O futuro da gestão de pessoas pela teoria de Chiavenato
Avalie este artigo
5 de fevereiro de 2021 | 7 min de leitura
Desenvolvimento de Pessoas

O futuro da gestão de pessoas pela teoria de Chiavenato

Por muitos anos, o mundo corporativo acreditou o que para as empresas sobreviverem bastava dinheiro, ou seja, capital financeiro. O capital humano, por sua vez, não era visto como ingrediente essencial para alavancar os negócios, mas os estudos e contribuições sobre gestão de pessoas de Chiavenato mudaram esse cenário.

Estamos falando sobre um dos grandes nomes brasileiros quando o assunto é recursos humanos. Segundo o teórico, fatores como a motivação e qualidade de vida do funcionário têm um poder de impacto enorme nos resultados de uma organização.

Fica claro, portanto, que ignorar a importância do lado humano não é mais um caminho. Mais do que nunca, é preciso ficar atento às questões relacionadas ao ativo mais valioso da sua empresa, ou seja, quem faz tudo acontecer: os colaboradores.

Pensando nisso, neste artigo vamos aprofundar o seu conhecimento sobre a teoria de gestão de pessoas segundo Chiavenato. Continue a leitura para conferir!

Quem é Idalberto Chiavenato?

Antes de qualquer coisa é importante entender quem é Idalberto Chiavenato, afinal, só falamos dele até agora. Trata-se de um  escritor, professor e consultor administrativo brasileiro.

O paulista nasceu em 1936, em Viradouro, interior de São Paulo. Com mais de 30 livros publicados, é considerado um grande especialista em administração de empresas e recursos humanos. Hoje, é fundador e presidente do Instituto Chiavenato, que desenvolve estudos e pesquisas sobre a administração geral e suas áreas de atuação.

É um renomado palestrante reconhecido ao redor do mundo todo e, por meio de seus livros, aborda conceitos e traz pesquisas relacionadas ao universo da administração e recursos humanos.

O que é a gestão de pessoas de acordo com Chiavenato?

Entre tantos livros publicados, o autor lançou “Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações”, no qual contempla novos desafios dessa área. Mas, afinal, quando o assunto é gestão de pessoas, o que Idalberto Chiavenato defende?

O primeiro ponto do especialista é que as pessoas são um elemento fundamental e central para as organizações. É por meio das pessoas que as empresas alcançam os seus objetivos e metas. Ao mesmo tempo, a empresa é o mecanismo por meio do qual os indivíduos conseguem atingir seus objetivos pessoais e profissionais.

Portanto, trata-se de uma via de mão dupla e desaparece aqui aquela ideia de que o capital financeiro é a única base para o crescimento de uma organização. Afinal, quem mantém a engrenagem rodando? Os seres humanos.

O autor também afirma que a gestão de pessoas é capaz de causar transformações na maneira de trabalhar do RH. Isso porque o colaborador, que antes não era visto como uma peça essencial, passa a ser um grande parceiro da organização. Novamente: sem os profissionais, não há dinheiro no mundo que faça uma empresa crescer sozinha.

Qual é a diferença entre Recursos Humanos e Gestão de Pessoas?

E já que estamos falando sobre recursos humanos e gestão de pessoas, é importante clarear a diferença entre essas duas funções, pois muita gente cria confusão.

O RH, que por muito tempo foi puramente burocrático e repetitivo, hoje já tem uma função muito mais estratégica. Algumas de suas responsabilidades são:

  • recrutamento;
  • banco de talentos
  • avaliação de desempenho
  • plano de carreira;
  • controle de processos.

Já a gestão de pessoas está focada no aumento do engajamento dos colaboradores por meio do seu desenvolvimento e capacitação de suas habilidades. Algumas das ações de rotina incluem:

  • motivação dos colaboradores;
  • engajamento das equipes;
  • conhecimento dos perfis e habilidades dos colaboradores para adequá-los às funções corretas.

No dia a dia de trabalho, podemos ter ainda mais clareza dessa diferenciação de responsabilidades. No recrutamento, por exemplo, a gestão de pessoas sinaliza o perfil e as competências do profissional que estão buscando e o RH planeja e executa todo um processo de atração e seleção.

Já no que diz respeito ao engajamento, a gestão de pessoas deve identificar as questões que estão causando problemas, enquanto o RH, a partir do diagnóstico, executa as estratégias para reverter a situação.

É perceptível, portanto, que a gestão de pessoas atua como orientadora para que o RH tome as decisões mais estratégicas e eficientes.

4 aprendizados de Chiavenato sobre gestão de pessoas

Agora que você já conheceu de uma forma mais ampla a visão do autor, precisamos entrar em alguns pontos específicos para compreender melhor como a teoria de Chiavenato impacta o presente e o futuro das empresas. Vamos lá?

Pessoas e empresas são dependentes

Deixe de lado aquela história de que somente o trabalhador precisa da empresa. Nada disso! Como já citado anteriormente, essa é uma via de mão dupla e quem ainda não se deu conta disso está ficando para trás.

Não adianta nada ter um enorme capital financeiro se você não pode contar com os profissionais certos para fazer a roda girar. Para atingir metas e objetivos e ter o retorno esperado, as organizações precisam de colaboradores com as competências certas, produtivos e engajados.

As pessoas, por sua vez, usufruem da empresa como um meio para atingirem seus próprios objetivos pessoais e profissionais. Dessa forma, quando a organização faz a sua parte e tem uma estratégia clara e capaz de motivar, todos saem ganhando.

De um lado, um profissional com vontade de trabalhar, eficiente e que entrega ótimos resultados — a empresa se beneficia. De outro lado, uma empresa que investe no desenvolvimento dos colaboradores, oferece grande desafios, reconhece um bom trabalho — o profissional se beneficia.

É preciso garantir a qualidade de vida no ambiente de trabalho

Qualidade de vida é um termo que, por muitos anos, não foi associado ao dia a dia de trabalho. Hoje, no entanto, é cada vez mais comum as pessoas considerarem esse um fator indispensável para aceitarem uma oferta de emprego.

Trata-se de um ponto que tem o poder de impactar significativamente os resultados de uma empresa, afinal, a ausência de qualidade de vida faz com que os colaboradores se sintam esgotados e desmotivados.

Investir em horários flexíveis, programas e benefícios de bem-estar e iniciativas relacionadas à saúde e equilíbrio entre vida pessoal e profissional não é algo vantajoso apenas para o colaborador. A empresa também se beneficia de um quadro de funcionários mais saudável e, portanto, satisfazer essas necessidades deve ser uma prioridade.

Políticas sociais precisam existir

Aqui, estamos falando sobre como as pessoas devem se sentir respeitadas dentro da empresa. Portanto, questões relacionadas à ética e responsabilidade social são essenciais na estruturação de qualquer organização.

Quando um profissional tem clareza sobre os princípios que regem o seu trabalho e as política sociais da organização, a execução do seu trabalho é facilitada de tal forma que é benéfico para o crescimento de todos os envolvidos.

Garantir a motivação dos funcionários é essencial

A gestão de pessoas segundo Chiavenato afirma que as pessoas são o ponto central da organização e, portanto, o investimento no capital humano deve ser maior do que qualquer outro.

Para isso, é preciso garantir o desenvolvimento, treinamentos e uma integração harmônica entre os colaboradores. Tudo isso ajuda também a fortalecer o sentimento de pertencimento, que é essencial para que os indivíduos se sintam “donos do negócio” e sejam motivados a dar sempre o melhor.

Como aplicar as lições de Chiavenato na sua empresa?

Conhecer a teoria é muito bom, mas colocar em prática é melhor ainda. Por isso, que tal unir todo o conhecimento deste grande autor para criar ações que vão reverberar em resultados incríveis?

Em seguida, listamos algumas dicas para você revolucionar a gestão de pessoas na sua empresa!

Foque no público interno

Segundo o especialista, a prioridade de uma empresa deve ser sempre o capital humano. Com isso, estamos falando sobre investir no público interno, ou seja, nos colaboradores.

Esse trabalho acontece em diversas etapas: recrutamento, treinamento e desenvolvimento, benefícios etc. Um trabalho em conjunto entre RH e gestão de pessoas é capaz de proporcionar um impacto positivo para toda a empresa.

Para isso, entre outros fatores, é importante:

  • ter clareza sobre o perfil e habilidades necessárias para as vagas em aberto;
  • contar com ferramentas de recrutamento que ajudem a fazer um filtro eficiente nos candidatos;
  • ter clareza sobre as necessidades de cada posição para oferecer os melhores treinamentos a cada profissional;
  • entender quais são os fatores de desmotivação que podem levar ao turnover;
  • estudar o que é capaz de manter um profissional produtivo e engajado por mais tempo.

Crie uma cultura focada em qualidade de vida e bem-estar

Desenvolver uma cultura focada em qualidade de vida e bem-estar é essencial para manter os colaboradores engajados e produtivos. Além disso, garantir que discurso e prática caminhem alinhados é essencial para que todos na empresa tenham clareza sobre os valores e princípios daquele ambiente de trabalho.

Quando o assunto é cuidar do bem-estar, lembre-se de alguns pontos importantes:

  • ofereça flexibilidade de horários;
  • garanta uma estrutura de trabalho adequada (tanto no trabalho presencial como no home office);
  • não cultive uma cultura tóxica e com altos níveis de competitividade;
  • promova discussões e ações sobre saúde mental e física;
  • não fomente a carga de trabalho excessiva.

Ofereça benefícios corporativos atrativos

Uma das maneiras de manter o colaborador motivado é oferecendo benefícios atrativos que atendam as suas necessidades. Existem diversas possibilidades, mas é importante se lembrar de que nem sempre o reconhecimento financeiro é o ponto mais importante aqui.

Garantir vale-refeição, vale transporte e plano de saúde já são pré-requisitos para a maioria dos profissionais. Mas como ir além? Hoje, também já é possível oferecer benefícios relacionados à saúde física e mental, duas grandes necessidades na vida dos seres humanos.

Pense só como é vantajoso incentivar a prática de exercícios físicos e a consulta com psicólogos para tratamento e prevenção de transtornos psicológicos. Quantas pessoas se afastam do trabalho por questões de ansiedade e depressão?

Vale pensar nisso, afinal, investir no seu colaborador é garantia de retorno.

O sucesso da sua empresa depende dos seus colaboradores

Não há mais espaço para enxergar apenas o “lado da empresa”. Aliás, nem devem existir dois lados, pois para uma organização crescer ela precisa entender que o seu quadro de funcionários é uma de suas partes mais importantes.

É isso o que aprendemos sobre gestão de pessoas com Chiavenato. Então, agora é colocar a mão na massa e traçar uma estratégia centrada no seu ativo mais valioso: o capital humano!

Você pode se interessar também pelos seguintes assuntos:

Por Bruna Cosenza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo

Leia também

Receba novidades da Vittude