People Analytics: como a tecnologia influencia o RH?
Avalie este artigo
5/5 - (14 votes)
9 de novembro de 2022 | 5 min de leitura
Bem-estar

People Analytics: como a tecnologia influencia o RH?

5/5 - (14 votes)

A tecnologia já chegou ao RH da sua empresa? Você com certeza já ouviu falar em People Analytics, que se trata da união entre análises de dados e gestão de pessoas.

Diferentemente do que muitos pensam, a tecnologia não existe para substituir o fator humano, mas para potencializá-lo. Metodologias como o People Analytics garantem mais dados e embasamento para que o time de recursos humanos possa atuar com mais estratégia e direcionamento.

Ao longo deste texto você irá aprender mais sobre o assunto e entender a importância do People Analytics para alavancar os resultados da sua organização. Confira!

O que é o People Analytics?

O People Analytics é um método de gestão de pessoas que se baseia na coleta e análise de dados sobre os funcionários da empresa. Este conceito surgiu a partir do Big Data, que diz respeito à coleta, armazenamento e análise de um grande volume de dados que pode ser usado para melhorar os processos organizacionais.

Em 2020, o LinkedIn publicou o estudo “Global Talent Trends 2020”, que reuniu dados de mais de 7 mil profissionais de gestão de talentos em 35 países. O objetivo era identificar as tendências do futuro do RH. E adivinhe: People Analytics apareceu em segundo lugar, atrás apenas de Employee Experience.

Isso é uma grande conquista, pois por muitos anos o RH foi responsável apenas por atividades manuais, repetitivas e burocráticas. No entanto, a mentalidade do RH ágil, digital e estratégico já está presente em várias empresas que enxergam o potencial dessa área para o crescimento dos negócios.

A metodologia do People Analytics faz parte desse movimento, pois auxilia o RH em várias análises e tomadas de decisões por meio de dados que são capazes de orientar índices importantes, como rotatividade, atração de talentos, produtividade, motivação etc.

Como funciona o People Analytics?

O processo de People Analytics costumava ser muito caro e demorado até meados da primeira década dos anos 2000. Porém, com os avanços tecnológicos e cada vez mais informações sendo armazenados na internet, os softwares de análise de dados ficaram mais acessíveis e precisos, se tornando uma ferramenta fundamental para qualquer RH.

Ainda está confuso com todos esses novos conceitos? Então confira como o processo do People Analytics ocorre:

1. Coleta

Na primeira etapa são coletados os dados e informações que, posteriormente, serão analisados. Esses dados podem ser provenientes de várias fontes, como: redes sociais, pesquisas, currículos, entre outros.

2. Cálculo

O cálculo diz respeito à análise das informações que foram coletadas e todas as suas possibilidades de combinações. Nesse momento, as respostas chegam de maneira bem estruturada, o que é fundamental para o próximo passo.

3. Análise

Após a etapa anterior, com as análises e cálculos em mãos, é possível tomar decisões com muito mais embasamento. A partir de tudo o que foi fornecido, é possível traçar forças e fraquezas, identificar tendências e propor soluções e melhorias.

4. Modelagem

Por fim, a modelagem diz respeito ao cruzamento dos dados, variáveis, pesquisas e números que foram colhidos. Dessa forma, é possível fazer conexões interessantes que auxiliam no entendimento de várias esferas. Por exemplo: você consegue entender qual é a conexão entre o tempo de casa e o aumento de salário.

Com tudo isso em mãos, fica mais fácil traçar melhorias, propor novas soluções e preencher lacunas.

Por que o People Analytics é tão importante?

Por muitos anos, a gestão de pessoas foi trabalhada apenas a partir da intuição e experiência dos líderes. 

No entanto, nem sempre isso é o suficiente para garantir que as melhores decisões sejam tomadas. Independentemente do potencial do profissional, esse tipo de processo está suscetível a falhas e, para reduzir esse problema, existe o People Analytics.

Entre as suas principais vantagens para a organização, podemos citar os seguintes pontos:

Melhores contratações

O uso de dados é muito eficaz para que as contratações sejam mais certeiras. Por meio de um processo seletivo mais analítico é possível entender quais candidatos estão mais alinhados às necessidades da vaga em questão.

O People Analytics utiliza perguntas padronizadas e análises do perfil comportamental para oferecer insumos que direcionam escolhas e apontam qual é o profissional mais adequado para cada posição na empresa.

Controle de processos

O RH é responsável por várias frentes, como clima organizacional, plano de carreira, recrutamento, treinamento e desenvolvimento, entre outros. O People Analytics oferece um sistema único que irá centralizar as informações necessárias para que as tomadas de decisões sejam mais eficientes e estratégicas.

Melhora nos índices de produtividade e motivação

Os dados permitem que o RH tome decisões mais alinhadas àquilo que é importante para o colaborador. É possível entender o que aumenta a motivação e influencia na produtividade para que sejam traçadas estratégias que mantenham esses índices lá no alto.

RH mais estratégico, menos custos

Outro ponto positivo: o People Analytics é um investimento que reduz custos. Isso porque é uma metodologia capaz de identificar gaps em processos de trabalho e reduzir falhas no recrutamento, frentes que podem resultar em muitos gastos se não forem bem administradas.

Todos os dados que são úteis de alguma forma para tornar o trabalho do RH mais eficaz reverbera em redução de custos. Um RH mais estratégico toma decisões melhores que impactam na produtividade, motivação e felicidade dos colaboradores.

Treinamentos direcionados

Visto que o People Analytics ajuda a analisar os pontos de melhoria dos times, a partir dessas informações o RH consegue criar programas de treinamento e desenvolvimento eficientes, que tragam resultados reais.

O que levar em consideração para criar uma área de People Analytics?

Para usufruir de todos os benefícios do People Analytics, é importante ter profissionais qualificados dentro de casa, ou seja, uma equipe responsável pelo mapeamento de dados e pelas análises. Aliás, a coleta de dados é fundamental para que todo o processo seja eficaz, por isso, priorize uma coleta transparente e segura.

Outro ponto importante é levar em consideração as necessidades de toda a empresa para conduzir análises que realmente sejam úteis e façam a diferença no dia a dia organizacional.

Qualquer empresa pode ter uma área de People Analytics, para isso é preciso o seguinte:

  • definir o software: há várias opções de empresas que oferecem soluções para a implantação do People Analytics;
  • treinar o time: a empresa contratada deve fazer o treinamento necessário com a equipe para que todos possam utilizar o software de maneira adequada;
  • usar dados existentes: mesmo que no começo conte com poucos dados disponíveis, isso não é impeditivo para fazer análises e gerar insights;
  • unir esforços para ter melhores resultados: uma boa análise exige conhecimento profundo, por isso, pode ser interessante unir áreas de T.I e marketing ao time de People Analytics para conseguir usufruir do melhor da metodologia.

Exemplos de empresas que estão se beneficiando com o People Analytics

Para finalizar o artigo, que tal conferir alguns exemplos de empresas que já utilizam o People Analytics no RH e estão colhendo os benefícios? Confira:

Google

Uma das pioneiras no uso de People Analytics, no início dos anos 2000 a empresa fazia muitas entrevistas com um candidato a uma vaga. Após algumas análises, identificou que poderia reduzir esse número para menos da metade.

Os dados indicaram que, depois de quatro entrevistas, as chances do conhecimento que tinham sobre o entrevistado ocasionar em uma contratação correta era de 86%. Fazer mais entrevistas aumentava essa chance apenas em 1%.

Com isso, foi possível reduzir o número de entrevistas e otimizar os processos de recrutamento.

Accenture

Outro caso interessante é o da Accenture, que há alguns anos tinha um índice de rotatividade de funcionárias mulheres muito alto. Para solucionar o problema, foi desenvolvido um programa que tinha como objetivo aumentar a retenção e alavancar a carreira dessa parcela de colaboradores.

Assim, foi criado um ranking que determinava quais tinham baixo, médio e alto risco de demissão. Foram analisadas as avaliações de desempenho dos últimos dois anos, folgas e férias recentes, salários, treinamentos realizados etc.

A partir dos dados foi possível direcionar uma tomada de decisões mais estratégicas que aumentaram em 50% a taxa de retenção das mulheres colaboradoras.

IBM

Para melhorar o clima organizacional, a IBM começou a monitorar padrões nas publicações dos funcionários nas redes sociais internas para detectar causas de insatisfação. 

O processo utilizou uma inteligência artificial que buscava palavras-chave para entender tendências e criar dashboards com as principais percepções e sentimentos identificados. Muito interessante, não é mesmo?

Dados e gestão de pessoas: uma combinação eficiente

Para que o RH possa cuidar dos funcionários da empresa, precisa estar munido de informações confiáveis. Nada de achismos e suposições: para conquistar mudanças reais é preciso trabalhar com embasamento.

O People Analytics e tantas outras tecnologias existem para facilitar o dia a dia de trabalho e garantir muito mais qualidade nas tomadas de decisões e nas estratégias implementadas.

Por Silmara Souza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo
5/5 - (14 votes)

Leia também

Receba novidades da Vittude