Relacionamentos

Tipos de violência doméstica contra a mulher: saiba como identificar

2.9/5 - (7 votes)

Existem vários tipos de violência doméstica. Elas são veladas e não acontecem isoladamente, além de apresentarem graves consequências para a integridade física e a saúde mental das mulheres. 

Vítimas de violência doméstica demoram anos para se recuperarem. O trauma pode acompanhá-las por quase toda a vida, impedindo que desfrutem de vivências positivas, oportunidades profissionais e novos relacionamentos. 

A autoimagem é igualmente prejudicada. A mulher que sofre violência doméstica deixa de ter carinho por si mesma. A vergonha e o ressentimento facilmente se transformam em autoaversão e ela passa a se punir por ter permanecido tanto tempo ao lado do agressor. Por essas e outras razões, é importante saber reconhecer as atitudes violentas do cônjuge abusivo. 

Questões associadas à violência doméstica

A violência doméstica e os tipos de violência sofridos pelas mulheres em relacionamentos abusivos são ainda vistas com múltiplos estigmas. Quem está de fora cria dezenas de teorias para explicar o apego da vítima ao agressor e, como não consegue entender como ela pensa, chega a conclusões errôneas. 

É assim que surgiram muitas crenças nocivas as quais muitas vezes diminuem a gravidade das agressões e colocam a mulher como culpada da violência que sofre.    

Crenças tais como “mulher gosta é de apanhar” e “ninguém apanha de graça, algo ela fez” corroboram tanto para o silêncio das vítimas quanto para o aumento de confiança dos agressores. 

A violência doméstica é uma questão muito complexa que não envolve somente a relação entre o agressor e a vítima. As mulheres agredidas têm várias preocupações que as levam a permanecer no relacionamento, como a segurança dos filhos e a dependência financeira. 

A depressão e o estresse pós-traumático também contribuem para ausência de decisões da vítima. Após tantas agressões e manipulações, a autoestima dela está destruída e ela não consegue encontrar forças para terminar. Ela também pode desenvolver uma dependência doentia. Sendo assim, é impossível espectadores compreenderem a situação por completo. 

Tipos de violência doméstica

A violência doméstica não se resume somente às agressões físicas. Uma atenção maior é concedida a essa forma de violência, tanto nos noticiários quanto nas conversas casuais, por ser mais explícita. Ela deixa marcas visíveis na pele e debilita o corpo, sendo fácil identificá-la. 

Mas a verdade é que a violência doméstica toma diferentes formas. Aliás, apesar da agressão contra a mulher ser mais comum, homens também podem sofrer violência doméstica.   

De acordo com o Instituto Maria da Penha, estão previstos cinco tipos de violência doméstica na Lei Maria da Penha. 

1. Violência física

Consiste nas seguintes agressões: espancamento, atirar objetos, empurrar, sacudir, estrangular, chutar, sufocar, fazer lesões com objetos cortantes, provocar queimaduras, torturar e atirar com arma de fogo. 

2. Violência psicológica

Acontece de forma mais sutil, sendo de difícil identificação tanto para a vítima quanto para pessoas próximas. São as ameaças, perseguições, constrangimentos, humilhações, manipulações, chantagens emocionais, torturas e insultos. O agressor também pode isolar a vítima de familiares e amigos, chegando ao ponto de proibi-la de trabalhar e de sair de casa. 

3. Violência moral

Caracterizada pelos seguintes tipos de violência: acusação de infidelidade, críticas constantes sobre o jeito de ser e o modo de vida, exposição da vida íntima, desvalorização da vítima por sua vestimenta, acusação de mentiras e emissão de juízo de moral sobre a conduta. 

4. Violência sexual

Muitas vítimas não conseguem discernir a violência sexual do ato sexual com consentimento. O matrimônio não concede consentimento ilimitado aos cônjuges. Quaisquer atos sexuais feitos contra a vontade de um dos parceiros são agressões sexuais graves, como o estupro. O agressor pode chantagear, subornar ou manipular a vítima para obrigá-la a fazer atos sexuais. 

5. Violência patrimonial

A violência patrimonial é uma das mais desconhecidas. Ela é constituída por controle financeiro, recusa a pagar pensão alimentícia, destruição ou retenção de documentos pessoais, estelionato, furto ou extorsão, privação de bens ou recursos econômicos e danos propositais aos pertences pessoais da vítima. 

O que é o ciclo da violência doméstica?

A psicóloga americana Lenore Walker estudou por muitos anos as manifestações de violência dentro das relações conjugais. Ela concluiu que a agressão contra a mulher segue um padrão o qual é constantemente repetido até que haja uma ruptura, ou seja, o término do relacionamento

Walker deu o nome de “ciclo da violência” para as violências cometidas no contexto conjugal. Ele é dividido em três fases, conforme explanado abaixo: 

  1. Aumento de tensão: o agressor fica irritado por coisas insignificantes. Preocupada, a mulher procura acalmar o cônjuge e evita provocá-lo com condutas e palavras. Ela sente constante angústia e ansiedade durante esse período;
  2. Ato de violência: explosão de raiva do agressor. Ele humilha, ameaça ou fere a vítima. Ela, com medo, fica paralisada e não reage. Os maiores danos psicológicos acontecem nessa fase. A vítima tem dificuldade para dormir, perde peso muito rápido e está sempre vigilante. Também é a fase em que a mulher costuma pedir ajuda, pedir a separação ou denunciar o agressor; e
  3. Arrependimento e comportamento carinhoso: também conhecida como a “fase da lua de mel”, é o período em que o agressor tenta fazer a reparação de seus atos através de palavras doces, gestos de amor e pedidos de desculpa. Ele promete mudar o seu comportamento e nunca mais ferir a vítima. Porém, essas promessas não duram muito.

Os intervalos entre as fases se encurtam com o passar do tempo. As agressões começam a acontecer fora da ordem uma vez que o agressor percebe que ganhou total controle sobre a vítima. Em alguns casos, as violências resultam em feminicídio. 

É importante que as mulheres sejam capazes de reconhecer os tipos de violência presentes em cada fase do ciclo. Ao compreender o padrão de comportamento do agressor, a vítima reconquista a sua autonomia e consegue encontrar formas de quebrar o ciclo de agressões. 

Como quebrar o ciclo da violência doméstica?

A vítima da violência doméstica tem dificuldade para encontrar uma saída do ciclo da violência. O seu julgamento da situação é normalmente influenciado pelos sentimentos residuais pelo agressor, a preocupação com outros fatores (filhos, condição financeira, segurança de familiares) e o medo

Mesmo que a vítima esteja sofrendo dia após dia, ela tem dificuldade para se desvencilhar do agressor. Como é constantemente reconquistada por ele após uma série de agressões, fica confusa e chega a duvidar de si mesma. Afinal, será que o agressor não é tão ruim assim? Será que ela é o problema? 

Esses questionamentos podem se multiplicar dependendo da personalidade, das crenças e da educação recebida ao longo da infância e adolescência. Mulheres ensinadas a se submeterem aos maridos independentemente das circunstâncias, por exemplo, tendem a criar mais justificativas para isentá-los da culpa. 

Novamente, reforçamos que a violência doméstica não é uma questão simples. É por isso que as mulheres presas no ciclo de agressões precisam de ajuda para identificá-lo, quebrá-lo e reconstruírem as suas vidas longe dos agressores. 

O trauma formado a partir dessa experiência pode tornar esse processo lento e doloroso. Portanto, o apoio de familiares, amigos e um psicólogo é essencial para a recuperação dessas mulheres. Separamos cinco dicas para ajudar nesse processo. 

1. Refletir sobre o relacionamento

A vítima deve questionar a qualidade do seu relacionamento para não se deixar levar pelas manipulações do agressor e os seus próprios sentimentos. Esses, por sua vez, estão normalmente atrelados à uma versão do passado (quando a relação era agradável) ou idealizada do parceiro. Ela deve se questionar:

  • Eu sou feliz nesse relacionamento?
  • Eu me sinto segura ao lado do meu cônjuge?
  • Qual será o meu futuro se permanecer nessa relação?
  • Ele me fere e diz que vai mudar. Em algum momento, ele já seguiu as suas próprias promessas?

2. Pedir ajuda a pessoas próximas, instituições e/ou autoridades

Para quebrar o ciclo da violência, a mulher deve pedir ajuda a pessoas próximas, instituições que auxiliam vítimas de violência doméstica e autoridades. Se estiver preocupada com a sua segurança, não fique em silêncio e busque ajuda. 

3. Buscar um lugar seguro para se recuperar

A vítima deve buscar um local seguro para se afastar do cônjuge e conseguir, aos poucos, se recuperar dos tipos de violência sofridos. Ela pode ficar na casa de um parente ou amigo de confiança, seja na sua cidade ou em outro lugar, ou buscar abrigo em instituições. 

4. Fazer terapia para trabalhar o trauma

Fazer terapia é imprescindível para curar os traumas causados pelo relacionamento doentio. Uma das maneiras que o acompanhamento psicológico ajuda a vítima, cuja autoestima e autoimagem estão prejudicadas, é no fortalecimento do amor-próprio. Dessa forma, ela consegue se desligar das lembranças negativas do relacionamento e das mágoas causadas pelo cônjuge e, gradualmente, seguir com a sua vida. 

5. Dar tempo ao tempo

Quem passou por eventos extremamente estressantes deseja se livrar das memórias dos mesmos o mais rápido possível, mas, infelizmente, não é assim que acontece na prática. É preciso dar tempo ao tempo para se recuperar de uma experiência traumática. Com a terapia, um esforço grandioso é feito dia após dia, mesmo que, no momento, as conquistas da vítima não pareçam tão importantes.  

A Vittude espera que esse artigo tenha ajudado você a compreender os tipos de violência doméstica sofridos por milhares de mulheres ao redor do país e do mundo.

Em nossa plataforma temos à disposição diversos psicólogos e psicólogas prontos para te ajudar. Quer começar a cuidar de você? Agende uma consulta agora mesmo pela ferramenta abaixo:

Você já baixou o nosso app? Por lá você pode buscar psicólogos e psicólogas, agendar consultas e até mesmo fazer as sessões. Disponível para Android e iOS:
App Vittude no Play Store
App Vittude na Apple Store

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta

View Comments

  • O CERTO ESTA NA MUDANCA DA MENTALIDADE NA MANEIRA DE PENSAR SOBRE A SUPERIORIDADE DO HOMEM E A INFERIRIDAE DA MULHER.

Recent Posts

Transtorno do estresse pós-traumático: explicação e causas

O estresse pós-traumático é um tipo de transtorno de ansiedade que pode causar diversas consequências…

1 semana ago

ANS determina o fim do limite para consultas com psicólogos

Na última segunda-feira (11), a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) decidiu em reunião extraordinária…

3 semanas ago

Mulheres na tecnologia: os desafios femininos no setor

Entenda os desafios das mulheres na tecnologia e as razões pelas quais é, muita vezes,…

4 meses ago

Mulheres na liderança: por que ainda são minoria?

Mulheres na liderança são cada vez mais um ponto que merece evidência, e são poucas…

5 meses ago

Mulher cansada: por que não é um “simples cansaço”?

Por que a mulher cansada não está, simplesmente, exausta? Neste post especial da nossa série…

5 meses ago

Alcoolismo: causas, sintomas e tratamento

O alcoolismo é um problema mais comum do que se imagina, e pode ter diversas…

6 meses ago

Já fez Terapia Online? 😉

Começar agora!