Encontre o psicólogo ideal

Psicólogo: quando é o momento de procurar ajuda deste profissional?

Psicólogo: quando é o momento de procurar ajuda deste profissional?
1 avaliações

  |  Tempo de leitura: 4 minutos

Quem nunca se deparou com a frase, “quem precisa de psicólogo é louco”?

Pois bem, mesmo hoje, em pleno século 21, isso ainda é ouvido. Nós psicólogos, temos a escuta treinada e estamos acostumados a lidar com essas questões, contudo, o que me espanta é o quão pouco as pessoas evoluíram em relação a esse assunto e o quanto a procura por psicólogos, para muitos, ainda é um tabu.

Quando buscar um psicólogo, afinal?

As estatísticas mostram que no Brasil, 20% da população apresenta algum transtorno emocional, sendo que os Transtornos de Ansiedade e de Depressão lideram essas estatísticas. Muitos não realizam o tratamento por desconhecimento, preconceito, falta de acesso e também por não apresentarem consciência da doença, impossibilitando a busca efetiva por ajuda.

É evidente que são inúmeros os fatores que podem contribuir para a não realização do tratamento, mas alguns aspectos podem ser considerados fundamentais para colaborar para a  pessoa buscar de fato ajuda de um psicólogo.

Quando buscar ajuda profissional?

Abaixo alguns pontos que podem ser esclarecedores:

Sintomas físicos

Muitas vezes é o corpo quem dá o sinal. O corpo fala, mas nem sempre conseguimos escutá-lo. São poucas as pessoas que tem consciência de que a causa do seu sintoma pode ser emocional. É importante também saber dosar e ter cuidado para não psicologizar os sintomas físicos e achar que tudo pode ser emocional. Buscar ajuda médica nesse momento é fundamental para fazer um diagnóstico que elimine as causas físicas.


Como anda seu nível de depressão, ansiedade e stress? Faça o teste agora!


No entanto, um bom diagnóstico com um psicólogo pode esclarecer muitos aspectos anteriormente não percebidos. Taquicardia, dores no estômago, dores musculares, dores no peito, cansaço físico, desânimo, diarréia, sudorese, problemas de pele, são alguns exemplos de sintomas que podem denunciar algum transtorno emocional. Embora a causa seja emocional, a presença desses sintomas é real.

Sensação de não pertencer a algum lugar

Algumas pessoas vivem com a sensação de não estarem encaixadas na sociedade. É como se tivessem a sensação de não pertencer a nenhum lugar. Como se tudo parecesse estranho, ou como se vivessem uma vida que não lhe pertencessem. Esses sintomas evidenciam que algo não vai bem e a necessidade de buscar ajuda.

Quando os sintomas interferem no cotidiano

Esse é um ponto bastante importante que deve ser levado muito em conta para procurar ajuda. Nem sempre as pessoas percebem a gravidade do seu quadro. Uma dica é observar o quanto a sua vida diária modificou nos últimos tempos ou está limitada devido a alguns sintomas ou comportamentos. O indivíduo às vezes não percebe. Mas as pessoas de sua convivência observam e apontam algumas reações que podem aparecer de maneira direta ou indireta (apresentando também algum tipo de sintoma ou comportamento).

Dificuldades nos relacionamentos

Os relacionamentos algumas vezes deflagram a necessidade de buscar ajuda. Nem sempre é a própria pessoa que percebe isso. Muitas vezes é o outro que observa determinados comportamentos ou sintomas que fazem a luz se acender.

Vida que não segue após trauma ou perda

Tudo na vida precisa de um tempo de elaboração, principalmente quando algo acontece repentinamente. É natural que após algum trauma, mudança ou perda, a vida fique um pouco atrapalhada e que sintomas como tristeza, angústia, medo, dúvidas apareçam. Entretanto, é importante observar se tais sintomas e ou comportamentos se estendem por muito tempo, pois pode ser que se trate de algum transtorno emocional.   

Desinteresse pelas coisas que gostava de fazer

Sabe quando a pessoa sente-se desinteressada pelo que fazia anteriormente, às vezes até atribuindo, por exemplo, o seu comportamento ao trabalho ou ao seu modo de vida? Sabe quando alguém se sente desiludido, achando que nada faz sentido? Pode ser que seja esse o sintoma que denota a necessidade de buscar ajuda psicológica.

Cynthia Boscovich é psicóloga clínica, psicanalista e parceira da Vittude. Ela atende adolescentes e adultos em seu consultório. Desenvolve também um trabalho específico com gestantes, mães e bebês, e orientação de pais na área de prevenção e tratamento. Marque já sua consulta!

Leia mais:

Os 5 estágios do luto: será que sabemos lidar com a morte?

Paranoia ou precaução? Estamos medrosos demais?