Todos

Qual a função da serotonina no combate à depressão?

Serotonina é uma palavra frequentemente associada à depressão. Você já deve ter escutado ou lido em algum lugar sobre a relação desse neurotransmissor com o transtorno depressivo. Ele é popularmente conhecido como o “hormônio do bem-estar”. 

A função desempenhada por essa substância é muito importante e merece ser conhecida em detalhes. Assim, você consegue moldar os seus hábitos com base no que é considerado recomendável para ajudar a sua produção. 

O que é serotonina?

Neurotransmissores são mensageiros químicos responsáveis por transportar estímulos entre neurônios, células nervosas e outras células do corpo. Além disso, possuem o papel de estimular e equilibrar esses estímulos. Eles são produzidos pelo próprio organismo.

A serotonina é um dos mais importantes uma vez que ela faz a manutenção de diversos elementos que envolvem o bem-estar. A lista de funções é grande, como visto abaixo:

  • Regulação do humor;
  • Controle do apetite;
  • Manutenção de funções cognitivas, como memória;
  • Controle da temperatura corporal;
  • Ajuda na coagulação do sangue;
  • Regulação dos movimentos intestinais;
  • Controle do ritmo cardíaco;
  • Regulação do sono;
  • Promoção da saúde óssea;
  • Manutenção da libido; e
  • Preservação e estimulação de atividades motoras.

Sendo assim, para vivermos bem, precisamos ter a quantidade certa desse neurotransmissor em nosso corpo. Tanto o excesso quanto a escassez podem trazer problemas para a nossa saúde. 

O excesso de serotonina, também chamado de Síndrome Serotonérgica, normalmente ocorre com o uso de fármacos. O indivíduo sente os sinais logo nas primeiras 24 horas, sendo possível experimentá-los após apenas seis horas de ingestão do medicamento. 

É muito comum haver um excesso dessa substância quando se começa a tomar um fármaco com agentes serotoninérgicos ou se aumenta a dosagem. Elevação da ansiedade, inquietação, taquicardia, febre, hipertensão, rigidez muscular, náusea, diarreia, espasmos oculares e tremores são alguns dos sintomas.

níveis baixos desse neurotransmissor comprometem o bem-estar emocional. O indivíduo fica irritado, fatigado, desanimado, com baixo desejo sexual, tem crises de choro e pensamentos negativos abundantes.

Ao perceber a recorrência desses sintomas, é recomendado buscar um médico e psicólogo para fazer uma avaliação.

Relação entre serotonina e depressão

Quando não há a quantidade adequada dessa substância no cérebro, as pessoas experimentam todo o tipo de sintomas negativos. Os sentimentos de tristeza, desesperança e solidão se tornam parte do dia a dia. Assim, fica difícil encontrar alegria no trabalho, no relacionamento, na família e dentro de si.

Elas também encontram dificuldade para se lembrar das coisas e manter a concentração em suas atividades. Para se sentirem bem, buscam comer doces e alimentos calóricos. Essa forma de alimentação ocasiona aumento de peso, glicose, colesterol, triglicerídeos, entre outros, a longo prazo. 

A depressão é um transtorno de humor o qual se instala quando as pessoas vivem um estado emocional persistente de tristeza e inércia. Os níveis deficientes desse neurotransmissor no organismo desencadeiam desconfortos emocionais e físicos que corroboram para o seu desenvolvimento.

Em outras palavras, a falta dele não é exatamente a causa da depressão. Fatores genéticos, experiências de vida e outras alterações na bioquímica cerebral também devem ser considerados para que um diagnóstico seja feito. Entretanto, ele tem ligação direta com o transtorno. 

O que causa a falta de serotonina?

Alimentação desequilibrada, falta de exercícios físicos e falta de vitamina D podem diminuir a quantidade dessa substância. 

Alimentos que combatem a depressão são ricos em triptofano, aminoácido essencial para a sua sintetização, devem ser ingeridos com regularidade. Encontramos o triptofano em cereais, nozes, ovos, amendoim, couve-flor, castanhas, chocolate amargo, banana, queijo e carnes magras.

Se você não tem o costume de comer esses alimentos, pode inseri-los gradativamente em sua dieta ou buscar um profissional para montar um plano alimentar para você. 

O sedentarismo é outro aspecto o qual deve ser considerado. Ao movimentar o corpo por um período contínuo de, pelo menos, 20 minutos, você estimula a produção desse neurotransmissor. Outras substâncias igualmente responsáveis pelo bem-estar e felicidade também são liberadas, como a endorfina e noradrenalina. 

Em conjunto, elas atuam na regulação do humor, promoção do sono, manutenção de funções cognitivas, estimula a sensação de prazer e, ainda, agem como analgésicos naturais. É por essa razão que indivíduos sedentários sentem mais dores musculares. 

Por fim, a ausência de vitamina D no organismo também dificulta a sintetização da serotonina. Quando ela está em baixa, nós sentimos dores pelo corpo, ficamos desanimados, nossos ossos enfraquecem, sentimos cansaço mesmo sem fazer exercício e nos tornamos vulneráveis a viroses e doenças. 

Como aumentar os níveis de serotonina?

A fórmula para aumentar os níveis desse neurotransmissor essencial para a saúde mental e física é formada por um conjunto de hábitos saudáveis. São coisas simples que não exigem grandes esforços e podem ser feitas em diversos momentos da rotina. 

Praticar exercícios físicos regulares

A prática de exercícios físicos é fundamental para o bom funcionamento do organismo, manutenção da saúde e longevidade. É recomendado praticar 20 minutos de exercícios aeróbicos por dia, como corrida, caminhada, dança, bicicleta, natação e esportivos coletivos. Se você não possui esse tempo disponível todos os dias, aumente a prática de exercícios nos dias em que pode fazê-los com mais tranquilidade.

Ter uma alimentação equilibrada

Como são os seus hábitos alimentares? Quais alimentos você costuma ingerir durante a semana? Faça essa reflexão para saber quais deles devem ser reduzidos e quais merecem ser comidos com mais frequência e em porções maiores. 

Com tantas coisas para fazer, facilmente esquecemos ou não temos tempo de consumir determinados alimentos que são excelentes para a nossa saúde, não é mesmo? Uma alimentação saudável, com planejamento feito por um profissional, pode servir como lembrete para a consumação das quantidades adequadas nos horários adequados.

Não fugir do sol

Expor-se ao sol diariamente é uma das maneiras mais eficientes de elevar a produção da vitamina D e, assim, combater a depressão por falta de serotonina. É interessante notar que muitas pessoas têm deficiência dessa vitamina devido ao estilo de vida do século 21. 

Passamos muito tempo em locais fechados, trabalhando, socializando e buscar entretenimento. Desde jovens à idosos, é mais fácil encontrar indivíduos com números baixos de vitamina D. 

Além de facilitar o desencadeamento da depressão, a escassez dessa vitamina favorece o surgimento de outras doenças, como diabetes, lúpus, hipertensão e patologias autoimunes. 

Deste modo, você consegue perceber a importância de não fugir do sol, certo? Os melhores momentos do dia para absorção da vitamina D são entre às 10h e 16h. Esses períodos também são os mais quentes, então faça uso do protetor solar. De preferência, escolha o FPS 50.

Você também pode tomar sol em outros horários, mas terá que fazê-lo por períodos mais longos. Nos horários mais quentes, são recomendados entre 15 e 20 minutos de banho de sol. Já nos demais, esse tempo pode ser estendido para 30 minutos.

Usar suplementos

O uso de suplementos pode ser necessário quando as estratégias naturais de estimulação dessa substância não surtem efeito. Existem muitas opções capazes de chegar ao sistema nervoso e catalisar a sua produção. Se você acredita que esse reforço pode ser necessário, consulte um médico ou nutricionista para averiguar a necessidade de ingestão e pedir recomendações de uso. 

Fazer atividades relaxantes

Atividades relaxantes, como meditação, massagem relaxante, yoga, caminhada e leitura, podem ajudar na produção do hormônio do bem-estar. Durante essas atividades, certos sinais nervosos são regulados, o que melhora o desempenho dos neurotransmissores cerebrais. 

Outro benefício é a diminuição do cortisol, hormônio do estresse. Quando o organismo deixa de produzir serotonina na quantidade correta, é comum haver um aumento dessa substância. Dessa maneira, passamos a não conseguir lidar com situações estressantes ou nos livrar da sensação de estresse com o passar dos dias.

Então, selecione atividades que você gosta e coloque as mãos na massa, mesmo que não esteja com o humor e motivação certa para praticá-las no momento. Aos poucos, você começará sentir os benefícios de ter encontrado momentos (ainda que breves) em sua rotina agitada para efetuá-las!

Tomar medicamentos

Em alguns casos, a ingestão de determinados fármacos pode ser necessária para regular os níveis do neurotransmissor do bem-estar no organismo. Somente um especialista, contudo, pode lhe dizer qual a necessidade real de ingerir esses medicamentos e orientá-lo sobre o uso.

Assim, se você tentou de tudo e ainda não conseguiu recuperar a sensação de prazer e felicidade em seu cotidiano, consulte um psiquiatra para avaliar a necessidade de consumo de medicamentos psiquiátricos

Fazer terapia

O que a terapia tem a ver com a serotonina? 

É simples! Para você estimular a produção desse neurotransmissor em seu organismo provavelmente terá que modificar ou estabelecer hábitos, certo? A terapia pode ser útil para auxiliar nesse processo de mudança.

Muitas pessoas têm dificuldade para mudar o modo como operam. É comum que questões do passado, hábitos prejudiciais e/ou crenças limitantes estejam envolvidas na sua relutância à mudança. Na terapia, elas conseguem investigar quais fatores bloqueiam modificações comportamentais saudáveis. 

Além disso, se você identificou alguns dos sintomas mencionados neste texto em si mesmo, é aconselhável buscar um psicólogo para evitar o desenvolvimento da depressão. 

Este artigo foi útil para você? Então, compartilhe-o com pessoas com quem você acredita que podem se beneficiar com este conteúdo.

Para mais conteúdos, acompanhe o blog da Vittude e as nossas redes!

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta

Compartilhe usando os botões abaixo !
Published by
Tatiana Pimenta

Recent Posts

TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo – Sinais e tratamentos

O transtorno obsessivo compulsivo pode aparecer de diversas formas, e apesar de ser excessivamente usado…

7 horas ago

Como superar a morte de um pai?

Afinal, como superar a morte de um pai? Pode ser difícil lidar com o luto,…

2 dias ago

Como escolher um psicólogo? Dicas e critérios essenciais

Você sabe como escolher um psicólogo? Essa decisão pode ser difícil, mas é essencial para…

3 dias ago

Síndrome do Impostor: aprenda como superar a autossabotagem

A Síndrome do Impostor é algo comum, que pode impactar pessoas em relação ao trabalho,…

4 dias ago

Quais são os sintomas de crise de ansiedade e pânico?

Os sintomas de crise de ansiedade e pânico são similares, mas existem pequenas diferenças que…

2 semanas ago

A terapia EMDR é a melhor opção para traumas?

A terapia EMDR é uma abordagem que envolve uma reprogramação do cérebro, direcionada a trabalhar…

3 semanas ago

Já fez Terapia Online? 😉

Começar agora!