Capital intelectual: sua empresa valoriza o que importa?
Avalie este artigo
8 de setembro de 2021 | 6 min de leitura
Habilidades e Competências

Capital intelectual: sua empresa valoriza o que importa?

Você já ouviu falar em capital intelectual? Trata-se de todo o ativo humano de uma empresa, que é intangível, mas essencial para o seu crescimento. Pode parecer um pouco complexo justamente por não ser mensurado com facilidade, no entanto, se trata de algo simples: o conhecimento dos seus colaboradores.

Por muitos anos, as organizações não davam muita atenção para o capital intelectual e não pensavam em estratégias capazes de gerir o conhecimento dos funcionários em prol da evolução da empresa. Agora, o cenário é outro.

Sabendo dessa importância, convidamos você para ler este artigo completo sobre o assunto e entender, de uma vez por todas, o que é capital intelectual e como gerenciá-lo na sua empresa. Continue a leitura para ter acesso a todas as informações!

O que é capital intelectual?

O capital intelectual engloba um patrimônio intangível da empresa: conhecimento, relacionamentos, criatividade, inteligência, ideias e por aí vai. Portanto, quanto melhor desenvolvido e gerido este conjunto, maior a vantagem competitiva da organização.

É importante ter em mente também que o capital intelectual é dividido em três componentes principais:

Capital humano

O capital humano diz respeito aos recursos humanos da empresa, ou seja, o conhecimento, experiências e habilidades dos colaboradores e parceiros, que contribuem para o crescimento do negócio.

Capital estrutural

Estamos nos referindo a tudo aquilo que oferece suporte ao capital humano, ou seja, as ferramentas internas da empresa que facilitam o dia a dia de trabalho. Refere-se, portanto, às planilhas, sistemas de contabilidade, bancos de dados, metodologias etc.

Capital relacional

Por fim, o capital relacional diz respeito aos relacionamentos internos e externos, ou seja, com clientes, fornecedores, acionistas e entre os próprios colaboradores.

Qual é a relação entre capital intelectual e saúde mental?

Estamos falando sobre o gerenciamento do conhecimento, habilidades e dos relacionamentos dos colaboradores de uma empresa. Então, como a questão da saúde mental entra aqui?

Simples. Em um cenário em que os funcionários estão sobrecarregados e sofrendo com ansiedade no trabalho, depressão, síndrome de burnout ou outros distúrbios, fica mais difícil gerir o conhecimento disponível.

Infelizmente, pesquisas apontam que deixar de ajudar os colaboradores que sofrem com problemas de saúde mental tem um custo alto. A pesquisadora Sara Evans-Lacko, da London School of Economics, apontou que o Brasil perdeu 78 bilhões de dólares devido à queda de produtividade causada pela depressão.

Como consequência deste e outros transtornos psicológicos, a tendência é que o absenteísmo e o presenteísmo cresçam, prejudicando a performance no dia a dia de trabalho.

Enfim, quando uma pessoa não se sente bem, saudável e motivada por conta de questões relacionadas à sua saúde mental, não conseguirá dar o seu melhor. Dessa forma, as suas habilidades, capacidade de se relacionar e contribuir positivamente poderão ser afetadas drasticamente.

Portanto, quando estamos falando sobre capital intelectual e tudo o que este conceito engloba, não podemos nos esquecer de que, no fundo, estamos falando sobre seres humanos. E ter uma visão holística, considerando corpo e mente, é essencial para garantir um gerenciamento eficiente do capital intelectual.

Qual é a importância do capital intelectual nas organizações?

Para as empresas, é essencial que toda essa base de conhecimento, relacionamentos e inteligência seja compartilhada para que possam nascer oportunidades e conexões valiosas para o negócio.

O grande desafio é garantir que esse capital intelectual esteja inserido em um processo simples e prático em que os colaboradores são capazes de compartilhar conhecimento individual em prol do trabalho coletivo.

De qualquer forma, é necessário ter em mente a importância de garantir a capacitação e desenvolvimento dos funcionários para que essa base sempre se fortaleça e se mantenha em contínua expansão. Investir na formação dos colaboradores, ou seja, no capital intelectual é vantajoso para toda a organização. Confira os seus principais benefícios:

Redução da taxa de turnover

O índice do turnover é um dos mais temidos pelos profissionais de RH. A rotatividade de funcionários pode acontecer por diversos motivos, entre eles, a falta de motivação do colaborador do colaborador ou até mesmo a ausência de competências para desenvolver uma determinada função.

A boa notícia é que o investimento no capital intelectual, ou seja, no desenvolvimento de habilidades dos funcionários pode ajudar bastante a reduzir este índice. Dessa forma, o foco passa a ser o crescimento dos profissionais atuais e ajudá-los a se desenvolver. Isso é muito mais vantajoso do que lidar com a rotatividade constante, não é mesmo?

Geração de um diferencial competitivo

Não é novidade que o capital intelectual é uma vantagem competitiva para qualquer empresa. São os profissionais que geram valor para a organização: suas ideias, conhecimento, inteligência, capacidade de se relacionar e a sede por inovação são essenciais para gerar uma diferenciação no mercado.

Fica claro, portanto, que uma boa gestão do capital intelectual é responsável por elevar o desempenho individual e, consequentemente, da organização como um todo.

Aumento da motivação e produtividade

Outro ponto interessante do investimento no capital intelectual é que ao focar no desenvolvimento dos colaboradores, oferecendo treinamentos e capacitações, eles se sentem mais motivados.

Quando a empresa direciona esforços aos seus funcionários, consequentemente eles ficam mais felizes e produtivos, com vontade de fazer um bom trabalho porque se sentem valorizados e satisfeitos.

Como gerenciar o capital intelectual na sua empresa?

O conhecimento, a inteligência, a criatividade, as ideias e a capacidade de inovação são ativos intangíveis que fazem parte do capital intelectual. Se forem bem geridos, podem se transformar em vantagem competitiva para a empresa e, consequentemente, em maiores lucros.

Para isso, é necessário saber como gerenciar este capital intelectual de maneira eficiente e consistente. Confira algumas dicas:

1. Otimize os processos de recrutamento

Quando o assunto é atrair talentos para a sua empresa, é preciso pensar também em como estes profissionais agregarão valor para o capital intelectual. Por isso, é interessante, se necessário, repensar os processos de recrutamento com o objetivo de atrair pessoas capazes de complementar ou reforçar competências e habilidades necessárias para o crescimento sustentável do negócio.

Definir estratégias eficientes de atração de talentos e fazer bom uso da tecnologia são alguns dos caminhos para atrair os melhores talentos.

2. Invista na capacitação dos colaboradores

Não podemos falar sobre gestão do capital intelectual sem ressaltar a importância da capacitação dos colaboradores. Oferecer oportunidades de desenvolvimento, com cursos, workshops e treinamentos é essencial para desenvolver as habilidades que os profissionais e a sua empresa precisam.

E falando em capacitação, não podemos deixar de citar que o desenvolvimento de habilidades que impactam na saúde mental também é necessário, por exemplo:

Essas e outras habilidades sociemocionais são importantes para que um profissional consiga atingir o máximo do seu potencial. Não podemos mais focar apenas em hard skills, ou seja, na técnica. Promover capacitações voltadas para as soft skills também é uma prioridade.

3. Promova a gestão do conhecimento

A gestão do conhecimento se trata do conjunto de práticas que visa a transferência de conhecimento entre os membros de um time. O grande objetivo aqui é que a troca de informações seja facilitada, ou seja, deve existir um registro formal do conhecimento de cada um para que essas informações não sejam perdidas. A ideia é justamente a contrária: que sejam facilmente encontradas.

Em um contexto em que um funcionário precisa se ausentar ou é demitido, é importante que todo o seu conhecimento para exercer as suas tarefas seja facilmente encontrado pelos outros colaboradores. Dessa forma, outras pessoas conseguem assumir as suas responsabilidades.

Além disso, a gestão do conhecimento também ajuda a promover uma educação continuada na organização. Em um contexto em que o conhecimento precisa ser desenvolvido e atualizado o tempo todo, a educação continuada está relacionada ao processo de aprendizagem profissional contínua dos funcionários.

4. Ofereça bolsas de estudos

Além de oferecer a capacitação dentro de casa, a empresa também pode ajudar, parcial ou totalmente, no custeio de cursos e especializações. Essa é uma maneira muito interessante de investir no capital intelectual e garantir o crescimento dos profissionais da organização.

Isso porque quem ganha a bolsa de estudos pode repassar o seu conhecimento e colocar em prática os aprendizados no dia a dia de trabalho, ajudando outros funcionários a se desenvolverem também.

5. Estruture um bom plano de carreira

O plano de carreira nada mais é do que um programa estrutura que visa estipular o caminho que cada profissional pode percorrer dentro da empresa. Essa é mais uma maneira de investir no capital intelectual, pois ele oferece uma visão ampla das possibilidades de crescimento e o que é necessário para atingir as posições e funções desejadas.

Com um plano de carreira em mente, o colaborador tem clareza sobre o que precisa fazer e desenvolver para atingir os seus objetivos. Dessa forma, fica mais motivado e empenhado para ir atrás de conhecimento para evoluir como profissional.

6. Crie uma universidade corporativa

Uma universidade corporativa também pode ser uma estratégia interessante quando estamos falando sobre capital intelectual. O seu objetivo é aprimorar o conhecimento dos funcionários de tal forma que eles se sintam capacitados para executar tarefas.

A universidade corporativa pode ser implementada online, por meio do EAD, ou presencialmente. Independentemente do formato, o importante é ter em mente que ela pode ser muito benéfica para a autonomia dos colaboradores, a execução das tarefas e, consequentemente, para o crescimento do negócio.

E o mais interessante é que a criação de algo assim fortalece uma cultura de educação e formação continuada, em que todos se sentem motivados para aprimorarem suas competências.

7. Ofereça benefícios voltados para saúde mental

Como já citado anteriormente, há uma relação importante entre saúde mental e capital intelectual. É necessário que essas duas coisas andem juntas. Por isso, o RH pode pensar em benefícios corporativos voltados para saúde mental, como a psicoterapia.

É uma maneira de garantir que os funcionários que desejarem terão acesso a um profissional especializado, o psicólogo, que poderá ajudar no tratamento e prevenção de distúrbios mentais, como depressão, ansiedade e burnout.

Com parceiros como a Vittude, a sua empresa oferece um subsídio fixo (total ou parcial) do valor da terapia para seus colaboradores. Dessa forma, os colaboradores têm acesso a mais de 3.500 psicólogos altamente qualificados e podem realizar consultas presenciais ou online.

Invista no capital intelectual e promova o crescimento da sua empresa

Após conferir todas essas informações, não restam mais dúvidas de que o crescimento da sua organização depende do conhecimento, inteligência e habilidades dos seus funcionários, não é mesmo?

Portanto, não deixe de investir no capital intelectual da sua empresa para, assim, ter uma vantagem competitiva no mercado e ver o seu negócio crescer.

Para iniciar essa jornada junto da Vittude, fale com um de nossos especialistas e conheça as nossas soluções voltadas para saúde mental!

Por Bruna Cosenza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo

Leia também

Receba novidades da Vittude