Ser feliz é o que importa

Por que ser feliz? Conheça 6 razões para cultivar a felicidade e ter mais saúde

  |  Tempo de leitura: 14 minutos

Por que ser feliz? Caso alguém precise ser convencido, evidências científicas revelam diversos motivos para aspirar a uma maior felicidade e satisfação.

Os pesquisadores Ed Diener, Laura King e Sonja Lyubomirsky comprovaram que se tornar mais feliz não apenas faz você se sentir bem. A felicidade traz consigo múltiplos benefícios adicionais. Em comparação com seus pares menos felizes, as pessoas mais felizes são mais sociáveis. Elas são enérgicas, caridosas, cooperativas, e mais queridas pelos outros. Elas tendem a se casar mais e a permanecerem casadas. Além disso, indivíduos felizes possuem redes de amigos e apoio social mais ricos. As pessoas felizes mostram mais flexibilidade e criatividade em seus pensamentos, sendo mais produtivas em seus empregos. Elas são melhores líderes e negociadores e ganham mais dinheiro. Costumam ser mais resistentes diante das dificuldades, têm sistemas imunológicos mais fortes e são fisicamente mais saudáveis. Pessoas felizes ainda vivem mais tempo.

Estudos sobre felicidade

Um estudo mostrou que indivíduos que estavam felizes como estudantes do primeiro ano da faculdade tinham salários mais altos dezesseis anos depois (quando estavam na metade dos anos trinta) sem uma vantagem de riqueza inicial. Em outro estudo, que também acompanhou os alunos de graduação ao longo do tempo, as mulheres que expressaram alegria sincera nas fotos do anuário da faculdade eram relativamente mais propensas a casar-se com a idade de 27 anos e tinham mais chances de ter casamentos satisfatórios aos cinquenta e dois anos.

O rei do Butão, o último reino budista dos Himalaias, aninhado entre a Índia e a China, decidiu que a melhor maneira para promover o desenvolvimento econômico seria aumentar a felicidade doméstica de sua nação – isto é, se concentrar no IDH em vez do PIB. A ênfase de Butão na felicidade de suas pessoas, acima de tudo, parece ter produzido benefícios para a sociedade. Embora a maioria das pessoas neste pequeno país atue na agricultura de subsistência, eles têm o que eles precisam – comida na mesa e cuidados de saúde universais – e se recusaram a ganhar dinheiro com empreendimentos comerciais que possam comprometer a saúde e a beleza de seu ambiente e sua igualdade existência.

Benefícios de ser feliz

A felicidade parece ter vários subprodutos positivos. Ao nos tornarmos mais felizes, não só impulsionamos experiências de alegria, contentamento, amor, orgulho e admiração. Também melhoramos outros aspectos de nossas vidas: nossos níveis de energia, nossos sistemas imunológicos, nosso engajamento com o trabalho e com outras pessoas e nossos conhecimentos físicos e saúde mental. Ao nos tornarmos mais felizes, reforçamos nossos sentimentos de autoconfiança e auto-estima; Acreditamos que somos seres humanos dignos, merecedores de respeito. Uma vantagem final e talvez menos apreciada é que, se nos tornarmos mais felizes, beneficiaremos não só a nós mesmos, mas também aos nossos parceiros, famílias, comunidades e até mesmo a sociedade em geral.

6 razões para ser feliz

Ao longo da última década, toda uma indústria brotou prometendo os segredos para a felicidade. Existem livros mais vendidos como The Happiness Project, The Happiness Advantage e The How of Happiness e programas de felicidades como Happiest.

Mas todos esses livros e aulas levantam a questão: por que se preocupar? Muitos de nós preferimos nos concentrar em impulsionar nossa produtividade e sucesso ao invés de nossas emoções positivas. Ou talvez tenhamos tentado ficar mais felizes, mas sempre parecemos prejudicados por contratempos. Por que continuar tentando ser feliz?

Estudos científicos têm descoberto que a felicidade pode tornar nossos corações mais saudáveis, nosso sistema imunológico mais forte e nossa vida mais longa. A felicidade e a saúde podem, de fato, ser um círculo virtuoso, mas os pesquisadores ainda estão tentando entender sua relação. Se você precisar de alguma motivação extra para ficar mais feliz, confira essas seis maneiras em que a felicidade tem sido associada à boa saúde.

1 – Ser feliz protege o coração

O amor e a felicidade podem não se originar no coração, mas são bons para isso. Por exemplo, um artigo de 2005 descobriu que a felicidade prevê uma menor freqüência cardíaca e pressão arterial. No estudo, os participantes classificaram sua felicidade mais de 30 vezes em um dia e depois novamente três anos depois. Os participantes inicialmente mais felizes tiveram uma freqüência cardíaca mais baixa no seguimento (cerca de seis batimentos mais lentos por minuto), e os participantes mais felizes durante o seguimento tiveram melhor pressão arterial.

A pesquisa também descobriu um vínculo entre a felicidade e outra medida da saúde do coração: a variabilidade da freqüência cardíaca, que se refere ao intervalo de tempo entre os batimentos cardíacos e está associada ao risco de várias doenças. Em um estudo de 2008, os pesquisadores monitoraram 76 pacientes suspeitos de ter doença arterial coronariana. A felicidade foi ligada a corações mais saudáveis, mesmo entre pessoas que podem ter problemas cardíacos? Parecia: os participantes que se avaliaram como felizes no dia em que seus corações foram testados apresentaram um padrão mais saudável de variabilidade da frequência cardíaca naquele dia.

Saúde do coração

Ao longo do tempo, esses efeitos podem somar-se a graves diferenças na saúde do coração. Em um estudo de 2010, pesquisadores convidaram cerca de 2.000 canadenses para o laboratório para falar sobre sua raiva e estresse no trabalho. Os observadores classificaram-nos em uma escala de um a cinco na medida em que expressaram emoções positivas como alegria, felicidade, entusiasmo, entusiasmo e contentamento. Dez anos depois, os pesquisadores fizeram check-in com os participantes para ver como eles estavam fazendo – e descobriu-se que os mais felizes eram menos propensos a desenvolver doença cardíaca coronária. Na verdade, para cada aumento de um ponto em emoções positivas que eles expressaram, seu risco de doença cardíaca foi 22 por cento menor.

ser feliz protege o coração

Ser feliz protege o coração

2 – Ser feliz fortalece o sistema imunológico

Você conhece uma pessoa rabugenta que sempre parece ficar doente? Isso pode não ser coincidência: pesquisas apontam um vínculo entre felicidade e um sistema imunológico mais forte.

Em um experimento de 2003, 350 adultos ofereceram-se para se expor ao resfriado comum (não se preocupe, eles foram bem compensados). Antes da exposição, os pesquisadores os chamaram seis vezes em duas semanas e perguntaram o quanto tinham experimentado nove emoções positivas – como sentir-se enérgico, satisfeito e calmo – naquele dia. Após cinco dias em quarentena, os participantes com as emoções mais positivas foram menos propensos a desenvolver um resfriado.

Ser feliz reduz as chances de ter doenças

Alguns dos mesmos pesquisadores queriam investigar por que pessoas mais felizes poderiam ser menos suscetíveis a doenças, então, em um estudo de 2006, eles forneceram a 81 estudantes de pós-graduação a vacina contra a hepatite B. Depois de receber as duas primeiras doses, os participantes se avaliaram nas mesmas nove emoções positivas. Os que estavam com emoção positiva tinham quase duas vezes mais chances de ter uma alta resposta de anticorpos à vacina – um sinal de um sistema imunológico robusto. Em vez de apenas afetar os sintomas, a felicidade parecia estar trabalhando literalmente em um nível celular.

Um experimento muito anterior descobriu que a atividade do sistema imunológico no mesmo indivíduo subiu e desceu dependendo de sua felicidade. Durante dois meses, 30 estudantes dentários masculinos tomaram comprimidos contendo uma proteína de sangue inofensiva de coelhos, o que causa uma resposta imune em humanos. Eles também avaliaram se eles experimentaram emoções positivas nesse dia. Nos dias em que eles estavam mais felizes, os participantes tiveram uma resposta imune melhor, conforme medido pela presença de um anticorpo na sua saliva que defende contra substâncias estranhas.

Ser feliz ajuda a fortalecer o sistema imunológico

Ser feliz ajuda a fortalecer o sistema imunológico

3 – Ser feliz combate o estresse

O estresse não só é perturbador ao nível psicológico, mas também desencadeia mudanças biológicas em nossos hormônios e pressão arterial. A felicidade parece moderar esses efeitos, ou pelo menos nos ajudar a recuperar mais rapidamente.

No estudo mencionado acima, onde os participantes classificaram sua felicidade mais de 30 vezes em um dia, os pesquisadores também encontraram associações entre felicidade e estresse. Os participantes mais felizes tinham níveis de 23 por cento mais baixos do cortisol, hormônio do estresse, do que os menos felizes. E, outro indicador de estresse – o nível de uma proteína de coagulação do sangue que aumenta após o estresse – foi 12 vezes menor.

Felicidade x estresse

A felicidade também parece ter benefícios mesmo quando o estresse é inevitável. Em um estudo de 2009, alguns pesquisadores decidiram estressar estudantes de psicologia e ver como eles reagiam. Os alunos foram levados a uma câmara à prova de som, onde primeiro responderam perguntas indicando se geralmente sentiam 10 sentimentos como o entusiasmo ou o orgulho. Então veio o seu pior pesadelo: eles tiveram que responder a uma pergunta de estatísticas extremamente difícil ao serem gravados em vídeo, e lhes foi dito que seu professor avaliaria sua resposta. Ao longo do processo, seu coração foi medido com uma equipamento de eletrocardiograma (ECG) e um monitor de pressão sanguínea. Na sequência desse estresse, os corações dos alunos mais felizes se recuperaram mais rapidamente.

Ser feliz combate o estresse

Ser feliz ajuda a reduzir o estresse do dia a dia. Deixa

4 – Pessoas felizes sentem menos dores

A infelicidade pode ser dolorosa – literalmente.

Um estudo de 2001 pediu aos participantes que avaliassem sua experiência recente de emoções positivas, e depois (cinco semanas depois) quanto eles experimentaram sintomas negativos como tensão muscular, tonturas e azia desde que o estudo começou. As pessoas que relataram os níveis mais altos de emoção positiva no início realmente se tornaram mais saudáveis durante o curso do estudo e acabaram mais saudáveis do que suas contrapartes infelizes. O fato de que sua saúde melhorou em cinco semanas (e a saúde dos participantes mais infelizes declinou) sugere que os resultados não são apenas evidências de pessoas de bom humor, dando melhores classificações de saúde do que pessoas de mau humor.

Um estudo de 2005 sugere que a emoção positiva também mitiga a dor no contexto da doença. As mulheres com artrite, fibromialgia e dor crônica classificaram-se semanalmente sobre emoções positivas, como interesse, entusiasmo e inspiração por cerca de três meses. Ao longo do estudo, aqueles com maior classificação global foram menos propensos a experimentar aumentos de dor.

Ser feliz ajuda a reduzir dores crônicas

Ser feliz ajuda a reduzir dores crônicas

5 – Ser feliz combate doenças e deficiências

A felicidade também está associada a melhorias em condições mais severas e de longo prazo, e não apenas dores e dores de curto prazo.

Em um estudo de 2008 com cerca de 10.000 australianos, os participantes que relataram ser felizes e satisfeitos com a vida foram quase 1,5 vezes menos propensos a ter condições de saúde a longo prazo (como dor crônica e sérios problemas de visão) dois anos depois. Outro estudo no mesmo ano descobriu que as mulheres com câncer de mama recordaram ser menos felizes e otimistas antes do diagnóstico do que as mulheres sem câncer de mama, sugerindo que a felicidade e o otimismo podem ser protetores contra a doença.

À medida que os adultos se tornam idosos, outra condição que muitas vezes os aflige é a fragilidade, que é caracterizada por força, resistência e equilíbrio, e coloca-os em risco de incapacidade e morte. Em um estudo de 2004, mais de 1,550 mexico-americanos de 65 anos ou mais avaliaram quanto auto-estima, esperança, felicidade e prazer sentiram na semana passada. Após sete anos, os participantes com classificações de emoções mais positivas foram menos propensos a serem frágeis. Alguns dos mesmos pesquisadores também descobriram que as pessoas idosas mais felizes (pela mesma medida de emoção positiva) eram menos propensas a ter um AVC nos seis anos seguintes. Isso foi particularmente verdadeiro para os homens.

ser feliz ajuda a lidar com deficiências

Ser feliz ajuda a superar deficiências e ter uma vida saudável

6 – Felicidade aumenta a expectativa de vida

No final, o indicador de saúde final pode ser a longevidade – e aqui, especialmente, a felicidade entra em jogo. Em um dos estudos mais famosos da felicidade e da longevidade, a expectativa de vida das freiras católicas estava ligada à quantidade de emoção positiva que eles expressavam em um ensaio autobiográfico que escreveram ao entrar no convento décadas antes, geralmente na década de 20. Os pesquisadores pegaram essas amostras de escrita para expressões de sentimentos como diversão, satisfação, gratidão e amor. No final, as freiras mais felizes viveram 7-10 anos maiores do que o mínimo feliz.

Você não precisa ser uma freira para experimentar os benefícios que se prolongam na vida da felicidade, no entanto. Em um estudo de 2011, quase 4.000 adultos ingleses de 52 a 79 anos relataram o quanto feliz, entusiasmado e conteúdo foram várias vezes em um único dia. Aqui, as pessoas mais felizes tinham 35% menos probabilidades de morrer no decorrer de cerca de cinco anos do que suas contrapartes mais infelizes.

Ser feliz aumenta a expectativa de vida

Ser feliz contribui para aumentar a longevidade

Felicidade e longevidade

Embora a felicidade possa prolongar nossas vidas, não pode realizar milagres. Há alguma evidência de que o vínculo entre felicidade e longevidade não se estenda ao mal, ou pelo menos não ao muito enfermo.

Uma meta-análise de 2005 especula que experimentar emoção positiva é útil em doenças com uma longa linha de tempo. Porém, pode ser realmente prejudicial na doença em estágio tardio. Os autores citam estudos mostrando que a emoção positiva reduz o risco de morte em pessoas com diabetes e AIDS. No entanto, aumenta o risco em pessoas com câncer de mama metastático. E também nos casos melanoma em estágio inicial e doença renal em estágio final. Esse risco aumentado pode ser devido ao fato de que as pessoas mais felizes não relatam seus sintomas. Com isso, não recebem o tratamento certo.  Também não se preocupam por serem excessivamente otimistas.

O importante é ser feliz!

À medida que a ciência da felicidade e da saúde amadurece, os pesquisadores estão tentando determinar o papel que, se houver, a felicidade realmente desempenha em causar benefícios para a saúde. Eles também estão tentando distinguir os efeitos de diferentes formas de felicidade. Incluindo emoções positivas e satisfação de vida. Os efeitos da felicidade “extrema” e outros fatores. Por exemplo, um novo estudo sugere que devemos olhar não apenas nos níveis de satisfação da vida. Mas, na variabilidade da satisfação da vida. Os pesquisadores descobriram que a baixa satisfação da vida com muitas flutuações – ou seja, um nível instável de felicidade – estava vinculada a uma morte ainda mais precoce do que a baixa vida satisfação sozinha.

Tudo o que disse, o estudo dos benefícios para a saúde da felicidade ainda é jovem. Vai levar tempo para descobrir os mecanismos exatos pelos quais a felicidade influencia a saúde. Bem como fatores como as relações sociais e o exercício se encaixam. Mas, entretanto, parece seguro imaginar que, mais feliz, você será mais saudável.

Procurando Psicólogos em São Paulo? Agende hoje mesmo uma consulta!

Referências:

Esse artigo é parte integrante do conteúdo do curso online: The Science of Happiness

LYUBOMIRSKY, Sonja. The How of Happiness: A New Approach to Getting the Life You Want. New York, Penguin Press, 2007, pp. 24-26.

Tradução e adaptação do artigo em inglês: Six ways happiness is good for your health

 

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.