doenças psicológicas

5 doenças psicológicas que você precisa conhecer

  |  Tempo de leitura: 7 minutos

O número de pessoas que sofrem de doenças psicológicas em todo o mundo continua a crescer. Tais doenças vão muito além da mente do indivíduo. São distúrbios e perturbações que prejudicam a mente, os sentimentos, a vida social, a percepção de realidade, as relações sociais e muito mais. Elas chegam, até mesmo, a ocasionar problemas físicos. Resumidamente, prejudicam o bem-estar e a saúde da pessoa como um todo.

São inúmeras as doenças psicológicas que existem e dentro nelas há muitas variações, como por exemplo o Transtorno Bipolar, que possui os tipos I, II e III. Da mesma forma, existem vários tipos de depressão, como a depressão severa, a distimia entre outras. Ou seja, além das várias doenças psicológicas existentes, há muitas variações das mesmas, o que torna o diagnóstico e prognóstico de um psicólogo imprescindível para a recuperação do indivíduo.

Neste artigo vamos abordar as doenças psicológicas mais comuns. No entanto, é importante ter em mente que essas informações não devem ser usadas para determinar se você possui algum desses problemas. Caso se identifique com alguma doença psicológica, é fundamental buscar ajuda de um psiquiatra para obter o diagnóstico preciso.

Doenças psicológicas mais comuns

Existe um número vasto de distúrbios mentais e doenças psicológicas, mas algumas delas são mais comuns, por afetar um número expressivo de pessoas, de várias idades e gênero.

Por isso, é importante reconhecer quais os sintomas de cada uma e estar atento às causas para identificar o problema, seja em você mesmo ou em alguém próximo. Confira:

Depressão

A depressão é hoje uma das doenças mais incapacitantes do mundo e se espalha de maneira quase epidêmica, impactando a vida de cerca de 300 milhões de pessoas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que essa venha ser a doença mais incapacitante da humanidade até 2020.

Por causa dos altos números estatísticos, a depressão é considerada uma das doenças psicológicas mais comuns e geralmente afeta mais as mulheres do que os homens. Frequentemente é caracterizada por:

  • perda de interesse ou prazer na vida e nas atividades do dia a dia;
  • tristeza generalizada;
  • sentimentos de culpa;
  • baixa autoestima;
  • distúrbios do sono;
  • mudança nos padrões alimentares;
  • cansaço constante e exaustão sem causa aparente;
  • falta de concentração.

A depressão costuma afetar a química do cérebro, e se dá pela alteração no neurotransmissor serotonina. Porém, as causas da depressão podem ter fatores bem variados, como a genética, eventos traumáticos da vida, viver em um ambiente social nocivo, uso de remédios ou abuso de substâncias etc.

Essa é uma doença psicológica que pode ser contínua ou recorrente e interfere gravemente na capacidade funcional de uma pessoa, prejudicando o trabalho e os estudos, além de impactar negativamente os relacionamentos.

Em seu estado mais grave, a depressão pode levar a pensamentos e ações suicidas. Para efetivamente tratar a depressão pode ser necessário a terapia cognitivo-comportamental, a psicoterapia e a medicação antidepressiva.

Ansiedade

Não é incomum que uma pessoa que sofre de depressão também tenha que lidar com a ansiedade (e vice-versa), e por isso ela também é uma das doenças psicológicas mais comuns atualmente.

O Transtorno de Ansiedade Generalizado (TAG) é uma doença psicológica que está em segundo lugar no ranking dos problemas mentais. E o Brasil lidera na América Latina, com 9,3% da população apresentando sintomas de ansiedade.

Os distúrbios de ansiedade desenvolvem-se a partir de uma multiplicidade de fatores, incluindo genética, química cerebral e eventos de vida. Apesar de ser uma doença com tratamento eficaz, apenas 36,9% daqueles que a possuem procuram tratamento. A psicoterapia e a medicação desempenham um papel importante para controlar e gerenciar os sintomas da ansiedade.

Transtorno Afetivo Bipolar

O transtorno bipolar afeta aproximadamente 60 milhões de pessoas em todo o mundo. É uma doença que se caracteriza por episódios prolongados de euforia (mania e hipomania) e depressão. Nos episódios maníacos as pessoas podem estar eufóricas, hiperativas, com humor elevado ou irritável, autoestima inflada, sexualidade excessiva e algum grau de insônia. A hipomania, no entanto, é uma forma menos grave de mania.

Já os episódios depressivos são frequentemente caracterizados por sentimentos de extrema tristeza, falta de esperança, pouca energia e problemas para dormir. Embora a causa do transtorno bipolar não seja totalmente conhecida, uma mistura de fatores genéticos, neuroquímicos e ambientais pode desempenhar um papel na progressão da doença, que pode ser tratada através de medicação e apoio psicossocial.

O transtorno bipolar é um problema acompanhado de muitos mitos e enganos. Por exemplo, muitas pessoas acreditam que mudanças do humor ao longo do dia pode caracterizar um indivíduo como bipolar, porém não é tão simples assim. Os períodos de euforia e depressão devem durar dias, semanas ou meses para se caracterizar a doença.

Além disso, o transtorno bipolar é a doença que possui a maior taxa de suicídios, superando inclusive a depressão. Pessoas que sofrem desse distúrbio estão em risco grave de suicídio, dependência química e outros problemas graves. O tratamento e acompanhamento psicológico é imprescindível para que o indivíduo possa ter uma vida normal.

Esquizofrenia e outras psicoses

A psicoses, incluindo a esquizofrenia, são doenças psicológicas graves que afetam cerca de 23 milhões de pessoas em todo o mundo e são geralmente caracterizada por distorções de pensamento, percepção, emoções, senso de identidade e comportamento.

Os portadores dessas doenças psiclógicas podem experimentar alucinações e delírios. Geralmente elas começam no final da adolescência ou início da idade adulta, tornando difícil trabalhar, estudar ou interagir socialmente.

Devido ao estigma e à discriminação, muitos dos que sofrem com esses transtornos mentais não possuem acesso a um apoio psicossocial e de saúde adequado (às vezes levando à insegurança habitacional), o que poderia ajudar a tratar e amenizar o transtorno.

Demência

A demência é geralmente de natureza crônica ou progressiva e acarreta uma deterioração da função cognitiva acima do envelhecimento normal, afetando cerca de 50 milhões de pessoas em no mundo.

Ela é caracterizada pela perda de memória, orientação e pensamento vago, compreensão, cálculo e linguagem, ou seja, um total declínio da função cognitiva. Também geralmente é acompanhada da deterioração do controle emocional e social.

A demência é causada por uma variedade de doenças que afetam o cérebro, e atualmente não há cura para ela. Mas existem tratamentos paliativos projetados para aliviar o sofrimento e a confusão do paciente.

Doenças psicológicas: questão de saúde pública

As doenças psicológicas são uma questão de saúde pública global e que atingem quase todas as pessoas de alguma forma, sendo paciente ou sofrendo por algum parente ou amigo portador de um desses distúrbios. Elas são a causa de muitos problemas graves como abandono do trabalho ou dos estudos, suicídio, dependência química, violência doméstica etc.

Embora todas as situações sejam únicas, existem opções de tratamento e recuperação disponíveis para ajudar um indivíduo a obter força e apoio. Se você reconheceu algum dos sintomas citados recomendamos que procure um psicólogo ou psiquiatra. O profissional de saúde é quem irá fazer o diagnóstico preciso e determinar o tratamento mais apropriado. Quanto antes o tratamento for iniciado, melhores serão as chances de recuperação.

Gostou do artigo? Assine a nossa newsletter e receba essa e demais dicas para o seu bem-estar.

Outros artigos que podem interessar:

👉 Fibromialgia: sintomas e sua relação com a depressão1

👉 Gentileza: como cultivar um ambiente de trabalho mais saudável

👉 Compulsão: 6 tipos que você precisa conhecer

👉 Assertividade: 11 dicas para ser mais assertivo

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.