Entenda como employer branding pode afetar os processos seletivos do RH
Avalie este artigo
22 de abril de 2021 | 7 min de leitura
Employer Branding

Entenda como employer branding pode afetar os processos seletivos do RH

Um dos maiores desafios da área de Recursos Humanos é atrair e reter os melhores talentos na empresa. Isso porque, em um mercado tão competitivo, é necessário estar o tempo todo repensando estratégias de recrutamento e fortalecimento da imagem da empresa. Para isso, o RH pode contar com o employer branding como grande aliado.

Essa é uma das maneiras mais poderosas de transformar a sua organização em um lugar no qual todos querem trabalhar e nenhum colaborador quer sair. Ficou curioso para entender melhor como isso acontece na prática?

Então, continue a leitura deste artigo e confira todas as informações e dicas que preparamos sobre RH e employer branding, dois grandes aliados para o crescimento da sua empresa.

O que é employer branding?

Para começo de conversa, é importante ter clareza sobre a definição de employer branding. Em uma tradução livre significa “marca do empregador”, que diz respeito a um conjunto de técnicas voltadas para criar e fortalecer uma percepção positiva do mercado em relação a uma empresa como um local de trabalho.

Como já citamos no início deste artigo, o cenário é cada vez mais competitivo e, portanto, as organizações estão sempre em busca de estratégias como essa para atrair e reter grandes talentos.

Se for bem executada, uma estratégia de employer branding irá reforçar os pontos positivos sobre como é trabalhar naquela empresa e fortalecer a sua imagem de marca empregadora, se tornando realmente atrativa para todos os envolvidos (colaboradores atuais e profissionais que podem vir a se interessar pela empresa).

Vale pontuar que um bom trabalho de employer branding é realizado de dentro para fora, ou seja, visa transformar os seus funcionários em grandes embaixadores da marca. Assim, eles também se tornam disseminadores da empresa. É claro que uma estratégia eficiente não é pautada somente nisso, mas é um grande pilar para o sucesso.

Qual é a importância do employer branding?

Você já ouviu falar em prêmios como “Great Place to Work” ou “Top Companies”, do LinkedIn? Bom, esse tipo de reconhecimento é decorrente de muitos fatores, entre eles um ótimo trabalho de employer branding. Ser reconhecida como a empresa no qual os brasileiros sonham trabalhar é o que toda organização deseja.

O LinkedIn, por sua vez, realizou uma pesquisa sobre o comportamento de pessoas em busca de recolocação no mercado e detectou que por volta de 75% delas pesquisam detalhes e características das empresas antes de realizarem uma candidatura.

Já parou para pensar o que esses indivíduos encontrarão sobre a sua empresa por aí? Se conversarem com os seus colaboradores atuais, terão uma boa impressão? Se forem analisar índices na internet com recomendações, ficarão empolgados e satisfeitos com o que veem? Se pesquisarem sobre a empresa no seu site oficial, se sentirão atraídos e enxergarão valor em tudo o que vocês fazem?

Tudo isso é employer branding. Cada ponto de comunicação que as pessoas têm com a sua empresa, por mais insignificante que possa parecer, é relevante nessa construção.

Portanto, se ainda estiver se perguntando por que ter uma marca empregadora forte é relevante, lembre-se de que não é somente para atrair e reter talentos, mas também para:

E é sempre importante se lembrar de que os aspectos salariais são importantes, mas não podem ser o único foco. A remuneração ou gratificações financeiras devem fazer parte do plano, mas não são capazes de sustentar isoladamente uma estratégia de marca empregadora, afinal, as pessoas buscam mais do que isso.

RH e employer branding: como a marca empregadora impacta o recrutamento?

Uma marca empregadora forte e atrativa impacta positivamente na atração e retenção de talentos, portanto, o RH pode se beneficiar significativamente do employer branding.

Basta voltarmos à questão do cenário altamente competitivo em que as empresas estão inseridas atualmente. Todas estão disputando pelos mesmos talentos, então quem sai ganhando? Provavelmente quem tem a marca empregadora mais forte. E isso está relacionado a diversos pontos, entre eles:

  • plano de carreira;
  • benefícios corporativos;
  • salários;
  • cultura organizacional;
  • diversidade e inclusão;
  • flexibilidade;
  • estruturar hierárquicas menos engessadas.

A partir do momento em que os colaboradores da empresa atuam como embaixadores, eles disseminam pontos positivos que reverberam nos processos seletivos. Sabe quando você ouve falar muito bem de um local de trabalho e fica imaginando como deve ser bom trabalhar lá?

Não se esqueça de que o boca a boca também é essencial nessa construção, mas também é necessário um movimento de união entre marketing e RH para a construção de uma comunicação eficiente.

Como o RH pode aplicar o employer branding na empresa?

Por fim, mas não menos importante, vamos entender o que pode ser feito pelo RH para estruturar uma boa estratégia de employer branding. Lembrando que para que os resultados sejam os melhores possíveis, é interessante empacotar a comunicação de uma maneira atrativa e coerente e, para isso, é necessário unir esforços com a área de marketing.

Em seguida, confira quais as principais ações que podem ser colocadas em prática pelo RH para fortalecer a marca empregadora. Ah, e não se esqueça de que é necessário realizar uma combinação de ações e não focar em uma isoladamente!

1. Pesquisas de clima organizacional

Uma pesquisa de clima organizacional pode ser uma das primeiras etapas para estruturar uma boa estratégia. Isso porque ela irá detectar as percepções dos colaboradores em relação ao ambiente de trabalho no qual estão inseridos. Dessa forma, será possível detectar o nível de motivação, satisfação e engajamento, entendendo quais são os pontos de melhorias prioritários.

Ao partir a sua estratégia de uma pesquisa, elimina-se hipóteses que não estão de acordo com a realidade e as chances das ações serem eficientes são maiores.

2. Fortalecimento da cultura organizacional

A cultura organizacional é um fator importante para que se haja coerência em relação a forma de agir da empresa e de seus colaboradores. Ela envolve um conjunto de valores, crenças, hábitos e até mesmo de regras formais e informais. Portanto, diz respeito a maneira que as pessoas agem, se portam e falam dentro da organização.

Empresas com culturas fortes e bem estabelecidas, que são atrativas e contribuem positivamente para o ambiente corporativo, se tornam um fator de fortalecimento para a marca empregadora. Alguns exemplos são: Google, Nubank, Netflix, Apple, Natura, Facebook.

Todo o mercado sabe o que essas empresas pregam e como isso transparece no dia a dia de trabalho. Quem se identifica com certeza quer trabalhar lá.

3. Estruturação de planos de carreira

Todo profissional deseja trabalhar em um lugar no qual tem clareza sobre o que a empresa espera dele, quais competências precisa desenvolver para crescer e quais são as possibilidades de caminhos dentro da organização.

Um plano de carreira existe justamente para sanar esta necessidade. Trata-se de um programa estruturado que tem como objetivo estipular o caminho que cada pessoa pode percorrer na empresa.

É necessário contar com esse tipo de programa para reter os talentos e demonstrar preocupação genuína com a evolução de cada um, mas, ao mesmo tempo, é essencial para atrair novos profissionais. É uma estratégia de employer branding que o RH não pode ignorar.

4. Criação de programas de qualidade de vida

Hoje em dia não é mais um diferencial oferecer programas de qualidade de vida, é praticamente uma obrigatoriedade. Cada vez mais as pessoas estão em busca de uma vida mais equilibrada em que as esferas pessoais e profissionais convivam em harmonia. Trabalhar em uma empresa que preza pelo bem-estar físico e emocional dos colaboradores é um pré-requisito de muita gente.

Um programa de qualidade de vida nada mais é do que um conjunto de técnicas e ações que visam promover a satisfação e o bem-estar dos colaboradores. Ações voltadas para educação financeira, saúde física e mental, alimentação saudável e flexibilização de horários são alguns exemplos.

E por que tudo isso impacta na marca empregadora? Bom, qualidade de vida é um ponto positivo que faz com que as pessoas se sintam mais felizes, motivadas e engajadas. Consequentemente, isso pesa para a imagem da empresa.

5. Treinamentos para as lideranças

Outro ponto importante que o RH precisa considerar quando o assunto é employer branding é o treinamento das lideranças. Estes profissionais têm um poder de influência muito grande na empresa, portanto, precisam estar alinhados e bem treinados.

Quando uma organização demonstra interesse genuíno pelo desenvolvimento dos seus colaboradores, isso reverbera positivamente tanto interna como externamente. Cabe o RH pensar em estratégias que visem oferecer treinamentos adequados e eficientes para os líderes.

6. Pacotes de benefícios corporativos atrativos

Cabe ao RH desenhar uma política de benefícios corporativa atrativa, que atenda as reais necessidades dos funcionários. Além do básico, que normalmente inclui plano de saúde, vale-transporte e vale-refeição, é possível pensar em quais outras bandeiras são relevantes nos tempos atuais.

Uma dica em relação à definição de benefícios é perguntar aos próprios colaboradores o que eles gostariam de receber. A partir disso, cruzar essas necessidades com as possibilidades reais da empresa.

A saúde mental, por exemplo, é uma necessidade que ainda passa despercebida em muitas empresas. Nem todos têm consciência de que distúrbios mentais, como depressão e ansiedade, podem afetar drasticamente a produtividade e motivação dos colaboradores. Dessa forma, os cuidados mentais se tornam uma questão da empresa também.

Visto que a psicoterapia ainda é um serviço inacessível para uma parte da população brasileira, as organizações podem oferecê-lo como um benefício corporativo. Como?

Por meio de parceiros como o Vittude Corporate, um benefício corporativo que ajuda empresas a cuidarem de forma preventiva da saúde mental de seu time e criar uma nova cultura voltada à educação emocional no ambiente de trabalho. Por meio de um​ investimento fixo mensal, por colaborador, sua empresa oferece um subsídio parcial ou integral para sessões de psicoterapia com psicólogos da nossa base.

Ao levantar uma bandeira tão importante como a saúde mental, a marca empregadora se fortalece e o mercado como um todo passa a enxergar a empresa como uma referência.

7. Canais de comunicação com mensagem clara e coerente

Por fim, RH e employer branding só alcançam objetivos concretos se trabalharem uma comunicação forte, clara e coerente. Por isso, é tão importante o trabalho em conjunto com a área de marketing.

Estamos falando sobre a estruturação tanto de campanhas internas como externas. É possível fortalecer a marca empregadora com o público interno por meio de iniciativas relacionadas a todos os pontos citados anteriormente. Já em relação ao público externo, ou seja, o mercado, essa imagem é construída por meio de uma comunicação do que é realizado internamente e por meio de colaboradores que se tornam grandes embaixadores da marca.

Para isso tudo ser feito com maestria, é necessária criar uma linguagem, identidade visual e manter a coerência ao longo de todo o discurso. Alguns exemplos de ações práticas que podem ser citadas:

  • estruturação de uma aba “carreiras” no site da empresa;
  • depoimentos de colaboradores no site e nas redes sociais;
  • divulgação das políticas de benefícios;
  • ações específicas de marketing que visem reforçar bandeiras importantes como inclusão e diversidade, saúde mental etc.

Cuide da marca empregadora dando atenção aos seus colaboradores

A grande mensagem que fica é: quando você cuida de verdade dos seus colaboradores, a marca empregadora se fortalece naturalmente. Boa parte dessa construção parte de dentro para fora, ou seja, de todos os benefícios, políticas e cultura que é estabelecida no dia a dia da organização.

É claro que existe a tarefa de levar essa comunicação para fora, mas antes de tudo é necessário realizar um trabalho internamente que precisa ser coerente e consistente.

Se a sua empresa deseja levantar bandeiras importantes, como a saúde mental, conte com o Vittude Corporate. Nós levamos os cuidados da saúde mental para os seus colaboradores e garantimos um dia a dia mais saudável, feliz e produtivo.

Por Bruna Cosenza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo

Leia também

Receba novidades da Vittude