terapia eletroconvulsiva um tratamento possível para depressão

Terapia eletroconvulsiva: um tratamento possível para depressão

  |  Tempo de leitura: 8 minutos
Clique e encontre seu psicólogo !

A terapia eletroconvulsiva (ECT) é um procedimento feito sob anestesia geral, no qual pequenas correntes elétricas passam pelo cérebro, desencadeando intencionalmente uma breve convulsão.

A terapia eletroconvulsiva parece causar mudanças na química cerebral que podem reverter rapidamente os sintomas de certas doenças mentais.

A ECT geralmente funciona quando outros tratamentos não são bem-sucedidos e quando o tratamento completo é concluído, mas pode não funcionar para todos.

Grande parte do estigma associado à terapia eletroconvulsiva é baseado em tratamentos precoces em que altas doses de eletricidade foram administradas sem anestesia, levando à perda de memória, ossos fraturados e outros efeitos colaterais graves.

Este tipo de terapia é muito mais segura hoje. Embora a ECT ainda provoque alguns efeitos colaterais, ela agora usa correntes elétricas fornecidas em um ambiente controlado para obter o maior benefício com o menor número possível de riscos.

Quanto a terapia eletroconvulsiva é indicada?

A terapia eletroconvulsiva (ECT) pode proporcionar melhorias rápidas e significativas nos sintomas graves de várias condições de saúde mental. A ECT é usada para tratar:

  • Depressão grave, particularmente quando acompanhada de desapego da realidade (psicose), desejo de cometer suicídio ou recusa de comer;
  • Depressão resistente ao tratamento, uma depressão grave que não melhora com medicamentos ou outros tratamentos;
  • Mania grave, um estado de intensa euforia, agitação ou hiperatividade que ocorre como parte do transtorno bipolar. Outros sinais de mania incluem dificuldade de tomada de decisão, comportamento impulsivo ou de risco, abuso de substâncias e psicose;
  • Catatonia, caracterizada por falta de movimento, movimentos rápidos ou estranhos, falta de fala e outros sintomas. Está associado à esquizofrenia e a outros transtornos psiquiátricos. Em alguns casos, a catatonia é causada por uma doença médica.
  • Agitação e agressão em pessoas com demência, que podem ser difíceis de tratar e afetar negativamente a qualidade de vida.

A terapia eletroconvulsiva pode ser uma boa opção de tratamento quando os medicamentos não são tolerados ou outras formas de terapia não funcionaram. Em alguns casos, a ECT é usada:

  • Durante a gravidez, quando os medicamentos não podem ser tomados porque podem prejudicar o feto em desenvolvimento;
  • Em adultos mais velhos que não toleram efeitos colaterais de medicamentos como o clonazepam;
  • Em pessoas que preferem tratamentos de ECT tomando medicamentos;
  • Quando a ECT foi bem sucedida no passado.

Riscos da terapia eletroconvulsiva

Embora a ECT seja geralmente segura, os riscos e efeitos colaterais podem incluir:

Confusão

Imediatamente após o tratamento, você pode sentir confusão, que pode durar de alguns minutos a várias horas. Você pode não saber onde está ou porque está lá. Raramente, a confusão pode durar vários dias ou mais. Confusão é geralmente mais perceptível em adultos mais velhos.

Perda de memória

Algumas pessoas têm dificuldade em lembrar eventos ocorridos antes do tratamento ou nas semanas ou meses anteriores ao tratamento ou, raramente, em anos anteriores. Essa condição é chamada de amnésia retrógrada. Você também pode ter dificuldade em recordar eventos que ocorreram durante as semanas de tratamento. Para a maioria das pessoas, esses problemas de memória geralmente melhoram em alguns meses após o término do tratamento.

Efeitos colaterais físicos

Nos dias de um tratamento com ECT, algumas pessoas sentem náusea, dor de cabeça, dor no maxilar ou dor muscular. Estes geralmente podem ser tratados com medicamentos.

Complicações médicas

Como com qualquer tipo de procedimento médico, especialmente aquele que envolve anestesia, há riscos de complicações médicas. Durante a ECT, a frequência cardíaca e a pressão sanguínea aumentam e, em casos raros, isso pode levar a sérios problemas cardíacos. Se você tem problemas cardíacos, a ECT pode ser mais arriscada.

Como você se prepara

Antes de fazer seu primeiro tratamento com ECT, você precisará de uma avaliação completa, que geralmente inclui:

  • Um histórico médico;
  • Um exame físico completo;
  • Uma avaliação psiquiátrica;
  • Exames de sangue básicos;
  • Um eletrocardiograma (ECG) para verificar sua saúde cardíaca;
  • Revisão do anestesiologista para examinar os riscos da anestesia;

Esses exames ajudam a garantir que a ECT seja segura para você.

Procurando o psicólogo ideal para você?

Clique e encontre seu psicólogo !

O que você pode esperar?

O procedimento da terapia eletroconvulsiva leva de cinco a dez minutos, com tempo adicional para preparação e recuperação. A ECT pode ser feita enquanto você estiver hospitalizado ou em procedimento ambulatorial.

Antes do procedimento

Para se preparar para o procedimento de ECT:

Anestesia geral

Pode esperar restrições alimentares antes do procedimento. Normalmente, isso significa que não há comida ou água após a meia-noite e apenas um gole de água para tomar qualquer medicação matinal. Sua equipe de saúde lhe dará instruções específicas antes do procedimento.

Breve exame físico

Isso é basicamente para verificar seu coração e pulmões.

Intervenção intravenosa

Uma enfermeira ou outro membro da equipe insere um tubo intravenoso em seu braço ou mão através do qual medicamentos ou fluidos podem ser administrados.

Eletrodos na cabeça

Cada bloco é aproximadamente do tamanho de uma moeda. A ECT pode ser unilateral, na qual as correntes elétricas se concentram em apenas um lado do cérebro, ou bilateral, em que ambos os lados do cérebro recebem correntes elétricas concentradas.

Anestesia e medicamentos

No início do procedimento, você receberá esses medicamentos através da intervenção intravenosa:

  • Um anestésico para deixá-lo inconsciente e inconsciente do procedimento;
  • Um relaxante muscular para ajudar a minimizar a convulsão e prevenir lesões;
  • Você pode receber outros medicamentos, dependendo das condições de saúde que você tiver ou de suas reações anteriores à ECT.

Equipamento

Durante o procedimento:

  • Um manguito de pressão arterial colocado em torno do tornozelo impede que a medicação relaxante muscular entre no pé e afete os músculos. Quando o procedimento começa, o médico pode monitorar a atividade das crises observando o movimento naquele pé.
  • Monitores verificam o seu cérebro, coração, pressão arterial e uso de oxigênio;
  • Você pode receber oxigênio através de uma máscara de oxigênio;
  • Você também pode receber um protetor bucal para ajudar a proteger os dentes e a língua de lesões.

Induzir uma convulsão

Quando você está dormindo pelo efeito da anestesia e seus músculos estão relaxados, o médico aperta um botão na máquina de ECT. Isso faz com que uma pequena quantidade de corrente elétrica passe através dos eletrodos para o cérebro, produzindo uma convulsão que geralmente dura menos de 60 segundos.

  • Por causa do anestésico e do relaxante muscular, você permanece relaxado e inconsciente durante a convulsão. A única indicação externa de que você está tendo uma convulsão pode ser um movimento rítmico do pé se houver um manguito de pressão arterial em torno do tornozelo.
  • Internamente, a atividade no seu cérebro aumenta dramaticamente. Um teste chamado eletroencefalograma (EEG) registra a atividade elétrica em seu cérebro. A atividade súbita e aumentada no EEG sinaliza o início de uma convulsão, seguida por um nivelamento que mostra que a convulsão terminou.

Poucos minutos depois, os efeitos do anestésico de ação curta e do relaxante muscular começam a se desgastar. Você é levado a uma área de recuperação, onde é monitorado por problemas. Quando você acorda, você pode experimentar um período de confusão que dura de alguns minutos a algumas horas ou mais.

Série de tratamentos

Nos Estados Unidos, os tratamentos de ECT são geralmente administrados duas a três vezes por semana durante três a quatro semanas – para um total de seis a 12 tratamentos. Alguns médicos estão usando uma nova técnica chamada eletroconvulsoterapia unilateral de pulso de pulso de ultrabaixo direito que é feita diariamente durante a semana.

O número e o tipo de tratamentos que você precisa dependem da gravidade dos sintomas e da rapidez com que eles melhoram.

Algumas pessoas podem ser aconselhadas a não retornar ao trabalho ou dirigir até uma a duas semanas após a última ECT em uma série ou por pelo menos 24 horas após o último tratamento.

Resultados

Muitas pessoas começam a notar uma melhora em seus sintomas após cerca de seis tratamentos com eletroconvulsoterapia. A melhoria total pode levar mais tempo, embora a terapia eletroconvulsiva possa não funcionar para todos. A resposta aos medicamentos antidepressivos, em comparação, pode levar várias semanas ou mais.

Ninguém sabe ao certo como a ECT ajuda a tratar a depressão severa e outras doenças mentais. O que se sabe, porém, é que muitos aspectos químicos da função cerebral são alterados durante e após a atividade convulsiva. Essas mudanças químicas podem construir uma sobre a outra, de alguma forma reduzindo os sintomas de depressão severa ou outras doenças mentais. É por isso que a ECT é mais eficaz em pessoas que recebem um curso completo de múltiplos tratamentos.

Mesmo depois de os sintomas melhorarem, você ainda precisará de tratamento contínuo contra a depressão para evitar uma recorrência. O tratamento em curso pode ser ECT com menos frequência, mas mais frequentemente inclui antidepressivos ou outros medicamentos, ou aconselhamento psicológico (psicoterapia).

Artigo traduzido e adaptado pela Vittude do artigo original, em inglês, Electroconvulsive therapy (ECT)

* Atualizado em 05/06/2019

Clique e encontre seu psicólogo !

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.