Transtorno Bipolar - Tipos, Sintomas, diagnóstico e tratamentos

Transtorno Bipolar – Tipos, sintomas, diagnóstico e tratamentos

Transtorno Bipolar – Tipos, sintomas, diagnóstico e tratamentos
41 avaliações

  |  Tempo de leitura: 13 minutos

O transtorno bipolar, também conhecido como doença maníaco-depressiva, é um transtorno cerebral que causa mudanças incomuns no humor, na energia, nos níveis de atividade e na capacidade de realizar as tarefas do dia-a-dia.

O transtorno bipolar atinge cerca de 4% das pessoas em idade adulta. O número de pessoas diagnosticadas com este quadro pode chegar a 6 milhões de pessoas no Brasil.

Existem quatro tipos básicos de transtorno bipolar.  Todos eles envolvem mudanças claras no humor, na energia e nos níveis de atividade. Esses estados de humor variam de períodos de comportamento extremamente “ascendente”, exaltado e energizado (conhecido como episódios maníacos) a períodos muito tristes, “baixos” ou sem esperança (conhecidos como episódios depressivos). Os períodos maníacos menos severos são conhecidos como episódios hipomaníacos.

Tipos de Transtorno Bipolar

  • Transtorno Bipolar I – definido por episódios maníacos que duram pelo menos 7 dias, ou por sintomas maníacos que são tão graves que a pessoa precisa de cuidados hospitalares imediatos. Geralmente, episódios depressivos ocorrem também, tipicamente durando pelo menos 2 semanas. Episódios de depressão com características mistas (com depressão e sintomas maníacos ao mesmo tempo) também são possíveis.
  • Transtorno Bipolar II – definido por um padrão de episódios depressivos e episódios hipomaníacos, mas não os episódios maníacos desenvolvidos acima.
  • Desordem ciclotímica (também chamada ciclotimia) – definida por numerosos períodos de sintomas hipomaníacos, bem como inúmeros períodos de sintomas depressivos de pelo menos 2 anos (1 ano em crianças e adolescentes). No entanto, os sintomas não atendem aos requisitos diagnósticos para um episódio hipomaníaco e um episódio depressivo.
  • Outros Transtornos Bipolares e Relacionados Especificados e Não Especificados – definidos por sintomas de transtorno bipolar que não correspondem às três categorias listadas acima.

Sinais e sintomas 

As pessoas com transtorno bipolar experimentam períodos de intensidade não usuais, mudanças nos padrões de sono e níveis de atividade e comportamentos incomuns. Esses períodos distintos são chamados de “episódios de humor”. Os episódios de humor são drasticamente diferentes dos modos e comportamentos típicos da pessoa. As mudanças extremas na energia, na atividade, e no sono vão junto com os episódios do modo.

As pessoas em episódios maníacos ou depressivos podem experimentar os sinais do quadro abaixo:

Às vezes, um episódio de humor inclui uma junção de sintomas maníacos e depressivos. Isso é chamado de episódio com características misturadas. Pessoas experimentando um episódio com características combinadas podem se sentir muito tristes, vazias ou sem esperança, ao mesmo tempo em que se sentem extremamente energizadas.

A bipolaridade pode estar atual mesmo quando as oscilações de humor são menos extremas. Por exemplo, algumas pessoas com transtorno bipolar experimentam hipomania, uma forma menos grave de mania. Durante um episódio hipomaníaco, um indivíduo pode se sentir muito bem, ser altamente produtivo e funcionar bem. A pessoa pode não sentir que algo está errado, mas a família e os amigos podem reconhecer as mudanças de humor e / ou mudanças nos níveis de atividade como possível transtorno bipolar. Sem tratamento adequado, as pessoas com hipomania podem desenvolver mania severa ou depressão.

Diagnóstico

Um bom diagnóstico e tratamento ajudam as pessoas com transtorno bipolar a levar vidas saudáveis ​​e produtivas. Falar com um psiquiatra ou um psicólogo é o primeiro passo para qualquer pessoa que desconfie de um quadro de transtorno bipolar. Um psiquiatra pode completar um exame físico para descartar outras condições. Se os problemas não são causados ​​por outras doenças, o médico pode realizar uma avaliação de saúde mental ou fornecer uma referência a um psiquiatra ou psicólogo, que tenham experiência em diagnosticar e tratar o transtorno bipolar.

Encontre um psicólogo

Nota para os profissionais da área de saúde:

Pessoas com transtorno bipolar são mais propensos a procurar ajuda quando estão deprimidos do que quando experimentando mania ou hipomania. Portanto, uma anamnese médica cuidadosa é necessária para garantir que o transtorno bipolar não seja erroneamente diagnosticado como depressão maior. Ao contrário das pessoas com transtorno bipolar, as pessoas que têm apenas depressão (também chamada de depressão unipolar) não experimentam mania. Eles podem, no entanto, experimentar alguns sintomas maníacos ao mesmo tempo, que também é conhecido como transtorno depressivo maior com características misturadas.

Transtorno Bipolar e Outras Doenças

Alguns sintomas da bipolaridade são semelhantes a outras doenças, o que pode tornar difícil para um médico realizar um diagnóstico. Além disso, muitas pessoas têm transtorno bipolar juntamente com outra doença, como transtorno de ansiedade, abuso de substâncias, ou um transtorno alimentar. Pessoas com transtorno bipolar também estão em maior risco de doença da tireóide, dores de cabeça de enxaqueca, doenças cardíacas, diabetes, obesidade e outras doenças físicas.

transtorno bipolar

Psicoses

Às vezes, uma pessoa com episódios graves de mania ou depressão também tem sintomas psicóticos, tais como alucinações ou delírios. Os sintomas psicóticos tendem a corresponder ao humor extremo da pessoa. Por exemplo:

  • Alguém com sintomas psicóticos durante um episódio maníaco pode acreditar que é famosa, tem muito dinheiro ou tem poderes especiais.
  • Alguém que tenha sintomas psicóticos durante um episódio depressivo pode acreditar que ele está arruinado e sem um tostão, ou que cometeu um crime.
    Como resultado, as pessoas com transtorno bipolar que também têm sintomas psicóticos são, por vezes erroneamente diagnosticados com esquizofrenia.

Ansiedade e TDAH

Transtornos de ansiedade e transtorno de hiperatividade com déficit de atenção (TDAH) são freqüentemente diagnosticados entre pessoas com transtorno bipolar.

Abuso de Substâncias Químicas

Pessoas com transtorno bipolar também podem usar álcool ou drogas, ter problemas de relacionamento, ou ter um desempenho ruim na escola ou no trabalho. Familiares, amigos e pessoas com sintomas podem não reconhecer esses problemas como sinais de uma doença mental grave, como transtorno bipolar.

Possíveis Causas

O transtorno bipolar não parece ter uma causa única, mas é mais provável que resulte de uma série de fatores que interagem.

Fatores genéticos

Alguns estudos sugeriram que pode haver um componente genético no transtorno bipolar. É mais provável que surja em uma pessoa que tenha um membro da família com a doença.

Traços biológicos

Pacientes com transtorno bipolar muitas vezes mostram mudanças físicas em seus cérebros, mas a ligação permanece incerta. 

Desequilíbrios cérebro-químicos

Os desequilíbrios dos neurotransmissores parecem desempenhar um papel fundamental em muitos transtornos do humor, incluindo o transtorno bipolar.

Problemas hormonais

Desequilíbrios hormonais podem desencadear ou causar transtorno bipolar.

Fatores ambientais

Abuso, estresse mental, uma “perda significativa” ou algum outro evento traumático pode contribuir para ou desencadear o transtorno bipolar.

Uma possibilidade é que algumas pessoas com uma predisposição genética para o transtorno bipolar podem não apresentar sintomas perceptíveis até que um fator ambiental desencadeie um grave balanço do humor.

Fatores de risco

Os cientistas estão estudando as possíveis causas do transtorno bipolar. A maioria concorda que não há uma única causa. Em vez disso, é provável que muitos fatores contribuam para o surgimento da doença ou aumentem o risco.

Estrutura e funcionamento do cérebro

Alguns estudos mostram como o cérebro de pessoas com transtorno bipolar pode diferir do cérebro de pessoas saudáveis ​​ou pessoas com outros transtornos mentais. Aprender mais sobre essas diferenças, juntamente com novas informações de estudos genéticos, ajuda os cientistas a entender melhor o transtorno bipolar e prever que tipos de tratamento funcionará de forma mais eficaz.

Genética

Algumas pesquisas sugerem que as pessoas com certos genes são mais propensas a desenvolver distúrbio bipolar do que outras. Mas os genes não são o único fator de risco para o transtorno bipolar. Estudos de gêmeos idênticos mostraram que, mesmo que um gêmeo desenvolve transtorno bipolar, o outro gêmeo nem sempre desenvolver a doença, apesar do fato de gêmeos idênticos compartilham todos os mesmos genes.

História da família

Transtorno bipolar tende a ocorrer repetidamente em famílias. Crianças com um pai ou irmão que tem transtorno bipolar são muito mais propensos a desenvolver a doença, em comparação com as crianças que não têm um histórico familiar do transtorno. No entanto, é importante notar que a maioria das pessoas com história familiar de transtorno bipolar não irá desenvolver a doença.

Tratamentos e Terapias

O tratamento adequado pode ajudar muitas pessoas – mesmo aquelas com as formas mais graves de bipolaridade – a obter um melhor controle de suas mudanças de humor e outros sintomas bipolares. Um plano de tratamento eficaz geralmente inclui uma combinação de medicação e psicoterapia. O transtorno bipolar é uma doença vitalícia. Episódios de mania e depressão costumam voltar ao longo do tempo. Entre os episódios, muitas pessoas com transtorno bipolar podem se ver livres de mudanças de humor, mas algumas pessoas podem ter sintomas persistentes. A longo prazo, o tratamento contínuo ajuda a controlar estes sintomas.

Medicamentos

Diferentes tipos de medicamentos podem ajudar a controlar os sintomas do transtorno bipolar. Um indivíduo pode precisar tentar vários medicamentos diferentes antes de encontrar aqueles que funcionam melhor.

Os medicamentos geralmente usados ​​para tratar o distúrbio bipolar incluem:

  • Estabilizadores de humor
  • Antipsicóticos atípicos
  • Antidepressivos

Qualquer pessoa que tome um medicamento deve:

  • Ter uma prescrição médica e ter a devida orientação de seu psiquiatra. É importante compreender todos os riscos e benefícios da medicação.
  • Informar qualquer preocupação sobre efeitos colaterais para um médico imediatamente. O médico pode precisar alterar a dose ou tentar um medicamento diferente.
  • Evitar parar a medicação comunicar previamente seu médico. De repente parar um medicamento pode levar a um efeito “rebote” ou piora dos sintomas do transtorno bipolar. Outros efeitos de retirada desconfortáveis ​​ou potencialmente perigosos também são possíveis.

Psicoterapia

Quando feito em combinação com medicação, psicoterapia pode ser um tratamento muito eficaz para o transtorno bipolar. Ela pode fornecer apoio, educação e orientação para pessoas com transtorno bipolar e suas famílias. Alguns tratamentos de psicoterapia utilizados para tratar o transtorno bipolar incluem:

Procurando o psicólogo ideal para você?

Outras Opções de Tratamento

A Terapia eletroconvulsiva (ECT)

ECT pode fornecer alívio para pessoas com transtorno bipolar grave que não foram capazes de se recuperar com outros tratamentos. Às vezes ECT é usado para sintomas bipolares quando outras condições médicas, incluindo a gravidez, tornam o uso de medicamentos extremamente arriscado. A ECT pode causar alguns efeitos colaterais de curto prazo, incluindo confusão, desorientação e perda de memória. As pessoas com transtorno bipolar devem discutir possíveis benefícios e riscos de ECT com um profissional de saúde qualificado.

Medicamentos para o sono

As pessoas com transtorno bipolar que têm problemas para dormir geralmente acham que o tratamento é útil. No entanto, se a insônia não melhorar, um médico pode sugerir uma mudança nos medicamentos. Se o problema persistir, o médico pode prescrever sedativos ou outros medicamentos para dormir.

Suplementos

Pouca pesquisa foi conduzida em ervas ou suplementos naturais e como eles podem afetar o transtorno bipolar.
É importante para um médico saber sobre todos os medicamentos prescritos, outras medicações ministradas por decisão própria e suplementos que um paciente está tomando. Alguns medicamentos e suplementos tomados em conjunto podem causar efeitos indesejados ou perigosos.

Monitoramento diário

Mesmo com tratamento adequado, oscilações de humor podem ocorrer. O tratamento é mais eficaz quando um cliente, um médico e um psicólogo trabalham em conjunto e falam abertamente sobre preocupações e escolhas. Manter anotações com registros dos sintomas de humor diário, tratamentos, padrões de sono e eventos de vida pode ajudar pacientes e médicos a acompanhar e tratar o transtorno bipolar de forma mais eficaz.

Como posso me ajudar se eu for diagnosticado com transtorno bipolar?

Você pode ajudar a si mesmo, obtendo tratamento e seguindo as orientações do seu psicólogo e psiquiatra. A recuperação leva tempo, e não é fácil. Mas o tratamento é a melhor maneira de começar a se sentir melhor. Aqui estão algumas dicas:

  • Converse com seu médico e psicólogo sobre seu tratamento.
  • Não interrompa sua medicação.
  • Mantenha uma rotina para comer e dormir.
  • Certifique-se de dormir o suficiente.
  • Aprenda a reconhecer suas oscilações de humor.
  • Peça a um amigo ou parente para ajudá-lo a manter o seu tratamento.
  • Seja paciente consigo mesmo. Melhoria leva tempo.

Como posso ajudar uma pessoa querida com transtorno bipolar?

Ajude seu amigo ou parente a consultar um psiquiatra para obter o diagnóstico e tratamento corretos. Você pode precisar fazer a consulta e ir ao médico junto com ele. Aqui estão algumas coisas úteis que você pode fazer:

  • Seja paciente.
  • Incentive o seu amigo ou parente a falar, e ouvir com atenção.
  • Seja compreensivo sobre mudanças de humor.
  • Inclua seu amigo ou parente em atividades divertidas.
  • Lembre à pessoa que ficar melhor é possível com o tratamento certo.

Como o transtorno bipolar afeta amigos e família?

Quando um amigo ou parente tem transtorno bipolar, isso afeta você também. Cuidar de alguém com transtorno bipolar pode ser estressante. Você tem que lidar com as mudanças de humor e às vezes outros problemas, como beber muito. Às vezes, o estresse pode esticar seus relacionamentos com outras pessoas. Os cuidadores podem perder o trabalho ou perder tempo livre.

Se você está cuidando de alguém com transtorno bipolar, cuide de si mesmo também. Encontre alguém com quem você possa conversar sobre seus sentimentos. Procure um psicólogo, faça terapia também. Peça orientações sobre grupos de apoio para cuidadores. Se você mantiver seu nível de estresse baixo, você fará um trabalho melhor, e poderá ajudar o seu amado a manter o seu tratamento.

Se algum ente querido está apresentando os sinais acima, recomende uma visita à um psicólogo. Visite o site da Vittude, você encontrará psicólogos especializados e prontos para ajudar.

Fonte: National Institute of Mental Health