Vagina

11 fatos sobre vagina, sexo, orgasmos e saúde sexual

  |  Tempo de leitura: 10 minutos

Vagina, será que você realmente conhece sua? A verdade é que essa parte fundamental da anatomia feminina é um assunto que merece muito mais atenção e esclarecimentos.

Dúvidas e curiosidades são absolutamente normais. Mais do que isso: são saudáveis. Afinal, quando nos interrogamos é porque percebemos que novos conhecimentos poderão nos deixar mais seguras e apontar a solução de problemas.

Além disso, precisamos estar cientes que a jornada em busca do autoconhecimento passa, necessariamente, pela compreensão aguçada do próprio corpo. Ampliar o entendimento sobre a vagina é, portanto, empoderador, trazendo reflexos para qualidade de vida e autoestima.

Neste post, reunimos 11 informações sobre vagina e saúde sexual. Mesmo que você saiba muito sobre o assunto, há sempre algo novo a se aprender, não é verdade? Então, confira o texto!

1. Vulva e vagina são coisas diferentes

Começando pelo básico: será que você sabe mesmo o que é vagina? Embora, com frequência, o termo seja utilizado para descrever toda a área íntima feminina, essa definição não é correta.

A parte externa e visível — que compreende pequenos e grandes lábios, clitóris e uretra — é a vulva.

Já a vagina é a parte não visível, interna, que liga a vulva ao colo do útero. É, portanto, o canal tubular que recebe o pênis durante o sexo, elimina a menstruação e viabiliza a saída do bebê, em partos normais.

2. Cuidados com a higiene da vagina e da vulva

A parte externa deve ser higienizada com água e sabonete neutro, em pouca quantidade. Já a parte interna, ou seja, a vagina propriamente dita, dispensa qualquer artifício.

A secreção normal, produzida pelo próprio corpo, realiza a limpeza do canal vaginal, mantendo a região saudável.

O uso de duchas íntimas não é recomendado por médicos, pois compromete o equilíbrio do pH natural e a flora vaginal, aumentando o risco de infecções.

3. Dicas para manter a região íntima saudável

  • Faça xixi depois do sexo. Os fluidos sexuais podem contaminar a uretra com bactérias, ocasionando infecções urinárias. O xixi ajuda a manter a uretra limpa e livre desses problemas.
  • Evite calcinhas de tecidos sintéticos, que abafam a região. Prefira as de algodão e durma sem calcinha, quando possível.
  • Substitua os absorventes (internos ou externos) a cada 4 horas, mesmo que o fluxo menstrual não seja intenso.
  • Ao utilizar o papel higiênico, limpe de frente para trás, evitando que a matéria fecal entre em contato com a vagina.
  • Evite papel higiênico e lenços umedecidos com perfume.

4. Tipos de vagina

A vagina é pouco variável. O canal muscular tem, em média, 8 cm de comprimento e 2,5 cm de diâmetro, com capacidade de expansão em até 200%.

Entre a adolescência e a menopausa, o revestimento vaginal é levemente rugoso. Antes da puberdade e após a menopausa, o tecido é liso.

Já a vulva… é tão única quanto a impressão digital! É, justamente, a aparência dessa parte externa que instiga dúvidas e preocupações estéticas.

Na contramão das cirurgias plásticas crescentes, que estabelecem padrões de beleza para a vulva, o artista inglês Jamie McCartney produziu, em 2011, a obra intitulada “Great Wall of Vagina” (em tradução livre, “Grande Mural da Vagina”), onde esculpiu, em gesso, 400 diferentes tipos de vagina (ou vulva, para sermos corretos), a partir do molde real de voluntárias.

Vale a pena conferir o trabalho de McCartney, para compreender que a variedade é a regra!

5. Cheiro e corrimento vaginal

Tanto o cheiro quanto o corrimento são situações normais. Dependendo das roupas que você usa, da alimentação e da fase do ciclo menstrual, podem ocorrer leves variações nos odores, bem como na textura e quantidade de corrimento.

O sinal de alerta ocorre quando essas modificações se tornam mais evidentes, como uma mudança significativa no cheiro ou na coloração do corrimento. Nesses casos, é sempre importante consultar um médico, para descobrir as causas e tratar possíveis infecções.

6. Coceira na vagina não é normal!

Coceira na vagina pode indicar a presença de aftas, infecções ou outras doenças, como candidíase.

Quando a comichão é localizada na vulva, pode ser ocasionada por reação alérgica a produtos, métodos de depilação ou mesmo aos tecidos das roupas íntimas.

Independente da região afetada pela coceira, procure o médico para receber as orientações e tratamento adequado. Não utilize nenhum medicamento sem prescrição e fique longe das “soluções caseiras”.

Entender sexualidade humana

7. Curiosidades sobre o clitóris

  • Localizado na parte superior da vulva, a parte visível do clitóris mede entre 0,4 cm a 4 cm de altura. Mas ele tem uma parte não visível também! Essa, estima-se, chega a 9 cm de altura.
  • É a parte mais sensível do corpo feminino, com mais de 8 mil fibras nervosas — o dobro das terminações do pênis.
  • A única função do clitóris é dar prazer à mulher!
  • Durante o sexo, o clitóris pode dobrar de tamanho, ficando mais longo, mais grosso e ereto.

8. Tipos de orgasmos femininos

  • Orgasmo clitoriano: como o nome indica, é aquele causado pelo estímulo do clitóris. É o tipo mais comum.
  • Orgasmo vaginal: outro tipo de orgasmo popular, ocorre com a penetração. Especialistas afirmam que o pênis provoca uma massagem vaginal que atinge a parte oculta do clitóris, o que o tornaria responsável pelo orgasmo também nessa circunstância.
  • Orgasmo anal: como o ânus possui várias terminações nervosas, seu estímulo pode desencadear o prazer intenso e promover orgasmos.
  • Orgasmo mamário: os seios são outra zona erógena do corpo feminino, portanto, tocá-los pode proporcionar orgasmos sem que seja necessário qualquer outro estímulo.
  • Orgasmos múltiplos: ocorre quando a mulher consegue alcançar o clímax várias vezes, durante o ato sexual, num curto intervalo de tempo.

O prazer feminino tem uma grande conexão com a sintonia com o parceiro, estado de excitação — que envolve a imaginação e o relaxamento do corpo — e seu autoconhecimento.

Cada mulher tem um ritmo próprio e responde aos estímulos de formas diferentes. Logo, não existe um “método certeiro” para atingir o orgasmo, considerando apenas o corpo.

Assim, o ideal é aprender a reconhecer o que excita, que movimentos e posições são mais favoráveis, como a sensibilidade responde melhor e, claro, ficar à vontade com o próprio corpo, guiando o parceiro com algumas dicas.

9. Modificações na vagina e vulva durante a excitação sexual

Durante o sexo vaginal, o corpo desencadeia uma série de reações. Na região íntima, as principais alterações são as seguintes:

No início da excitação

A lubrificação começa e o tubo vaginal principia sua expansão. Os grandes lábios começam a se separar e os pequenos, a se intumescer. Já é possível observar alteração de tamanho no clitóris.

No momento da excitação plena

O canal vaginal fica expandido e o tamanho da entrada da vagina diminui em 30%, em função do inchaço das paredes vaginais.

Os grandes lábios se afastam, deixando a entrada da vagina mais visível, enquanto os pequenos lábios ficam mais evidentes e vermelhos.

Nessa hora, o clitóris atinge o ápice de seu tamanho e ereção.

Durante o orgasmo

A vagina apresenta ritmadas contrações musculares, que persistem por alguns segundos. Pode ocorrer uma espécie de ejaculação.

10. Dores e desconfortos durante o sexo

Eventualmente, incômodos podem ocorrer, sem que signifiquem problemas mais graves. Nesses casos, o desconforto pode ser percebido como decorrência da posição adotada pelo casal, incompatibilidade de ritmos, ausência de lubrificação adequada na hora da penetração ou pouco relaxamento por parte da mulher — cabeça é muito importante para o prazer no sexo!

Todas essas situações podem ser facilmente resolvidas, pois exigem apenas adaptações do casal. Logo, as próximas transas devem acontecer normalmente, sem a presença de dores.

No entanto, existem problemas persistentes, de ordem física ou psicológica, que pedem uma atenção diferente. Dentre eles, podemos destacar o vaginismo (espasmos involuntários da vagina, que impedem a penetração) e a dispareunia (dor genital durante e/ou depois do sexo).

Assim, é fundamental não ignorar os sinais do corpo! Ainda que os desconfortos não sejam intensos, eles indicam que algo não está funcionando corretamente. Logo, é imprescindível que o médico seja consultado.

Se o problema não tiver causa orgânica, ele indicará a busca pelo tratamento psicológico, que não deve ser negligenciado. Plataformas como a Vittude oferecem a oportunidade de você encontrar um sexólogo online e agendar sessões que acontecem à distância, por vídeo consultas. Tudo com máximo sigilo, num ambiente de absoluta segurança.

Sexo é saúde e qualidade de vida. Ou seja, as dores não fazem parte de nenhuma condição saudável. Portanto, nada de protelar a consulta ao profissional que pode lhe auxiliar na resolução de transtornos.

11. Mais prazer e saúde na vida sexual

Usar preservativos, manter visitas periódicas ao ginecologista, realizar exames e vacinas indicadas pelo médico, além de seguir os cuidados de higiene que indicamos neste post, são apenas algumas das medidas que você deve tomar para preservar sua saúde sexual.

Contudo, não esqueça que saúde também é sinônimo de prazer. Logo, invista em recursos que possam lhe proporcionar esse tipo de benefício!

Nesse sentido, a principal dica é: busque conhecimento! A terapia sexual, realizada por psicólogos especializados em sexologia, é uma alternativa excelente.

A procura por esse tipo de serviço é uma tendência ascendente. Com a ruptura de tabus, homens e mulheres desejam expandir seu autoconhecimento e expulsar entraves e inibições, que impedem a experiência do sexo em sua plenitude.

Além da terapia sexual, tópicos como massagem tântrica e pompoarismo vêm recebendo importante atenção. Todos seguem o mesmo objetivo: tornar o sexo mais prazeroso, fluídico e natural. Ou seja, exatamente como deve ser!

Em nosso blog, você encontra várias matérias sobre sexualidade. Este post, com informações e curiosidades sobre a vagina, é apenas um exemplo!

Ou seja, explore outras leituras e aguce seu entendimento sobre o assunto. Conhecimento é poder! E, neste caso, prazer também!

Também pode ser de interesse:

Sexólogo – Quando e por que procurar este profissional?

7 dicas de sexólogos para melhorar o sexo

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta