Quais conteúdos podem ser abordados em um programa de integração?
Avalie este artigo
12 de fevereiro de 2021 | 6 min de leitura
Onboarding

Quais conteúdos podem ser abordados em um programa de integração?

A chegada de novos colaboradores a uma empresa é motivo de felicidade e empolgação, mas para que tudo ocorra da melhor forma possível, é preciso pensar na estruturação do programa de integração.

As pessoas passam por um período de adaptação quando começam a trabalhar em um novo lugar, por isso é necessário que a empresa promova essa integração de forma eficiente e cuidadosa.

É claro que existem várias maneiras de criar esse processo aos novos funcionários (principalmente em tempos de pandemia e home office), mas aqui vamos compartilhar algumas boas práticas que podem ser adaptadas para a realidade da sua organização. Continue a leitura para conferir todas as dicas!

O que é um programa de integração nas empresas?

O programa de integração também é conhecido como onboarding, que se trata de um processo em que o novo colaborador vai se inteirar sobre a cultura organizacional, objetivos de negócio, áreas da empresa, modo de trabalhar e outras informações essenciais para quem está começando.

Podemos dizer, portanto, que é um profundo mergulho nas informações que o novo funcionário precisa ter em mente para começar a executar o seu trabalho. É importante que exista esse programa de integração de maneira formal, pois caso contrário pode não ser executado de maneira eficiente.

Vale pontuar que o programa de integração pode ser realizado junto de outros programas de treinamento, por exemplo: treinamentos de lideranças ou aprofundamento em algum conhecimento mais técnico.

Qual é a sua importância?

O programa de integração é importante tanto para a empresa como para quem está chegando. Entenda melhor!

Para a empresa

É interessante e benéfico para a organização contar com funcionários integrados, que tenham clareza sobre o funcionamento do dia a dia de trabalho. Além disso, quando o programa é bem executado, o recém-chegado já mergulha na cultura organizacional e entende qual é a forma de agir e pensar daquele ambiente.

Por fim, também é vantajoso para a empresa que os novos funcionários se sintam bem-vindos e atinjam o máximo do seu potencial o mais rápido possível. E isso acontece quando a integração é bem executada também.

Para o colaborador

Para quem está chegando, a melhor coisa que pode acontecer é ser bem recepcionado. Imagine só começar a trabalhar em um lugar onde ninguém te explica nada, você não tem clareza sobre os objetivos de negócio e não conhece as áreas com as quais vai se relacionar no dia a dia. Não dá, né?

Esse treinamento existe para acolher e informar os novos colaboradores. É um momento em que as pessoas devem conhecer profundamente o ambiente no qual estão entrando e se sentir confortáveis para tirar possíveis dúvidas.

O profissional deseja tanto quanto a empresa atingir o máximo do seu potencial o mais rápido possível, mas para isso precisa de suporte e orientações no início desse processo.

Quais conteúdos podem ser abordados no programa de integração?

Agora que você já entendeu o que é um programa de integração e a sua importância, vale a pena dar um passinho a mais e conhecer os tipos de conteúdos que podem ser trabalhados ao longo desse processo.

Lembre-se de que isso pode mudar de empresa para empresa, mas é interessante ter em mente esse guia padrão e adaptar conforme a sua realidade.

1. Missão, visão e valores da empresa

Garantir o aprofundamento em todos esses pontos é essencial para que o novo colaborador já mergulhe no DNA da empresa. Dessa forma, compreende qual é o papel da organização, por que ela existe e o que está buscando construir.

2. História e cultura da empresa

Continuando os assuntos relacionados ao DNA, também é preciso contar como nasceu e se desenvolveu a organização, afinal, existem muitos detalhes importantes que nem todo mundo conhece.

Junto disso, vale aprofundar também na cultura organizacional, ou seja, ir um pouco além da missão, visão e valores e também explicar qual é o modo de ser e agir daquele ambiente corporativo. Aqui, vale falar sobre alguns pontos, por exemplo:

  • dress code;
  • política de home office e flexibilização de horários;
  • estrutura da empresa: hierárquica ou horizontal.

Esses são apenas alguns exemplos. Lembre-se de levantar os pontos relacionados à cultura que são relevantes para a sua empresa.

3. Organograma, departamentos e processos

Se a organização for muito grande, esse será um desafio maior e, provavelmente, não será possível explicar todos os detalhes de uma vez. Mesmo assim, é importante dar uma visão geral sobre os departamentos e cargos para que haja o mínimo de integração.

Além disso, compartilhar as ferramentas e softwares utilizados no dia a dia é essencial para a adaptação. Os processos organizacionais também precisam ser explicados para que o novo colaborador já se intere um pouco sobre como as coisas funcionam no dia a dia. Caso a empresa não tenha muitos processos estabelecidos, é importante pontuar isso também e explicar o modus operandi.

Se a empresa for pequena, essa parte do conteúdo será um pouco mais simples. Vale entender como adaptar conforme a realidade da sua organização.

4. Cargos e funções dos membros do time

Além da contextualização mais geral, também é importante aprofundar um pouco mais na realidade daquele profissional, ou seja, o time com o qual vai trabalhar diariamente.

Dessa forma, vale apresentar os membros da equipe, seus cargos e funções. Aqui, o líder direto também deve ser mencionado, explicando quais são as suas atribuições.

5. Responsabilidades do RH

A área de recursos humanos terá bastante contato com os novos funcionários para que as questões burocráticas de contratação sejam concluídas com sucesso.

Mas não é somente nesse momento que o RH tem contato com os colaboradores, por isso logo no início também é importante também clarear as responsabilidades do departamento para que os recém-chegados saibam como e quando esses profissionais podem ajudá-los.

6. Política de benefícios

Quando um profissional aceita uma proposta de emprego, provavelmente já avaliou os benefícios corporativos oferecidos. Mesmo assim, vale a pena repassar item por item e explicar como funcionam.

Muita gente fica com dúvidas sobre como funciona o plano de saúde, o vale-alimentação e por aí vai. O programa de integração deve sanar essas questões e ajudar o novo colaborador a compreender como usufruir da melhor maneira dos seus benefícios.

7. Plano de carreira

O plano de carreira é um programa estruturado que tem como objetivo estipular o caminho que cada profissional pode percorrer dentro da empresa. É interessante apresentá-lo ao novo funcionário, pois assim ele já tem clareza sobre as possibilidades de crescimento.

Nesse momento, também é válido aprofundar nas atribuições e responsabilidades atuais do recém-chegado, esclarecendo se serão necessários treinamentos específicos para a sua função.

Vale pontuar que a existência de um plano de carreira é muito importante para reter talentos, contribuindo para o engajamento e a motivação.

8. Apresentação da estrutura física

No caso de um programa de integração presencial, vale a pena tirar um tempinho para apresentar as instalações e salas, além de explicar onde está localizado cada departamento. Pode parecer muito básico, mas a realidade é que a pessoa que está chegando talvez nem saiba onde ficam os banheiros.

Além disso, nesse tour também pode ser uma boa ideia apresentar o recém-chegado a alguns dos colaboradores com os quais ele vai ter mais contato.

9. Ciclos de feedbacks e avaliação de desempenho

Caso a empresa conte com ciclos de feedbacks e avaliações de desempenho periódicos, é essencial explicar como funcionam esses processos. Esclareça como ocorrem os feedbacks e o que é avaliado, além de ressaltar como e quando acontecem as promoções.

Dessa forma, o novo colaborador já tem clareza sobre as possibilidades de crescimento e recebimento de um aumento salarial, além, é claro, de ficar mais tranquilo em relação a como o seu trabalho será avaliado.

4 dicas para estruturar um programa de integração

Com todas essas dicas em mãos, agora só falta mergulhar na parte prática e entender como estruturar o programa de integração da sua empresa.

1. Defina o conteúdo do programa

Neste artigo, compilarmos 9 dicas de conteúdos que podem ser abordados no onboarding, portanto, ideias é que não faltam. A recomendação é entender, dentro da realidade da sua empresa, o que faz sentido abordar no programa de integração e estruturar uma ordem lógica para a apresentação.

Ao definir o conteúdo, é necessário criar o material de apoio, pois em muitos momentos serão utilizadas apresentações, imagens, vídeos. Em alguns casos podem ser até realizadas dinâmicas.

2. Crie um cronograma

Está achando que é muita coisa? Então, lembre-se de que esse processo não acontece em apenas um dia e sim ao longo de semanas ou até mesmo meses, dependendo da densidade do conteúdo.

Por isso, é importante organizar um cronograma para que as pessoas que vão aplicar o programa tenham clareza sobre o que deve ocorrer a cada semana.

3. Organize a aplicação

Para que a aplicação desse treinamento de integração ocorra da melhor maneira possível, além do conteúdo e do cronograma, alguns outros pontos precisam ser organizados.

Não se esqueça de definir o responsável (ou responsáveis) pela aplicação do programa, deixando bem claro quais são as atribuições de cada um. É importante que seja alguém que trabalhe há bastante tempo na empresa e tenha um profundo conhecimento sobre a cultura, valores e história da organização.

Além disso, também é necessário definir se a integração acontecerá de forma presencial ou online. Em tempos de pandemia, cada vez mais as empresas têm aderido ao onboarding digital que pode funcionar muito bem se for bem planejado.

A grande diferença é que não haverá o tour das instalações e o maior desafio é garantir a integração entre os colaboradores sem a possibilidade de contato físico.

4. Realize uma pesquisa de feedbacks

Após a implementação do programa, é válido rodar uma pesquisa para colher feedbacks e entender melhorias que podem ser executadas no processo. A única maneira de aprimorar o onboarding é conversando com quem o vivenciou, por isso, não negligencie essa etapa final que é de extrema importância.

Crie agora mesmo o seu programa de integração

Você já aprofundou seus conhecimentos sobre os principais conteúdos que podem ser trabalhados em um programa de integração, então que tal conferir outros artigos do nosso blog para mergulhar ainda mais no assunto?

Aprenda mais sobre onboarding digital e descubra estratégias eficientes para aplicar durante a pandemia (e que podem continuar sendo aplicadas quando tudo voltar ao normal também)!

Para mais artigos sobre este e outros temas, acompanhe o blog da Vittude Corporate!

Você pode se interessar também pelos seguintes assuntos:

Por Bruna Cosenza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo

Leia também

Receba novidades da Vittude