comportamento

Como o comportamento afeta a nossa vida pessoal e profissional?

  |  Tempo de leitura: 9 minutos

Na psicologia, o comportamento é o conjunto de atividades e reações de um indivíduo ao ambiente em que está inserido. Pode indicar um grupo de ações ou uma ação singular. A maneira como nos comportamos passa por diversas metamorfoses ao longo de nossa existência.

Entre a infância e a adolescência, mudamos drasticamente. Reagimos abruptamente ao súbito conhecimento e consciência das complexidades do mundo bem como ao desenvolvimento das emoções que surgem com a puberdade. 

O nosso “eu” de hoje tem muito a ver com como o “eu” do passado. Em alguns casos, são formados traumas nestes períodos e, durante a vida adulta, a pessoa depende do tratamento psicológico para curá-los. 

Como o comportamento é formado?

Pode parecer uma pergunta óbvia, mas há muita confusão em relação à multiplicidade de condutas que uma pessoa pode ter com o passar dos anos. Abaixo, conheça os maiores influenciadores do comportamento. 

  • Ambiente e pessoas: Como ao longo da vida passamos por diversos ambientes, nos adaptamos a cada um deles para sobreviver ou, pelo menos, tentamos fazê-lo. Por vezes, de forma inconsciente. Também precisamos nos adaptar as pessoas que conhecemos para sermos capazes de conviver com opiniões, personalidades e pensamentos diferentes e, muitas vezes, opostos aos nossos. 
  • Fase da vida: A fase da vida em que nos encontramos também colabora para que tenhamos uma vivência tranquila ou árdua. A busca pelo primeiro emprego, o primeiro relacionamento sério ou a preparação para um momento importante, como um exame para uma bolsa, são alguns exemplos. São experiências universais que são sentidas por pessoas da mesma faixa etária. 
  • Sociedade: Outro fator a ser considerado é a sociedade. Ela causa grande impacto em quem somos e como pensamentos. As crenças religiosas e culturais, em especial, são grandes influenciadores. Semelhantemente, as condições econômicas e sociais também contribuem para a formação dos seres humanos, apesar de serem fatores que são facilmente modificados ao longo do tempo. Pode-se dizer que somos o reflexo do que acontece ao nosso redor. 
  • Genética: Por fim, a genética é responsável pelos traços que adquirimos de nossos antepassados, podendo ser transmitidos de geração a geração. Os comportamentos instintivos são considerados aqueles originados da genética enquanto os aprendidos, influenciados pelo meio. 

Então, entende-se que o comportamento não é estático. Embora alguns traços mais marcantes de nossa personalidade persistam por um longo período, a mudança é garantida e inevitável. Portanto, a frase “eu nasci assim e vou morrer assim” não está totalmente correta. 

Como o comportamento afeta as nossas vidas?

Para “encaixarmos” melhor em ambientes podemos modificar determinadas atitudes. Quando interagimos com familiares, expressamos condutas específicas as quais temos certeza que serão aceitas pelos demais. 

Com amigos e colegas de trabalho, o caso é o mesmo. É assim que sobrevivemos em diversos habitats. Consequentemente, pode-se afirmar que o comportamento está intrinsecamente ligado ao nosso sucesso ou fracasso em diversas situações da vida. 

Na maior parte do tempo, as pessoas não param para pensar em suas atitudes e palavras verbalizadas. Vivem no piloto automático. Críticas ou elogios são feitos em relação à como elas se portam e poucas são aquelas que aproveitam essa oportunidade para refletir sobre quem realmente são.  

Graças ao costume, geralmente somos impedidos de identificar pontos fracos e vulnerabilidades que nos causam mal. 

É muito comum as pessoas afirmarem que não compreendem suas próprias ações. Logo, cometem erros propositais, mas indesejados, e se imediatamente se arrependem. 

Algumas se viciam em hábitos autodestrutivos sem saber o porquê. Já outras magoam o próximo e sentem remorso, mas não conseguem parar. O resultado dessa confusão é a frustração e impotência em administrar a própria personalidade. 

Quando cultivamos comportamentos positivos ativamente, transitamos entre os nossos círculos sociais e compromissos sem estresse. Para isso, no entanto, a consciência desperta e a inteligência emocional devem ser desenvolvidas para promover mudanças.

Como obter a consciência?

Você já recebeu muitas críticas sobre o seu jeito de ser? Se sim, já parou para pensar nelas? 

Você anda brigando com seus parentes? Ou está estagnado em um projeto no trabalho? Nada parece dar certo e você está constantemente triste

Nosso instinto, quando cara a cara com o julgamento, é procurar culpados e ficar na defensiva. Com essa atitude, no entanto, perdemos grandes oportunidades de crescer e aprender com os demais. 

Para multiplicar os momentos de felicidade em sua vida, você precisa fazer uma autoavaliação e acreditar que é possível assumir o controle. 

Para avançarmos em nossas carreiras e conquistarmos supervisores e chefes, podemos aplicar certas atitudes e valores no cotidiano profissional. Respeito, proatividade, cooperação, comunicação e organização são algum deles. 

Já para cultivar os nossos laços de amizade e familiares, precisamos exercitar a empatia, a paciência, o bom humor e não levar tudo para o pessoal. 

Você consegue se enxergar praticando as virtudes acima? Seja sim, ou seja, não, por quê? É através de perguntas constantes que ficamos cada vez mais despertos. 

Como podemos mudar o comportamento?

Podemos modificá-lo através das emoções, sentimentos e pensamentos. Primeiro de tudo, precisamos estar com uma mentalidade nova para encarar os desafios que surgem ao longo do caminho. 

Há pessoas que precisam sentir antes de agir. Elas analisam a situação por muito tempo e se deixam levar por suas emoções para tomar decisões. Já outras têm como foco maior a ação. Por isso, pode haver diferença nos métodos e no tempo que geram a mudança. 

Porém, mesmo com essas distinções, é comum que a pessoa mude apenas após um acontecimento grandioso em sua vida. Este serve como um “retirar das cortinas” que tornavam-na cega para a sua própria conduta. 

Muitas vezes, pessoas reclamam de como são tratadas por outras ou que gostariam de ter vidas melhores. Elas não percebem que precisam modificar suas próprias atitudes para ter um relacionamento melhor ou para obter as realizações que desejam; que tudo é possível bastar nos adaptarmos a situação presente, seja esta boa ou ruim. 

É claro que a mudança não é fácil. É desconfortável, difícil e complicado para o nosso emocional, independente da ocasião. Isso porque nos acostumamos com as nossas vidas e abraçamos ambos os fatores positivos e negativos. 

O truque é substituir o velho pelo novo devagar para dar tempo para o nosso cérebro se acostumar com ele. 

John Watson, considerado o pai da psicologia comportamental, acreditava que todo comportamento pode ser aprendido, independente da história e personalidade das pessoas. Com um pouco de treinamento, é possível desenvolver qualquer habilidade e consolidar qualquer conduta. O aprendizado depende do ambiente, das técnicas utilizadas e do condicionamento. 

3 passos para mudar

Definir condutas positivas não é uma tarefa fácil. Isto é, todos nós possuímos qualidades e defeitos. Dependendo da situação, as nossas falhas podem ser muito uteis e positivas, e não necessariamente ruins. Uma qualidade pode rapidamente se tornar um defeito em diferentes circunstâncias. 

Por exemplo, a extroversão é considerada uma virtude invejável em nossa sociedade. Mas é comum pessoas extrovertidas sentirem-se agitadas em situações as quais deveriam estar mais concentradas e calmas, como em uma reunião de trabalho. Neste caso, a extroversão se torna um empecilho para quem sempre deseja preencher o silêncio com palavras.

Uma pessoa meticulosa pode causar conflitos por querer tudo do seu jeito e desgostar quando outros modificam seu ambiente. Já em uma profissão que requer extrema concentração e atenção para detalhes, a meticulosidade é bem aceita. 

Em síntese, podemos utilizar os nossos defeitos e qualidades conscientemente para melhorar a nossa vida pessoal e carreira profissional. Como o meio influencia diretamente o nosso modo de agir, podemos “contra-atacar” as influências quando aprendemos a usar ambos fatores.  

Estabeleça uma meta

Para você ser capaz de fazer tudo isso, é preciso ter uma meta. Esta deve ser positiva. “Quero ser mais corajoso e fazer as coisas com confiança” em vez de “quero ser menos medroso”. Quanto mais específica, mais fácil para pôr em prática.

Persista

A mudança de comportamento acontece na repetição. O importante é não desistir diante das tentativas falhas. Assim que você tenta mudar, surge resistência porque você está cego dentro da zona de conforto. É mais fácil permanecer em inércia, mas não é o mais recompensador. 

Escolha um característica que você deseja desenvolver. Preferencialmente, especifique o motivo para fazê-lo. Se você precisa de mais paciência para lidar com seu parceiro ou filhos, exercite essa nova conduta até sentir que atingiu o sucesso.

Aprenda 

Você vai errar milhares de vezes até atingir o sucesso. Os seus erros serão valiosos professores neste caminho. Aprenda com as lições que eles lhe ensinarão e continue em frente, repetindo o processo até acertar. 

Este artigo é um convite para você se autoconhecer. Tudo em nossa vida, seja bom ou ruim, é criado por nós ou pode ser transformado por nós. Mesmo que tudo pareça estar perdido, raramente entramos em um caminho sem volta. 

Quando estamos tendo muitos problemas em nossas vidas, um atrás do outro sem descanso, precisamos ter honestidade para afirmar que talvez nós sejamos a causa. 

Na Vittude temos diversos psicólogos especializados que podem te ajudar nesse processo. Se autoconhecer abre portas não só para um melhor desempenho profissional, mas também reflete na sua vida pessoal.

Gostou do post? Então assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de nossos conteúdos e novidades!

Você também pode se interessar:

Comunicação não-violenta: dicas para manter bons relacionamentos

Entenda como se livrar do medo de se relacionar

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.