Transtorno de conduta - atenção na saúde infantil

Transtorno de conduta: atenção na saúde infantil

  |  Tempo de leitura: 9 minutos

O transtorno de conduta afeta, principalmente, crianças e adolescentes. Ele é caracterizado por padrões recorrentes de comportamento que violam os direitos de outras pessoas. Esses, por sua vez, se manifestam em graus variados. Cerca de 10% das crianças apresentam essa condição. 

Quando é identificado na infância, os resultados do tratamento costumam ser melhores. Entretanto, devido às particularidades desta condição, nem sempre é possível amenizar os sintomas somente com a psicoterapia. 

O que é Transtorno de Conduta?

O transtorno de conduta é uma das condições psiquiátricas mais comuns na infância e na adolescência. Ele consiste em comportamentos inadequados e que causam desconforto no ambiente familiar e escolar, além dos círculos sociais frequentados pela criança ou adolescente. 

A criança age de modo egoísta e violento. Ela não demonstra sentir remorso ou constrangimento por suas atitudes inconvenientes, além de não se importar em ferir os sentimentos de outras pessoas. Logo, seus comportamentos causam um impacto emocional e psicológico maior em quem é alvo deles do que em si mesma. 

Durante a adolescência, essas condutas impróprias podem resultar em problemas com a lei. O adolescente pode furtar, agredir, ameaçar, causar incêndios, arrombar ou destruir propriedades alheias, fugir de casa e apresentar outros comportamentos considerados socialmente inadequados. 

Em ambos os casos, não há indícios de aprendizado com as consequências de suas ações negativas. Mesmo quando essas são muito desagradáveis, a criança ou o adolescente não demonstra ter aprendido nada com a experiência. 

Para os pais e outros familiares, a aparente falta de empatia é preocupante. Não é comum não apresentar remorso, principalmente quando se faz algo ruim intencionalmente.

Não raro os responsáveis pela criança ou pelo adolescente temem ficar perto deles, pois não sabem o que motiva esses comportamentos inadequados. 

Como identificar o Transtorno de Conduta

Para o comportamento da criança ser considerado resultado de uma condição psiquiátrica, os sintomas do transtorno de conduta infantil devem perdurar por, pelo menos, seis meses. Os principais indicativos são:

  • Desobedecer a regras familiares;
  • Iniciar brigas na escola ou em casa por motivos pequenos;
  • Furtar objetos;
  • Fazer provocações ou ameaças;
  • Ter acessos de raiva ou crises de choro
  • Gritar ou fazer birra; 
  • Praticar bullying
  • Isolar ou perseguir colegas de classe;
  • Ser cruel com animais;
  • Destruir objetos, materiais escolares ou brinquedos;
  • Mentir;
  • Manipular;
  • Desrespeitar as regras da escola;
  • Não se importar com as consequências de seus atos.

Já nos adolescentes, como eles possuem mais liberdade de circulação, os seus comportamentos inadequados tendem a ser mais impactantes. Além disso, costumam afetar outras pessoas, como vizinhos, familiares de amigos, professores e outras figuras de autoridade para esta faixa etária.  

Transtorno de conduta - atenção na saúde infantil

Os principais indícios de transtorno de conduta durante a adolescência são:

  • Cometer incêndios;
  • Furtar ou roubar objetos;
  • Ser cruel com outras pessoas;
  • Iniciar confrontos físicos;
  • Forçar alguém a atividade sexual;
  • Ser cruel com animais;
  • Mentir;
  • Não apresentar empatia pelo sofrimento alheio; 
  • Trapacear;
  • Destruir ou invadir propriedade alheia;
  • Fugir de casa;
  • Matar aula;
  • Iniciar discussões por motivos pequenos;
  • Não respeitar os pais, familiares, professores, colegas de turma e amigos;
  • Fazer ameaças, perseguições, intimidações ou provocações;
  • Cometer bullying;
  • Inventar outra identidade. 

Quais os subtipos de Transtorno de Conduta?

O transtorno de conduta possui dois subtipos, os quais possuem como base a idade de surgimento do mesmo. A psiquiatria faz esta classificação como: Tipo com início na infância e Tipo com início na adolescência. Ambos têm três níveis de intensidade – leve, moderado e grave – os quais se caracterizam da seguinte maneira:

  1. Leve: poucos problemas de comportamento e os danos são relativamente pequenos. Envolvem atitudes como mentiras, quebra de regras familiares e matar aula;
  2. Moderado: mais problemas de conduta aparecem e as consequências são mais severas, mas ainda não representam uma ameaça a integridade física ou a segurança de terceiros;
  3. Grave: muitos problemas de conduta que implicam em danos severos na vida de outras pessoas, como crueldade física, agressividade, estupro, ferimentos por arma de fogo, assalto, arrombamento de propriedade, etc. 

Quando os pais da criança ou do adolescente vão até o especialista, médico psiquiatra ou psicólogo, é feito uma estimativa de início do transtorno. Geralmente, a primeira manifestação acontece cerca de dois anos ou mais antes. 

Essa discrepância é identificada porque os pais tendem a demorar para levar os filhos até o especialista para fazer a investigação de seu comportamento. Eles podem negar as suas preocupações, ter medo do diagnóstico oficial, não considerar a possibilidade da existência de uma condição psiquiátrica, entre outras razões. 

Subtipo com início na infância

Um dos critérios para o transtorno de conduta infantil é o surgimento antes dos 10 anos de idade. A criança frequentemente desafia os pais, irmãos, familiares, colegas, professores e outros adultos. 

Duas condições podem surgir ao mesmo tempo que o transtorno de conduta, sendo elas o Transtorno Desafiador Opositivo ou o Transtorno Hipercinético de Conduta.

A primeira condição diz respeito às atitudes desafiadoras contra figuras de autoridade, como discutir com adultos, ser cruel e vingativo, importunar outras pessoas e culpar terceiros por seus próprios erros. Quando acontece concomitantemente com o transtorno de conduta, a criança viola os direitos de terceiros repetidas vezes. 

Já o transtorno hipercinético de conduta apresenta três sintomas principais: hiperatividade, desatenção e impulsividade. Ele, na verdade, é um subtipo do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) com características mais severas. As sequelas dessa condição também tendem a ser mais graves.

Por fim, a criança com esse transtorno tem dificuldade nos três eixos, ou seja, ela é hiperativa, desatenta e impulsiva obrigatoriamente. Já no TDAH, os critérios de diagnóstico têm como base a anormalidade somente em um ou dois eixos.  

Os meninos costumam ser os mais afetados, mas, de acordo com o DSM V, a diferença entre gêneros diminui após a puberdade.

Subtipo com início na adolescência

Diferente do transtorno com início na infância, adolescentes com esse subtipo têm menor propensão a comportamentos agressivos. Eles conseguem formar vínculos afetivos mais facilmente e, ainda, não engajam em atividades criminosas com tanta facilidade. 

Quando o transtorno de conduta é identificado na infância, ele tem mais chance de se transformar em um transtorno de personalidade antissocial na vida adulta. O cenário é o contrário quando o diagnóstico ocorre na adolescência. O indivíduo consegue ter empatia, se relacionar e levar um modo de vida praticamente normal.

A incidência deste subtipo é quase a mesma entre homens e mulheres. 

Qual é a relação com o Transtorno de Personalidade Antissocial?

Conforme explanado anteriormente, os comportamentos antissociais tendem a prevalecer em casos de diagnóstico de transtorno de conduta na infância. Se as condutas inapropriadas e cruéis continuarem após os 18 anos, os critérios para o diagnóstico do Transtorno de Personalidade Antissocial são automaticamente preenchidos.

Todavia, isso não significa que toda criança com transtorno de conduta desenvolverá uma personalidade antissocial. O acompanhamento psicológico e médico é necessário para que sinais do encaminhamento para essa realidade sejam identificados precocemente. 

De acordo com o DSM V, existem 15 tipos de condutas antissociais. Para que seja feito o diagnóstico de transtorno de personalidade antissocial, o indivíduo deve apresentar três das 15 condutas nos últimos 12 meses e uma conduta persistente nos últimos seis meses. 

Alguns desses comportamentos antissociais incluem ameaça ou intimidação, perseguição, roubo, assalto com confronto com a vítima, lutas corporais, utilização de armas para ferir os outros, crueldade com pessoas e animais, manipulação, destruição de propriedade, entre outros.

Quais os critérios do diagnóstico?

Além dos sintomas mencionados anteriormente, o indivíduo com transtorno de conduta tende a interpretar as intenções ou as ações de outras pessoas como mais hostis e ameaçadoras do que realmente são. 

Ele, ainda, possui dificuldade para tolerar frustrações, tem baixo autocontrole, é irritável e desconfia das intenções de quem está perto. Aliando essas características da personalidade do indivíduo aos sintomas deste transtorno, fica mais fácil chegar a um diagnóstico com exatidão. 

Outro fator que serve de apoio para o diagnóstico certeiro é a ideação suicida. Indivíduos com essa condição psiquiátrica têm mais chance de tentarem cometer suicídio ou de tirarem a própria vida. 

Quais são os tratamentos possíveis?

Transtorno de conduta - atenção na saúde infantil

O tratamento para o transtorno de conduta é feito com a psicoterapia e a ingestão de medicamentos psiquiátricos, receitados pelo médico psiquiatra. Tanto a terapia individual quanto a terapia familiar podem ajudar nesse caso.

O acompanhamento junto a um psicólogo pode melhorar a autoestima e o autocontrole da criança ou do adolescente, além de possibilitar a mudança comportamental. 

O psicólogo auxilia os pacientes com esse transtorno a controlarem as suas emoções, racionalizarem as suas percepções negativas e compreenderem a necessidade de combater atos impulsivos para o seu próprio bem e o das pessoas a sua volta. 

Casos graves, contudo, devem ser transferidos para hospitais psiquiátricos, onde os indivíduos também farão acompanhamento psicológico. O afastamento do ambiente onde vivem é necessário para prevenir ações cruéis ou criminosas, bem como para trabalhar a impulsividade.

O recomendado para pais e cuidadores é sempre buscar um psicólogo ou médico psiquiatra em face de condutas altamente inapropriadas. Se a criança ou o adolescente não demonstrar remorso por suas ações, a urgência de um diagnóstico precoce é ainda maior. 

Achou este artigo interessante? Então, compartilhe-o com amigos e com quem você acredita que pode se beneficiar com essa informação. para mais informações, confira o blog da Vittude!

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade. Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta