Síndrome de Asperger

Síndrome de Asperger – Características, diagnóstico e tratamento

  |  Tempo de leitura: 11 minutos

Síndrome de Asperger  é um transtorno neurobiológico enquadrado dentro da categoria Transtornos do Neurodesenvolvimento, de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V).  

A Síndrome de Asperger afeta a forma como as pessoas percebem o mundo e interagem com outras pessoas.  Trata-se de um dos perfis  ou espectro de autismo, o chamado Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Pessoas com Asperger vêem, ouvem e sentem o mundo de forma diferente de outras pessoas. Se você tem síndrome de Asperger, você tem um quadro para a vida – não é uma doença e, portanto, não pode ser “curada”. Muitas vezes, as pessoas sentem que a Síndrome de Asperger é um traço fundamental da sua identidade.

Espectro do Autismo

O autismo é uma condição de espectro. Todas as pessoas autistas compartilham certas dificuldades, mas ser autista tem implicações particulares e únicas em cada indivíduo. Algumas pessoas com síndrome de Asperger também têm problemas de saúde mental ou outras condições, o que significa que as pessoas precisam de diferentes níveis e tipos de apoio.

Pessoas com Síndrome de Asperger possuem inteligência média ou acima da média. Eles geralmente não têm dificuldades de aprendizagem que muitas pessoas autistas têm, mas podem ter dificuldades específicas de aprendizagem. Eles têm menos problemas com a fala, mas ainda podem ter dificuldades em entender e processar a linguagem.

Com o tipo certo de apoio, todos podem ser ajudados a viver uma vida mais gratificante de sua própria escolha.

Descubra quantas pessoas têm autismo, como as pessoas com síndrome de Asperger vêem o mundo, como a síndrome de Asperger é diagnosticada e como você pode ajudar.

Quão comum é a Síndrome de Asperger?

O autismo, incluindo a síndrome de Asperger, é muito mais comum do que a maioria das pessoas pensa. De acordo com o jornal El País, cerca de 1% da população mundial tem algum tipo de TEA, segundo dados dos Centros para o Controle e a Prevenção de Doenças do Governo dos Estados Unidos. E segundo a revista especializada Jama Pediatrics, mais de 3,5 milhões de norte-americanos têm autismo, enquanto no Reino Unido 604.000 pessoas são classificadas dentro desse espectro.

Estima-se que o Brasil tenha hoje cerca de 2 milhões de autistas. Aproximadamente 407 mil pessoas somente no estado de São Paulo. As pessoas com síndrome de Asperger vêm de todas as nacionalidades e contextos culturais, religiosos e sociais, embora pareça afetar mais homens do que mulheres.

Como as pessoas com Síndrome de Asperger vêem o mundo?

Algumas pessoas com Síndrome de Asperger afirmam sentir o mundo de forma esmagadora e isso pode causar grande ansiedade.

Em particular, entender e se relacionar com outras pessoas, participar de toda a vida familiar, escolar, laboral e social pode ser mais difícil. Outras pessoas parecem saber, intuitivamente, como se comunicarem e interagirem uns com os outros, mas também podem lutar para construir um relacionamento com pessoas com Síndrome de Asperger. Pessoas com Síndrome de Asperger podem se perguntar por que são “diferentes” e sentir que suas diferenças sociais significam que as pessoas não as entendem.

Pessoas autistas, incluindo aqueles com Síndrome de Asperger, muitas vezes não “parecem” incapacitadas. Alguns pais de crianças autistas dizem que outras pessoas simplesmente pensam que seu filho é levado, enquanto os adultos acham que eles são mal interpretados.

Diagnóstico

O diagnóstico é a identificação formal da condição. Geralmente é realizado por uma equipe de diagnóstico multidisciplinar, incluindo frequentemente um fonoaudiólogo, pediatra, psiquiatra e psicólogo. Como a Síndrome de Asperger varia muito de pessoa para pessoa, fazer um diagnóstico pode ser difícil. Pode ser diagnosticado tardiamente em crianças, quando comparado a outros espectros do autismo. Algumas dificuldades podem não ser reconhecidas e diagnosticadas até a idade adulta. 

Os benefícios de um diagnóstico

Algumas pessoas vêem um diagnóstico formal como um rótulo inútil. No entanto, obter uma avaliação e diagnóstico oportuna e completa pode ser útil porque:

  • Isso ajuda pessoas com Síndrome de Asperger (e suas famílias, parceiros, empregadores, colegas, professores e amigos) a entender por que eles podem enfrentar certas dificuldades. E o que podem fazer sobre elas;
  • Permite que as pessoas tenham acesso a serviços e suporte.

Saiba mais sobre o diagnóstico e como obter um

Obter um diagnóstico formal de autismo pode significar acesso ao suporte certo. Representa também uma explicação de porque certas coisas são tão difíceis. Há uma série de “testes de autismo” on-line, mas estes não podem garantir um diagnóstico preciso. Esses testes não substituem um diagnóstico formal.

Como a síndrome de Asperger é diagnosticada

Se você deseja obter um diagnóstico assertivo, o primeiro passo é agendar uma consulta com um psicólogo ou neuropsicólogo. Profissionais especializados em transtornos de desenvolvimento podem ajudá-lo com as orientações sobre o tratamento mais adequado. Sites como a Vittude proporcionam a pais e tutores uma forma fácil e rápida de encontrar um profissional altamente qualificado.

As características da Síndrome de Asperger variam de uma pessoa para outra. Para que um diagnóstico seja confirmado, o indivíduo provavelmente terá apresentado dificuldades persistentes com comunicação social, interação social e padrões restritos e repetitivos de comportamentos, atividades ou interesses desde a primeira infância. Esses padrões, em geral,  “limitam e prejudicam o funcionamento cotidiano”.

O autismo é uma condição de espectro. Todas as pessoas autistas compartilham certas dificuldades, mas ser autista afetará cada indivíduo de maneira diferente.

Essas diferenças, juntamente com as diferenças na abordagem diagnóstica, resultaram em uma variedade de termos usados ​​para diagnosticar pessoas autistas. Os termos que foram usados ​​incluem autismo, transtorno do espectro do autismo (TEA), condição do espectro do autismo, autismo atípico, autismo clássico, autismo Kanner, transtorno invasivo do desenvolvimento, autismo com alto funcionamento e Síndrome de Asperger.

Devido às mudanças recentes e futuras dos principais manuais de diagnóstico, o “transtorno do espectro do autismo” (TEA) provavelmente se tornará o termo diagnóstico mais comum. No entanto, os clínicos ainda usarão termos adicionais para ajudar a descrever o perfil de autismo particular apresentado por um indivíduo.

Dificuldades persistentes com comunicação social e interação social

Comunicação social

Pessoas autistas, incluindo aqueles com Síndrome de Asperger, têm dificuldade em interpretar linguagem verbal e não verbal como gestos ou tom de voz. Muitos têm uma compreensão muito literal da linguagem. Em geral, não conseguem compreender quando as pessoa utiliza uma palavra com segunda interpretação. Por exemplo, quando alguém utiliza a expressão “aquela mulher é uma gata”. É muito difícil compreender, que gata, nesse contexto, significa beleza e não o animal. Eles podem achar difícil usar ou entender:

  • Expressões faciais
  • Tom de voz
  • Piadas e sarcasmo
  • Imprecisão
  • Conceitos abstratos.

As pessoas com Síndrome de Asperger geralmente têm boas habilidades linguísticas. Porém, ainda podem achar difícil entender as expectativas dos outros dentro de conversas. Podem repetir o que a outra pessoa acabou de dizer (isto é chamado de ecolalia) ou conversar extensamente sobre seus próprios interesses.

É importante falar de forma clara e consistente e a dar tempo às pessoas para processar o que lhes foi dito. 

Interação social

As pessoas com Síndrome de Asperger têm dificuldade em “ler” outras pessoas. Reconhecer ou entender os sentimentos e intenções dos outros. Expressar suas próprias emoções. Torna-se muito difícil para eles a interação no mundo social. Eles podem:

  • Parecer ser insensíveis;
  • Procurar tempo sozinho quando sobrecarregado por outras pessoas;
  • Não procurar o conforto e carinho de outras pessoas;
  • Se comportar “estranhamente” ou de uma maneira considerada, por outros, como socialmente inapropriada.

Pode ser difícil criar amizades. Alguns podem desejar interagir com outras pessoas e fazer amigos, mas podem não ter certeza de como realizar isso.

Padrões restringidos e repetitivos de comportamentos, atividades ou interesses

Comportamento repetitivo e rotinas

O mundo pode parecer um lugar muito imprevisível e confuso para pessoas com Síndrome de Asperger. Indivíduos com Asperger, muitas vezes preferem ter uma rotina diária para que eles saibam o que acontecerá todos os dias. Eles costumam seguir o mesmo trajeto para a escola ou trabalho. Gostam de comer exatamente o mesmo alimento no café da manhã, por exemplo.

O uso de regras também pode ser importante. Pode ser difícil para alguém com Asperger ter uma abordagem diferente para algo, uma vez que eles tenham sido ensinados a maneira “certa” de fazê-lo. Podem não se sentir confortáveis ​​com a ideia de mudança, mas podem ser capazes de lidar melhor se puderem preparar as mudanças com antecedência. 

Interesses altamente focados 

Muitas pessoas com Síndrome de Asperger têm interesses intensos e altamente focados, muitas vezes de uma idade bastante jovem. Estes podem mudar ao longo do tempo ou manter-se inalterados ao longo da vida, como artes, música, gosto por carros ou computadores. Um interesse às vezes pode ser incomum. Uma pessoa adorava colecionar lixo, por exemplo. Com o encorajamento, a pessoa desenvolveu interesse na reciclagem e no meio ambiente.

Muitos canalizam seu interesse para estudos, trabalho, voluntariado ou outra ocupação significativa. Pessoas com Síndrome de Asperger relatam frequentemente que a busca de tais interesses é fundamental para seu bem-estar e felicidade

Sensibilidade sensorial 

Pessoas com Síndrome de Asperger também podem experimentar maior ou menor sensibilidade a sons, toques, gostos, cheiros, luz, cores, temperaturas ou dor. Por exemplo, eles podem encontrar certos sons de fundo, que outras pessoas ignoram ou bloqueiam, insuportavelmente alto ou distrativo. Isso pode causar ansiedade ou até mesmo dor física. Ou eles podem estar fascinados por luzes ou objetos giratórios. 

Causas e curas 

O que causa a síndrome de Asperger?

A causa exata do autismo (incluindo a Síndrome de Asperger) ainda está sendo investigada. Pesquisas sugerem que uma combinação de fatores – genéticos e ambientais – podem explicar diferenças no desenvolvimento. Não é causada pela educação de uma pessoa, suas circunstâncias sociais e não é culpa do indivíduo com a condição. 

Existe uma cura? 

Não há “cura” para a síndrome de Asperger. No entanto, há uma série de estratégias e abordagens úteis para melhores condições de vida. 

Como você pode ajudar 

Você pode ajudar pessoas com síndrome de Asperger e suas famílias da seguinte forma:

Divulgando sua compreensão sobre autismo

Famosos com Síndrome de Asperger

  • Bill Gates
  • Vicent Van Gogh
  • Albert Einstein
  • Isaac Newton
  • Nikola Tesla
  • Steven Spielberg
  • Tim Burton
  • Woody Allen
  • Keanu Reeves
  • Lionel Messi
  • Michael Phelps
  • Ludwig Van Beethoven
síndrome de asperger famosos
O jogador de futebol Lionel Messi é um dos famosos diagnosticados com Síndrome de Asperger

Encontre seu psicólogo hoje mesmo. Visite o site da Vittude e agende sua consulta!

Fontes:
Texto traduzido e adaptado por Vittude do artigo em inglês Asperger Syndrome

Artigo revisado em: 12/12/2019

Gostou do post? Então assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de nossos conteúdos e novidades!

Outros artigos que podem interessar:

Depressão: causas, sintomas físicos, tratamentos e prevenção

Síndrome de Borderline: conheça os sintomas e tratamentos deste transtorno

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta

Avalie esse artigo:

Artigo publicado em Neuropsicologia

Comentários:

33 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Sarah Micucci-Escritora
5 meses atrás

Gente, Messi não tem autismo e nem asperger. Isso é fake news. Não proliferem esse tipo de notícia, isso afeta a carreira dele. Verifiquem os outros também.
Que horror.

Leon Kennedy
8 meses atrás

O que ficou confuso pelo menso pra mim nessa matéria foi misturar autismo com essa tal síndrome. Eu nao sabia se vcs estavam falando sobre o autismo ou a síndrome, na verdade eu sabia, mas achei desnecessario ficar colocando autismo se ja foi explicado no primeiro paragrafo q asperger é uma “forma” de autismo

Ítalo S. G. Espinosa da Emboaba
9 meses atrás

Fui diagnosticado hoje aos 26 anos, ainda não sei o que está acontecendo direito, mas eu estou e vivendo normal como eu já vivo.

Kauan Reymon
10 meses atrás

eu tenho sindrome de asperger,mas sou bem normal,só sinto que tipo chato nao sou mas nao sou interessante,mas nao ligo tanto pra isso estou criando a ideia que nao preciso de amigos mas eu mesmo sou um dos melhores amigos meus serei animador no futuro e possuo um universo imaginario próprio que faço para me divertir mas sera interessante outras pessoas conhecerem e tambem poderei desenvolve-lo melhor,sou normal até só tenho uns problemas meio estranhos

Carlos Henrique Trindade
11 meses atrás

Tatiana, Asperger é considerado Necessidade Especial? Quem tem Asperger pode concorrer a vagas PCD?

Suzana Miranda Cardoso
11 meses atrás

O texto foi plausivelmente bom!
entretanto, a informação sobre Messi está equivocada, Messi não foi diagnosticado com autismo, e sim um jornalista chamado Roberto Amaro que analisando o comportamento de Messi atraves de videos e entrevistas sugeriu que ele fosse autista. Na verdade ele afirmou, no entanto ele não é autista…

Antes de publicar pesquise bastante, o senso comum é terrível….

Pedro Henrique Almeida
1 ano atrás

Fui diagnosticado com Síndrome de Asperger com incríveis 4 anos de idade e sempre tive essas características citadas na matéria. Desde pequeno tive acompanhamento com psicólogos, pedagogos, neurologistas e pediatras. Até hoje tenho. Não gosto muito de ser assim, porque eu queria saber como as pessoas sem Asperger veem o mundo. Embora a minha Síndrome de Asperger me afete muito mais apenas comigo mesmo do que com minhas interações sociais, ainda tenho muito que melhorar buscando estratégias para amenizar esse desconforto que às vezes aparece.

1 ano atrás

Bom dia… estamos enfrentando muitas dificuldades para conseguir profissionais que atendam adulto. Tenho um enteado de 27 anos. O CAPS, AMA, não aceitam atendê-lo. Vocês conhecem alguma ONG que atenda adultos? Estamos no ABC Paulista, mas podemos nos deslocar para conseguir atendimento. Grata!

2 anos atrás

Alguém conhece algum grupo ou página atualizada pelos próprios portadores da síndrome? Eu não gosto dessas páginas mantidas por mães, elas romantizam muito e no fundo não sabem o que a gente passa.

2 anos atrás

Eu também sou Asperger mas já descobri tardiamente com 22 anos no momento no meio de um processo de adoção por incrível que pareça, assim que eu minha ex-mulher estávamos realizando tos exames sociopsicologico a psicóloga me achou diferente nas respostas aplicou alguns testes escritos, perguntas sobre toda minha vida até aquele instante e o que.esperava com a experiência da paternidade…. Passei depois com um outro profissional que também fez alguns testes e fui diagnosticado ” ASPII “, contudo com o diagnóstico feito e todos os relatórios expedidos consegui junto com a mãe do meu filho (ex-mulher) realizarmos a nossa… Read more »

Kimicando CE
2 anos atrás

Pessoal, meu filho tem 2 anos e meio. Desde 1 ano e poucos meses sabe identificar as letras e números. Com um ano e meio já sabia contar de 1 até 20 e falar o alfabeto de frente pra trás e trás pra frente. Reconhece cores. Hoje sabe falar as cores em ingles e portugues, como o alfabeto e os números. Na escola começou a ser avaliado pelo psicopedagogo, que desconfia do TEA. Marcamos consulta pra o Neuro mas ainda não fomos. Nesse tempo investigando o autismo, vejo muitas características no meu filho. Fixação por letras e números. A ecolalia.… Read more »

2 anos atrás

hoje sou alegre em ser asperger, tive algumas dificuldades no passado mais hoje tenho emprego bom sou uma pessoa que consegue ter uma vida social boa sou comunicativo, tem hora que dou rata mais quem nunca erra né rsrs, ano quivem quero começar uma nova etapa na vida… um sonha de fazer faculdade de engenharia da computação e ser um novo bill gates na vida né.

2 anos atrás

MAIS ASSIM ALBERT ASISTEN TEM ESA SINDROME E FOI UM DOS CARAS CONSIDERADOS GENIOS ISSON E BOM?

2 anos atrás

Um fato que ficou na história, na infância do meu filho, Julian, asperger, hoje com dezenove anos. O processo na fala dele foi bem demorado, começou a falar com quatro anos. Onde moro havia um senhor, ele ficava andando em um determinado trecho da avenida, me desculpem os mais sensíveis, mas ele parecia um pirata, se o colocassem em algum filme, tipo “os piratas do Caribe”, faria sucesso. Ele mancava de uma perna e xingava a todos que passavam por ele, a todos, sem exceção, e xingava com palavras bem pesadas… Um dia, saindo de bicicleta com Julian, ele ainda… Read more »

Walkyria das Merces
2 anos atrás

Durante minha infância era chamada de retardada. Na adolescência eu era a esquisita, a estranha, a bizarra. Na faculdade me apelidaram de gênio. Cansei de ouvir de meus filhos, “Mãe, a senhora não é normal”, “Mãe, a senhora é um ET”, e dos coleguinhas deles, “A mãe de vocês não é normal”. Hoje, com 68 anos e muito de bem com a vida, nem precisaria de avaliações e diagnósticos para saber que sou autista e, sem qualquer sombra de dúvida, sou “asperger”. Aprendi e continuo a aprender a lidar com o meu especial perfil. Chego mesmo a tirar proveitos de… Read more »

Karloz Höffer
2 anos atrás

Eu fui diagnosticado com Asperger depois de adulto, e até hoje sofro muitas dificuldades para a sobrevivência social… isso influi em emprego, amizades, relacionamentos, e outros quesitos essenciais para a sobrevivência humana.

Marcia Nunes
2 anos atrás

O texto está excelente, mas se me permite, gostaria de fazer uma correção: onde está escrito “ecolologia” , seria ecolalia, que significa repetir a fala do outro.

patricia soares
2 anos atrás

Olá! Tenho um filho de 7 anos, em setembro passado foi fechado o diagnóstico dele de Asperger, é tudo muito novo para mim, apesar que eu já desconfiava. Na minha família muitas pessoas têm problemas mentais severos e eu sabia que corria esse risco.Desde maio de 2016 meu filho era acompanhado por uma equipe de fonoaudióloga, psicologa, psicopedagoga e neuropediatra. A escola percebeu algo incomum nele e me orientou. Às vezes me sinto angustiada, foi uma difícil escolha ser mãe, devido a essa carga genética que sei que possuo,então fui mãe aos 38 anos mas isso me deu uma excelente… Read more »

Samanta Holanda
2 anos atrás

Bom dia, hoje recebemos o diagnóstico definitivo que meu filho de 8 anos tem Asperger. Tudo começou quando ele tinha 2 anos e eu achava estranho alguns comportamentos dele e a dificuldade que ele tinha de se relacionar com outras crianças. Levei em um Neuropediatra. Durante todos esses anos fizemos avaliações e acompanhamentos com psicologo, fono e o neuro. Não mudei de profissional pois confio no médico que escolhi. E hoje, conseguimos fechar o diagnóstico. Eu já esperava, mas receber a confirmação foi algo que me doeu e angustiou muito, principalmente em relação ao desenvolvimento dele na escola. Até o… Read more »

Elane Alana
2 anos atrás

Boa noite! Tenho uma filha de 1 ano e 10 meses e vejo nela alguns sintomas .ela fala normal ,mas tem horas que pego ela fazendo movimentos repetidos e esses movimentos é des dos 5 meses de vida assisti o mesmo desenho se coloca outro começa a chora ,quando não gosta de uma coisa fica com raiva quer ate morde ou beliscar. Fica batendo a cabeça na parede porque achando engraçado .sera que ela pode ter Asperger!?

Ayanokouji
3 anos atrás

Eu me vejo em varios sintomas , mas na questao da inteligencia nao sei se me encaixo , a tantas duvidas na minha cabeça , pois sempre tivi a sensaçao de que a algo de errado comigo .