HIV e a importância do psicólogo após o diagnótico

HIV: a importância do apoio psicológico para quem vive com Aids

  |  Tempo de leitura: 5 minutos

Hoje é o Dia Mundial de Combate à Aids. Esse texto poderia se dedicar apenas a falar de métodos contraceptivos, mas gostaria de convidá-los a uma reflexão: e se você tivesse HIV? Normalmente grande parte das pessoas reage a essa pergunta com uma negativa. Como se esse risco quase não existisse. É aí que começa a vulnerabilidade.

Infelizmente ainda é comum o HIV e a Aids serem associados a libertinagem sexual. Ou a situações de exposição a risco com diversos parceiros, porém para se infectar é preciso apenas uma relação desprotegida. Existem preconceitos e tabus associados, que vão muito além frase ‘use camisinha’, que estamos tão acostumados a ouvir.

Prevenção do HIV e a reflexão sobre a vida sexual

Pensar em prevenção ao HIV implica também em falar de sexo. Pensar e refletir sobre sua vida sexual, desejos e condutas. Nesse momento um psicólogo ou sexólogo online podem ajudar!

Pesquisas sobre o comportamento sexual dos brasileiros aponta que os homens são mais aderentes ao preservativo do que as mulheres. É preciso conversar sobre a sexualidade feminina, sobre proteção, prazer e conhecimento do próprio corpo e seus limites. Muitas mulheres procuram atendimento e orientação com dificuldade em falar sobre sua sexualidade e consequentemente tendo pouco conhecimento sobre prevenção.

hiv-preservativo
O uso do preservativo é fundamental na prevenção do HIV

Para os homens a camisinha também é um tabu. Corriqueiramente homens relatam dificuldade em colocar o preservativo no momento do sexo por medo de perda de ereção ou de ‘quebrar o clima’. Nesse sentido é preciso entender as ansiedades que cercam esse momento, de modo a desconstruir o nervosismo e tensão.

Além disso também é preciso buscar estratégias para que a camisinha faça parte da relação sexual, e que seu manuseio não seja um momento de protocolo e quebra do clímax. Uma opção pode ser a troca do preservativo convencional por um que tenha sabor, ou que proporcione algum efeito como calor ou frio, e dessa maneira a camisinha assume um novo papel na relação sexual: ele também dá prazer.

Até aqui falamos sobre prevenção e como um psicólogo pode ajudar nesse sentido.

Mas, e quando uma pessoa já tem HIV? Aqui um psicólogo também pode ajudar, e muito!

O papel do psicólogo após o diagnóstico do HIV

O momento do diagnóstico da infecção por HIV é bastante delicado e acaba acarretando uma avalanche de sentimentos e emoções. Primeiro é preciso entender sobre a doença e o tratamento. E principalmente perceber que o diagnóstico implica num novo estilo de vida, mas jamais será um limitador da vida.

É necessário elaborar o significado do diagnóstico, de modo que não seja um carimbo que exponha um suposto comportamento, e que o paciente consiga construir elementos para lidar com o preconceito que infelizmente ainda é recorrente no Brasil com a população de pessoas vivendo com HIV/Aids.

O acompanhamento de saúde mental para pessoas soropositivas é de extrema importância, não só pela dificuldade ao receber o diagnóstico, mas também pensar na rede de apoio e se será necessário compartilhar o diagnóstico com algum familiar, e também na construção de futuras relações afetivas. Pessoas que tem HIV podem se relacionar com pessoas que não possuem o vírus, e isso é mais comum do que imaginamos.


Como anda seu nível de depressão, ansiedade e stress? Faça o teste agora!


Depressão e o HIV

Além disso, a incidência de depressão em pessoas infectadas pelo HIV é maior do que na população geral. Isso acontece por diversos fatores, como o próprio diagnóstico, a ideia de vida limitada, culpa e também por alguns antirretrovirais utilizados no controle da carga viral. Isso demonstra ainda mais a importância do seguimento psicoterápico para pessoas vivendo com o HIV/Aids. O diagnóstico não é um fim.

Aproveite esse 1 de dezembro para realizar o teste de HIV. Em muitos serviços especializados da rede pública o resultado fica pronto no mesmo dia! Se informe mais clicando aqui ou ligue para o 136 e saiba qual o local mais próximo do seu endereço.  Ficou com alguma dúvida sobre o HIV/Aids ou prevenção? Fique a vontade para me procurar!

Plataformas como a Vittude podem facilitar a busca por um psicólogo que atenda a requisitos específicos para atender a todos que precisem de acompanhamento. Acesse nosso site e confira você mesmo todas as oportunidades oferecidas!

Giovane Oliveira, é psicólogo e sexólogo na Vittude. Atua no Hospital das Clínicas de São Paulo no ambulatório especializado em HIV/Aids. Atua com aconselhamento, adoecimento, sexualidade e acompanhamento de pessoas vivendo com HIV/Aids. Além disso possui consultório particular onde atende adolescentes, adultos e casais.

Leia também:
Homossexualidade não é doença

Música ajuda no processo de terapia 

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta