Por que fazer terapia?

Por que fazer terapia?

Por que fazer terapia? Essa é a mesma pergunta que você pode fazer quando precisa ir ao médico, por quê?

Você poderá responder, porque não estou me sentindo bem, estou com dores e diversas outras sintomatologias que desencadearam diversas complicações em meus sistemas gástrico, cardíaco, imunológico etc.

Agora eu pergunto:

Já parou para pensar que todos esses sistemas estão interligados com a sua psique? E que mesmo que você racionalize buscando explicações externas tais como as mudanças climáticas, desequilíbrios do meio ambiente ou o próprio ambiente físico, entre outros fenômenos. Eles podem contribuir sim, e muito! devido aos grandes problemas ambientais e desequilíbrio do nosso ecossistema. Outro fator também de grande peso são as questões sócio-político-econômicas geradores de grande stress. Contudo não são os únicos responsáveis por seus sintomas.

As doenças aparecem como símbolo – ressalta Rudiger Dahlke na sua publicação A Doença como Símbolo, em 2000, na qual ele diz: o corpo é o palco de acontecimentos desconhecidos da alma. O escritor Peter Altenberg também menciona “A doença é o grito de uma alma agredida”. O que agride a alma – para que seja descoberto – o corpo oferece as indicações necessárias.

Percebe isso?

Evidente que as patologias quando já manifestadas no físico, precisam ser tratadas!
A psicoterapia não dispensa nem é alternativa aos tratamentos médicos em suas respectivas especialidades. Mas ela é complementar e tem importância fundamental no tratamento. O que a distingue e é talvez sua maior virtude é que ela pode ser utilizada preventivamente. Isso mesmo: a psicoterapia permite escutarmos a voz da ‘alma agredida’ antes que ela se torne um grito de dor manifestado no corpo físico. E se isso não for possível ela pode ser extremamente útil ao ser usada complementarmente a todos os tratamentos.

E sabe o porquê?

Porquê a psicoterapia atua nas áreas mais profundas da psique humana, iluminando aspectos obscuros, traumas que jazem adormecidos no inconsciente, e que vale lembrar: 70% dos indivíduos nem sabem da existência do inconsciente e da importância e influencia que exerce sobre o Ser Humano. Em algum momento da vida emerge em forma de sintomas que arrebatam o indivíduo de forma incontrolável, através de sintomas que podem ser descritos como as emoções básicas: medos incontroláveis, – paralisando ações cotidianas – explosões de raiva, apatia, tristezas, angustias, dores sem fim tanto físicas quanto da alma, conteúdos psíquicos postulados por Jung como complexos, sombra, arquétipos.

E quando todo esse quadro patológico se instala e cristaliza no corpo são denominadas doenças psicossomáticas. Viktor Frankl, ressaltando o significado da doença, diz: “O desejo de sentido encontra-se na vida. Se o sentido da interpretação dá-se a conhecer, a doença é combatida com maior eficácia”. Já na década de 30 o médico e pesquisador austríaco Franz Alexander falava da influência que a mente pode ter sobre o corpo, tanto produzindo doenças como na conservação da saúde.

E você o que acha de tudo isso?

Concorda que mediante tais demandas integrar a Psicoterapia ao tratamento pode e É uma excelente estratégia de tratamento. Incluir um cuidado integrativo que considera seus aspectos físico, emocional, mental e espiritual. Sim espiritual! E porque não? Afinal somos uma totalidade e TUDO está associado. Infelizmente nos esquecemos disto, talvez devido ao método cartesiano, que precisou dissociar o subjetivo-objetivo do Self cultural e expulsou a subjetividade na dimensão cientifica, ressalta Dr. Carlos Byington em sua Psicopatologia Simbólica Junguiana, de 2017.

É urgente retomar a nossa natureza verdadeira: mente saudável e corpo saudável. E eu posso te ajudar com isso! Conheço suas dores. Já passei por esse caminho e hoje (aprendi a duras penas!) eu sei que ele não precisa ser solitário e mais importante vale a pena aceitar o desafio de atravessá-lo. Por que a dor é inevitável, mas a forma de como enfrenta-la é uma opção. Tenho empatia com suas dores, e o melhor de tudo eu conheço possibilidades de curá-las e sobretudo ressignifica-las.

Quer saber como?

Dentre tantos casos clínicos que já atendi, vou te falar de dois casos bem recentes.

O primeiro é de uma jovem com depressão, síndrome do pânico, extremamente ansiosa e um nível altíssimo de stress. Ela chegou até o meu consultório acompanhada por sua mãe, em estado de plena paralização consigo mesma e consequentemente com a sua vida. Trancara a faculdade e devido ao pânico saia para o trabalho, mas chegava no meio do caminho voltava e se trancava no quarto, as vezes até por dias. Após dez sessões saiu do antigo trabalho e iniciou em um novo. Retomou a faculdade, melhorou significativamente suas relações familiar, amigos, entre outras, ou seja, está dando a volta por cima e caminhando na direção dos seu Propósito de vida.

O segundo caso foi de uma jovem senhora de aproximadamente sessenta anos, que chegou totalmente angustiada com conflitos na relação conjugal. Após um acolhimento e alguma conversa, abrimos uma Constelação Familiar na qual ela pode ver onde estavam os seus conflitos, seus emaranhados sistêmicos. Ela pode olhar e ressignificar. As imagens expressas através da configuração dos bonecos lhe trouxeram calma, compreensão, honra aos antepassados e aceitação da vida como É.

Percebe o mundo de possibilidades e cura que as minhas sessões de Psicoterapia podem te trazer? É possível sim, um profundo reencontro consigo mesmo

Utilizo nas minhas sessões a Arteterapia, fundamentada na Psicologia Analítica e as Constelações com visão xamânica (método exclusivo que eu desenvolvi) que em conjunto podem TRANSFORMAR sua Vida e suas dificuldades. Junto com você nós vamos buscar as causas que estão ‘escondidas’ reprimidas no inconsciente e fazê-las emergir de forma criativa através das técnicas consagradas que utilizo e mencionei acima.

A respeito disso veja o que nos diz Waldemar Magaldi em seu texto Marionetes do Self (fev/2019):

“A criatividade e a expressão artística são atributos instintivo da natureza humana e servem para aplacar a angustia existencial diante do mistério da vida. Por isso desde tempos remotos a raça humana utiliza as expressões dos seus conteúdos emocionais, diante dos afetos existências”.

Da mesma forma, Jung constatou, ao longo de sua obra, que nosso psiquismo é multifacetado, carregando uma infinidade de componentes, fragmentos, potencialidades, sentimentos, pensamentos, intuições, sensações e emoções, que se relacionam de diferentes maneiras e que as palavras não podem e nem conseguem expressar tão bem quanto às manifestações criativas.

Ficou com dúvida sobre como nosso trabalho funciona? Não hesite, entre em contato comigo!

Texto escrito em junho de 2019

Avalie esse artigo:

Comentários:

Please Login to comment