Inteligência Emocional

Inteligência Emocional – Como você pode lidar com suas emoções no trabalho

Eu já tive situações no trabalho onde perdi o controle emocional. E quem nunca?

“Mas você é psicóloga, deveria saber controlar suas emoções!” Sério? E acima de psicóloga, não sou um ser humano? Psicólogo escuta muito disso. Mas acima de tudo, é um ser humano, cheio de emoções e de situações onde nos colocam à prova. “Você não estudou tantos anos para aprender a não agir assim?”

Caro, estudamos muitos anos para entender “um pouco mais” sobre o universo das emoções, dos comportamentos e do psiquismo humano. E não somos santos, erramos também, e muito.

O que talvez nos dê uma vantagem é que precisamos fazer terapia por anos para se formar. E se isso não fosse “obrigatório” eu faria do mesmo jeito, pois considero o investimento na saúde mental como o mais valioso de todos. É o que faz você viver a vida com mais leveza, equilíbrio, controle e principalmente evolução.

Mas como podemos lidar melhor com as emoções no trabalho?

Dentro ou fora dele, são enormes os desafios:

  • Sentimento de incompetência ou estagnação de carreira, onde chefes podem chegar a te rebaixar ou até mesmo te humilhar;
  • Desemprego;
  • Relacionamentos interpessoais (entre colegas de trabalho ou chefes)
  • E inúmeros outros que dariam um livro.

E para complicar ainda mais, sabemos que a inteligência emocional é uma das competências mais valorizadas no trabalho. E é uma das mais difíceis de se desenvolver, senão a mais.

É uma habilidade que não nos foi ensinada na escola, nem na faculdade. O trabalho também não nos prepara para isso, mas é onde é mais coloca à prova.

Então como desenvolver?

Principal fator: autoconhecimento.

Poucas pessoas dão valor a isso. Acham besteira. Vai levando do jeito que dá, e segue a vida.

Mas quem se conhece, sabe o que te faz feliz, o que te incomoda, o que te irrita, sabe de suas necessidades “por trás” das coisas, esse sim sabe reagir melhor às situações. Eu digo melhor, pois não é possível reagir perfeitamente sempre. Isso não existe, e se você estiver cobrando isso de você mesmo, esqueça. Nem os psicólogos conseguem.

Saber o que causa determinadas emoções em você, porque você reage de tal forma quando acontece alguma coisa, já representa muito caminho andado no desenvolvimento da inteligência emocional.

Tem gente que diz “estou mal”, e os emocionalmente inteligentes podem relatar que se sentem-se irritados com tal situação ou frustrado por algo. Quanto mais você entende o sentimento que causa, melhor você conseguirá trabalhar o efeito que ele produz, e principalmente, o que deve fazer a respeito.

Lembra da velha frase de Charles Darwin: “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças”?

Pois é. Tem muito a ver com inteligência emocional.

Mas Fernanda, você não disse que ia ajudar a lidar melhor com isso?

Sim, mas precisamos fazer uma introdução. Continuando ainda um assunto introdutório, sabemos que existem alguns estilos comportamentais de pessoas. Aquelas mais explosivas ou aquelas mais calmas, por exemplo. Ambas sofrem efeitos da falta do controle das emoções. Umas porque exteriorizam demais, outras porque guardam demais. E não existe certo ou errado, existe equilíbrio.

Vamos a algumas situações comuns de trabalho?

Foi contrariado? Recebeu uma resposta que não gostaria de ouvir? Recebeu comentários indevidos?

Reflita: porque essa ação despertou uma emoção negativa em você? O quanto você já vivenciou em sua vida situações de oposição e o que isso significa para você?

É mais importante ter razão ou ser feliz? A justificativa dada a oposição contribui para melhorar o seu ponto de vista? Você precisa ter sempre razão ou pode ceder e escutar as vezes?

Não ofenda-se facilmente

Quando você sabe quem é, conhece suas potencialidades e seus diferenciais, dificilmente deixará alguém dizer algo que tire sua confiança, ou acreditar no que se ouve.

Todos foram elogiados na reunião e você não? Ou as pessoas estão crescendo e você estagnou?

Antes de tudo, jogue fora seus julgamentos. Pare de fazer comparações, esses comportamentos não te levam a lugar nenhum. Eu sei que é difícil, mas se isso está acontecendo tem um motivo. Você está entregando resultados como o esperado? Você está atendendo as expectativas da empresa? O que você pode fazer, e somente você, para mudar e melhorar aquela situação? Como você pode evoluir ali? Existe espaço ou é melhor buscar outra alternativa?

É mais fácil botar a culpa no ambiente, mas normalmente isso acontece por alguma atitude nossa antes. Algo que causou aquilo. Vitimismo realmente não irá ajudar (e se você ficar bravo(a) comigo porque estou falando isso, também precisa avaliar o porquê isso te incomodou, e ampliar o autoconhecimento (a minha intenção por aqui está sendo provocar dessa vez).

 

Está desempregado e durante uma entrevista o recrutador disse que você não se encaixa naquela vaga?

Algumas pessoas entendem, outras ficam nervosas ou até saem xingando o recrutador.

“Mas como assim, eu tinha todos os requisitos!”

O que não é para ser, não é. Observe tudo o que você pode melhorar para as próximas entrevistas, se possível observe outros candidatos e busque muitos assuntos sobre como melhorar sua performance e suas estratégias em processos de seleção. Nada de chegar em casa, abrir a janela e gritar ao mundo que as portas estão fechadas e você não é bom para o mercado. A situação de desemprego gera uma série de fatores complicados como questões financeiras, principalmente. Mas pensar negativo de si mesmo e desistir de continuar não ajuda em nada e só piora.

Para finalizar…

Sim, nem eu, nem você, vamos reagir bem a tudo o que nos acontece.

Mas reagirá melhor aquele que sabe os aspectos que incomodam, que já reagiram mal em alguma situação e tirou aprendizado daquilo para não repetir, que soube ouvir as críticas de uma forma construtiva (mesmo que a intenção do emitente não tenha sido esta), que respirou e parou para pensar em vez de explodir, que foi tomar uma água.

Aliás, conhece a técnica da água?

Sinceramente não sei quem já falou sobre isso, mas funciona muito bem para mim e para outras pessoas. Quando souber que vai para uma conversa tensa, por exemplo, leve água e quando for falar besteira, antes beba água. Se alguém te incomodar com algum assunto, antes, beba água. Me conte depois como foi.

É uma brincadeira que estou fazendo aqui, mas que, de verdade, funciona.

Só não vai sair por aí reparando em todo mundo que leva água para reuniões ou conversas, nem sempre eles estão aplicando a técnica da água!

Avalie esse artigo:

Comentários:

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments