Turnover: como reduzi-lo e melhorar os resultados da sua empresa
Avalie este artigo
29 de julho de 2020 | 12 min de leitura
Desenvolvimento de Pessoas

Turnover: como reduzi-lo e melhorar os resultados da sua empresa

O turnover é um indicador acompanhado de perto pela área de recursos humanos das empresas, pois se não for controlado pode gerar altos prejuízos. Ao mesmo tempo que afeta questões financeiras, também tem impacto negativo na produtividade das equipes.

Quando tais indicadores atingem patamares muito altos, a imagem da empresa também sofre as consequências negativas. É comum, portanto, as pessoas se perguntarem as razões de ninguém ficar muito tempo naquele ambiente de trabalho.

De acordo com uma pesquisa de 2013, conduzida pela Robert Half, o Brasil lidera o ranking mundial de país com maior índice de turnover. O índice aumentou em 82% nas empresas brasileiras, o que representa mais que o dobro da média mundial, que está em 38%. No geral, parece que temos um problema grandioso, mas que com certeza pode ser solucionado.

Estratégias para redução do turnover são essenciais para que o dia a dia de trabalho seja mais feliz, produtivo e positivo para todos os funcionários. Portanto, se a sua empresa está enfrentando esses problemas é preciso traçar um plano com ações inteligentes e de fato efetivas.

Confira, ao longo deste artigo, mais detalhes sobre o turnover, as suas consequências e como reduzi-lo com o objetivo de melhorar os resultados da sua empresa.

O que é o turnover?

O turnover é o índice relacionado à rotatividade de funcionários dentro de uma empresa, ou seja, é a média de trabalhadores que entram e saem de uma organização.

Esse número indica o quão eficiente é a estratégia de atração e retenção de talentos daquela empresa, portanto, se o turnover estiver alto onde você trabalha significa que algo não vai bem.

Atrair e reter talentos é um dos maiores desafios que as empresas enfrentam, mas é importante ressaltar que existem alguns fatores sob o controle da organização e outros que fogem do controle.

Os fatores controláveis, como remuneração, benefícios, cultura, condições de trabalho, podem ser aprimorados por meio de estratégias que visam a diminuição do turnover. Por outro lado, fatores incontroláveis, como o aumento de oportunidades no mercado, fogem do domínio da empresa.

Quais são os tipos de turnover?

Existem vários tipos de motivações que levam ao desligamento de um funcionário de uma empresa. É preciso entender também que há diferentes tipos de turnover. Caso você não tenha clareza sobre todos eles, listamos os principais para que a partir de agora você consiga diferenciá-los.

Voluntário

O turnover voluntário se trata de quando o pedido de desligamento da empresa é feito pelo próprio colaborador. Em casos como esse, o profissional pode ter encontrado uma oferta mais atrativa no mercado, perdido a motivação ou não se conectar mais com os valores da empresa.

Involuntário

Já no caso do turnover involuntário, o desligamento do colaborador é conduzido pela própria empresa. Existem vários motivos que podem orientar esta saída: baixa produtividade, conflitos, quebras de cláusulas contratuais, dificuldade para se adaptar à cultura etc.

Funcional

Outro tipo de turnover é o funcional, em que o próprio colaborador que está insatisfeito e com a produtividade abaixo do esperado, pede demissão.

Neste caso, o desligamento pode ser vantajoso para a empresa, pois não é benéfico manter um funcionário que está desmotivado e produzindo pouco. Assim, a organização pode ir atrás de um profissional mais adequado para a vaga e ainda poupa dinheiro com o desligamento.

Disfuncional

Por fim, no caso do turnover disfuncional ocorre o oposto do funcional. Neste caso, um profissional capacitado e que dá alto retorno para a empresa pede o desligamento. Os problemas de retenção de talentos ficam bem evidentes em situações como essa.

Como o turnover é calculcado?

É preciso também entender como o índice do turnover é calculado, afinal, só assim é possível ter clareza sobre a situação atual da sua empresa. Uma dúvida muito comum é em relação ao “valor ideal” do turnover, ou seja, o que seria um turnover saudável?

Bom, esse número pode variar conforme a realidade de cada empresa, mas o ideal é que a taxa seja abaixo de 5%.

 E como fazer isso? Bom, basta considerar o seguinte:

  • Número de colaboradores admitidos;
  • Quantidade de funcionários demitidos;
  • Total de colaboradores atuais na empresa.

Com estes números em mãos, você deve somar as entregas e saídas de funcionários e dividir por dois. Por fim, divida o resultado anterior pelo número de colaboradores da empresa e multiplique por 100 para chegar à taxa de turnover. Confira como fica a fórmula:

Turnover = {[(Funcionários contratados + funcionários demitidos) / 2] / Total de funcionários} x 100

Quais são as causas mais comuns de turnover?

Para reduzir os índices de turnover na sua empresa, primeiro é necessário conhecer as causas da rotatividade de colaboradores. Só assim será possível criar um plano de ação eficaz que ataque a causa raiz dos problemas.

Confira, em seguida, as principais causas de um turnover elevado dentro das empresas e já comece a refletir sobre quais delas estão presentes no ambiente da sua organização.

1. Salários e benefícios abaixo do mercado

Esta é uma causa muito comum de rotatividade, afinal, se a sua empresa remunera abaixo do valor médio do mercado, consequentemente as ofertas que os seus colaboradores receberão serão mais atrativas.

Por mais que os incentivos financeiros sejam muito importantes, é válido pensar em estratégias complementares para reter seus talentos.

Isso porque uma organização sem fins lucrativos dificilmente conseguirá competir com um banco de investimentos. O que faz uma pessoa trabalhar em uma ONG deve ser levado em consideração, ou seja, também é válido ressaltar os demais diferenciais organizacionais da empresa.

Por exemplo, os salários oferecidos na sua empresa podem ser um pouco abaixo da média, mas em contrapartida podem ser oferecidos benefícios como Vale-Cultura e Psicoterapia. Isso pode acabar pesando na balança também.

Muitas vezes, a própria cultura organizacional, um bom plano de carreira e outros benefícios podem ser tão atrativos quando uma remuneração um pouco mais alta. Mas mesmo assim é preciso ficar atento ao mercado e tentar encaixar no orçamento salários mais compatíveis com cada cargo e função.

2. Cultura organizacional tóxica

É importantíssimo também ficar atento à cultura organizacional que é cultivada, afinal, se for tóxica poderá acabar afastando muitos profissionais. Um ambiente acolhedor e harmônico tem muito mais chances de reter bons talentos.

Alta competitividade, fofocas, regras muito rígidas, pouco espaço para inovação, ausência de direcionamentos claros. Tudo isso e outros fatores podem contribuir para um dia a dia desmotivador em que os funcionários perdem o interesse e o engajamento em suas atividades.

3. Conflitos com a gestão

Fica claro quando um gestor tem problemas para lidar com o seu time, pois em casos assim o turnover na equipe é muito alto. É preciso ficar de olho nas lideranças da empresa para garantir que um bom trabalho está sendo feito. Conflitos entre líderes e liderados e uma má gestão do dia a dia podem resultar em altos índices de turnover.

4. Ausência de perspectivas de crescimento

Empresas que não param um segundo para pensar em plano de carreira estão afetando a motivação e produtividade dos seus colaboradores. Isso porque as pessoas buscam por ambientes de trabalho motivadores e nos quais tenham perspectivas de crescimento. Quando isso não existe e se sentem estagnadas, passam a procurar por outras oportunidades.

5. Falta de reconhecimento por um bom trabalho

Todo profissional deseja que um bom trabalho repleto de dedicação seja bem reconhecido, seja por meio de um elogio do seu gestor direto ou por meio de uma bonificação ou algo do tipo.

Quando isso não acontece, o sentimento de falta de reconhecimento começa a crescer tanto que a pessoa perde o interesse em ser produtiva, afinal, não ganhará nenhum reconhecimento por isso. Consequentemente, a busca por outras oportunidades cresce também.

6. Metas inatingíveis que levam à exaustão física e psicológica

Algumas empresas simplesmente traçam metas irreais e não se preocupam se os colaboradores têm recursos estruturais, financeiros ou até tempo o suficiente para atingi-las.

Tal contexto pode levar à exaustão física e psicológica, fazendo com que o funcionário procure por um ambiente mais leve e com uma carga de trabalho mais adequada. Cobranças fazem parte do dia a dia, mas não podem ser a única coisa que move uma empresa.

7. Fatores externos

Por fim, vale ressaltar que existem diversos fatores externos que fogem do controle de uma empresa e que podem ser a causa do turnover. Estamos falando sobre mudança de cidade, a distância entre o escritório e a residência do profissional, entre outras razões que acabam motivando o desligamento de uma empresa.

Nestes casos também é necessário ficar atento e investigar bem as causas, controlando os números para entender também como a empresa pode evitar a perda de tais profissionais. Um ótimo exemplo é a implementação de uma política de home office para diminuir o turnover por questões de distância do escritório

Quais são as consequências do turnover?

Nenhuma empresa deseja que seus índices de turnover sejam altos, afinal, o objetivo é sempre manter os profissionais por mais tempo dentro de uma empresa. Existem diversas consequências negativas do turnover alto que afetam tanto a empresa como o dia a dia do funcionário. Confira algumas delas!

Redução da produtividade e satisfação

Um índice de turnover elevado pode impactar diretamente a produtividade, engajamento e satisfação dos funcionários que permanecem na empresa. Isso porque quem fica precisa lidar com todas as frustrações e, muitas vezes, cobrir as responsabilidades do profissional que não está mais lá.

Além disso, a própria área de Recursos Humanos é afetada em termos de produtividade, pois precisa dedicar tempo e dinheiro para a contratação de um novo profissional.

Perda de outros funcionários

Outra consequência negativa de um turnover muito alto é o efeito cascata de pedidos de desligamento. Se a rotatividade for muito grande as pessoas vão começar a se incomodar e, consequentemente, se iniciará um ciclo de pedidos de demissão muito alto.

Toda vez que uma pessoa sair da empresa é preciso tomar ações preventivas para que o restante da equipe não fique desmotivado o suficiente para ir embora também.

Piora no clima organizacional

Um alto índice de rotatividade pode ser muito nocivo para a cultura como um todo. Os profissionais que continuam na empresa se sentem frustrados e pressionados. Em muitos casos precisam assumir responsabilidades de colegas que foram embora e se sentem muito sobrecarregados. O clima de insatisfação como um todo cresce quando há um turnover alto.

Sobrecarga de trabalho e desestruturação de áreas

Como já citado em outras consequências do turnover, a sobrecarga de trabalho para quem fica não é incomum, afinal, o barco precisa continuar navegando, certo? Muitas vezes os processos de contratação são longos e a sobrecarga passa a afetar a saúde física e psicológica das pessoas.

Vale pontuar também que quando há uma rotatividade alta de funcionários é preciso tomar cuidado com a gestão do conhecimento, caso contrário, as áreas ficaram desestruturadas com a saída das pessoas.

É importante garantir que os processos e informações sejam de conhecimento de todos para que mesmo na ausência de um profissional, o setor continue rodando.

Elevação de gastos com demissão e admissão

Uma grande consequência negativa do turnover são os gastos com a demissão e contratação de funcionários. O desligamento de um colaborador custa caro para a empresa e o tempo investido na contratação de um novo profissional também tem impactos financeiros para a empresa.

Piora da imagem da empresa

Por fim, é importante ressaltar que se a sua empresa tem altos índices de turnover provavelmente o mercado todo já está sabendo. Isso é muito negativo para a imagem da organização, afinal, as pessoas vão se perguntar por que ninguém quer ficar naquele ambiente de trabalho. Assim, será ainda mais difícil contratar e reter novos talentos.

Como reduzir o turnover na sua empresa?

Agora vamos, enfim, falar sobre estratégias práticas para reduzir os níveis de turnover na sua empresa. Não se esqueça de que antes de tudo é importante detectar as causas da rotatividade para atacar os problemas certos. Confira, em seguida, as estratégias que separamos!

Invista em qualidade de vida

Não é novidade que as pessoas buscam cada vez mais equilíbrio entre suas vidas pessoais e profissionais, portanto, sobrecarga de trabalho afasta quem está em busca de mais qualidade de vida.

Investir no bem-estar dos colaboradores, porém, vai muito além de somente respeitar as horas de trabalho, pois também é preciso demonstrar para as pessoas que há uma preocupação genuína com a causa.

Uma pesquisa recente conduzida nos Estados Unidos, “Linking Workplace Best Practices and Organizational Financial Performance”, revelou dados importantes. Em suma, um dos números mais impactantes afirma que empresas que investem no bem-estar dos colaboradores são até 235% mais eficientes.

A dica é, além de proibir cargas de trabalho excessivas, permitir horários flexíveis e oferecer atividades que visam o bem-estar tanto com foco no corpo como na mente.

Que tal oferecer aulas de Yoga e meditação dentro do escritório? Além de ser uma forma de incentivar o equilíbrio entre corpo e mente, é uma pausa saudável na correria do dia a dia. Também garanta que haja algum espaço de descanso e lazer no escritório.

Foque em desenvolver lideranças

Uma pesquisa conduzida pela Korn Ferry revelou que entre as duas principais causas de turnover nas empresas estão problemas com os líderes e falta de oportunidade no ambiente de trabalho.

O desenvolvimento das lideranças além das habilidades técnicas é essencial, pois é preciso preparar esses profissionais para estruturarem e conduzirem suas equipes.

Uma das habilidades mais importantes nesse sentido é a inteligência emocional, que é relevante para enfrentar adversidades, criar bons relacionamentos com a equipe e ser capaz de lidar com as próprias emoções.

Uma liderança mal preparada é capaz de desmotivar funcionários de tal forma que acaba desencadeando no turnover. Líderes precisam ser autênticos, humanos, corajosos e humildes, capazes de criar boas relações no ambiente de trabalho e inspirar as pessoas. Só assim conseguirão atrair e reter bons talentos.

Incentive o diálogo

Muitas pessoas sentem que não há abertura para o diálogo dentro da empresa, de tal forma que esse pode ser um fator que eleva os índices de turnover.

O diálogo é a base para feedbacks e a construção de melhorias no mundo corporativo. Portanto, os colaboradores precisam ter certeza de que não somente a área de recursos humanos, mas as suas lideranças também estão prontas para ouvir críticas e sugestões.

Ao incentivar um diálogo honesto e respeitoso, os funcionários se sentem mais à vontade para se posicionarem e resolverem questões que causam insatisfação.

Treine tanto a área de recursos humanos como as lideranças para que estejam preparadas para momentos de feedbacks, pois isso fará a diferença no momento em que os colaboradores forem decidir se irão ou não continuar naquela organização.

Um exemplo de ação voltada para esse objetivo é a pesquisa de clima organizacional, pois é um primeiro passo em direção à geração de conversas francas sobre pontos de melhoria da empresa.

Invista em uma cultura forte e saudável

Uma pesquisa da Harvard Business School apontou que empresas que investiram em uma cultura de gestão de performance dirigida para engajamento, retenção e rentabilidade, cresceram 756% durante um período de 11 meses. Por outro lado, aquelas que não investiram, cresceram somente 1% nesse mesmo tempo.

É muito importante que a empresa tenha uma cultura forte e inspiradora, capaz de engajar os funcionários, de tal forma que que eles se sintam parte tanto das metas como dos resultados.

Dessa forma, você está trabalhando para que se crie uma comunidade de colaboradores que trabalham em prol de uma mesma causa e se sentem “no mesmo barco”. Além disso, a cultura de uma empresa é o que irá determinar boa parte do perfil dos funcionários daquele ambiente de trabalho.

Ter clareza da missão e valores organizacionais é essencial para que a área de recursos humanos seja capaz de realizar processos seletivos mais certeiros a fim de contratar pessoas com maior fit.

Construa planos de carreira

Pode ser muito desmotivador para um funcionário trabalhar em um lugar em que ele não tem perspectivas de carreira e crescimento, portanto, estruturar um planejamento individual para cada colaborador é essencial.

É de responsabilidade da empresa proporcionar momentos de construção de planos de carreira para que o liderado, ao lado do seu gestor, foca em seu momento profissional, objetivos e futuros desafios. E não basta apenas traçar um plano e ignorá-lo no dia a dia, pois assim não se chega a lugar nenhum.

A fim de atingir os objetivos, as lideranças devem acompanhar o desenvolvimento dos membros da equipe e garantir que aquilo que foi planejado está sendo executado.

Trace um plano de atração e retenção de talentos

Os custos que contratações equivocadas causam são enormes. Estudos apontam que nos Estados Unidos as empresas perdem uma média de US$105 bilhões de dólares por ano por causa de contratações malsucedidas. Além disso, pessoas certas em funções erradas também saem caras, chegando a um custo de US$210 mil dólares por mês.

A fim de evitar desperdícios como esses e diminuir as taxas de absenteísmo e turnover, um dos grandes focos da área de recursos humanos deve ser traçar um plano de atração e retenção de talentos.

Uma contratação certeira traz mais garantias de que os profissionais da empresa permanecerão trabalhando lá por mais tempo, ao mesmo tempo que estão mais alinhados à cultura organizacional.

Como já comentamos, atrair e reter talentos é bastante desafiador, mas não é um trabalho exclusivamente da área de RH. O marketing, portanto, é a área que deve atuar em conjunto pensando em estratégias que trabalhem a imagem da empresa.

Com a finalidade de atingir os objetivos propostos, são várias as ações que precisam ser contempladas neste plano, entre elas: desenvolvimento de personas, criação de materiais de comunicação e estruturação de planos de benefícios atrativos.

Mantenha os colaboradores motivados

Vale pesquisar e analisar o que de fato motiva os colaboradores da sua empresa, pois pode ser que você esteja oferecendo benefícios que não são tão atrativos assim para eles. A única forma de descobrir o que mantém os trabalhadores motivados é perguntando a eles, ou seja, pesquisando. A pesquisa de clima organizacional, portanto, pode ser bem útil.

Muitas empresas oferecem bônus e comissões, mas vale pensar que talvez existam outros tipos de incentivos que sejam tão interessantes quanto esses, porém, mais criativos. Além disso, muitas vezes o reconhecimento não vem somente de promoções financeiras, mas sim de outras formas que podem manter aquele colaborador motivado em sua função.

Não menospreze atitudes simples: às vezes um “obrigado” pode ser muito mais eficaz do que qualquer outra coisa! Promover uma cultura de incentivo ao reconhecimento pode ser muito interessante para fazer com que as pessoas agradeçam mais pelos trabalhos bem executados.

Ofereça um plano de benefícios diferenciado

Os benefícios corporativos podem tornar uma empresa muito ou pouco atrativa para um colaborador, então por que não se esforçar para que esse seja um diferencial da sua organização? Vale-refeição, vale-transporte e plano de saúde são alguns dos benefícios dos quais nenhum funcionário quer abrir mão, mas a realidade já vai muito além disso.

Assim sendo, empresas atentas às verdadeiras necessidades das pessoas estão se dando conta de que precisam investir em saúde mental. Há anos a OMS vem alertando que até 2020 a depressão se tornaria a principal causa de afastamento do trabalho no mundo.

Visto que o Brasil é o país da América Latina com mais casos da doença, não há dúvidas de que as empresas precisam se preocupar com essa questão.

Não só a depressão, mas outros distúrbios mentais estão muito presentes no dia a dia de trabalhadores brasileiros, fazendo com que se afastem ou, em casos piores, precisem se desligar dos seus empregos.

Investir em saúde mental na sua empresa é uma forma de prevenir e ajudar os colaboradores a terem acesso aos devidos tratamentos, visto que muitos acabam não fazendo psicoterapia por conta dos custos elevados.

A psicoterapia é uma das maneiras mais eficazes de tratar questões de saúde mental que podem impactar negativamente a produtividade dos seus funcionários, assim como os lucros da empresa.

orçamento benefício vittude corporate

Conheça o Vittude Corporate

Para alcançar resultados efetivos na redução do turnover é importante implementar várias estratégias complementares, pois uma ação isolada não irá diminuir os índices do dia para a noite.

Entre as estratégias que você deve considerar para o seu plano de ação, inclua o Vittude Corporate, um benefício corporativo que ajuda empresas a cuidarem da saúde mental dos seus colaboradores!

Além disso, com o Vittude Corporate você também pode contar com treinamentos e capacitações para o seu time de Recursos Humanos. Dessa forma, você garante que todos os profissionais estão preparados para lidar com desafios diários como o turnover.

Para conhecer o Vittude Corporate e falar com um de nossos especialistas, clique aqui!

Por Bruna Cosenza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo
turnover; redução de turnover; contratação; colaboradores

Leia também

Receba novidades da Vittude