tipos de fobias

Tipos de fobias e como elas podem atrapalhar sua vida

  |  Tempo de leitura: 8 minutos

Alguns tipos de fobias podem causar uma perda significativa de qualidade de vida!

Todo mundo se sente ansioso ou desconfortável de vez em quando. Mas para quem tem algum tipo de fobia, essa pode ser uma sensação recorrente, tão séria que chega a interferir em sua rotina.

Fobia é algo bem diferente do medo. Você não pode superá-la com “força de vontade”, por exemplo. E os sintomas não podem ser ignorados ou eliminados sem um tratamento.

Aliás, a fobia tende a afetar profundamente sua vida. Você passa a evitar certas situações. Ou ainda, diante de um acontecimento, você pode se sentir tão aterrorizado que fica imobilizado de medo. Resumidamente, a condição de uma fobia é incapacitante.

Mas como dissemos, fobias são diferentes de medos comuns e muito importante ter isso em mente. Para entender melhor como se manifesta e quais os principais tipos de fobias, continue a leitura!

Diferença entre alguns tipos de fobias e medo

O medo é um instinto evolutivo que ajuda os seres humanos a se manterem vivos. Pense em todas as coisas que naturalmente tememos: cobras, aranhas, altura etc.

Ao longo de nossa história evolutiva, os ancestrais com predisposição genética para evitar esses perigos tinham maior probabilidade de viver o suficiente para transmitir esses genes.

Mesmo na sociedade moderna, onde não temos mais predadores como dentes de sabre e outros, nosso instinto ainda tem um papel importante que nos ajuda a sobreviver.

Pense em nossa inclinação natural para evitar entrar em um carro com um motorista bêbado, ou nosso medo de caminhar por um beco escuro durante a noite. Até mesmo o medo de ser atropelado que nos faz prestar atenção ao atravessar a rua.

Imagina quantos acidentes evitamos graças a esse medo! Pois agradeça aos seus ancestrais por colocar em sua genética esse medo natural.

Já a fobia não é nada natural nem positiva. Ela não tem propósito evolutivo e é mais um obstáculo do que uma ajuda. De fato, as fobias são uma doença mental e um dos muitos tipos de transtorno de ansiedade.

Indivíduos com fobias sairão do seu caminho ou rotina para evitar o objeto de seu medo. E, quando confrontados com isso, passarão por um grave estresse emocional e físico. Alguns podem até experimentar um ataque de pânico.

Os medos nos mantêm protegidos contra danos, mas as fobias podem interferir na capacidade de um indivíduo de levar uma vida normal e pensar racionalmente. E, ao contrário do medo, que muitas vezes é inato, as fobias geralmente são desencadeadas por um evento traumático específico na infância ou no início da adolescência.

Três principais tipos de fobias

São várias as fobias existentes, mas as principais se dividem em três grupos que incluem:

  • Fobias específicas (simples), que são as mais comuns e focam objetos específicos.
  • Fobia Social, que causa extrema ansiedade em situações sociais ou públicas.
  • Agorafobia, que é o medo de ficar sozinho em lugares públicos dos quais não há escapatória fácil.

Agora que já sabemos um pouco sobre o que é fobia e os principais tipos, que tal conhecer mais sobre cada uma delas?

Fobias Específicas ou Simples

Esse tipo de fobia produz medo intenso de um objeto ou situação particular que é, na maioria das vezes, relativamente seguro. As pessoas que sofrem de fobias específicas estão cientes de que seu medo é irracional, mas o pensamento de enfrentar o objeto ou a situação gera um ataque de pânico ou uma ansiedade severa.

É nesse tipo que são incluídas as fobias mais clássicas, como por exemplo:

  • acrofobia (medo de altura);
  • claustrofobia (fobia de lugares fechados);
  • zoofobia (medo de animais peçonhentos e outros);
  • amaxofobia (medo de dirigir);
  • aerofobia (medo de avião/medo de voar);
  • tripofobia (medo de padrões geométricos).

Ainda não está determinado o que causa cada tipo de fobia específica. Supõe-se que elas comecem durante a adolescência ou idade adulta. Elas começam de repente e tendem a ser mais persistentes do que as fobias da infância.

Quando as crianças têm fobias específicas – por exemplo, medo de animais – eles geralmente desaparecem com o tempo, embora possam continuar até a idade adulta. Ninguém sabe por que persistem em algumas pessoas e desaparecem em outras.

Fobia social

A fobia social é o medo de ser humilhado ou envergonhado na frente de outras pessoas. Esse problema também pode estar relacionado a sentimentos de inferioridade e baixa autoestima, e pode levar uma pessoa a abandonar a escola, evitar fazer amigos e até mesmo conseguir um emprego. Muitas vezes, a fobia social é acompanhada por depressão ou abuso de substâncias como álcool ou drogas.

Agorafobia

A agorafobia faz com que as pessoas sofram ansiedade por estarem em lugares ou situações das quais pode ser difícil escapar — como estar no meio do mar, numa multidão em um local fechado ou num elevador.

Em alguns casos, os ataques de pânico provocados pela Síndrome do Pânico podem se tornar tão debilitantes que a pessoa passa a desenvolver agorafobia, porque teme outro ataque de pânico. Em casos extremos, uma pessoa com agorafobia pode sentir um medo absurdo de sair de casa.

Embora esse distúrbio possa passar por mera timidez, eles estão longe de ser a mesma coisa. Pessoas tímidas não experimentam extrema ansiedade em situações sociais, nem necessariamente as evitam.

Como tratar os tipos de fobias?

Ninguém deve ser obrigado a conviver com o terror das fobias ou a inquietante ansiedade que frequentemente as acompanha. Fobias podem ser superadas com o tratamento adequado.

Dessa forma, uma pessoa que tem uma fobia deve saber que está sofrendo de uma doença plenamente diagnosticável e tratável.

A psicoterapia é o meio mais eficaz de aprender a lidar com as fobias e se livrar do problema. Buscar uma avaliação psicológica completa, conduzida por um psicólogo licenciado, deve ser o primeiro passo para obter um diagnóstico preciso e garantir que os sintomas não sejam causados ​​por outra condição.

Por fim, é crucial cumprir o tratamento e trabalhar em estreita colaboração com o terapeuta para alcançar o sucesso.

Terapia Cognitivo Comportamental para tratar todos os tipos de fobias

A terapia comportamental é muito eficaz no tratamento desses transtornos. Ela se concentra na mudança de ações específicas e usa técnicas diferentes para parar esse comportamento.

Podem ser aplicadas técnicas de respiração para aliviar os sintomas ou ainda a exposição gradual do paciente ao objeto/situação que o assusta, ajudando-o a desenvolver habilidades de enfrentamento.

Esse tipo de abordagem ensina às pessoas novas habilidades, a fim de reagir de forma diferente às situações que desencadeiam a ansiedade ou ataques de pânico.

Os pacientes também aprendem a entender como seus padrões de pensamento contribuem para os sintomas e como mudar seu modo de pensar para reduzir ou interrompê-los.

O mais importante é ter em mente que a fobia pode ser controlada e tratada, até seu completo desaparecimento. Você não precisa ter parte de sua vida subtraída pelo medo. Basta buscar ajuda e, assim, recuperar seu bem-estar.

Com o avanço da tecnologia, ficou mais fácil buscar ajuda. Plataformas como a Vittude possuem psicólogos altamente qualificados. Você pode fazer pesquisas por sintomas, buscando especialistas no tratamento de fobias. É possível, ainda, escolher a região da cidade que quer ser atendido ou fazer a terapia online, através de vídeo consultas.

Esse artigo foi útil para você? Que tal compartilhá-lo nas suas redes sociais? E se você ter acesso a outros conteúdos e dicas da Vittude, curta nosso perfil no Instagram e assine nossa newsletter!

Leia também:

Fobia: conheça sintomas, tipos e como tratar

Claustrofobia: o que é e como lidar com as sensações?

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.