angústia

Angústia: 11 técnicas e exercícios para aliviar o sofrimento

Angústia: 11 técnicas e exercícios para aliviar o sofrimento
4 avaliações

  |  Tempo de leitura: 7 minutos
Clique e encontre seu psicólogo !

Angústia é um sentimento natural da nossa vida. E até necessário. Afinal, viver tem seus percalços. E isso significa que vamos nos machucar e sim, vai doer. Se sofremos estamos vivos. Porém, se esse sofrimento se prolonga e passa a dominar a nossa vida, é preciso tomar uma atitude.

Mesmo que situações como rejeição, perdas e fracasso doam muito e possam deixar cicatrizes, se não forem bem cuidadas, sua mente e seu coração podem adoecer. Dessa forma, assim como tudo na vida, temos que aprender a deixar a angústia ir embora e dar espaço para o novo entrar.

Muitos de nós nos perguntamos cada vez que sentimos angústia: como se libertar da mágoa e da dor e seguir em frente? Até mesmo porque, se apegar ao passado não é necessariamente a melhor escolha, não é mesmo? Quantos de nós queremos avançar, porém algo nos segura?

Isso pode acontecer por inúmeros motivos e um psicólogo lhe ajudará a identificá-lo. Mas além do apoio de um profissional, você também pode se ajudar. E é pouco a pouco mesmo. Com pequenas práticas você irá se reconquistar e ao seu futuro também!

Como superar a angústia?

Uma coisa que nos conecta como seres humanos é que todos nós sentimos dor, seja ela física ou emocional. Ou seja, compartilhamos a ideia de que seremos feridos. Porém, o que nos difere é a maneira como lidamos com essa dor.

Quando vivenciamos demais uma dor e mergulhamos em um sentimento de angústia, isso nos impede de crescer. Uma das melhores maneiras de se curar das mágoas é aprender lições da situação e usá-las para se concentrar no crescimento. Elas se tornam o impulso que nos leva a frente.

Se você está se sentindo muito angustiado, saiba que é possível aliviar essa sensação e até usá-la de forma positiva. Confira agora algumas dicas para ajudá-lo nessa empreitada:

1. Tenha um mantra positivo para combater os pensamentos dolorosos

O modo como você fala consigo mesmo pode levá-lo adiante ou mantê-lo preso. Muitas vezes, ter um mantra que você diz a si mesmo em momentos de angústia pode ajudá-lo a reformular seus pensamentos.

Por exemplo, em vez de ficar preso no “não posso acreditar que isso aconteceu comigo!”, tente um mantra positivo como: “Tenho a sorte de poder encontrar um novo caminho na vida, algo que seja melhor para mim”.

2. Crie distância física do que causa angústia

Não é incomum ouvir alguém dizer que você deve se distanciar da pessoa ou da situação que está lhe causando problemas. Pois saiba que isso não é uma má ideia! 

Criar uma distância, seja física ou mesmo virtual, entre nós e a pessoa ou situação que causa incômodo pode ajudar com a angústia pela simples razão de que, por não estarmos em contato direto, não somos obrigados a pensar sobre isso ou processar o que te magoou o tempo todo.

3. Concentre-se em você

Focar em você é importante. Você tem que fazer uma escolha para lidar com a dor que está experimentando. Quando você pensar em algo ou alguém que lhe causou dor, traga-se de volta ao presente. Então, concentre-se nas coisas pelas quais você é grato.

Concentre-se no seu trabalho, por exemplo. Recupere o prazer de concluir suas tarefas, lembre da trajetória que trilhou para chegar onde está. Quando perceber, a angústia estará um pouco mais distante.

4. Pratique a atenção plena

Quanto mais pudermos focar no momento presente, menos impacto nosso passado ou futuro tem sobre nós.

Quando começamos a praticar a atenção plena, nossa angústia tem menos controle sobre nós. Assim temos mais liberdade para escolher como queremos reagir às situações que se apresentam em nossa vida.

Clique e encontre seu psicólogo !

5. Seja gentil consigo mesmo

Quando algo de ruim acontece e sua primeira resposta é criticar a si mesmo, é hora de mostrar-se alguma bondade e compaixão.

Temos que começar a nos tratar como se tratássemos um amigo, nos oferecendo autocompaixão e evitando comparações entre nossa jornada e a dos outros.

A mágoa é inevitável e talvez não consigamos evitar a dor. No entanto, podemos optar por nos tratar com bondade e amor quando coisas ruins acontecerem.

6. Permita que as emoções negativas fluam

Por medo da angústia e da dor, você tenta evitar as emoções negativas? Não se preocupe, você não está sozinho! Quase todas as pessoas possuem medo de sentimentos como raiva, desapontamento ou tristeza.

Em vez de senti-los, as pessoas simplesmente tentam excluí-los. E isso acaba justamente atrapalhando o processo de cura.

Por isso, pense nas emoções como uma correnteza. Porque, afinal, é necessário deixá-las fluir. Assim, impor uma barreira para impedir que elas surjam é como criar uma represa. E isso pode se tornar tão grave que poderá te adoecer e necessitar de intervenção médica e, mais ainda, da ajuda de um psicólogo.

7. Aceite que a outra pessoa não vai pedir desculpas

Esperar por um pedido de desculpas da pessoa que o feriu vai retardar o processo de cura e aumentar a angústia. Se você está magoado, é importante que você cuide da sua própria cura, o que pode significar aceitar que a pessoa que o machucou não vai se desculpar.

8. Comprometa-se com o autocuidado

Quando estamos sofrendo, muitas vezes parece que tudo nos machuca. Então você deixa de se cuidar.

Contudo, praticar o autocuidado pode ser uma forma de estabelecer limites. Isso significa dizer não ao que nos causa dor e angústia para fazer as coisas que nos trazem alegria e conforto,  ouvindo primeiro nossas próprias necessidades.

Quanto mais pudermos implementar o autocuidado em nossas vidas diárias, mais capacitados seremos. Desse espaço, nossa angústia não parece tão esmagadora.

9. Cerque-se de pessoas que somam

Esta dica simples, mas poderosa, pode ajudar você a passar por muitas situações ruins e aliviar a angústia. Afinal, não podemos viver a vida sozinhos! 

Por que, então, devemos passar pela dor e esperar que as feridas cicatrizem sozinhas? Se somos tão bons em compartilhar momentos e eventos alegres e festivos, por que não compartilhar a dor, também?

Quando nos permitimos receber apoio de entes queridos e amigos, isso é algo maravilhoso. Não apenas nos faz evitar o sofrimento, mas também nos lembra do bem que existe em nossas vidas.

10. Permita-se falar sobre sua angústia

Quando você está lidando com sentimentos dolorosos ou com uma situação que o magoou, é importante se permitir falar sobre isso.

Às vezes as pessoas não desabafam porque sentem que não estão autorizadas a falar sobre o assunto. Isso pode ocorrer porque as pessoas ao seu redor não querem ouvir sobre isso ou porque você está com vergonha de falar sobre o que lhe angustia.

Mas falar é importante! Por isso, encontrar um amigo ou terapeuta que seja paciente, que te aceite e não vá te criticar e esteja disposto a te ouvir e te acolher ajudará a encarar esse problema.

11. Permita-se perdoar

Dissemos anteriormente que esperar as desculpas de uma pessoa pode mantê-lo preso ao passado. Dessa forma, existe um perdão que é essencial para você viver melhor: perdoar a si mesmo. E perdoar também quem lhe fez mal e lhe causa toda essa angústia.

Todavia, saiba que perdoar não é esquecer ou aceitar. Perdoar é não viver refém de uma mágoa ou angústia que outra pessoa lhe causou.

O perdão é vital para o processo de cura, pois permite que você deixe ir embora a raiva, a culpa, a vergonha, a tristeza ou qualquer outro sentimento que possa estar experimentando e seguir em frente.

Mas sabemos que, às vezes, é difícil se livrar da angústia, pois podem haver muitas questões internas complexas. Há casos que a angústia pode até ser sinal de algo mais grave.

Se você está lutando para deixar uma experiência dolorosa, conversar com um bom psicólogo e fazer psicoterapia pode lhe ajudar a enfrentar esse momento.

Gostou do artigo? Então assine a nossa newsletter e fique por dentro das novidades da Vittude!

Clique e encontre seu psicólogo !

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.