Comunicação Não Violenta: Entenda sua relevância no trabalho
Avalie este artigo
22 de setembro de 2021 | 7 min de leitura
Ambiente de Trabalho

Comunicação Não Violenta: Entenda sua relevância no trabalho

Uma empresa é composta por pessoas. E pessoas precisam se relacionar e se comunicar. Para isso, o ideal seria que a comunicação não violenta estivesse presente no dia a dia das organizações, pois ela visa a conciliação e o fortalecimento dos laços.

Na rotina de trabalho, é normal que os conflitos apareçam e os colaboradores precisam estar preparados para lidar com desavenças, opiniões divergentes e várias formas de ser e pensar. Existem diversas formas de encarar essas situações delicadas e é aí que entra a comunicação não violenta.

Neste artigo, você poderá aprender mais sobre este conceito se entender a sua importância para um ambiente de trabalho muito mais saudável e produtivo. Continue a leitura para conferir tudo!

O que é comunicação não violenta?

O termo comunicação não violenta, ou CNV, foi criado pelo psicólogo Marshall Rosenberg, nos anos 1960. Naquela época, o contexto ainda era de segregação racial nos Estados Unidos e ele atuava como orientador educacional em instituições de ensino que estavam eliminando essa divisão. Para melhorar a convivência e integração entre brancos e negros, era importante ter uma postura pacífica e, diante deste desafio, Rosenberg desenvolveu o método da CNV.

A comunicação não violenta é uma abordagem da comunicação relacionada à capacidade de ouvir o outro sem julgar, portanto, o foco é o desenvolvimento da empatia e da escuta ativa. Dessa forma, cada pessoa pode se colocar no lugar do outro e entender melhor as suas necessidades, dores e comportamentos.

De acordo com Rosenberg, a comunicação não violenta contribui para que a comunicação deixe de ser automática e repetitiva e passe a ser mais consciente e baseada nas percepções do momento. Assim, as interações sociais acontecem com mais respeito e atenção.

Quais são os componentes da comunicação não violenta?

Marshall Rosenberg aponta que para que a CNV aconteça, as pessoas devem focar em quatro componentes. Conheça um pouco mais sobre cada um deles:

Observação

Observar diz respeito a prestar atenção no que está acontecendo em uma determinada situação. O ponto aqui é focar na mensagem que está sendo recebida (falas ou ações) sem fazer julgamentos, apenas tentando compreender o que você gosta ou não gosta em relação ao que está acontecendo.

Sentimento

A partir da observação vem o entendimento sobre quais sentimentos aquela situação gera em você. Nesse momento, Rosenberg aponta que é importante nomear tais sentimentos, como raiva, medo, alegria etc. Além disso, a vulnerabilidade não deve ser evitada quando estamos falando sobre resolução de conflitos e comunicação.

Necessidades

Quando os sentimentos já foram compreendidos, a pessoa deve passar ao reconhecimento das necessidades que estão conectadas ao que se sente. Isso porque quando expressamos o que necessitamos, as chances de sermos atendidos são maiores.

Pedido

Por fim, chegamos ao pedido, ou seja, a uma solicitação. Aqui, estamos nos referindo a deixar claro o que você deseja da outra pessoa. Para isso, é interessante utilizar uma linguagem positiva e evitar ambiguidades.

Ações que alimentam uma comunicação violenta

Segundo Rosenberg, existem algumas ações que não contribuem para a comunicação não violenta. Entre elas, podemos citar as seguintes:

  1. fazer comparações que inferiorizem ou julguem os outros ou a nós mesmos;
  2. generalizar uma situação a partir de algo específico ou pontual;
  3. comunicar desejos e vontades como se fossem uma exigência e ressaltando punições caso não sejam atendidos;
  4. realizar julgamentos moralizantes que afirmam que quem pensa diferente de nós é equivocado ou uma pessoa má;
  5. terceirizar responsabilidades e sentimentos, se colocando na posição de vítima;
  6. utilizar palavras como “sempre”, “nunca”, “jamais” como verdades absolutas.

Qual é a importância da comunicação não violenta no trabalho?

A comunicação não violenta tem diversas finalidades importantes tanto na vida pessoal como profissional. No ambiente de trabalho, todos saem ganhando por meio de uma comunicação mais empática, pacífica e pautada pela escuta ativa.

Entre os seus principais benefícios, podemos citar:

Resolução pacífica de conflitos

Os conflitos continuarão acontecendo, afinal, os relacionamentos humanos são permeados por modos de ser e agir que divergem entre si. O ponto aqui é como tais desavenças serão trabalhadas e solucionadas.

A comunicação não violenta contribui para uma resolução muito mais pacífica, ou seja, com menos agressões e insultos. Isso porque se trata de ser capaz de se colocar no lugar do outro, ter mais respeito e prestar atenção nas circunstâncias do momento.

No ambiente de trabalho isso é importante, pois quando os conflitos se tornam muito agressivos, o clima organizacional pode sofrer bastante.

Ambiente muito mais saudável e acolhedor

Fica claro, portanto, que outro benefício da CNV é o cultivo de um ambiente corporativo muito mais acolhedor e saudável. Quando as pessoas são capazes de lidar com os conflitos de maneira mais empática e pacífica, consequentemente o dia a dia de trabalho também se torna mais leve e agradável.

Abertura ao diálogo

O conceito de comunicação não violenta abre espaço para muito mais diálogo nos relacionamentos. Muitas vezes, uma postura agressiva e impositiva impede que haja uma conversa de igual para igual.

A arrogância e prepotência eliminam qualquer vestígio de uma comunicação aberta e respeitosa. Independentemente do cargo e função de uma pessoa dentro da empresa, todos precisam se sentir confortáveis para dialogar, expor sentimentos, fazer pedidos. Isso é essencial.

Manutenção de relacionamentos saudáveis

E é claro que quando há um cuidado em torno dos conflitos os relacionamentos se tornam muito mais saudáveis. Desavenças mal resolvidas no ambiente de trabalho podem tornar o clima organizacional muito desagradável e interferir até mesmo na execução das tarefas.

A manutenção de relações saudáveis passa por saber lidar com as diferentes formas de se pensar e agir dos colegas e conseguir superar as adversidades com respeito e empatia. Isso é importante para o crescimento de toda a empresa.

Fortalecimento de uma cultura colaborativa

Uma cultura colaborativa e que preza pelo respeito ao outro passa pela comunicação não violenta. Quando a organização incentiva essa forma de se comunicar, automaticamente está fortalecendo uma cultura que preza pela empatia e respeito ao outro.

Quando os colaboradores entendem que a CNV está no DNA da organização, esse tipo de comportamento passa a fazer parte  do dia a dia de trabalho mais facilmente.

Melhor gestão de equipes

Não podemos deixar de citar que a comunicação não violenta também contribui positivamente para a gestão de equipes. Um líder deve ser o exemplo e orientar os membros do seu time na resolução de conflitos pacífica e conciliadora.

Quando obtém sucesso nessa tarefa, consegue conduzir os problemas e desavenças da equipe com muito mais eficiência.

Aumento da produtividade

Ambientes com um clima organizacional que preza pela comunicação não violenta também garantem uma maior produtividade. Isso porque os conflitos e desavenças podem impactar negativamente no trabalho das pessoas, que se sentem infelizes, insatisfeitas e com menos ânimo para produzir.

Como adotar a comunicação não violenta nas empresas?

É claro que nem todas as empresas adotam a comunicação não violenta, isso não é uma obrigatoriedade. Mas não há como negar que pode ajudar o seu negócio a ir muito mais longe. Caso a sua organização enxergue as vantagens da CNV, confira  como ela pode ser implementada:

Diagnóstico da cultura e comunicação

A dica é começar realizando um diagnóstico para ter clareza sobre como os colaboradores se comunicam e se relacionam na empresa. Para fazer isso, basta rodar pesquisas de clima organizacional, colher feedbacks e realizar entrevistas.

Com estes insumos em mãos será possível ter uma ideia do contexto atual e identificar se nesse ambiente há grandes problemas de comunicação e conflitos, dificuldade para expor opiniões ou até mesmo ausência de comunicação.

É apenas com o diagnóstico claro que é possível entender quais medidas precisam ser tomadas.

Treinamento das lideranças

Para que a comunicação não violenta se torne parte do dia a dia da empresa, é essencial começar pela liderança. Estes profissionais são porta-vozes e grandes exemplos para os outros colaboradores, por isso, é importante que se comprometam com a CNV.

Para isso, lideranças que apostam no autoritarismo não devem ser incentivadas. É necessário focar em colaboração, diálogo, empatia e respeito. Apenas dessa forma será possível dar o exemplo aos outros membros do time e construir uma rotina pautada na comunicação não violenta.

Disseminação de informações práticas sobre comunicação não violenta

Muitas pessoas nem sabem sobre o que se trata a CNV. Por isso, vale a pena fazer comunicados e disseminar informações sobre o assunto para que todos comecem a se familiarizar.

Pense em quais meios de comunicação internos são mais eficientes para transmitir mensagens relacionadas com tema. Que tal dar dicas sobre como se comunicar a partir da CNV? Confira alguns exemplos:

  1. livre-se de ideias preconcebidas e julgamentos;
  2. use uma linguagem positiva;
  3. evite o uso de uma linguagem vaga com frases abstratas ou ambíguas;
  4. enquanto ouve alguém falar, preste atenção às necessidades do outro e não ao que eles estão pensando de você;
  5. faça pedidos em forma de ações concretas que possam ser compreendidas e realizadas.

Realização de palestras, worskhops e treinamentos

Para complementar a disseminação de informações contínua dentro da empresa, vale pensar em estratégias complementares que sejam mais práticas para não ficar apenas no teórico.

Além disso, é preciso se lembrar de que a comunicação não violenta não é implementada do dia para a noite. Todos terão, em diferentes níveis, que passar por um processo de aprendizagem.

Cabe à empresa, portanto, promover palestras e workshops sobre o assunto com o objetivo de incentivar a capacitação.

É interessante levar psicólogos para abordarem o assunto com propriedade e realizar treinamentos bem práticos, que demonstram a importância da CNV no dia a dia de trabalho.

Criação de canais de comunicação acolhedores

Para implementar a comunicação não violenta, é necessário que haja canais de comunicação abertos e acolhedores. Os colaboradores devem se sentir confortáveis para sugerir ideias, fazer queixas e expor necessidades.

Dessa forma, o RH consegue criar laços duradouros com os funcionários e se fortalecer como um canal aberto para a comunicação mais empática e respeitosa.

Incentive a psicoterapia

A psicoterapia nas empresas pode ser uma grande aliada quando o assunto é a CNV, pois se trata de um processo profundo de autoconhecimento capaz de ajudar cada indivíduo a reconhecer melhor as suas travas, dificuldades, dores e formas de pensar, falar e agir.

Se uma pessoa pratica a comunicação violenta, por exemplo, o psicólogo pode ajudá-la a entender por que faz isso e como pode mudar essa forma de se comunicar com os outros, tanto no ambiente pessoal como profissional. O resultado não vem do dia para a noite, mas com certeza é interessante para empresas que desejam colher os frutos a médio e longo prazo.

Empresas mais humanas adotam a comunicação não violenta

Não há dúvidas sobre a importância da comunicação não violenta. Ela é essencial para a construção de um ambiente organizacional mais saudável, humano, empático e transparente.

É valioso para toda empresa contar com um quadro de colaboradores capaz de gerir conflitos de forma inteligente e pacífica, de tal forma que todos se beneficiem. Por isso, se a sua organização ainda não implementou ações que visam desenvolver a comunicação não violenta, comece agora mesmo e colha todos os frutos.

Continue lendo conteúdos como este no blog do Vittude Corporate!

Por Bruna Cosenza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo

Leia também

Receba novidades da Vittude