constelação sistêmica familiar

Constelação Sistêmica ou Familiar: Saiba o que é e como ela pode mudar sua vida

Constelação Sistêmica ou Familiar: Saiba o que é e como ela pode mudar sua vida
26 avaliações

  |  Tempo de leitura: 8 minutos

Quantas vezes vemos os filhos e netos repetirem as atitudes e até mesmo as histórias da sua família? Aprendizado através de exemplos? Genética? Convivência? Talvez tudo isso e outros mais. O interessante é que, de fato, isso acontece e cada um de nós tem, no mínimo, um caso de repetição para contar. A escolha espontânea por uma profissão igual ao do pai ou da mãe. A propensão, mesmo que inconsciente, em buscar um parceiro com características muito parecidas com seu próprio pai ou mãe. Como dizem por aí, “Freud explica”, certo? A constelação sistêmica pode explicar.

O que é constelação sistêmica?

Há vários tipos de psicoterapia que lidam com sistemas de pessoas, como a terapia familiar de Virginia Satir e o psicodrama de Jacob Moreno. Também é o caso das ideias do alemão Anton Suibert Hellinger – mais conhecido como Bert Hellinger –, as Constelações Familiares ou Sistêmicas. Assim como conjuntos de estrelas que formam figuras no céu, Bert fala que estamos ligados em um sistema, que seria constituído pela família e relacionamentos importantes que temos (como casamentos, atual ou anteriores).

 

Abordagem fenomenológica

Em psicologia, sempre buscamos conhecer as experiências de vida do teórico. Bert Hellinger foi padre durante muitos anos e trabalhou como educador e membro de uma ordem missionária católica entre os zulus na África do Sul durante 16 anos. Ali, teve a oportunidade de observar e aprender como grupos se comportam. Além dessa experiência, seu background inclui as faculdades de Filosofia, Teologia e Pedagogia. Também se especializou, ao longo dos anos, em Psicanálise, Gestalt-Terapia, Análise Transacional, Dinâmica de Grupos, Terapia do Grito Primal, Hipnoterapia e Terapia Familiar.

Essas experiências e estudos foram a base para seu entendimento sobre as relações sistêmicas. Segundo Bert, trabalhar com o método científico – que exige que as hipóteses possam ser testadas, repetidas e confirmadas pelos pesquisadores – é muito útil na observação de objetos. É difícil aplicar esse conceito com pessoas, que mostram reações distintas para contextos similares e, às vezes, até para uma situação idêntica.

Então, adota uma abordagem fenomenológica sistêmica: reunir as múltiplas observações sobre o comportamento de diversas pessoas, buscando similaridades e categorias comuns para formar conceitos. Bert não se atém às interpretações, mas às soluções. Por isso, ele pula os porquês, dando ênfase apenas ao modo como o caso se elucidou, preservando o fato de que cada pessoa é única e singular. Assim, investigando aquilo que se apresenta na prática, observou que padrões de comportamento se repetem nos sistemas familiares ao longo de gerações. Nesses estudos, ele chegou a 3 princípios que entremeiam nossas relações: Pertencimento, Ordem e Equilíbrio.

 

Pertencimento

Todos os membros de um sistema possuem o direito de pertencer. E esta ligação não é algo que possa ser concedido ou negado. Elas pertencem ao grupo independente de suas ações. Este vínculo transcende a moral e o merecimento. Ao menos duas consequências  desse princípio são marcantes.

  1. Exclusão

Se esquecemos, ou preferimos esquecer, aquele tio alcoólico, ou aquela avó internada num hospício, ou um parente criminoso, estamos “excluindo” aquela pessoa do sistema. Os vínculos familiares e sistêmicos atuam nos membros atuais, provocando uma compensação. Por exemplo, alguém poderá ter uma tendência – meio inexplicada, inconsciente – para beber uns traguinhos a mais.

  1. Consciência

Como na torcida. A gente faz piadinhas maldosas sobre outros times, ficando tudo bem, pois estamos defendendo o time do coração e nossa consciência permanece “leve”. Não vamos elogiar uma ótima jogada do adversário, não é o nosso sistema. Ficaríamos com a consciência “pesada”.

Outro exemplo é o que acontece com soldados em uma guerra. Moralmente e em outras situações como na mesa de um café, aqueles homens jamais atirariam uns contra os outros. No entanto, no contexto da guerra, matar e morrer por um país é o certo a se fazer.

 

Ordem

Esse princípio se refere à hierarquia. Quem faz parte do sistema há mais tempo tem precedência sobre os que chegam depois. Nos primórdios, isso aumentava a probabilidade de sobrevivência do grupo, já que os mais antigos eram mais experientes e, portanto, mais fortes. Isso define a necessidade de respeito aos que vieram antes (pais, avós, bisavós, ascendência), chamados, por Bert, de “grandes”. Os que vieram depois (filhos, netos, descendência) são ditos “pequenos”.

Um filho pode ter estudado muito mais e, por exemplo, entender profundamente os movimentos de ações na Bolsa de Valores, enquanto seus pais nem imaginam do que se trata. Os conselhos deles não teriam valores práticos. Contudo, suas experiências devem ser respeitadas, não necessariamente seguidas. Bert entende que se trata da postura, de como devemos nos portar diante daqueles que vieram antes de nós.

 

Equilíbrio

Nos relacionamentos amorosos e nas amizades, todos chegaram juntos. Não existe precedência. Surge o princípio do equilíbrio. Sabe quando a gente ganha um bolo da vizinha? Não dá para devolver a fôrma vazia. Sentimos a necessidade de retribuir a ação. Há até uma frase que anda muito em voga: “Gentileza gera gentileza.”

Essas trocas atuam como uma ligação entre as pessoas. Aquele que recebeu algo passa a sentir necessidade de dar novamente – mesmo que em outra moeda – e assim as trocas continuam. Isso vale também para trocas negativas, como as famosas vendettas italianas, em que uma família prejudica a outra e essa se vinga.

A consciência desse equilíbrio permite avaliarmos nossos relacionamentos, por exemplo, os de casal, e atuarmos para ampliar os vínculos positivos e reduzir os negativos.

 

Quando recorrer à Constelação Sistêmica?

A esta altura, você deve estar enumerando os problemas que gostaria de ver resolvidos. Podem ser, entre outros:

– Traumas

Depressão e Ansiedade

– Assuntos relacionados a filhos

– Situações profissionais e/ou de carreira

– Situações de sua própria empresa

– Problemas com dinheiro

– Complicações no casal

– Tomada de decisões difíceis

– Implicações emocionais de doenças

– Questões pessoais

Sempre pondere se o conteúdo é realmente relevante. Deixe de lado questões triviais e nunca faça por simples curiosidade. Toda e qualquer psicoterapia só funciona a partir do seu real interesse e comprometimento.

Adote uma postura adulta, pensando no que mais te incomoda. Contudo, foque na situação e não, nos outros. Por exemplo, “Quero que meu diretor seja mais educado” não é válido. “Quero resolver minha situação no trabalho” é pertinente.

A Constelação Sistêmica pode trazer luz a essas questões, desfazendo nós inconscientemente criados.

Da ferramenta

Normalmente se reúne um grupo de pessoas para realizar a Constelação Sistêmica. Quando você tem uma questão e gostaria de olhar para isso, um facilitador conduz o processo colocando algumas pessoas do grupo para representar os membros do seu sistema. Qualquer pessoa pode ser representante desde que apenas observe as reações do seu próprio corpo e siga seus movimentos, com coragem (para aceitar situações novas), sem intenção (de querer ajudar) e desconsiderando conhecimentos prévios da situação.

Um efeito interessante nessa prática é que, ao colocarmos representantes para os membros do sistema, os relacionamentos se apresentam em 3D. Ao mesmo tempo em que percebemos, por exemplo, os sentimentos entre minha esposa e eu, também aparecem as implicações com a ex, com os filhos, com a sogra e outras pessoas.

Alguns dizem que o processo é mágico. Mas a mágica está em tomar consciência das relações e de sua própria postura diante delas. Isso permite alterações das minhas atitudes e do meu comportamento, imediatas ou no tempo. Também se amplia a visão do mundo, ou seja, passo a entender as coisas como de fato são. Segundo Hellinger, há que se encarar “a realidade nua e crua, (…) subsistindo nela”.

 

Atendimento individual

Também é possível realizar uma constelação sistêmica entre você e um psicoterapeuta especializado, sem a presença de um grupo de pessoas. O atendimento individual é, da mesma forma, muito assertivo e direto.

Espera-se do profissional uma postura fenomenológica: acolher e aceitar a realidade do cliente e evitar seus próprios constructos racionais, permitindo a expressão das emoções. Exige-se, portanto, um profundo trabalho pessoal do terapeuta.

Nesta forma de trabalho, utilizam-se bonecos ou outros objetos que serão os representantes do sistema. Adoto, por exemplo, os bonecos de Playmobil. Como há diversos tamanhos, gêneros, roupas e cabelos, você pode se sentir à vontade nas escolhas, ajudando a perceber claramente a cena que se apresenta. E na montagem desse cenário, surgirão quais pessoas são mais fortemente inter-relacionadas. Quais pessoas poderiam ter sido esquecidas, quais estão mais distantes e outras relações.

constelação sistêmica familiar e seus bonecos

Bonecos utilizados na constelação sistêmica

 

Como no trabalho em grupo, o cliente terá oportunidade de avaliar e alterar suas atitudes e comportamentos, facilitando a resolução das situações em questão. Tem um problema relevante? Quer resolver? Marque uma consulta.

 

Paulo Vaz Ferreira Filho, Psicólogo e Supervisor Clínico e Organizacional. Especializado em Psicologia Analítica (Jung), Psicologia Positiva e Constelação Sistêmica. Paulo é parceiro da Vittude. Atua como coach executivo para empreendedores e gestores. Atende adolescentes, adultos e casais em consultório, especialmente em terapias para Crescimento Pessoal e Resolução de Conflitos Pessoais e Profissionais. Marque já sua consulta!

 

Leia também:

Depressão nas festas de final de ano

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.