Pesquisa — pandemia de Covid-19: como impactou os pacotes de benefícios nos Estados Unidos?
Avalie este artigo
3 de setembro de 2020 | 4 min de leitura
Bem-estar

Pesquisa — pandemia de Covid-19: como impactou os pacotes de benefícios nos Estados Unidos?

Em abril deste ano, a consultoria americana Willis Towers Watson fez uma pesquisa para definir como a pandemia de Covid-19 alterou as políticas de benefícios nos Estados Unidos.

As descobertas indicam que os empregadores passaram a dar mais suporte para os colaboradores por meio de programas de melhoria.

Quer saber mais sobre os resultados? Confira este artigo!

Sobre a pesquisa

Os resultados abaixo são baseados nas respostas de 816 empregados, que representam juntos os 12 milhões de trabalhadores dos Estados Unidos. Essas colocações foram colhidas entre os dias 20 e 24 de abril de 2020.

Caso queira ver o conteúdo original (em inglês), acesse a pesquisa sobre os benefícios na pandemia de Covid-19 na página da Willis Towers Watson.

Perfil dos participantes

A pesquisa abrangeu 57% das organizações multinacionais com sede nos Estados Unidos. Deste número:

  • 53% – organizações em que todo o serviço é considerado essencial;
  • 35% – algumas localizações e serviços são considerados essenciais;
  • 12% – a organização não oferece serviços considerados essenciais.

Resumo

Os empregadores melhoraram o cuidado com a saúde, bem-estar e programas de férias remuneradas para dar suporte aos trabalhadores.

Apesar de se depararem com desafios sem precedentes e mudanças repentinas nas prioridades de negócio por causa da pandemia de Covid-19, muitas organizações estão buscando proteger a saúde e o bem-estar dos trabalhadores.

A pesquisa examinou os impactos em tempo-real da pandemia nos programas de benefícios e bem-estar direcionados aos colaboradores. Os resultados mostram que oferecer suporte a estes empregados, melhorando seus planos de saúde e oferecendo programas de férias remuneradas, é a prioridade.

Entretanto, alguns negócios mais afetados pela situação estão respondendo à crise de outra maneira: cortando os benefícios referentes ao serviço social (aposentadoria).

Aproximadamente a metade dos empregadores estão incertos quanto ao que esperar dos próximos dois anos, o que dificulta os planejamentos. Além disso, aproximadamente dois terços deles acreditam que a Covid-19 tem um impacto negativo que varia somente de médio para alto no bem-estar do trabalhador.

Embora algumas empresas americanas (11%) tenham desenvolvido uma estratégia, protocolos ou planos de comunicação para reabrir o escritório, somente dois terços realmente pretendem fazer isso. Três quartos dos empregadores já começaram, aos poucos, a reabrir gradualmente o espaço de trabalho. A maioria irá começar com os funcionários mais críticos, e não cobrarão o exame médico.

Destaques

Entre as principais conclusões da pesquisa estão:

Prioridades de benefícios mais abrangentes durante a pandemia de Covid-19

Em relação aos benefícios, para os empregadores, as prioridades pelo menos até outubro/2020, incluem:

  • comunicação a respeito dos benefícios existentes;
  • melhora nos serviços de saúde mental e gerenciamento do stress e da inteligência emocional;
  • suporte financeiro ao bem-estar dos empregados;
  • benefícios direcionados para trabalhadores em período de férias ou licença.

Bem-estar

Atenção à flexibilidade, conexão e programas de suporte

  • trabalhar de casa: para lidar com a ansiedade e a solidão, 85% dos empregadores aumentaram o número de conferências em vídeo que fazem tanto para trabalho quanto por outros motivos, e 73% oferecem horas de trabalho mais flexíveis, permitindo que os empregados consigam gerenciar tanto os desafios domésticos quanto aqueles do trabalho;
  • consultoria financeira: 63% dos empregadores se focam em oferecer recursos de consultoria para dar suporte ao bem-estar financeiro dos trabalhadores (consultor de investimentos, conselheiros independentes e corretores de previdência privada).

Além disso, também há o foco no bem-estar emocional:

  • soluções virtuais: 60% dos empregadores oferecem novas soluções virtuais fáceis de implementar para dar suporte à saúde mental e bem-estar dos empregados em home office, como exercícios físicos pela internet e “happy hours” online;
  • treinamento de gestores: mais da metade dos empregadores (51%) oferecem ou planejam oferecer treinamento para gestores focado em reconhecer sinais de ansiedade e/ou depressão, e também como recorrer a serviços como os programas de assistência ao trabalhador.

Cuidado com a saúde

Quando falamos de cuidado com a saúde de modo geral durante a pandemia de Covid-19, os pontos de destaque são:

  • os empregadores têm perspectivas de que o uso do plano de saúde e licenças médicas por doença e invalidez crescerão no próximo ano devido à Covid-19;
  • um dos focos dos empregadores é promover o cuidado médico virtual por meio da conscientização, reduzindo os custos com atendimento em pontos físicos;
  • mais de 80% dos empregadores planejam oferecer ou expandir o acesso a serviços virtuais de saúde mental;
  • aproximadamente dois a cada cinco empregadores planejam rever sua estratégia com os planos de saúde em 2021;
  • dois terços (66%) das empresas irão priorizar o acesso a soluções de alto padrão de saúde mental em seu programa de benefícios para saúde em 2021.

Aposentadoria

No caso da aposentadoria, as prioridades focam as mudanças na contribuição:

  • 12% das empresas tiveram que suspender ou reduzir as contribuições mensais regulares ou a outros fundos de previdência, e 24% planejam ou estão considerando tomar as mesmas medidas;
  • enquanto isso, os empregadores também estão adotando as mudanças previstas no CARES Act (o pacote de medidas assinado por Donald Trump de estímulo econômico para reduzir os impactos financeiros da Covid-19 no país). Essas medidas permitem que os empregados com problemas financeiros tenham flexibilidade para acessar os fundos de previdência;
  • negócios que foram mais afetados têm mais chance de tomar medidas de corte de custo relacionadas aos benefícios de previdência. Até a data da pesquisa, muitas empresas que agiram assim estão concentradas em poucos nichos de mercado;
  • aproximadamente 20% das empresas com dificuldades financeiras estão considerando a redução ou total retirada dos benefícios médicos para aposentados.

Férias remuneradas

A pandemia de Covid-19 trouxe também mudanças em relação à remuneração de férias:

  • 42% dos empregadores fez ou planeja fazer mudanças nos planejamentos de pagamento de folga remunerada, férias ou licença médica para aumentar a flexibilidade;
  • mais da metade dos empregadores tomaram medidas para lidar com o excesso de horas extras registradas em banco de horas ao final do ano;
  • outras prioridades incluem a melhora na flexibilidade do planejamento empresarial, permitindo saldos negativos e ampliando as provisões.

Por Tatiana Pimenta

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo
pandemia

Leia também

Receba novidades da Vittude