Como conviver com a depressão

Como conviver com a depressão: guia prático!

  |  Tempo de leitura: 10 minutos

Como conviver com a depressão pode ser um grande desafio. Não só para a pessoa que tem a doença, mas para os que convivem com ela.

A depressão é uma doença psicológica que abrange cerca de 5% da população do planeta. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 350 milhões de pessoas no mundo sofrem com sintomas de depressão.

Cupom Depressão

A “doença do século 21” ainda é de difícil diagnóstico por diversos fatores: descaso por parte de familiares e amigos, medo, vergonha, conclusões equivocadas sobre os sintomas de depressão (como sendo apenas “tristeza” ou “preguiça”) e preconceitos da sociedade.

Embora tenhamos evoluído muito tecnologicamente, ainda não conseguimos encontrar um meio eficiente de cuidar da saúde mental ou desmitificar crenças sobre doenças psicológicas. 

O que é depressão?

Depressão é uma doença psicológica crônica caracterizada pela tristeza profunda. Esta está associada a sentimentos de dor emocional, amargura, desânimo, baixa autoestima e desesperança. 

Os sintomas de depressão, na verdade, são diversos. Por isso, à primeira vista, podem ser confundidos com os de outros transtornos. Além disso, eles são sorrateiros. A pessoa com depressão geralmente não percebe os sintomas até um estado avançado da doença. Seu comportamento, para ela, é normal. 

Ela não consegue se livrar do abatimento, da tristeza, das dúvidas, das aflições que a doença causa. Por vezes, apenas se dão conta quando alguém próximo menciona a mudança de seu comportamento. 

Mas há casos em que a pessoa percebe a má qualidade de seus pensamentos e atitudes tal como a constante mudança de humor por conta própria. 

Quais são os sintomas de depressão?

Diferentemente da tristeza comum, que é passageira e atrelada ao presente, os sintomas de depressão são recorrentes e acompanham a pessoa em qualquer situação: no trabalho, na universidade, nas reuniões de família, entre outros. 

1. Generalizações errôneas

A pessoa crê que sabe o que irá acontecer por causa de acontecimentos passados. Desse modo, se afasta de novas experiências. Além disso, a pessoa passa a generalizar a personalidade dos outros. “As pessoas são todas egoístas” ou “as pessoas não valem nada” são pensamentos generalizadores comuns. 

2. Conclusões equivocadas

Conclusões irreais sobre acontecimentos também costuma ser corriqueiro em um quadro depressivo. A pessoa passa a ter conclusões precipitadas, complicando situações simples. Em vez de confirmar suas especulações no diálogo, a pessoa se afasta e escolhe viver na própria fantasia. Ela inventa os mais diversos cenários como uma forma de consolo ou de punição por seus atos. 

3. Ênfase no negativo

A pessoa com depressão apenas vê o lado ruim da vida. Mesmo quando há um final feliz, prefere continuar alimentando a negatividade. Ela também opta por ignorar elogios e reconhecimentos. Esse comportamento é prejudicial, pois fortalece pensamentos e emoções negativas.

4. Comparações

Realizar comparações constantes também agravam a situação. A pessoa se sente inferior diante do sucesso alheio. Neste permanente estado de comparação, encontra dificuldades para se concentrar em seus próprios atributos positivos e conquistas.  

5. Culpa

O sentimento de constante culpa até mesmo por pequenos atos acompanha a pessoa com depressão. É normal, para ela, se culpar por tudo e utilizar essa culpa como combustível para autodepreciação. Muitas vezes, esse sentimento é ilógico, pois a pessoa se culpa até por ocasiões além do seu controle.

6. Desânimo

O entusiasmo pela vida se esvai. A pessoa passa a ver a vida apenas como uma obrigação. Ela se afasta das pessoas e deixa de fazer o que antes lhe dava prazer e alegria. O desânimo rouba a força de vontade da pessoa e, mesmo que ela deseje fazer alguma coisa a respeito disso, não consegue encontrar motivação para isso.

Esses são alguns dos sintomas de depressão que transformam a vida das pessoas, trazendo, acima de tudo, infelicidade e aborrecimento. A persistência desses amplifica os sentimentos de tristeza, melancolia, desvalorização, inferioridade e inutilidade. Assim, a pessoa entra em um círculo vicioso de auto aversão e é, geralmente, incapaz de deixá-lo sozinha

Quais são as causas da depressão?

Não é fácil pontuar uma causa específica. Embora a doença possa se desenvolver após experiências traumáticas ou negativas, como bullying, agressão, fim de um relacionamento, crises financeiros, demissões ou brigas familiares, elas também não são regra. 

Se não cuidarmos de nós mesmos, levando um estilo de vida prazeroso e saudável, qualquer um de nós pode desenvolver depressão. Respeitar os limites do nosso corpo e mente é essencial para garantir maior saúde mental. 

Existe também a possibilidade da depressão surgir por conta da predisposição genética. É cientificamente comprovado que a doença pode passar de pais para filhos. Portanto, é recomendado para pais que já tiveram depressão em algum momento da vida, ficarem de olho no comportamento dos filhos.  

Como conviver com os sintomas de depressão?

Existem formas de lidar com a depressão, mas é um processo.

O tratamento de depressão comumente baseia-se em acompanhamento psicológico e auxílio de remédios prescritos pelo psiquiatra.

Enquanto eles vão fazendo efeito na mente e no organismo, a pessoa também precisa fazer um esforço para amenizar o impacto dos sintomas e retomar a sua vida diária.

Por exemplo, lutar contra a vontade de querer ficar apenas dentro de casa, vivenciando a mesma rotina continuamente. Será difícil combatê-la no início, mas a pessoa precisa se forçar a deixar a zona de conforto e fazer um passeio ou atividade que ache interessante. 

Obviamente, o indivíduo deve começar devagar, aos poucos, engajando-se em atividades aqui e ali para identificar o que é mais agradável.

Atitudes pequenas, que à primeira vista podem não parecer eficazes no combate a depressão, são, na verdade, poderosos remédios ao longo prazo. 

Veja, abaixo, maneiras simples de combater os sintomas de depressão

Movimentar o corpo

Lembre-se “mente sã, corpo são”. Encontre uma atividade física que goste e se force a fazê-la. Esta pode ser dança, aeróbico na academia, natação entre outros. Qualquer coisa que ajude a movimentar o corpo. 

Desabafe

Não guarde a negatividade dentro de você. Se não se sentir bem conversando com as pessoas, escreva em um diário ou converse com um profissional. Este terá uma visão imparcial dos acontecimentos, o que pode deixá-lo mais à vontade. Diversos estudos comprovam que a forma mais eficaz de combate à depressão é a combinação de psicoterapia com a medicação prescrita pelo psiquiatra.

Viva pequenos prazeres

Assista aquele filme que você adora, saia para visitar um ponto turístico local ou compre aquela roupa que você tanto desejava. Às vezes, precisamos nos presentear com a simplicidade da vida para adicionarmos pitadas de felicidade em nossos dias.

Pratique a gratidão

A gratidão tem o poder de mudar a nossa perspectiva. Agradeça por todos os objetos materiais que você possui, por todas as pessoas em sua vida e por todas as experiências vivenciadas. Todas elas trazem lições valiosas e acrescentam valores em nossa personalidade, até as mais dolorosas. 

Fique próximo de pessoas queridas 

Cultive laços de amizade positivos. Você não precisa necessariamente conversar abertamente ou participar de eventos ou atividades se ainda não se sentir pronto. Apenas estar próximo de quem gostamos é o suficiente. 

Como ajudar a pessoa com depressão?

Conviver com alguém com depressão não é fácil. 

Familiares e amigos raramente compreendem a intensidade dos sintomas de depressão se estes não foram incapacitantes. Para eles, os problemas criados pela pessoa com depressão podem não parecer tão sérios. Essa confusão pode gerar desentendimentos.

Se você notou sinais de depressão na pessoa querida, confira as dicas para ajudá-la.

  • Tenha paciência: lembre-se que a pessoa com depressão precisa de constante apoio e reafirmação. Sozinha, ela já causa grande bagunça emocional a si mesma. Portanto, você precisa ser compreensivo e um bom ouvinte.
  • Respeite o tempo dela: não force a pessoa a fazer o que ela não deseja, exceto se notar que ela pretende causar mal  a si mesma. Preste atenção nos mínimos detalhes de seu comportamento, pois ele dá dicas sobre seu estado de espírito e pensamentos.
  • Mantenha contato: não exclua a pessoa de sua vida. Faça convites, mas não espere uma resposta positiva. Você precisa fazê-la sentir-se incluída sem constrangê-la.
  • Esteja presente: ofereça um ombro amigo quando ela precisa desabafar. Ouça com atenção e ofereça palavras calorosas para animar a pessoa, como “você é especial” ou “pode contar comigo”.

Se você perceber que está sendo afetado pelo comportamento da pessoa querida, se afaste por um período para cuidar da sua própria saúde mental. Mesmo se o desejo de acabar com o sofrimento da pessoa for grande, lembre-se você precisa estar bem antes de ajudar o próximo. Caso contrário, estará comprometendo a si mesmo.

Ebook 24 razões

Quando se deve procurar ajuda?

Quando a suspeita de qualquer um dos sintomas de depressão surgir, é indispensável a consulta ao psicólogo ou psiquiatra para ter a certeza do diagnóstico. 

O aparecimento de pensamentos tais como “Ninguém se importa comigo” ou “A vida é muito difícil” ou “Não tenho motivos para sair da cama” já é um grande sinal de alerta. Se não foram combatidos, podem até mesmo evoluir para pensamentos suicidas ou desejos de automutilação. 

Portanto, é importante procurar ajuda assim que a existência dos sintomas de depressão for percebida. 

Se você tem dúvidas sobre o que sente, faça um teste de depressão para confirmar suas especulações.

O resultado por si só, contudo, não é o suficiente. Consulte um psicólogo para um diagnóstico mais aprofundado. 

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta