TDAH - Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade - O que é?

TDAH: saiba como é feito o diagnóstico do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

TDAH: saiba como é feito o diagnóstico do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade
5 avaliações

  |  Tempo de leitura: 12 minutos

TDAH é sigla que representa o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade. Trata-se de um transtorno do neurodesenvolvimento. As características centrais são a dificuldade em regular a atenção e controlar impulsos e hiperatividade.

O TDAH é uma síndrome de base genética bastante relevante. O Déficit de atenção está relacionado com a regulação de um determinado conjunto de funções cerebrais e comportamentos relacionados.

Essas operações cerebrais são coletivamente referidas como “habilidades de funcionamento executivo”.  Incluem funções importantes como atenção, concentração, memória, motivação e esforço, aprendizagem a partir dos erros, impulsividade, hiperatividade, organização e habilidades sociais. Existem vários fatores contribuintes que desempenham um papel nesses desafios, incluindo diferenças químicas e estruturais no cérebro, bem como genética.

Quem tem TDAH?

Pesquisas apontam que aproximadamente 5% dos adultos têm TDAH. Isso representa mais de 10 milhões de pessoas no Brasil. Ocorre em homens e mulheres e, na maioria dos casos, persiste ao longo da vida, não estando limitado a crianças.

Uma vez que o TDAH é uma condição neuro-comportamental, não há cura e a maioria não supera. Aproximadamente dois terços ou mais de crianças com TDAH continuam a ter sintomas e desafios na idade adulta que requerem tratamento.

TDAH ocorre tanto em homens como em mulheres

Embora inicialmente a pesquisa tenha sido focada no estudo de garotos hiperativos, de idade escolar, agora sabemos que as mulheres também têm TDAH. Meninos e homens são mais propensos a serem encaminhados para testes e tratamento de TDAH.  Recebem acomodações e participam de mais estudos de pesquisa. Isso dificulta a identificação da proporção de homens para mulheres com TDAH.

Alguns pesquisadores sugeriram que o TDAH é mais prevalente nos homens. No entanto, estamos aprendendo que isso provavelmente não é o caso. O TDAH nas mulheres é consistentemente sub-diagnosticado e sub-tratado em comparação com os homens, especialmente aqueles que não demonstram hiperatividade e problemas de comportamento.

Nem todos os casos de TDAH são os mesmos


Existem diferentes subtipos de TDAH (desatento, hiperativo e combinado), e cada pessoa tem um perfil cerebral único. Como com qualquer outra coisa, nenhuma pessoa com TDAH é exatamente a mesma e todos experimentam TDAH à sua maneira.

TDAH - Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade - O que é?

 

Qual é a definição de TDAH?


O diagnóstico de TDAH é delineado pela Associação Americana de Psicologia no DSM-5 como um padrão persistente persistente de inatenção e / ou hiperatividade-impulsividade que interfere no funcionamento ou no desenvolvimento ao longo do tempo e configurações. O diagnóstico requer os seguintes critérios: experimenta o TDAH a seu modo.

Desatenção:

Seis ou mais sintomas de desatenção para crianças até 16 anos. Ou cinco ou mais para adolescentes de 17 anos ou mais e adultos. Os sintomas estiveram presentes há pelo menos 6 meses e são inadequados para o nível de desenvolvimento:

  • Não dá atenção aos detalhes. Comete erros descuidados no trabalho escolar, no trabalho ou com outras atividades.
  • Apresenta problemas para manter a atenção em tarefas ou atividades de jogo.
  • Frequentemente, parece não ouvir quando alguém está falando com ele diretamente.
  • Não segue as instruções. Não consegue terminar um trabalho escolar, tarefas domésticas ou deveres no local de trabalho (por exemplo, perde foco, começa várias tarefas e não conclui nenhuma).
  • Demonstra problemas para organizar tarefas e atividades.
  • Evita, procrastina ou é relutante em fazer tarefas que exigem esforço mental durante um longo período de tempo (como trabalho escolar ou dever de casa).
  • Muitas vezes perde as coisas necessárias para tarefas e atividades (por exemplo, materiais escolares, lápis, livros, ferramentas, carteiras, chaves, papelada, óculos, telefones celulares).
  • Se distrai facilmente
  • Se esquece das atividades diárias que precisam ser executadas.

Hiperatividade e Impulsividade

Seis ou mais sintomas de hiperatividade-impulsividade para crianças até 16 anos. Ou cinco ou mais para adolescentes de 17 anos ou mais e adultos. Os sintomas de hiperatividade-impulsividade têm estado presentes durante pelo menos 6 meses até certo ponto que são perturbadores e inadequados para o nível de desenvolvimento da pessoa:

  • Agita-se com muita facilidade, bate repetidamente e insistentemente as mãos ou os pés , ou se contorce no assento.
  • Levanta-se de sua posição em situações em que estar sentado é a situação esperada.
  • Frequentemente corre ou sobe em locais onde não é apropriado (adolescentes ou adultos podem estar limitados a sentir-se inquietos).
  • É incapaz de jogar ou participar de atividades de lazer silenciosamente.
  • Está em movimento constante, agindo como se fosse “dirigido por um motor”.
  • Fala excessivamente.
  • Em um diálogo, explora e processa uma resposta antes de uma pergunta ter sido concluída.
  • Muitas vezes tem dificuldade em aguardar a sua vez de falar.
  • É comum interromper outras pessoas (por exemplo, intrometer-se em conversas ou jogos)

Observações importantes

Além disso, para um diagnóstico é importante observar se as seguintes condições estão sendo atendidas:

  • Ocorrência de sintomas de desatenção ou hiperatividade-impulsividade antes dos 12 anos de idade.
  • Percepção de que os sintomas estão presentes em duas ou mais situações distintas. Por exemplo: em casa, escola ou trabalho, com amigos ou familiares, em outras atividades.
  • Observar se há provas claras de que os sintomas interferem ou reduzem a qualidade do funcionamento social, escolar ou do trabalho.
  • Os sintomas não são melhor explicados por outro transtorno mental. Por exemplo: transtorno do humor, transtorno de ansiedade, distúrbio dissociativo ou transtorno de personalidade.

TDA ou TDAH? Qual a diferença?

As pessoas geralmente usam os termos TDA e TDAH de forma intercambiável. A atual terminologia médica correta é TDAH ou Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade.

Para melhor explicar, vamos discutir brevemente o idioma usado para descrever os diagnósticos em geral. A terminologia diagnóstica para transtornos psiquiátricos e comportamentais vem do Manual de Diagnóstico e Estatística (DSM), o manual utilizado pelos médicos para identificar, descrever e codificar várias condições. Os nomes de vários diagnósticos mudaram ao longo dos anos através de uma série de revisões ao manual à medida que a pesquisa melhorou e novas informações surgiram.

O TDAH, mais especificamente, tem sido conhecido por muitos nomes ao longo dos anos desde que foi registrado pela primeira vez em pesquisas médicas (ao final de 1700), não foi incluído nos manuais de diagnóstico para profissionais de saúde até 1968. De fato, nessa época o TDAH era Referido como “Disfunção Mental Mínima” – felizmente os tempos mudaram!

TDAH Diagnóstico

De acordo com o DSM-V, a característica essencial do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade é um padrão persistente de desatenção e ou hiperatividade-impulsividade que interfere no funcionamento ou no desenvolvimento.

A desatenção manifesta-se comportamentalmente no TDAH como divagação em tarefas, falta de persistência, dificuldade de manter o foco e desorganização – e não constitui conseqüência de desafio ou falta de compreensão.

A hiperatividade refere-se a atividade motora excessiva (como uma criança que corre por tudo) quando não apropriado ou remexer, batucar ou conversar em excesso. Nos adultos, a hiperatividade pode se manifestar como inquietude extrema ou esgotamento dos outros com sua atividade.

A impulsividade refere-se a ações precipitadas que ocorrem no momento sem premeditação e com elevado potencial para dano à pessoa (p. ex., atravessar uma rua sem olhar). A impulsividade pode ser reflexo de um desejo de recompensas imediatas ou de incapacidade de postergar a gratificação. Comportamentos impulsivos podem se manifestar com intromissão social. Por exemplo: interromper os outros em excesso. Ou na tomada de decisões importantes sem considerações acerca das conseqüências no longo prazo. Por exemplo: assumir um emprego sem informações adequadas.

O TDAH é um transtorno moderno?

Algumas pessoas se perguntam se o TDAH é uma nova condição, talvez causada pelo ritmo acelerado da vida moderna. No entanto, o déficit de atenção não é um transtorno moderno. Tem sido escrito na literatura e livros médicos há mais de 100 anos. O que é novo é o nome, TDAH. Ao longo dos anos, a mesma condição foi chamada de nomes diferentes.

Em 1845, o Dr. Heinrich Hoffman descreveu o TDAH em um livro chamado The Story of Fidgety Philip. Em 1902, Sir George F. Still escreveu a primeira descrição clínica sobre um grupo de crianças que mostrou impulsividade e problemas de comportamento. Ele chamou essa condição de “defeito de controle moral”. Na década de 1950, o TDAH era chamado de “transtorno do impulso hipercinético”.

Características Associadas que Apoiam o Diagnóstico

Atrasos leves no desenvolvimento linguístico, motor ou social não são específicos do TDAH. As características associadas podem incluir baixa tolerância a frustração, irritabilidade ou instabilidade emocional. Mesmo na ausência de um transtorno específico da aprendizagem, o desempenho acadêmico ou profissional costuma estar prejudicado. Comportamento desatento está associado a vários processos cognitivos subjacentes.

Indivíduos com TDAH podem exibir problemas cognitivos em testes de atenção, função executiva ou memória. Entretanto, esses testes podem não ser suficientemente específicos para servir como índices diagnósticos. No início da vida adulta, o TDAH está associado a risco aumentado de tentativa de suicídio, principalmente quando associados com transtornos do humor, da conduta ou por uso de substância.

Tratamentos e Terapias

Embora não haja cura para o TDAH, os tratamentos atualmente disponíveis podem ajudar a reduzir os sintomas e melhorar o funcionamento. O TDAH é comumente tratado com medicação, educação ou treinamento, terapia ou uma combinação de tratamentos.

Medicação

Para muitas pessoas, os medicamentos para TDAH reduzem a hiperatividade e a impulsividade e melhoram sua capacidade de se concentrar, trabalhar e aprender. A primeira linha de tratamento para TDAH é estimulantes.

Estimulantes

Embora possa parecer incomum tratar o TDAH com um medicamento considerado estimulante, é efetivo. Muitos pesquisadores pensam que os estimulantes são eficazes porque a medicação aumenta a dopamina química do cérebro, que desempenha papéis essenciais no pensamento e na atenção.

Não estimulantes

Esses medicamentos levam mais tempo para começar a trabalhar do que os estimulantes, mas também podem melhorar o foco, a atenção e a impulsividade em uma pessoa com TDAH. Os médicos podem prescrever um não estimulante se uma pessoa tiveram efeitos colaterais incômodos de estimulantes, se um estimulante não fosse eficaz, ou em combinação com um estimulante para aumentar a eficácia. Dois exemplos de medicamentos não estimulantes incluem atomoxetina e guanfacina.

Antidepressivos

Embora os antidepressivos não sejam aprovados especificamente para o tratamento do TDAH, os antidepressivos às vezes são usados ​​para tratar adultos com TDAH. Os antidepressivos mais antigos, chamados de tricíclicos, às vezes são usados ​​porque eles, como os estimulantes, afetam a produção de neurotransmissores como norepinefrina e dopamina.

Existem muitos tipos e marcas diferentes desses medicamentos, todos com potenciais benefícios e efeitos colaterais. Às vezes, vários medicamentos ou doses diferentes devem ser tentados antes de encontrar o que funciona para uma pessoa em particular. Qualquer pessoa que tome medicamentos deve ser monitorada de perto e com cuidado pelo médico que prescreve.

Ligue para o seu médico imediatamente se tiver algum problema com seu remédio ou se estiver preocupado com o fato de estar fazendo mais mal do que bem. O seu médico pode ajustar a dose ou alterar sua receita para uma outra que possa funcionar melhor para você.

Ritalina

De acordo com o Instituto Paulista de Déficit de Atenção, a Ritalina (metilfenidato) é a alternativa medicamentosa mais comum para TDAH.  Dúvidas sobre medicação são muito comuns quando se tem suspeita ou um diagnóstico já confirmado. Perguntas comuns são: Vou tomar Ritalina? Preciso mesmo tomar o remédio? O remédio vicia? É para sempre?

Recentemente, tem havido diversas críticas à aumento muito elevado (mais que 1.000% de aumento no Brasil) na prescrição de medicação para crianças, especialmente Ritalina (metilfenidato). Hoje, o Brasil é segundo pais que mais consome Ritalina no mundo. Além disso, o consumo por não-portadores de TDAH, vendas ilegais pela internet, abuso por jovens em baladas ou para melhores resultados em provas ou no trabalho, já assumiram proporções muito assustadoras e se assemelham a outras situações de tráfico de drogas.

A faixa preta sempre assusta. É uma reação extremamente comum, devido a perguntas não respondidas e falta de informação. É preciso conhecer mais sobre o TDAH em si, todos os tipos de tratamentos medicamentosos e também sem uso de remédios.

Psicoterapia

Existem diferentes tipos de terapia que foram testadas para TDAH. A psicoterapia pode ajudar pacientes e familiares a lidar melhor com os desafios diários.

Para crianças e adolescentes: a terapia também ajuda pais e professores que interagem com as crianças e adolescentes com TDAH. Uma das funções principais da terapia é tratar de questões como manutenção da rotina. Com a terapia é possível estabelecer um cronograma e organizar itens do dia-a-dia.  

Para adultos: um psicólogo pode ajudar um adulto com TDAH a aprender como organizar sua vida, desenvolver resiliência e ser mais assertivo, aprendendo a manter rotinas e quebrar grandes tarefas em tarefas mais gerenciáveis ​​e menores. A Terapia Cognitivo Comportamental, por exemplo, combina muito com as necessidades dos pacientes, que em geral sofrem com a falta de estrutura, caos e desorganização da vida em quase todas as áreas

Está buscando um psicólogo ou tratamento para TDAH? Visite a Vittude e agende uma consulta com um de nossos psicólogos!

Fontes:

Instituto Paulista de Déficit de Atenção

National Institute of Mental Health