Inteligência financeira: como apoiar a estabilidade dos colaboradores?
Avalie este artigo
21 de abril de 2021 | 6 min de leitura
Retenção de Talentos

Inteligência financeira: como apoiar a estabilidade dos colaboradores?

Garantir que os colaboradores da sua empresa tenham uma inteligência financeira bem desenvolvida é essencial. Muita gente ainda tem uma percepção equivocada sobre este conceito, que nada tem a ver apenas com poupar todo o seu dinheiro ou se privar de todas suas vontades para economizar.

Na verdade, a inteligência financeira está relacionada a uma administração adequada do seu dinheiro. Esta habilidade é considerada importante hoje em dia porque as pessoas com preocupações atreladas ao dinheiro se tornam menos produtivas e mais estressadas. E isso não é bom para a saúde do profissional nem para o crescimento da empresa.

Sabemos da importância deste assunto e, por isso, neste artigo trouxemos informações e dicas sobre como cuidar da inteligência financeira dos seus colaboradores. Continue a leitura para conferir tudo!

O que é inteligência financeira?

Como citado anteriormente, a inteligência financeira não tem a ver exclusivamente com economizar todo o seu dinheiro. Trata-se de cultivar uma relação saudável com o dinheiro, sabendo como administrá-lo com cautela e organização para que, assim, você alcance os seus objetivos. Estamos falando sobre produzir mais valor para o seu dinheiro.

A inteligência financeira, portanto, é um conjunto de capacidades que ajudam uma pessoa a tomar decisões mais sensatas e adequadas quando o assunto é o dinheiro. Entre essas capacidades, podemos citar:

  • conhecimento sobre o mercado financeiro;
  • controle de finanças pessoais;
  • consciência do seu perfil como investidor(a);
  • disciplina em relação aos seus gastos;
  • clareza sobre os seus objetivos financeiros pessoais.

Por fim, vale pontuar que é uma habilidade que pode ser desenvolvida em qualquer ser humano. Afinal, assim como não nascemos sabendo ler e escrever, também não nascemos com inteligência financeira.

Além disso, mesmo as pessoas que ganham pouco podem aprimorar a sua capacidade de lidar com decisões relacionadas a compras e despesas para, assim, evitar o endividamento e conseguir construir um patrimônio.

Por que é importante investir em inteligência financeira nas empresas?

Agora você deve estar se perguntando o que as organizações têm a ver com isso, afinal, muita gente ainda tem a ideia de que a vida financeira dos colaboradores não é problema da empresa. Realmente, o que cada um faz com o seu próprio dinheiro não diz respeito à organização, mas os problemas financeiros dos funcionários podem ter impactos significativos no dia a dia de trabalho.

Quer entender como? Vem comigo!

Uma pesquisa realizada em 2019 pela consultoria PwC, “Employee Financial Wellness Survey”, sobre bem-estar financeiro dos colaboradores, revelou que 59% dos entrevistados apontam o dinheiro (ou a ausência dele) como o principal motivo de estresse no trabalho.

Para completar os impactos desse problema, 35% dos entrevistados afirmaram que as suas preocupações com questões financeiras ocasionam na perda de foco e distrações durante o horário de trabalho. Além disso, 49% apontam que perdem mais de três horas de trabalho por semana pensando em como lidar com os seus problemas financeiros.

Ufa! Viu só como a empresa pode não ter nada a ver com o dinheiro dos colaboradores e, mesmo assim, sofrer os impactos negativos da falta de inteligência financeira?

Por isso é tão importante apoiar os funcionários nessa esfera e ajudá-los a desenvolver habilidades relacionadas ao uso equilibrado e sensato do dinheiro. Além de perder em termos de produtividade, outros pontos podem ser afetados na vida desses profissionais abalados por conta de problemas financeiros:

  • queda da motivação no dia a dia de trabalho;
  • maiores índices de absenteísmo e turnover;
  • maior propensão a erros e falhas na execução do trabalho;
  • questões de saúde mental, como ansiedade e depressão.

Qual a diferença entre inteligência e educação financeira?

É essencial também entender qual é a diferença entre inteligência e educação financeira, pois muita gente ainda confunde estes dois conceitos.

A educação financeira está relacionada a organizar o seu orçamento, sair das dívidas e fazer investimentos. A inteligência financeira, por sua vez, é essa educação colocada em prática. Trata-se de tornar o seu cotidiano mais rico não somente em relação aos recursos como também em relação às experiências e realizações.

Isso significa que de nada adianta saber tudo sobre organização de orçamentos e investimentos se, na prática, você não executa e não administra com inteligência o seu dinheiro.

Como a empresa pode apoiar a estabilidade dos colaboradores?

A inteligência financeira pode e deve ser desenvolvida e as empresas podem apoiar os funcionários nessa caminhada. De acordo com uma pesquisa realizada em 2020 pela ADP Research Institute, com 7 mil pessoas ao redor de 13 países, e publicada na Exame, cerca de 90% dos profissionais preferem trabalhar em uma organização que se preocupa com as suas finanças.

Isso significa que se a sua empresa ainda não apoia os colaboradores em termos de inteligência financeira, está na hora de mudar essa realidade. Confira, em seguida, como fazer isso.

Faça um diagnóstico das necessidades financeiras dos colaboradores

O primeiro passo é entender a realidade dos funcionários da empresa, afinal, cada contexto pode exigir um tipo de ação direcionada para problemas específicos. Não há uma fórmula pronta que pode ser aplicada em todos os cenários.

Para isso, é importante compreender qual é a relação das pessoas daquele ambiente com o dinheiro, quais problemas financeiros andam enfrentando, o nível de estresse que isso vem causando e também o que esperam por parte da empresa nesse âmbito.

Uma maneira simples e eficiente de realizar este diagnóstico é rodando uma pesquisa anônima, pois assim ninguém se sente desconfortável em responder. Também podem ser avaliados indicadores como pedidos de antecipação de salários e empréstimos consignados.

Ofereça educação financeira

Feito o diagnóstico já fica mais fácil entender o que incluir em um programa de educação financeira. A maior parte dos problemas relacionados a dinheiro são decorrentes da falta de conhecimento sobre o assunto que, assim, acaba levando a decisões equivocadas ou ineficientes.

A educação financeira, portanto, é o principal pilar dos programas de bem-estar que são voltados às finanças. Não adianta ter acesso aos recursos e não saber como utilizá-los da melhor forma. Por isso, a partir do diagnóstico realizado por meio de pesquisa, é necessário considerar o que deve ser incluído no programa de educação financeira da empresa. Alguns exemplos de iniciativas são:

  • formação em gestão financeira pessoal;
  • orientação sobre investimentos;
  • assessoria para o planejamento financeiro;
  • apoio na construção de patrimônio e previdência;
  • suporte no orçamento doméstico e controle de gastos;
  • orientações em relação ao uso de crédito.

Garanta um bom pacote de benefícios corporativos

Não se pode esquecer de que o bem-estar financeiro não é alcançado somente por meio do conhecimento e aplicação de boas práticas relacionadas ao dinheiro. Tudo isso também deve estar alinhado à saúde física e mental dos colaboradores.

Por isso, é extremamente importante oferecer um pacote de benefícios corporativos que ajude a equilibrar as finanças e seja vantajoso para o funcionário. Estamos falando sobre plano de saúde, auxílio-creche, vale-cultura, vale alimentação, mensalidade em academias etc.

Tudo isso é importante para elevar a qualidade de vida, mas será que não estamos nos esquecendo de nada?

Já foi citado neste artigo como as questões financeiras são a causa de altos índices de estresse. Dessa forma, podem desencadear outros problemas, como distúrbios relacionados à depressão e ansiedade. Como ajudar os colaboradores a lidarem com isso?

A psicoterapia é a resposta. Para muitas pessoas lidar com dinheiro pode ser estressante em diferentes níveis. Para isso, é importante que haja um acompanhamento psicológico realizado por meio de um profissional especializado, o psicólogo.

A Creditas, por exemplo, conta com o programa Creditas Work, com foco na inteligência e educação financeira de seus funcionários. Para completar, a Vittude e a Creditas agora são parceiras e todos os clientes Vittude Corporate ganham direito oferecer o programa da Creditas para seus colaboradores, e tudo sem custos adicionais. Incrível, né?

Dessa forma, ao mesmo tempo que o trabalhador tem acesso a diversos benefícios relacionados à gestão do próprio dinheiro, também conta com auxílio psicológico para lidar de maneira saudável com todas as dificuldades emocionais neste contexto.

Garanta flexibilidade

Empresas que oferecem flexibilidade aos seus funcionários também saem ganhando quando o assunto é inteligência financeira. Políticas de home office e horários flexíveis ajudam os colaboradores a equilibrar melhor a vida pessoal e profissional e, dessa forma, cuidar de questões pessoais importantes que envolvem as suas finanças.

Crie canais de comunicação sobre o assunto

Vivemos em uma sociedade em que falar de dinheiro ainda é um grande tabu. Muitas pessoas têm medo ou vergonha de discutir sobre o assunto: não se fala sobre dívidas, poupar dinheiro e muito menos sobre quanto se ganha.

Para mudar um pouco essa mentalidade dentro da empresa, é válido desmistificar o assunto e adotar uma comunicação clara, aberta e honesta sobre dinheiro e vida financeira no geral. Dessa forma, os colaboradores podem eliminar preconceitos e se sentir confortáveis para conversar sobre o tema, trocarem ideias e dicas.

Isso pode ser feito por meio de canais específicos sobre o assunto, como blogs, palestras, treinamentos etc. O importante é garantir que se fale sobre inteligência e educação financeira sem receio ou vergonha.

Cuidar da saúde financeira dos seus colaboradores é cuidar da empresa

Elimine aquela ideia individualista que os problemas financeiros dos colaboradores não são problemas da empresa. É claro que cada pessoa é responsável por si mesma e pelo seu dinheiro, mas as organizações podem sim oferecer um suporte nessa esfera.

Ao longo deste artigo você entendeu como questões financeiras individuais podem impactar o coletivo, ou seja, todo o crescimento de uma empresa. Por isso, é necessário estruturar estratégias relacionadas à inteligência e educação financeira para os colaboradores.

Para conhecer mais sobre o Vittude Corporate e descobrir os detalhes sobre a parceria com o Creditas Work, acesse nosso site e converse com um de nossos especialistas!

Por Bruna Cosenza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo

Leia também

Receba novidades da Vittude