Conheça as 5 principais emoções humanas

  |  Tempo de leitura: 8 minutos

Convivemos com as nossas emoções o tempo todo. Elas fazem parte de quem somos e do nosso dia a dia. Antes de entendermos um pouco mais sobre o assunto, é importante ter clareza de que sentimentos e emoções são coisas diferentes. É muito comum as pessoas considerarem sinônimos, mas na realidade não são.

Basicamente, a emoção é um conjunto de respostas químicas e neurais que surgem quando o cérebro sofre um estímulo ambiental. Já o sentimento é uma resposta à emoção, ou seja, se trata de como a pessoa se sente diante de tal emoção. Portanto, apesar de distintos, emoção e sentimento estão intimamente conectados.

Para ficar um pouco mais claro, entenda que quando você é exposto a algum tipo de situação, o cérebro libera hormônios que alteram o seu estado emocional. Podem até ocorrer algumas reações físicas, como choro ou suor, por exemplo. Vale ressaltar que diante de algum acontecimento, cada pessoa tem uma emoção diferente e ela costuma ser mais passageira.

Por outro lado, o sentimento pode durar muito tempo. Os sentimentos negativos podem ocasionar em doenças como depressão e o amor que também pode resistir por anos e anos. Alguns exemplos de sentimentos são o ódio, a compaixão, o amor, a decepção e a inveja.

Emoções: entenda quais são os tipos que existem

Bom, agora vamos focar nas emoções! Existem três tipos: as primárias, as secundárias e as de fundo.

Primárias: são aquelas facilmente perceptíveis pelas pessoas, como o medo e a alegria.

Secundárias: não são tão fáceis de notar, como por exemplo, o nervosismo, a culpa ou a vergonha.

De fundo: são as não perceptíveis, como a calma ou fadiga. Elas são difíceis de serem percebidas porque estão mais relacionadas ao mundo interno do indivíduo do que ao externo.

Conheça as 5 emoções universais

Situações que vivenciamos no dia a dia nos despertam diversas emoções. E você sabia que existem 5 emoções que são consideradas universais? Elas são o medo, a tristeza, a alegria, a raiva e o nojo.

Já se lembrou do filme Divertida Mente? Isso mesmo. A animação apresenta as nossas emoções de uma maneira muito leve e didática. Se você ainda não assistiu, a nossa recomendação é que tire um tempinho para ver esse filme.

Outra dica é conferir o Atlas das Emoções, criado pelo líder espiritual Dalai Lama. É um site interativo que tem como objetivo ajudar as pessoas a compreenderem melhor as 5 emoções universais. E, para começar, vamos falar um pouco sobre elas!

Medo

O medo é um mecanismo de proteção que nos mantém vivos. Sem essa emoção, nos colocaríamos em situações perigosas sem pensar duas vezes sobre os possíveis riscos. O medo, por sua vez, evita que isso aconteça, pois é uma reação involuntária e natural.

Sabe quando você vê aquela cobra gigante ou percebe que está prestes a sofrer um assalto a mão armada? Essas são algumas das situações que fazem o cérebro ser ativado involuntariamente, liberando substâncias que disparam o coração, tornam a respiração ofegante etc.

Nesses casos, você se depara com o perigo e sabe que se não fizer algo poderá morrer, portanto, o medo entra em cena. Ele te faz correr para bem longe da cobra e tentar fugir do assaltante, por exemplo. Sempre que se sentir amedrontado, o medo te fará reagir de alguma forma.

Raiva

A raiva excessiva e constante pode ser muito nociva para a sua vida, mas sabia que essa emoção também funciona como um mecanismo de proteção? O sentimento de injustiça gera a raiva para que possamos agir em prol do que acreditamos. Portanto, uma raiva moderada e controlada pode ser útil para ajudar a entender o que está errado em sua vida e buscar motivação para possíveis soluções. Além disso, a liberação da raiva ajuda a descarregar uma carga de tensão acumulada.

No entanto, é importante ficar ligado na raiva descontrolada. Isso porque essa emoção pode interferir diretamente nas pessoas ao nosso redor. O trânsito caótico, reuniões, filas e outros tipos de frustrações podem gerar uma enorme raiva interna. Porém, o erro é se deixar consumir por essa emoção e descontar em quem está ao seu lado.

É claro que momentos estressantes fazem parte do dia a dia e a raiva consequentemente virá. Para não se tornar refém da emoção, busque aprender como administrar a raiva de forma saudável para que a mesma não afete negativamente o seu dia a dia e as suas relações.

Alegria

A emoção mais positiva é a alegria, que está diretamente associada ao prazer e à felicidade. Quando você alcança algum objetivo pessoal ou profissional, por exemplo, é essa emoção que toma conta de si.

A alegria é uma das formas que o corpo tem para incentivar a ação, além de atuar como uma recompensa também. Imagine que você está em busca de uma promoção no emprego, trabalhando muito e competindo com outros funcionários por esse aumento. O que te motiva? Saber que se alcançar esse objetivo você será beneficiado por uma intensa alegria, certo? 

Caso não consiga, provavelmente você será dominado pela tristeza por um certo período, algo que não gostamos tanto assim de sentir. A recompensa com certeza será a alegria e quando a atingimos, queremos vivenciar novamente essa sensação de prazer (ou seja: somos motivados!).

É importante se lembrar de que é impossível ser feliz o tempo todo, portanto, é preciso estar pronto para lidar com dificuldades e frustrações. A tristeza compõe as nossas emoções porque é importante para fortalecimento e amadurecimento de quem somos.

Nojo

O nojo gera a repulsa ou a necessidade de rejeitar algo, criando uma sensação de desagrado nítida. Um exemplo clássico são as crianças que fazem cara feia e de nojo para as verduras e legumes – trata-se de uma resposta de repulsa diante da chance (real ou imaginária) de ingerir algo nocivo.

Como efeito fisiológico mais comum podemos citar as náuseas e o mal-estar gastrointestinal. A principal função do nojo é evitar qualquer tipo de estímulo que possa provocar uma intoxicação. Além da questão da ingestão, o nojo também está associado a um caráter mais social, como por exemplo, por meio da rejeição de estímulos sociais, situações ou pessoas tóxicas.

Tristeza

Um estado de desânimo, cansaço e solidão: é assim que costumamos definir a tristeza. Por mais que muita gente queira fugir da dela, é preciso entender que se trata de uma emoção completamente normal e saudável. Em vários momentos da vida vivenciamos  a tristeza, mas é importante ficar atento, pois se essa emoção se prolongar por muito tempo, significa que o quadro pode estar se agravando para uma depressão. A tristeza comum e saudável deve ser passageira.

Entenda também que essa emoção possui vários níveis de intensidade, que vão desde um estado de desapontamento até a angústia, que é mais intensa. Pode ser desencadeada por diversos acontecimentos, como uma desilusão amorosa, problemas financeiros, traumas, descontentamento profissional/pessoal ou algum outro tipo de conflito interior.

Inteligência Emocional: ferramenta poderosa para lidar com as emoções

São muitas emoções, não é mesmo? Imagine que essas são apenas as 5 universais. Existem muitas outras! Não é a toa que o ser humano é cheio de complexidades.

Fique tranquilo, por mais que pareça muita coisa, quando estamos falamos de emoções e sentimentos, a inteligência emocional aparece como uma maneira muito eficaz para aprender a lidar com tudo o que sentimos.  

Anos atrás, poucas pessoas falavam sobre inteligência emocional, no entanto, hoje em dia é praticamente uma habilidade imprescindível tanto na vida pessoal como profissional.

Isso porque ao desenvolver a sua inteligência emocional, você aprenderá a reconhecer as suas emoções e ser capaz de lidar com elas; entenderá como se manter motivado diante de frustrações; desenvolverá a empatia e habilidades interpessoais.

O mais interessante é que qualquer pessoa é capaz de desenvolver a inteligência emocional. Como? Bom, existem várias maneiras! Além de existir uma oferta vasta e convidativa de cursos com essa temática, a terapia também é uma é muito eficaz para o desenvolvimento da inteligência emocional. Isso porque, junto de um psicólogo, você irá trabalhar o autoconhecimento e as suas emoções, entendendo seus gatilhos e como lidar com tudo o que sente.

E falando em terapia, já conhece a Vittude? Se você tem vontade de começar a fazer terapia, mas não sabe muito bem como e onde procurar profissionais especializados, conte com a gente. A Vittude conecta pacientes e psicólogos de diferentes especialidades, tanto presencialmente como online. Clique aqui e conheça o quanto antes!

Você também pode gostar:

Inveja: 6 dicas para lidar com pessoas invejosas

Vergonha: 5 passos para superá-la e pedir ajuda

Bruna Cosenza

Escritora, produtora de conteúdo e LinkedIn Top Voice 2019. Autora do romance "Lola & Benjamin", acredita que as palavras têm poder próprio e são capazes de transformar, inspirar e libertar. É apaixonada por comportamento humano e pela relação entre corpo e mente. Escreve porque considera o conteúdo uma das ferramentas mais poderosas que existem para provocar reflexões e derrubar barreiras.