudável e aumentar o bem-estar de todos, líderes e liderados. 

Veja como é possível manter o time motivado:

  • Investindo em treinamentos e PDI;
  • Fornecendo feedbacks construtivos e frequentes;
  • Dando autonomia para as pessoas;
  • Ouvindo as questões de cada colaborador;
  • Realizando pesquisas de clima organizacional.

Qual a diferença entre um chefe e um líder?

Muita gente se engana ao acreditar que liderar um grupo é o mesmo que comandar. E esse é um ponto-chave na hora de definir um bom líder.

De modo geral, comandar uma equipe é o mesmo que chefiar, ou seja, dar ordens. Nesse tipo de relação hierárquica mais vertical, não há muita interação entre o “chefe” e os demais colaboradores. 

Não é incomum que o chefe – ou qualquer pessoa numa posição de comando – seja visto como alguém rígido, do qual se deve manter uma certa distância. É um tipo de poder que transmite tensão e medo. 

Afinal, chefes tradicionais costumam pressionar seus subordinados e cobrar por resultados constantes, quase sempre se colocando “de fora” da situação, como se parte da responsabilidade sobre os resultados não fosse também deles.

Claro que existem chefes “legais”, que comandam com certa empatia. Mas, ainda assim, estão longe de serem verdadeiros líderes. E é justamente por isso que quando falamos em liderança sugerimos um outro tipo de relação, que possui, sim, um nível de poder hierárquico, mas que funciona de maneira mais fluida.

Liderar requer uma maior compreensão do todo, conhecimento sobre os objetivos e metas, e uma visão abrangente do trabalho em desenvolvimento. 

O profissional que ocupa o lugar de líder costuma se manter atento aos colaboradores e ter um bom relacionamento interpessoal, e tem algumas características essenciais. Dessa forma, sempre que possível, atender às solicitações e expectativas de todos.

Liderança também não significa apenas falar aos demais membros da equipe, mas acima de tudo, ouvi-los e respeitá-los, entendendo suas particularidades, sem qualquer tipo de generalização.

Como diz o filósofo Mário Sérgio Cortella: “Um líder corrige sem ofender e orienta sem humilhar.”

É por isso que liderança é algo mais complexo que comando. Para ser líder é necessário possuir certas características e estar disposto a desenvolver algumas habilidades, caso não as possua.

Por isso, praticar algumas das estratégias que listamos abaixo é tão importante para se tornar um líder de sucesso.

Tipos de liderança

Não existe só um tipo de pessoa nem só um tipo de empresa, então, por que haveria só um tipo de liderança? 

A seguir, vamos te mostrar alguns perfis possíveis de liderança! Assim, você pode analisar qual faz mais sentido com a sua personalidade e objetivos de carreira e, ao mesmo tempo, está alinhado com os objetivos da empresa. 

Liderança democrática

Como o próprio nome diz, neste tipo de liderança o papel do líder é mais de ouvir os colaboradores do que tomar as decisões sozinho. Ao contrário, as escolhas são acertadas coletivamente. 

Por isso, debates e discussões são frequentes. Além de todos terem mais autonomia e liberdade de expressão para conduzir o processo. 

É um estilo que funciona muito bem quando há pessoas mais experientes na equipe e que já tem um bom domínio sobre a sua função e sobre o ambiente de trabalho.

Liderança liberal

Este modelo é ainda mais horizontal do que o modelo acima. Neste, todo o poder de decisão está nas mãos dos funcionários. 

Para tanto, é preciso que a equipe seja muito pró-ativa, experiente, tenha uma boa conexão entre si, alto nível de conhecimento sobre a empresa e também já sejam profissionais de alta performance. 

Ou seja, ela é aplicável em casos específicos. Do contrário, a ausência de feedback e posicionamento da liderança pode ser visto de maneira negativa e prejudicar as entregas da equipe. Além de deixar os funcionários desmotivados. 

Liderança situacional

Já este tipo é muito interessante pela sua flexibilidade. Por se adequar a realidade e às demandas do momento, ele atende muito bem tanto a empresa quanto os colaboradores. 

Aliás, a sua postura vai depender justamente das características pessoais do seu time: suas habilidades técnicas e comportamentais. É isso o que vai ditar o posicionamento do líder. 

Assim, se é necessária uma postura de comando mais firme, o líder é capaz de fazê-lo; mas, se ao contrário, o ideal é deixar que a equipe seja autônoma, ele também tem condições de se ausentar dos holofotes. 

Liderança autocrática

A liderança autocrática ou comandante é a mais conservadora. Nela, o líder se parece mais com o “chefe”, descrito acima. Ele centraliza a tomada de decisões e realiza comandos que devem ser obedecidos pelos membros da equipe. 

É mais comum, portanto, que o trabalho seja feito de maneira presencial. E, para que ela funcione, o time precisa ter muita confiança para seguir o líder.

Ela não é recomendada como primeira opção, a não ser em ambientes que precisem de uma tomada de decisão muito rápida pelo alto risco da operação. 

Do contrário, outros tipos de liderança oferecem muito mais benefícios. Inclusive para a saúde mental e o bom relacionamento entre os colaboradores e líderes. 

Liderança técnica

Este tipo de líder é mais focado no fazer. Ele inspira a sua equipe tendo capacidades impressionantes na sua função. A partir do trabalho prático, ele orienta os colaboradores sobre o que é esperado deles. 

Para isso, ele precisa estar sempre atualizado e por dentro das tendências na sua área. Em resumo, é um exemplo a ser seguido. Os cuidados aqui são em manter a equipe motivada e não se tornar muito rígido. 

Liderança orientada a dados

Um método bastante moderno de liderar é tomar suas decisões com base nos resultados obtidos. Ou seja, tanto o líder quanto a equipe vão estar sempre mensurando o trabalho efeito e analisando o que deu certo. 

O lado positivo é que ele estará focado em fazer testes, o que ajuda a atingir desfechos mais assertivos. E, num mercado competitivo, isso faz muita diferença. 

8 estratégias para ser um bom líder

É certo que algumas pessoas podem ser consideradas líderes natas. Isso porque é costumam se destacar em seu papel de liderança sem que façam grandes esforços ou use qualquer estratégia para desenvolver suas habilidades.

Algumas teorias, inclusive, se concentram nos traços da personalidade para explicar e caracterizar bons líderes. No entanto, outra vertente teórica da liderança busca identificar comportamentos e desenvolver estratégias que podem ser adotadas para que qualquer pessoa melhore sua habilidade e se destaque como líder.

Separamos algumas dessas estratégias baseadas em comportamento para que você também possa se tornar um bom líder ou identificar um. Confira:

1. Estimule a criatividade da equipe

Pensamentos engessados e atividades feitas no “piloto automático” não rendem bons resultados. Por isso, para se tornar um bom líder, é preciso uma boa dose de liberdade de criação, para si e para a equipe. Novos desafios, quando oferecidos com apoio e confiança, tornam os processos de liderança mais eficazes.

Por isso, estimular a criatividade dos colaboradores, dando a eles vez e voz, faz com que a liderança seja vista como uma espécie de alavanca para o sucesso de todos. Afinal, o as habilidades intelectuais de uma pessoa precisam ganhar espaço, pois podem  resultar numa contribuição significativa para o desenvolvimento das atividades e alcance das metas.

No entanto, esse estímulo à criatividade e os desafios propostos devem considerar a singularidade de cada membro do grupo e otimizar as habilidades já existentes para, quem sabe, possam ser descobertas novas capacidades.

2. Tenha atitudes inspiradoras

Líderes são como representantes. Não se trata apenas de alguém conduzindo a equipe, mas um espelho para o trabalho dos colaboradores que estão sob sua liderança.

Dessa forma, liderar com sucesso e maestria requer ter atitudes que inspiram os demais membros da equipe. É assim que eles se sentirão representados e, com isso, ainda mais engajados nas tarefas e desafios propostos.

Para transformar as relações – e assim também os resultados – exercer uma influência positiva é fundamental. Uma vez que é através das características e comportamentos tidos como exemplo que a equipe se sentirá encorajada pela admiração que tem pelo líder.

3. Sinta entusiasmo pelo trabalho

Liderança requer dedicação e uma boa dose de energia positiva. Não há como liderar de maneira eficaz sem paixão e entusiasmo pelo trabalho que está sendo realizado. Por isso, para se destacar como líder é necessário gostar muito do que faz e sentir-se motivado a exercer seu papel.

Só assim é possível transmitir segurança ao grupo e, como dissemos no item anterior, ser alguém em quem os outros se inspiram. Afinal, ninguém levará em conta um líder que apenas “bate ponto”, sem se preocupar muito com os resultados e com o andamento dos processos.

4. Saiba ouvir tão bem quanto falar

A boa comunicação é um dos pontos mais importantes quando se fala em liderança. Afinal, não há como transmitir a mensagem correta ao grupo quando há ruídos na comunicação. Pior ainda é um líder que sabe falar muito bem, mas não tem bons ouvidos.

Já dissemos anteriormente que liderar não significa comandar, dar ordens. Liderança é sobre gestão – de tarefas, mas também de pessoas, em algum momento.

É por isso que, para desempenhar a função de líder com qualidade e sucesso, saber receber o feedback dos colaboradores e ouvir o que eles têm a dizer é tão importante quanto dar-lhes instruções.

5. Um bom líder é positivo e motivador

Imagine quão desagradável pode ser a convivência com um líder rabugento, reclamão e negativo. Ninguém gosta de pessoas assim por perto, menos ainda quando é justamente delas que esperamos motivação e otimismo.

Uma liderança eficaz precisa de positividade, otimismo e motivação. Líderes apáticos refletem isso na equipe. Ao contrário, líderes positivos também dão um “gás” para que o grupo faça seu trabalho com alegria e alcance os melhores resultados. 

6. Esteja aberto a novas ideias

Não pense que sabe tudo ou que sabe mais do que qualquer membro da sua equipe. Ser um líder de sucesso é estar aberto a propostas e ideias novas, levando em conta o conhecimento e a experiência de cada colaborador.

Quando as pessoas sabem que o líder aceita suas ideias, um movimento participativo e democrático é criado, e a liderança torna-se transformadora, sendo capaz de encontrar soluções criativas e resolver os problemas sem que eles interfiram na produtividade.

7. Reconheça e recompense um bom trabalho

Todos nós buscamos reconhecimento. Não é diferente com as pessoas que trabalham sob sua liderança. Por isso, uma das qualidades do bom líder é saber reconhecer o trabalho do grupo e recompensar um desempenho satisfatório.

A valorização é capaz de criar uma atmosfera de entusiasmo, prazer e felicidade em torno do trabalho. Resultado: profissionais mais empenhados em suas tarefas e produtividade elevada.

8. Invista em autoconhecimento

Para ser um bom líder é preciso reconhecer as próprias habilidades e limitações. Existem diversos estilos de liderança. Se você descobrir qual é o seu será muito mais fácil alcançar bons resultados.

Todavia, buscar o autoconhecimento pessoal juntamente com as questões profissionais é o mais recomendado, e para isso fazer psicoterapia pode ajudar muito!

Um profissional de psicologia pode aplicar alguns testes de liderança, baseados nas experiências e características relatadas, para você descobrir qual seu estilo e, assim, avaliar quais os pontos fortes que podem ser melhor aproveitados e quais os aspectos que devem ser melhorados.

Ao mesmo tempo, as características da personalidade e os comportamentos, tanto pessoais quanto profissionais, serão analisados para que você possa direcionar suas ações e aprimorar seus relacionamentos no ambiente de trabalho.

Essa característica é essencial tanto para líderes quanto para os outros colaboradores, e a Vittude pode ajudá-lo a estimular todos a buscarem mais autoconhecimento!

Somos uma empresa especialista em saúde mental corporativa com soluções integrais e personalizáveis. 

Podemos te ajudar a desenvolver as soft skills das lideranças com nossos workshops e rodas de conversa para impulsionar sua organização. Além de estruturar programas de saúde mental para atender suas necessidades. 

Converse com um dos nossos especialistas para saber mais!

Carol Motta

Redatora sênior, especialista em SEO On Page, cientista social e com experiência em conteúdos de saúde e RH. Trabalha para viver num mundo em que as pessoas sejam mais saudáveis e as organizações, mais inclusivas.

Recent Posts

Tristeza: entenda as causas e aprenda a lidar com esse sentimento

Aprender como lidar com a tristeza é fundamental para construir uma vida mais saudável e…

2 meses ago

Motivação: 7 Estratégias para se manter inspirado em qualquer situação

Entenda o que é a motivação e quais fatores internos e externos influenciam essa força…

2 meses ago

Benefícios dos exercícios de mindfulness + 5 exemplos para incluir na sua rotina

Os exercícios de mindfulness são uma ótima estratégia para encontrar um pouco de paz, silêncio…

3 meses ago

Qual é a relação entre saúde mental e qualidade de vida?

Entenda como saúde mental e qualidade de se relacionam e confira hábitos que você deve…

3 meses ago

Quais são os efeitos colaterais de medicamentos psiquiátricos?

Entenda quais são os efeitos colaterais que podem ser causados por medicamentos psiquiátricos e tire…

3 meses ago

Técnicas de relaxamento para ansiedade: 8 dicas para aliviar crises

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem a maior prevalência…

3 meses ago