autoconsciencia

Autoconsciência: o bem e o mal de nos reconhecermos como seres conscientes

  |  Tempo de leitura: 7 minutos

A autoconsciência envolve estar ciente de diferentes aspectos do eu, incluindo traços, comportamentos e sentimentos. Essencialmente, é um estado psicológico no qual a pessoa se torna o foco da atenção.

A autoconsciência é um dos primeiros componentes do autoconceito a emergir. Enquanto a autoconsciência é algo que é central para quem você é, não é algo em que você está profundamente focado em todos os momentos de cada dia. Em vez disso, a autoconsciência torna-se entrelaçada no tecido de quem você é, e surge em diferentes pontos, dependendo da situação e da sua personalidade.

O que é autoconsciência?

As pessoas não nascem completamente autoconscientes. No entanto, pesquisas também descobriram que as crianças têm um senso rudimentar de autoconsciência. Os bebês possuem a consciência de que eles são um ser separado dos outros. Isso é evidenciado por comportamentos, como o reflexo em que um bebê procura um mamilo quando alguma coisa roça seu rosto.

Você já viu um cachorro ficar na frente de um espelho? Às vezes eles latem para si mesmos ou ficam parados com um olhar perplexo. Acredite ou não, a capacidade de se reconhecer no espelho é bastante avançada. Alguns psicólogos argumentam que é uma habilidade exclusivamente humana, embora pelo menos um estudo tenha mostrado que os chimpanzés adolescentes podem se reconhecer em um espelho.

Quando desenvolvemos um senso de autoconsciência, alcançamos um estado de autoconsciência. Por que “desenvolvemos?” Não estamos conscientes de nós mesmos o tempo todo?

Como desenvolvemos autoconsciência?

A técnica do espelho é uma das ferramentas que os psicólogos usam para testar os níveis de autoconsciência de bebês e crianças pequenas. A forma mais simples desse teste envolve simplesmente colocar uma criança na frente de um espelho e observar sua resposta. Alguns pesquisadores demonstraram que crianças de 5 a 6 meses chegam e tocam a imagem espelhada, sugerindo que elas acham que é outro bebê, ou pelo menos diferente delas.

Em 1979, Michael Lewis e Jeanne Brooks-Gunn conduziram uma versão sofisticada do teste do espelho. Eles aplicaram algum rubor no nariz de dois grupos de crianças de 15 a 17 meses e de 18 a 24 meses. A ideia: se as crianças se olhassem no espelho e vissem o blush no nariz, elas iriam tocá-lo ou tentar removê-lo de alguma forma. No entanto, isso requer que a criança perceba que a pessoa no espelho é ela mesma.

Então o que aconteceu? Apenas alguns dos jovens de 15 a 17 meses de fato estenderam a mão e tocaram em seus narizes, mas a grande maioria das crianças de 18 a 24 meses fez isso. Então, essas crianças devem ter se reconhecido no espelho.

Ser autoconsciente significa apenas estar consciente de si mesmo. Entretanto, muito de qualquer coisa pode ser ruim. Normalmente, quando alguém diz que ela é “autoconsciente”, ela quer dizer que está ciente de alguma falha. Este não é o tipo de autoconsciência reconhecida pela psicologia.

Tipos de autoconsciência

Os psicólogos frequentemente dividem a autoconsciência em dois tipos diferentes: públicos ou privados.

Autoconsciência pública

autoconsciencia

Esse tipo surge quando as pessoas estão conscientes de como elas aparecem para os outros. A autoconsciência pública geralmente aparece em situações em que as pessoas estão no centro das atenções, como quando fazem uma apresentação ou conversam com um grupo de amigos.

Esse tipo de autoconsciência muitas vezes leva as pessoas a aderir às normas sociais. Quando estamos cientes de que estamos sendo observados e avaliados, muitas vezes tentamos nos comportar de maneiras socialmente aceitáveis ​​e desejáveis. A autoconsciência pública também pode levar a uma ansiedade de avaliação. Ou seja, as pessoas ficam angustiadas e preocupadas com a forma como são percebidas pelos outros.

Autoconsciência privada

autoconsciencia

Esse tipo acontece quando as pessoas se tornam conscientes de alguns aspectos de si mesmos, mas apenas de uma maneira particular. Ver seu rosto no espelho é um tipo de autoconsciência privada. Sentir o estômago revirar quando você percebe que esqueceu de estudar para um teste importante ou sentir o coração palpitar quando vê alguém a quem é atraído também são exemplos de autoconsciência privada.

Autoconsciência e inteligência emocional

A autoconsciência é, às vezes, um sinal saudável de maturidade emocional. Ela pode ajudar as pessoas a se encaixar e funcionar dentro de uma comunidade. Sentir-se culpado depois de dizer algo doloroso é um sinal de bom caráter. Sentir remorso depois de cometer um erro pode ajudar a consertar relacionamentos. As emoções autoconscientes positivas e as emoções autoconscientes negativas podem ser motivadores saudáveis e poderosos de compaixão.

Entretanto, emoções autoconscientes excessivas podem ser extremamente doentias. Elas podem piorar os sintomas de condições como ansiedade, depressão e transtorno de personalidade bipolar. Elas também podem causar ansiedade e isolamento social.

As pessoas que têm um nível mais alto de autoconsciência privada podem sofrer ou ganhar com isso. Essas pessoas tendem a ser mais conscientes de seus sentimentos e crenças e, portanto, são mais propensos a avaliar seus valores pessoais. No entanto, elas também podem se tornar mais propensas a sofrer consequências negativas para a saúde, como aumento do estresse e ansiedade.

Para algumas pessoas, a autoconsciência excessiva pode refletir em uma condição crônica, como o transtorno da ansiedade social. As pessoas que têm um nível mais elevado de autoconsciência pública tendem a pensar mais em como as outras pessoas os veem e costumam se preocupar com o fato de outras pessoas estarem julgando-os com base em sua aparência ou em suas ações. Como resultado, esses indivíduos tendem a se ater às normas do grupo e tentam evitar situações em que possam parecer ruins ou sentir-se envergonhados.

Como identificar as emoções autoconscientes?

Ter emoções autoconscientes em quantidades moderadas é saudável. Ter emoções autoconscientes de forma esmagadora não é. As emoções autoconscientes saudáveis incluem coisas como:

  • Ter orgulho das realizações próprias
  • Desfrutar do envolvimento em ambientes sociais
  • Desculpar-se por erros e assumir a responsabilidade

Os sintomas de emoções autoconscientes que fazem mal incluem:

  • Responder ao constrangimento com raiva e hostilidade
  • Evitar experiências sociais
  • Culpar os outros por seus erros
  • Sentir-se responsável por erros cometidos contra você
  • Ter baixa autoestima
  • Experimentar agitação, ansiedade, depressão ou nervosismo

Como é feito o tratamento de emoções autoconscientes danosas?

Há muitas maneiras de tratar emoções excessivas autoconscientes. Para promover uma auto-imagem mais positiva e aumentar a auto-estima, você pode:

  • Envolver-se em atividades que fazem você se sentir bem consigo mesmo
  • Escrever uma lista de realizações ou características das quais você tem orgulho
  • Combater a ansiedade social interagindo com pessoas em atividades de baixo risco, como fazer conversa fiada com um caixa no mercado
  • Ser pontual e manter seus compromissos, pois a disciplina pode elevar o valor próprio
  • Assumir a responsabilidade por erros e fazer as correções, se necessário
  • Respirar fundo e praticar mindfulness
  • Marcar uma consulta para ver um psicólogo certificado

A autoconsciência desempenha um papel crítico na maneira como nos entendemos e como nos relacionamos com os outros e com o mundo. Ser autoconsciente permite que você se avalie em relação aos outros. Se você sente que está lutando com a autoconsciência, se refletindo de forma negativa em sua vida, discuta seus sintomas com um psicólogo para saber mais sobre o que você pode fazer para lidar com esses sentimentos.

Encontre um psicólogo hoje mesmo

Juliana Battistelli

Formada em Comunicação e Multimeios pela Universidade Estadual de Maringá, trabalha como redatora de conteúdos. O que mais encanta e move Juliana no mundo são as tentativas constantes e impossíveis de compreender o outro.