possessivo-como-se-livrar-de-um-relacionamento-doentio

Possessivo: como se livrar de um relacionamento doentio

4.6/5 - (13 votes)

  |  Tempo de leitura: 9 minutos
4.6/5 - (13 votes)

Falar sobre relacionamento doentio está cada vez mais comum. Ao longo dos últimos anos, muitas pessoas mostraram que é possível se desvincular de um parceiro possessivo, agressivo e com más intenções.

Por mais que assistir a essas histórias libertação e mudança de vida seja inspirador, quando você faz parte do relacionamento, enxergar a realidade da situação não costuma ser tão simples. Muitos sentimentos e momentos marcantes estão envolvidos. Nos casos em que filhos precisam ser considerados, a situação é ainda mais complicada.

Ainda assim, é possível se livrar de um relacionamento tóxico que não te faz bem. Já avisamos: o processo é longo e exige muita determinação para se autoconhecer fora da esfera do relacionamento.

Livrar-se de um relacionamento doentio pode ser um desafio. Este artigo vai ajudá-lo a reencontrar a liberdade, longe do parceiro possessivo.

Como reconhecer um relacionamento doentio?

Reconhecer que você está em um relacionamento abusivo é uma das tarefas mais difíceis. Embora o parceiro aja de maneira atípica e levante algumas suspeitas, a pessoa prefere focar em suas características positivas e relembrar os momentos felizes do relacionamento a ver a realidade.

Muitas vezes, quando os primeiros sinais começam a surgir, a pessoa é incapaz de ver o parceiro como aquele ser horroroso que os outros enxergam. Tomada por suas emoções, para ela, o parceiro sempre merece o benefício da dúvida.

É preciso salientar que normalmente se identifica um parceiro doentio com o tempo. A princípio, ele parece ser o par perfeito. Somente qualidades, risadas e momentos de diversão apreciados em união.

A convivência e a intimidade deixam as pessoas confortáveis o bastante para serem seus verdadeiros ‘eus’, revelando a identidade real do parceiro.

A pessoa que está no relacionamento doentio geralmente suspeita de sua anormalidade após a primeira agressão ou primeiro acesso de raiva ou situação traumática ocasionada pelo parceiro. É como um chacoalhar que traz a pessoa de volta à realidade.

É também comum que a pessoa já tenha sido afetada pela mentalidade do parceiro possessivo. Sua autoconfiança já está fragilizada, o que a impede de escapar do relacionamento mesmo após demonstrações de hostilidade.

O conhecimento prévio dos sinais pode ajudar alguém a se libertar antes que o relacionamento chegue neste estágio.

Sinais de um relacionamento doentio

Reconhecer os sinais requer muita avaliação e reflexão do estado da relação e dos sentimentos envolvidos. Abaixo, veja algumas das ‘bandeiras vermelhas’ mais típicas deste tipo de relacionamento e relacione-as com a sua realidade.

Sinal psicológico da vítima

  • Um relacionamento doentio te deixa cansado, desanimado, assustado e preocupado. Sentimentos opostos ao de um relacionamento sadio.

Sinais comportamentais do parceiro

  • O ciúme é tão exagerado que você é impedido de encontrar seus amigos, vestir as roupas que deseja, sair com colegas de trabalho e visitar parentes.
  • Basicamente, você é vetado de levar uma vida social ativa.
  • Pedidos para que você cesse os estudos ou pare de trabalhar também podem acontecer. O parceiro possessivo faz de tudo para que você apenas dê atenção para ele. Ele sabota todos os seus laços com o mundo exterior para desestruturá-lo.
  • O parceiro desconfia de tudo o que você faz: onde você esteve depois do trabalho, onde comprou o pão para o café da tarde, quem você vai encontrar no tempo livre, enfim, ocasiões mundanas que fazem parte da vida de todo mundo.
  • Neste tipo de relacionamento, é comum que o outro te deixe para baixo, jogando um balde de água fria em todas as suas ideias, sonhos e planos. Suas sugestões e opiniões não são ouvidas ou respeitadas. O parceiro afirma constantemente que “você não sabe do que está falando”.
  • Culpa indevida. Você é sempre o culpado das brigas, discussões e até mesmo de imprevistos incontroláveis. Qualquer erro é motivo para explosão e jogo de acusações. Enquanto isso, o parceiro não assume a responsabilidade por seus atos.
  • Seus sentimentos não são levados a sério. Quando você sofre, chora, se irrita ou se queixa, o parceiro te silencia. Possíveis acusações como “você não me valoriza” ou “você não sabe o que quer de um relacionamento” são usadas para confundir ainda mais as suas emoções.
  • O parceiro faz chantagem emocional para manipulá-lo a concordar com o ponto de vista dele ou agir conforme o almejado por ele. Você passa a duvidar de suas próprias reflexões sobre o relacionamento, perguntando-se se não está imaginando coisas.

Sinais físicos

  • Agressões físicas indicam que o relacionamento doentio está em um momento extremamente crítico.
  • O parceiro também pode agredi-lo verbalmente com xingamentos e palavras agressivas, mantendo essa mesma postura quando estão em público para ridicularizá-lo na frente de amigos e familiares.

Aguentar esses comportamentos tóxicos dia após dia desestrutura o emocional de qualquer pessoa. A pessoa, antes saudável e contente, se vê totalmente apática, assustada, desconfiada, insegurança e dependente do parceiro. Se você sente que não possui mais controle do seu relacionamento, é provável que ele seja abusivo.

Como se livrar de um relacionamento doentio?

Reavalie o seu relacionamento

O primeiro passo é reconhecer os sinais na conduta do parceiro. Preste atenção em como age em eventos sociais, nas mudanças de humor e nas contradições da fala. Depois, coloque as coisas boas e ruins em uma balança.

É comum encontrar resistência, mesmo quando o relacionamento não está bom. Não tenha medo nem vergonha de admitir que foi enganado ou desrespeitado pelo outro. Embora as lembranças felizes possam trazer uma sensação boa, lembre-se de focar o pensamento no presente para ver a realidade como ela é.

Reflita, principalmente, sobre seus sentimentos. Está feliz? Está satisfeito? Consegue se imaginar nesta relação nos próximos anos? Relacionamentos amorosos saudáveis devem ser sobre amor e companheirismo, e não fazê-lo sentir-se mal por ser quem você é.

É somente percebendo que aquela pessoa não é quem você pensava conhecer que o desapego acontece.

Peça ajuda de amigos e familiares

Seus amigos e familiares são os melhores aliados nesta situação. Pergunte se pode passar um tempo na casa de alguém de confiança, se necessário, ou peça ajuda para encontrar as palavras certas para terminar a relação. Conte com a ajuda deles também após o término.

É maravilhoso ter pessoas a nossa volta para nos ajudar a superar os momentos dolorosos de nossas vidas. Portanto, peça o apoio deles para conseguir se livrar do relacionamento doentio.

Dê um basta definitivo (se necessário, escolha um local seguro)

Ao declarar o término do relacionamento, você deve estar ciente que não será possível voltar atrás. Nessas circunstâncias, reatar transmite a mensagem equivocada de que você não se importa em sofrer com as atitudes possessivas do parceiro. Seja forte ao colocar um ponto final na relação e deixe seus desejos bem claros para não haver desentendimentos.

Se o relacionamento contar com históricos de agressões físicas ou ameaças, não encontre com o parceiro pessoalmente ou escolha um local público onde se sinta seguro. Chame amigos ou familiares para acompanhá-lo caso o outro reaja com violência.

É provável que um parceiro doentio não desista de primeira. Ele vai insistir e insistir através de ligações constantes e forçar encontros cara a cara para discutir o relacionamento. Vai, ainda, usar de chantagens emocionais para convencê-lo a voltar. É neste momento que você precisa se lembrar de que a felicidade do outro não é sua responsabilidade e seguir em frente com a sua decisão.

Caso o parceiro seja violento ou viole a sua privacidade, arriscando a sua segurança, não hesite em contatar a polícia.

Evite a possibilidade de recaídas

Faça de tudo para manter distância. Evite encontrá-lo pessoalmente no início em ambientes que costuma frequentar ou em eventos de amigos em comum. Os outros podem até achar que você está agindo com covardia, porém esse período de afastamento é necessário para curar a ferida do término.

Você provavelmente vai estar abalado e triste, sentindo falta da presença constante do parceiro. Esta reação é comum mesmo em casos de relacionamento abusivo. A manipulação emocional é tanta que pode surgir o desejo de ver o parceiro ou puxar conversa para saber como ele está.

Exclua o número do celular para combater esses anseios e bloqueie o perfil nas redes sociais para não cair na tentação de espionar a vida do agora ex-parceiro. Corte totalmente o contato com o outro para que ele também perceba que você estava falando sério e deixe de incomodar.

Reconstrua a sua autoestima

Pense apenas em você e no seu bem-estar. Chegou a hora de ser “egoísta”! Faça o que gosta, se inscreva em um curso, visite locais interessantes e encontre pessoas queridas para driblar a baixa autoestima.

Mantenha o foco longe do passado a fim de esquecer as acusações, as brigas e os xingamentos. Resumidamente, volte a ter a vida que costumava levar antes do parceiro sabotá-la. As lembranças o deixarão em paz eventualmente. É como aquele sábio ditado: “O tempo cura todas as feridas”.

Procure ajuda profissional

Se está difícil dar este passo tão gigantesco sozinho ou se você encontrou dificuldades para recomeçar após se ver livre do parceiro, procure um psicólogo.

A Vittude está aqui para ajudá-lo a colocar a sua vida de volta nos trilhos. Peça ajuda de um de nossos profissionais para curar as sequelas deixadas pelo relacionamento doentio clicando aqui.

Se você gostou desse artigo, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e também assinar nossa newsletter!

Leia também:

Será ciúme ou medo de perder? Entenda esse mecanismo.

Relacionamento abusivo: 6 sinais de alerta

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta