Saúde mental e a importância da cultura do autocuidado

Saúde mental e a importância da cultura do autocuidado

  |  Tempo de leitura: 9 minutos

Saúde mental e a importância da cultura do autocuidado são temas populares atualmente, mas nem sempre os cuidados com a saúde da mente são colocados em prática. Diversos empecilhos procuram sabotar os planos de quem busca ter um modo de vida saudável e reagir com assertividade às situações da vida. 

Trabalho, afazeres domésticos, acúmulo de estresse, crise financeira, turbulências no relacionamento, amizades tóxicas… São alguns dos fatores que corroboram para o esgotamento psicológico e o surgimento de transtornos mentais.

Embora seja impossível viver sem um desses ou outros problemas, o autocuidado ajuda a diminuir a sobrecarga mental e emocional oriunda deles. 

O que é cultura do autocuidado?

O autocuidado é caracterizado pelo conjunto de hábitos e condutas saudáveis adotados por uma pessoa, as quais visam o seu bem-estar e saúde mental. Essa pessoa, então, se torna apta a cuidar do seu corpo, do seu emocional, da sua vida profissional, das suas finanças, dos seus relacionamentos, e assim por diante. 

O termo cultura do autocuidado refere-se à propagação de práticas sadias bem como à disseminação da importância de cuidar de si mesmo. 

Esse cuidado deve ser feito em todos os momentos da vida, não somente quando se está deprimido ou fisicamente doente. As atribulações do cotidiano às vezes fazem as pessoas se esquecerem de fatores que preservam a sua saúde mental. Dessa forma, vivem a constante influência de emoções, pensamentos e sensações negativas. 

O estado da nossa saúde mental depende dos cuidados que temos conosco. 

Quando possuímos um estilo de vida pouco saudável, trabalhamos em um ambiente estressante ou convivemos com pessoas difíceis, a nossa saúde sofre ataques frequentes. Para reverter essa situação, o ideal é buscar ambientes e relacionamentos agradáveis. 

Pode parecer óbvio, mas nem todos acreditam ter o luxo de tomar decisões que visam o seu bem-estar. Algumas pessoas alimentam a noção de que para ter sucesso é preciso ficar em um emprego ruim ou sofrer com um chefe maquiavélico. Ficam do lado de um parceiro abusivo porque acreditam que “o amor cura tudo”. 

Mesmo quando estão no fundo do poço, não buscam se livrar dos seus problemas e incômodos emocionais. 

Importância da cultura do autocuidado na saúde mental

Saúde mental e a importância da cultura do autocuidado

A ênfase na saúde mental e na importância da cultura do autocuidado aos poucos vai transformando padrões de pensamento. As pessoas começam a compreender que aproveitar momentos do dia a dia para cuidar de si mesmo é essencial para viverem bem. 

Infelizmente, ainda há quem acredite merecer o pior, que coloca as necessidades de outras pessoas na frente das suas, que fortalece vícios na tentativa de se sentir melhor na própria pele, e que chega à estafa mental por conta de escolhas equivocadas. 

Esses indivíduos somente percebem o quanto danificaram a sua saúde mental quando uma doença psicossomática, transtorno mental ou enfermidade grave aparece.

Para modificar esse cenário, a mentalidade precisa ser de prevenção, não de tratamento. Fazer essa mudança, no entanto, não é uma tarefa simples.

Segundo um levantamento realizado pelo IBOPE em 2020, encomendado pela organização global de saúde Bayer, cerca de 84% dos brasileiros buscam ter uma rotina de autocuidado, mas apenas um terço das pessoas consegue segui-la. 

Outro dado alarmante revelado pela pesquisa é que três de cada quatro participantes sentiam algum tipo de dor frequente. As maiores reclamações estavam relacionadas à dor nas costas (38%) e enxaqueca (31%). A frequência de dores sentidas pelas mulheres mostrou-se ainda maior, com 82% das respondentes afirmando sentir algum tipo de dor frequente.

Esses dados mostram a necessidade de modificar a visão dos brasileiros sobre a preservação da saúde mental e a importância da cultura do autocuidado. 

Como cultivar uma cultura do autocuidado?

A maioria dos brasileiros prefere se tratar ao se cuidar. Apesar de haver uma parcela da população interessada em exercícios físicos, a motivação costuma ser estética. Quando a razão está associada à saúde, normalmente é por conta de sinais de declínio ou do comprometimento completo desta.  

A cultura do autocuidado precisa ser vivida diariamente para o bem individual e coletivo. Existem muitas maneiras de fazer isso, que podem se encaixar até mesmo nas rotinas mais corridas.

Normalmente a “falta de tempo” é um pretexto para não se fazer as mudanças necessárias para obter mais saúde física e mental. 

Desenvolver um hábito, ainda que positivo, leva tempo e requer disciplina. Mudar significa ser forçado a interagir com o desconhecido e como saber que o novo não é, de fato, pior? Muitos desistem de consolidar uma rotina de autocuidado em virtude disso.

Todavia, sem saúde mental não é possível viver bem. Para realizar sonhos, estabelecer e concretizar objetivos, ter um relacionamento duradouro, fazer contatos profissionais, concluir projetos pessoais e, principalmente, afastar o estresse, a prática do autocuidado é imperativa.

Tipos de autocuidado

É importante deixar claro que o autocuidado não é somente cuidar da aparência, como é costumeiro associar. Embora esse tipo de cuidado seja necessário, não é o único. O autocuidado abrange todas as áreas da vida. 

No trabalho, cuidar de si mesmo consiste em ficar longe de fofocas, resolver intrigas sociais cara a cara, aprender novas habilidades, fazer cursos de atualização, estabelecer limites para não levar serviço para casa sempre e descansar nos finais de semana.

Em casa, significa ter um bom convívio com todos os moradores, estabelecer uma rotina consistente, ouvir as queixas e os desabafos dos outros, ter um passatempo para exercitar o cérebro com lazer e cuidar da limpeza da casa.

Saúde mental e a importância da cultura do autocuidado

Em relação aos relacionamentos afetivos, o autocuidado refere-se à capacidade de resolver conflitos com sinceridade, respeitar a liberdade do outro, demonstrar afeto, controlar os ciúmes, ter uma boa relação com os familiares e amigos da pessoa amada, e demonstrar apoio e compreensão diante de problemas. 

Ao nível pessoal, algumas formas de cuidar de si mesmo são fazer exercícios regulares, se alimentar bem, aprender a gerir emoções, praticar técnicas de relaxamento, se expressar sempre que desejado e evitar fatores causadores de estresse. 

Em outras palavras, o autocuidado pode ser praticado a todo instante. Quando você toma uma decisão que visa o seu bem-estar psicológico, emocional e físico, está cuidando de você. 

Fazer terapia também é autocuidado!

Uma forma excelente de autocuidado é a psicoterapia

Algumas pessoas já compreenderam a necessidade de cuidar da saúde mental e a importância da cultura do autocuidado, então passaram a buscar ajuda psicológica para lidarem com questões emocionais. Em 2020, as buscas por terapia online dispararam em razão do isolamento social.

A terapia não é eficaz somente no tratamento de transtornos mentais. Ela é igualmente aproveitada por quem deseja cuidar da saúde mental no dia a dia, se autoconhecer e clarear dúvidas sobre o futuro.

Preciso me conhecer melhor (2)

A dificuldade para estabelecer hábitos também pode ser sanada na terapia. Muitas vezes a relutância em mudar está associada ao modo incorreto de organizar horários ou de executar afazeres conforme a personalidade. O medo é outro fator bastante comum, que tende a ser alimentado por questões do passado. 

Além disso, as crenças cultivadas ao longo da vida interferem muito nas decisões e no comportamento do presente. Elas passam despercebidas em razão do costume, mas não deixam de prejudicar a saúde mental quando são nocivas. 

Por exemplo, crenças como “é preciso sofrer para ter sucesso” ou “não há nada que posso fazer, sou assim e pronto” conduzem as pessoas para caminhos dolorosos e limitam as suas vivências boas.   

O acompanhamento psicológico pode ajudar as pessoas a descobrirem os fatores que as impedem de construir uma cultura pessoal de autocuidado. 

Cuide de você com a Vittude

A Vittude é a plataforma de terapia online ideal para praticar o autocuidado e cuidar da saúde mental. De modo simples e prático, pacientes se conectam com psicólogos de diversas especialidades em encontros semanais (ou conforme o acordado) à distância. 

A terapia online é ideal para quem possui uma rotina lotada de compromissos, mora em cidades pequenas onde o acesso à terapia é limitado ou precisa se deslocar uma distância considerável para encontrar o psicólogo. 

A Vittude proporciona salas de consulta virtuais seguras. Todas as informações compartilhadas são mantidas entre o profissional e o psicólogo, sem haver a possibilidade de vazamento na internet. 

Na plataforma, você encontra profissionais dedicados a solucionar os mais diversos problemas psicológicos, como depressão e ansiedade, ou incômodos emocionais. 

Problemas conjugais, disfunção sexual, conflitos familiares, dúvidas sobre a carreira, necessidade de orientação vocacional são alguns dos impasses que perturbam as pessoas, mas não estão necessariamente ligados a transtornos mentais. Na Vittude, todos esses assuntos são abordados com tranquilidade e empatia pelos profissionais de psicologia.

O processo de marcação de consultas não contém segredos. Mediante cadastro no site, o paciente tem acesso aos perfis dos psicólogos, os valores da consulta, os seus horários disponíveis e as especializações concluídas. 

Assim que encontrar um profissional, é só marcar a consulta, estabelecer um método de pagamento e esperar o dia do encontro virtual. 

O acompanhamento psicológico é um processo tranquilo, com duração variável onde os desabafos mais íntimos são bem-vindos.

Portanto, não tenha vergonha de conversar sobre os fatores em sua vida que estão lhe incomodando (por mais que pareçam pouco importantes) com o psicólogo. 

Se no futuro você chegar a sentir que a psicoterapia não está sendo proveitosa, a Vittude possibilita buscar outro profissional para dar continuidade à terapia.

Conteúdos Que Você Pode Gostar Também:

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta